quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Há um ano o Brasil vendeu sua soberania

Mercenários, entreguistas, enganados:
Todos contra Lula, Dilma e o PT


Nosso colega Andrezinho, sindicalista que está morando em Montevideo, gosta de contar quantos dias já se passaram do golpe do impeachment.

Como hoje é um dia simbólico, 17/08/17, em fiquei pensando se não seria o aniversário do golpe no Brasil e do início da Nova Ditadura brasileira. Depois fiquei sabendo que o aniversário será no próximo dia 31 de agosto, bem no encerramento do Congresso Extraordinário da CUT, que começa no dia 28.

Neste Congresso estarão participando quase 700 delegados nacionais e mais de 70 delegados internacionais. O tem central do congresso é a resistência contra o golpe, a nova ditadura, a reforma trabalhista, a reforma da previdência, o desemprego, o arrocho salarial, o congelamento dos salários, o fim da políticas públicas e as perspectivas para as eleições gerais do ano que vem.

Em apenas um ano
, os golpistas e ditadores fizeram o Brasil retroceder 100 anos. Voltamos a antes de 1930, data da Revolução Tenentista contra os governos da República Velha, corrupta, reacionária, sem perspectiva econômica e social. A partir de Getúlio Vargas o Brasil entrou na era da modernidade industrial e de infraestrutura. Com o fim da segunda guerra mundial o Brasil mudou de patamar...

O Brasil foi melhorando, os pobres, principalmente a população rural foi melhorando de qualidade de vida e isto levou a muita reação dos empresários da época. O resultado foi o golpe militar de 1964. As Reformas de Base foram substituídas pela Reforma Bancária, a industrialização intensiva e a integração nacional militarizada e via TV e rádio, buscando garantir o território nacional e que a esquerda não crescesse no Brasil. Mesmo sem liberdade, o Brasil cresceu economicamente e desenvolveu sua infraestrutura. A ditadura acabou com a democracia e com a liberdade.

Com a crise econômica nos anos 70 e 80
, veio também a liberdade de organização partidária e sindical. O Brasil nunca teve tanta liberdade e tanta democracia como teve a partir de 1985. Era a Primavera Brasileira. Dois fatos marcaram bem esta época: a eleição pela primeira vez de um operário para presidente e a eleição pela primeira vez de uma mulher para presidente. Mais de 40 milhões de brasileiros saíram da pobreza e todos melhoraram de vida no Brasil.

Mas "Narciso acha feio o quê não é espelho"
e a elite paulista, liderada pelo PSDB e pelos Estados Unidos, morrendo de inveja decidiram acabar com a Democracia no Brasil, derrubar um governo eleito e nomear como governo uma quadrilha de corruptos e mercenários.

Enganados pela imprensa, pelo judiciário e pela manipulação mercenária dos parlamentares, tiraram a presidente e nomearam seu vice como novo ditador com a função de vender tudo que fosse possível, privatizando toda a infraestrutura e vendendo as empresas nacionais a empresas internacionais, tudo isso à preço de banana.

Destruíram os direitos dos trabalhadores, querem acabar com a aposentadoria e estão reduzindo a estrutura do Estado a quase nada.

Em apenas um ano destruíram mais do que os 500 anos de nossa história. São mercenários, predadores e entreguistas. E querem fazer uma reforma política para impedir que os partidos vinculados aos trabalhadores voltem a ganhar eleições.

Com o desemprego levando o povo ao desespero a mobilização contra o governo reflui mas não acaba e vai voltar a crescer a partir dos locais de trabalho e das comunidades.

Os chineses costumam perguntar:

O que é um ano perto de 8 mil anos de história chinesa?

Nós afirmamos:
O que é um ano perto 100 anos de luta de classe?

Venceremos!
Pode durar várias Primaveras, mas Venceremos!



quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Os jasmins estão florindo...

Mesmo com o frio, as flores brancas do jasmim

Quando saí hoje cedo de casa, fiquei surpreso com a quantidade de botões de jasmins.

Algumas flores já abriram, mas teremos muito mais flores neste ano. 




Também já temos flores da Primavera e os ipês amarelos da rua já começaram a florir.
Quem anda muito sequinho é o pé de Lágrimas de Cristo. Esta foto é do auge das flores...



O inverno vai acabando e logo logo voltaremos a ter mais vida e mais alegria.


terça-feira, 15 de agosto de 2017

A nova ditadura no Brasil e seus reflexos

A destruição da qualidade de vida no Brasil

O discurso principal dos golpistas era que eles prometiam "pão e mel" para o povo brasileiro. As promessas foram desmascaradas uma por uma e o povo brasileiro passou a amargar o desemprego, a perda de direitos, o arrocho salarial, o aumento do custo de vida e a piora do humor da população.

Mesmo com a inflação baixa, a qualidade de vida no Brasil está piorando. O que mostra que controlar a inflação é insuficiente para melhorar a economia. É como se você tivesse dinheiro para comprar um carro, mas não tivesse recursos para pagar gasolina, estacionamento, seguro, etc.

Há uma concentração no debate político, mas é imprescindível que também se discuta a economia.
Já que, como afirma o professor Juarez Guimarães:

"O golpe em curso no Brasil
se insere no processo internacional da
contrarrevolução NEOLIBERAL,
que está construindo
Estados Constitucionais NÃO DEMOCRÁTICOS pelo mundo inteiro".

"Este conceito parte da ideia de que, para pensar a conjuntura brasileira na sua imprevisibilidade e elevado grau de arbítrio, é preciso recorrer à história longa, ao processo inacabado e interrompido de construção de um república democrática no Brasil e aos impasses históricos dessa construção. O que queremos é identificar uma reiteração de sentido, isto é,

A INCAPACIDADE DAS CLASSES DOMINANTES BRASILEIRAS DE CONVIVER COM A DEMOCRACIA, naquilo que ela tem de substantivo,
como a distribuição de poder e riqueza e de alargamento de sua base social".

As classes dominantes brasileira optaram historicamente por conjugar capitalismo com AUTOCRACIA, e essa é a História da DITADURA MILITAR. O sentido do gole de 64 está sendo reiterado agora, com uma grande diferença. O fato de a economia brasileira ser hoje muito mais associada ao capitalismo internacional do que era em 1964, temos uma mudança epocal da tradição liberal.

O neoliberalismo já tem uma história e já há uma literatura especializada que estuda esse fenômeno epocal e suas consequências no sentido de desconstruir o princípio da soberania popular nas democracias ocidentais.

Estamos neste século vivendo uma terceira fase do neoliberalismo,
uma fase mais predatória,
onde suas dimensões antidemocráticas ficam mais evidentes.

A partir de 2008, quando as dívidas financeiras foram estatizadas,
a contradição entre a gestão pública e as democracias vai para o primeiro plano.

Vemos, então, essa dimensão antidemocrática do neoliberalismo irromper de forma mais evidente.
O golpe no Brasil se insere nesta narrativa de uma contrarrevolução neoliberal
que está construindo estados constitucionais não democráticos.
(Ainda)Não são militarizados, como na época da guerra fria,
mas estados constitucionais não democráticos."

Os reflexos políticos já estão explicitados tanto pelos governos, como pelo Judiciário. Os reflexos econômicos e sociais estão aparecendo e contaminando o humor da população, levando os novos ditadores a mudar a legislação eleitoral como forma de impedir que os partidos voltados para o povo voltem a ganhar as eleições de que se aproximam.

O desemprego e o aperto salarial aumentam a cada dia, obrigando a classe média a tirar os filhos das escolas privadas e também a voltar a andar de ônibus, em vez de automóveis. Os pobres sentem a falta de dinheiro e suas famílias procuram emprego em vão.

E os golpistas ainda querem aprovar o fim da aposentadoria até o mês de setembro.
Vamos ver se conseguirão...



segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Juiz ganhando meio milhão? É legal e legítimo?

Será que O globo enlouqueceu?

Juiz de MT recebe contracheque de quase meio milhão de reais


Pagamento teve aval do CNJ. Magistrado diz que valor é justo e não liga para polêmica

POR JUSSARA SOARES – O GLOBO
14/08/2017 18:48 / ATUALIZADO 14/08/2017 21:04

SÃO PAULO - Em meio a ações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que contestam os altos valores pagos aos magistrados, um juiz de Mato Grosso surpreendeu ao ter revelado o valor de seu contracheque do mês passado: cerca de meio milhão de reais.

Titular da 6ª Vara de Sinop, a 477 quilômetros de Cuiabá, o juiz Mirko Vicenzo Giannotte recebeu, em valores brutos,
R$ 503.928,79. Com descontos, o rendimento foi de R$ 415.693.02. Em conversa com o GLOBO, ele disse que o pagamento é justo e que não está "nem aí" para a polêmica.

A remuneração foi autorizada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e, de acordo com o Tribunal de Justiça do Mato Grosso (TJ-MT), é resultado do ressarcimento de um passivo referente ao período de 2004 a 2009. Nesses anos, o magistrado foi designado para atuar em uma entrância superior, ou seja, uma comarca de maior porte, e seguiu recebendo o salário de uma posição abaixo na estrutura judiciária.

O valor, segundo o Portal da Transparência, foi resultado da soma de R$ 300.283,27 em salário, R$ 137.522,61 em indenizações, além de R$ 40.342,96 em vantagens eventuais e mais R$ 25.779,25 em gratificações.


O rendimento de julho, em valores brutos, é quase oito vezes maior do que recebido pelo magistrado no mês anterior: R$ 65.872,83. Os dados foram revelados pelo site do jornal “O Estado de S. Paulo”.

O pedido de pagamento foi feito pela Associação dos Magistrados do Mato Grosso e teve aval do CNJ.

Em entrevista ao GLOBO, o juiz Giannotte afirmou que o valor é a "justa reparação" pelos anos em que trabalhou em comarcas superiores, mas seguiu recebendo o salário como juiz de primeira entrância.

— Eu não 'tô' nem aí (sobre a polêmica). Eu estou dentro da lei e estava recebendo a menos. Eu cumpro a lei e quero que cumpram comigo — disse o magistrado.

Segundo Giannotte, ele aguarda receber outros passivos estimados em R$ 750 mil, referente ao acúmulo de varas.

— O valor será uma vez e meio o que eu recebi em julho. E quando isso acontecer eu mesmo vou colocar no Facebook — disse o juiz, que afirma ser "famoso" por trabalhar até de madrugada.

A única surpresa para o magistrado foi a quantia milionária ter sido depositada no dia 20 de julho, data em que completou 47 anos.

— Foi um belo presente, uma coincidência —, disse Giannotte, que não revelou como vai investir a bolada. — É uma coisa pessoal, mas antes de receber eu sempre fiz minhas doações.

O juiz é o mesmo que determinou que a Universidade de São Paulo (USP) fornecesse a substância fosfoetanolamina sintética, conhecida como a pílula que câncer, para um morador de Sinop.


Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/juiz-de-mt-recebe-contracheque-de-quase-meio-milhao-de-reais-21705474#ixzz4pmPAJ7DW
stest

Veja também
Procuradores recuam e desistem de reajuste salarial de 16,7%
STF aprova orçamento de 2018 sem aumento para juízes
Associações de juízes pedem que Cármen Lúcia inclua previsão de reajuste de 16,38%
Janot e Raquel Dodge voltam a divergir sobre cortes no orçamento e aumento de salários

Folha insiste na criação de novos partidos de esquerda

Vale tudo para impedir a vitória de Lula


O PT surgiu ainda na época da ditadura militar e já contava com questionamentos dos partidos de esquerda tradicionais como o PCB e o PC do B, que existiam na clandestinidade há dezenas de anos.

A luta pela redemocratização do Brasil, o apoio dos movimentos sociais ligados à Igreja Católica – Teologia da Libertação, os exilados, os acadêmicos como Sérgio Buarque de Holanda e Antonio Candido, artistas como Chico Buarque e o movimento sindical foram fundamentais para que o PT surgisse como um partido de massa, democrático, a favor da economia de mercado e das liberdades partidárias, religiosas e de informação.

Crescemos anos após anos, ganhando prefeituras, elegendo vereadores, deputados estaduais, federais, senadores e, finalmente, elegendo presidente da República. Tudo isso fazia parte da Primavera Latino-Americana.

No governo, mais acertou do que errou. Mas, a cada eleição majoritária, a imprensa sempre apoiou candidatos de esquerda como forma de diminuir os votos do PT e impedir suas vitórias. Apoio em vão. Lula sempre ganhou.

O PT está sangrando ante tanta agressão midiática, jurídica e política. Mas, Lula continua na frente de todos os candidatos da direita e da esquerda. Se as eleições forem democráticas, Lula com certeza será nosso presidente.

Para as eleições de 2018, a imprensa está estimulando que as duas Frentes existentes, se transformem em partidos políticos e disputem contra Lula e quem Lula apoiar. É claro que a CUT e o PT, que fazem parte das duas frentes, não estimularão a migração de seus filiados para outros partidos. Mas, há muitos candidatos a “inocentes úteis”.

Vejam a “inocente” matéria da Folha na UOL...

Grupos de esquerda iniciam debates pelo país e lançam site

REYNALDO TUROLLO JR. de BRASÍLIA - 14/08/2017 02h00 UOL

Diversos grupos e integrantes de partidos de esquerda anunciarão nesta semana um movimento para discutir projetos para o país e o futuro dessa corrente de pensamento.

Segundo organizadores, o debate não será pautado pelo calendário eleitoral. Porém, ele deve traçar cenários para 2018, com e sem a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Não consta da pauta a formação de um novo partido,
mas essa opção não está descartada.

Haverá uma série de debates em praças, transmitidos online por um site que permitirá a participação de internautas. O primeiro debate está previsto para 26 de agosto em São Paulo. Já há outros programados em Belém, Recife, Rio, Porto Alegre, Fortaleza e Belo Horizonte.

O site, batizado de Vamos!, entra no ar nesta segunda (14), desenvolvido pelo coletivo Mídia Ninja. A ideia se baseia no movimento que originou o partido Podemos, na Espanha, que tem como um dos pilares a horizontalidade.

"O que está colocado é discutir projeto para o próximo período, de 10, 20 anos. Nós temos uma crise do país e da esquerda, precisamos de uma discussão honesta, sem tabus, com espírito crítico", diz Guilherme Boulos, do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), que passou uma temporada na Espanha a convite do Podemos.

A articulação partiu da Frente Povo Sem Medo, da qual o MTST faz parte, e terá integrantes de PSOL, PT, PCB, UNE, Uneafro, CUT, Intersindical, MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas) e outros.

Segundo Boulos, foram convidados intelectuais como Laura Carvalho, colunista da Folha, e Raquel Rolnik, ambas da USP, o português Boaventura de Sousa Santos e líderes como Sônia Guajajara, da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil.

Do mundo político virão representantes do Podemos espanhol, os petistas Tarso Genro e Lindbergh Farias, Luíza Erundina e Chico Alencar, do PSOL, e outros. Segundo a organização, os convites foram para as pessoas, não para os partidos.

"A ideia é assegurar uma participação que não seja restrita a militantes. Essa ferramenta de rede permite que mais gente participe, pessoas que às vezes não têm o costume de se organizar e atuar em movimentos de rua", diz Boulos.
"A gente entende que há uma demanda de participação política na sociedade, em especial na juventude, e que isso tem se expressado muito por rede social."

FATOR LULA

Em junho, integrantes de PSOL e PT que estão no Vamos! já haviam se reunido para uma primeira conversa sobre os rumos da esquerda. Como a Folha noticiou à época, o diálogo causou irritação no ex-presidente Lula, que soube dele pela imprensa.

A articulação de agora é vista por alguns grupos como uma forma de pensar a esquerda "além de Lula" – um dos cenários para 2018 é que ele esteja inelegível, caso sua condenação no caso do tríplex de Guarujá (SP) seja mantida em segunda instância.

Boulos ressalta que há consenso entre os organizadores que o petista é vítima de perseguição e que há uma tentativa de tirá-lo do páreo "no tapetão". Por isso, pessoas do círculo de influência de Lula, como o presidente da CUT, Vagner Freitas, também deverão estar no debate.

domingo, 13 de agosto de 2017

A postagem número 3.000 precisa ser uma flor

Com 128 países e 560 mil acessos



Uma orquídea, 
Um quadro de Volpi
E um abajur de Istambul.

Brasil, México e Venezuela como parte da globalização

Golpes, ditaduras, guerras e Democracias

O mundo passa por profundas mudanças econômicas, políticas e sociais.

Materialmente a qualidade de vida quantitativamente tem melhorado para bilhões de pessoas. Que comprovem os chineses, indianos, iranianos, turcos e russos. Mas não podemos afirmar que a democracia e a liberdade fazem parte destas melhoras...

Na África, por mais que os africanos tenham acesso aos telefones celulares e a TV a cabo para assistir jogos do Barcelona e dos demais times europeus, a qualidade de vida e de sobrevivência dos africanos ainda é muito baixa e perigosa.

Aparentemente, o mesmo que está acontecendo na África também acontece no Oriente Médio. A diferença é que na África as tribos ainda ditam regras, onde os Estados Nacionais ainda são frágeis, enquanto no Oriente Médio, foram as invasões do Ocidente, lideradas pelos Estados Unidos, que desorganizaram os Estados Nacionais e generalizou o terrorismo de Estado e de organizações.

Enquanto a África e o Oriente Médio se desmanchavam, a América Latina parecia que flanava numa Primavera Latino-Americana, com eleições diretas, as esquerdas aceitando as regras das democracias liberais e governando mantendo os pilares neoliberais de controle da inflação, controle do câmbio, economia de mercado e, até muitos delas, fazendo privatizações e arrocho salarial...

Esta Primavera Latino-Americano,
com o fortalecimento do Mercosul em detrimento da ALCA - Associação de Livre Comércio da Centro-América, controlada pelos Estados Unidos, e o fortalecimento dos BRICS - bloco do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, tudo isso combinado com a inclusão de milhões de pessoas no mundo escolar, de consumo e do conhecimento internacional, assustou o Big Brother, que começou reagindo educadamente e depois passou a patrocinar nova leva de golpes, ditaduras e agora ameaça com guerras diretas, aplicando o famoso e histórico Big Stick - o Porrete Democrático.

Curiosamente, além dos golpes e ameças militares,
também voltam a usar pesquisas de mercado, consulta a "especialistas" e reportagens com a "imprensa livre" para condenar governos e candidatos que não sigam a cartilha neoliberal e as ordens do Big Brother.

Democracia de Conveniência


O Estadão de hoje,
jornal que virou porta-voz da direita radical e neoliberal brasileira, destaca em letras grandes que "94% dos eleitores não se veem representados por políticos". Na página A4, a manchete é "Classe política enfrenta rejeição generalizada".

Só faltou mandar fechar o Congresso Nacional, fechar os Partidos Políticos e governar por decretos, como já aconteceu no pós Golpe Militar de 1964...

Tudo isso na mesma semana que Trump, o louco líder do Big Brother, ameaçou invadir militarmente a Venezuela.


Já o sério jornal New York Times,

talvez sem perceber a rapidez ação dos golpistas liderados pelo "mercado financeiro internacional" e pelo Big Brother, publicou no último dia 11 de agosto de 2017, uma interessante reportagem sobre o MÉXICO, com o título:

"Mexican Democracy is looking a Little Bit Fragile",

que em tradução simples pode ser
"A democracia mexicana está parecendo um pouco fraca."

Neste artigos dos articulistas Max Fisher e Amanda Taub há frases como:


- O país está atravessando a mais violenta crise em anos e estamos aqui para analisar a forma como a sociedade está respondendo. Há algo significativo acontecendo na política que é difícil de ignorar.

- A democracia mexicana está mostrando todos os sinais de aviso para um populista ganhar... Estes sinais são semelhantes aos sinais de alerta que você viu, por exemplo, na VENEZUELA, apenas antes de Hugo Chavez ganhar o poder.

- A desconfiança nas instituições está crescendo. Assim como a indignação contra a corrupção.

- As pesquisas mostram crescente insatisfação com a democracia mexicana. Os mexicanos sentem que a sua democracia se vira contra eles.

- Esta indignação muitas vezes incide mais sobre a corrupção do que sobre a violência.

- Em tais situações, um populista outsider pode surfar na onde de poder, prometendo limpar o sistema corrupto de cima até em baixo.

- Há uma diferença importante entre as dolorosas mas pragmáticas reformas - que o México necessita - e declarar a guerra contra as instituições que defendem a democracia.

"And History shows that the former can guickly give way to the latter."

- Os analistas e cientistas políticos estão preocupados pela mensagem de o candidato populista, Sr. Lopez Obrador, que o sistema é ilegítimo. Os primeiros indícios de desconfiança na democracia, num momento em que a fé nas instituiões está já em colalpso e está a desabar, podem ser perigosos..."

- As Instituições mexicanas têm problemas reais... E se o Sr. Lopez disputar a eleição e perder a votação, ele pode convencer o seu movimento que a democracia é falsa, isto pode causar danos reais.

- Legitimidade democrática, afinal, é uma questão de percepção tanto como de procedimento. e quando os eleitores percebem que o seu governo é ILEGÍTIMO, a instabilidade tende a seguir...

- O perigo aqui não é o Sr. Lopez perder honradamente ou ganhar e governar com responsabilidade, o perigo é que a democracia mexicana seja vulnerável. Seja frágil e débil exatamente nas formas que permitam um populista vir com promessa de esmagar as elites corruptas. Isto pode acontecer tanto com um candidato populista como com outro qualquer que venha para explorar as fragilidades da democracia mexicana.


Observação:


Agora vocês percebem que a imprensa golpista brasileira faz parte da mesma rede internacional?

Não acho que o jornal NYTimes seja golpista e cínico como é a imprensa brasileira, mas que eles precisam prestar mais cuidado com que escrevem, isto eles precisam...

Hitler foi eleito pelo povo alemão para botar ordem no caos.

E o caos criado por ele quase acabou com o planeta Terra, além de ter servido para redesenhar o mundo, depois de mais de 60 milhões de mortos, feridos, exilados e dispersos pelos continentes.

Isto os especialistas da época não previram e não foram capazes de evitar...






sábado, 12 de agosto de 2017

Trump, o louco, e a tragédia anunciada

O Rei está Nu

Além da destruição que os Estados Unidos causaram no Oriente Médio, agora ameaçam expandir a violência para a Coreia, onde um outro bando de loucos governa,e ,nesta semana, novamente o louco americano resolveu sair ameaçando todo mundo com a proposta de invadir a Venezuela.

É só o que faltava!


Os Estados Unidos estão por trás das campanhas de desobediência civil que vem acontecendo na América Latina e no mundo. Sempre bancaram a oposição venezuelana e agora sinaliza que pode invadir diretamente o país, como fez no Panamá, no Chile de Pinochet e em tantos outros países.

Aqui no Brasil eles não precisaram botar a tropa na rua, os golpistas locais deram conta do recado e acabaram com a Primavera Brasileira, implantaram Nova Ditadura, aumentaram o desemprego, arrocharam salários, acabaram com as leis trabalhistas e pretendem acabar com a aposentadoria.

O povo paga o pato sem reagir nas ruas, como deveria.
O povo sofre de ceticismo e de desconfiança.
O povo não tem em quem confiar...

Como os ditadores e neoliberais não ganham eleições democráticas, eles tendem a criar leis que os protejam e que facilitem reeleições. Fora desta manipulação, a solução para a direita neoliberal é sempre chamar as Forças Armadas para reprimir o povo.

Os Estados Unidos estão perdendo a hegemonia para a China e para a Alemanha. A Europa vai ter que rever sua legislação da União Europeia e repensar o Euro como instrumento de controle monetário e inflacionário.

O mundo está passando por transformações radicais. Os partidos políticos já não podem mais representarem o povo, governarem e legislarem sem a participação direta do povo. O sistema parlamentar pós Revolução Francesa exauriu-se, acabou socialmente...

É preciso criar um novo mundo, com novas formas participativas e comunitárias. O louco americano não tem condições de liderar este desafio, precisará vir da Europa e das outras regiões do mundo.

Lamentavelmente, o Rei está Nu!

Os Estados Unidos já não tem a importância do Século passado.

No Século XXI, precisamos construir o novo mundo.
Plural, diferente, com equidade, com mais saúde,
mais educação e mais respeito à Terra.

Um Japão que existe no Brasil

Apesar da distância entre os dois países

Esta mensagem é antiga mas merece ser atualizada...

O lugar do mundo que tem mais japonês sem ser no Japão é o Brasil. E no Brasil, onde tem mais japonês é em São Paulo. Antigamente era também no bairro da Liberdade. Em 1970 eu vim morar em São Paulo e, por acaso, fui estudar no Colégio Estadual Presidente Roosevelt, na Rua São Joaquim, bem no coração da Liberdade e em frente ao Bunka, Centro Cultural Brasil Japão.

De lá para cá são mais de quarenta anos e são muitas histórias. Mas, neste Natal eu recebi um cartão de Boas Festas, enviado por uma brasileira, amiga também de muitos anos, mas a figura é uma ilustração japonesa. Talvez ela estivesse sensibilizada com a capacidade japonesa de recuperação depois do violento terremoto que atingiu o Japão.

Vejam que figura bonita e significativa.


Guardei cópia da ilustração e comentei com meu irmão, que morou dez anos no Japão, casou e teve filha lá, e vai passar férias com a família em fevereiro próximo, em Nagoia. Ficamos lembrando também do tempo do Roosevelt e quando começamos a fazer amizade com os alunos japoneses. Foi um processo lento e gradual mas que gerou muitas amizades que duram até hoje.

Naquela época o pessoal japonês já tinha uma vida cultural ativa. Eles eram de Ibiuna, Oswaldo Cruz, Pompéia, Marília, Londrina, muitos já viviam na capital há várias gerações. E muitos cantavam músicas de Koyanagi Rumiko, que fazia muito sucesso na comunidade.

Aproveitando o clima de final de ano e o recebimento do cartão de Natal da nossa amiga, resolvi mostrar as duas coisas. O cartão muito significativo e uma música de Koyanagi Rumiko, que quem não é japonês não vai entender nada, só a melodia. Sei que fez um sucesso muito grande na época.

Ouçam Koyanagi Rumiko cantando “Seto no Hanayome” acompanhada por um coral de senhoras.



Esta história é para mostrar que o Brasil também tem um grande Japão entre nós e temos muitos brasileiros morando e trabalhando no Japão, já foram mais de trezentos mil. Uma colega nossa está indo visitar o filho e o ex-marido que trabalham lá há vários anos.

Vamos começar o Ano Novo fazendo origami e cantando músicas da nossa infância ou adolescência, isto faz bem à saúde e estimula a solidariedade.
Que a amizade entre os povos continue e que o imigrantes sejam respeitados e valorizados.
O mundo é nossa Pátria!
Banzai!



Hoje, 12 de agosto de 2017, ao ir fazer feira na Vila Madalena e parar na barraca de peixe, vi uma cerejeira Florida na casa onde acomprando peixe. Tirei algumas fotos, mas o que me chamou mais a atenção foi o contraste entre as cerejeiras, o prédio de luxo que vai destruindo a velha Vila Madalena e também vi os grafiteiros pintando a garagem do morador.

O feio, o luxo e a necessidade de fechar tudo contra invasores, não tirou a beleza das cerejeiras que aparecem sobre os muros, a sujeira.







sexta-feira, 11 de agosto de 2017

A quem beneficia a destruição do BNDES?

Tirem as patas do BNDES!

Cada vez que leio um artigo nos jornais criticando o BNDES, eu o leio para ver se tem consistência. A grande maioria das críticas são feitas sem consistência, demonstrando má-fé do autor do artigo.

O Estadão de hoje, que tem assumido o lugar da extrema-direita neoliberal, hoje apresenta um artigo com declaração de um membro do TCU, como se este participante do TCU fosse a maior autoridade no assunto. O TCU já ficou desautorizado com as denuncias contra a presidente Dilma encomendadas pelos golpistas e que não serviram para provar motivo para o impeachment, serviram como pretexto.

Tudo leva a crer que esta nova denúncia contra o BNDES faz parte das "forças ocultas" para tomar o mercado para algum banco brasileiro que apoiou o golpe do impeachment e está mandando no governo.

Os golpistas estão vendendo as empresas a preço de bananas, pretendem destruir a Petrobras e vender o pré-sal e agora estão investindo contra o BNDES.

Se o banco merece respeito, os funcionários merecem muito mais.

São concursado, são conhecedores das suas funções e nunca vi exemplo de corrupção no banco. Vejam que quando aparecem denuncias envolvendo o banco, sempre são de atividades fora do banco. Falo isso com a experiência de ter sido durante seis anos membro do Conselho de Administração do BNDES. Se tiverem dúvida perguntem aos presidentes que foram nomeados por FHC durante seu mandato. Recomendo especial consulta a Luiz Carlos Mendonça de Barros, com quem convivi mais tempo.

O BNDES merece respeito!
O BNDES é o maior banco de investimento das Américas!

Os funcionários do BNDES merecem respeito!

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

O quê falar da situação de Vaccari?

Da tragédia humana à tragédia nacional

Ontem, pela segunda vez fomos à Curitiba com a expectativa de que Vaccari fosse libertado e voltasse para a vida familiar e a trabalhar com os amigos que ele tanto preza.

Ontem, pela segunda vez, voltamos frustrados de Curitiba. Como diz o Dr. Elias Mattar Assado, do escritório local que defende Vaccari: "Há gente em Curitiba que esquece que no Brasil existe uma República Federativa e quer criar uma república local acima do Brasil. Existe sim uma República Federativa do Brasil. A república de Curitiba não existe".

Se da primeira vez, o juiz Moro recusou-se a reconhecer o caráter isonômico da ABSOLVIÇÃO de Vaccari, recusa apresentada à oitava turma do TRF-4ª. Região com longa explicação; na segunda vez ficou evidente que houve uma combinação de subserviência aos argumentos do juiz Moro.

Juridicamente, todos os advogados ouvidos tinham certeza absoluta de que Vaccari seria libertado ante os argumentos e os fatos apresentados no recurso e no Habeas Corpus. Aos poucos os advogados vão percebendo que estamos vivendo no Brasil um “Estado de Exceção”, onde as leis são interpretadas conforme a conveniência política dos novos ditadores. Vivemos numa sociedade onde tudo é relativo...

Politicamente, a pressão sobre Lula serviu de pretexto para manter Vaccari preso. Afinal, tudo que está acontecendo na política e na economia tem a ver com o fato de os empresários, unidos com o aparelho do Judiciário e liderados pela imprensa, terem dado mais um golpe de Estado, desta vez sem a participação das Forças Armadas, sendo portanto uma ditadura civil, onde o executor do golpe foi o Congresso Nacional e parte do Judiciário. Temos que reconhecer que os erros e as dificuldades do governo Dilma facilitaram a ousadia dos golpistas.

A direita saiu do armário, por não conseguir ganhar as eleições, organizou grandes manifestações e criou mentiras jurídicas para justificar o golpe político.

Tudo foi ficando claro com o tempo.

Ao tirar Dilma e reagrupar os parlamentares como um blocão de mercenários corruptos que vendem votos e projetos, esta nova direita neoliberal e golpista começou a mudar completamente a razão de ser do Estado Brasileiro.

A direita neoliberal e entreguista, liderada pelo PSDB, comprou o PMDB e os demais partidos que tinham feito parte da Coligação com Dilma e este bloco entreguista começou a aprovar a Reforma do Estado, destruindo seu caráter de Bem Estar Social, para transformá-lo num Estado neoliberal, mínimo, sem políticas públicas e sem autonomia em relação aos Estados Unidos e seus aliados. Estes mercenários venderam barato a nossa Soberania Nacional.

Sofro em ver o Brasil voltar a ser governado por uma ditadura;
sofro em ver o Brasil não poder contar com a Constituição de 1988;
sofro em não poder acreditar no que a imprensa divulga;
sofro em ver a tentativa feroz de destruição de Lula e do PT;
sofro em ver o Vaccari ficar preso há mais de dois anos somente por ter sido Tesoureiro do PT;
sofro em ver sua esposa, filha e netos sofrerem diariamente ante tanta violência;
sofro em ver seus amigos e colegas sofrendo ante tanta agressão jurídica, política e midiática;
sofro por me sentir sem condições de sozinho, quixotescamente, enfrentar estas quadrilhas...

Dediquei minha juventude à luta contra a ditadura militar
,
depois, dediquei meus mais de quarenta anos de trabalho na construção
de um novo sindicalismo, uma nova experiência política partidária
e uma nova visão de cidadania e liberdade.

Nunca tive vergonha do que fiz e do que faço
pela consciência da classe trabalhadora e
pela transformação do Brasil numa grande Nação livre e soberana.

Quando pensava que teria uma aposentadoria feliz por ver nosso país ser reconhecido internacionalmente como a grande esperança do mundo, feliz por ver milhões de brasileiros serem integrados como cidadãos; feliz por ver nossa filha e a filha de Vaccari se formarem em medicina e construírem novas famílias, eis que surge mais um golpe e mais uma ditadura.

Nossos empresários não estavam e não estão preparados para a Democracia e para a Liberdade.
Precisamos voltar à resistência, a enfrentar prisões, espionagem, intimidações e agressões.
Precisamos voltar a nos unir pelas Liberdades Democráticas, pelas liberdades de informação e comunicação, pelo ir e vir. Enfim pelo direito de nossos filhos serem livres e conscientes. Precisamos lutar pela nossa Soberania Nacional.


Ao ser perguntado como me sentia com o resultado do três a zero no julgamento, respondi para as pessoas que me sentia como os milhares de palmeirenses que viram seu time perder em casa ou como um cachorro molhado que caiu do caminhão de mudança.

Não conseguia falar, não conseguia escrever.
Hoje cedo falei de flores e da Primavera.
Somente agora, no final do dia consigo escrever este desabafo.

Vaccari um dia será libertado.
E todos nós, parentes e amigos de Vaccari, teremos orgulho de dizer que Vaccari foi o mais digno preso político desta nova ditadura de merda. Desta nova ditadura corrupta e entreguista das riquezas nacionais e da Soberania do Brasil.

Como dizia o Profeta:
Passarão o Céu e a Terra, mas nossas palavras não passarão...

Vaccari continua presente nos nossos dias e nas nossas orações.
Mandela ficou mais tempo preso, mas, ao sair,
fez mais pela África do Sul em poucos anos,
do que todos seus adversários brancos durante vários séculos.

Liberdade e Dignidade não se ganha, CONQUISTA-SE!

As flores estão chegando. O sabiá também.

Apesar das tragédias brasileiras

Hoje, quando abrimos as janelas dos quartos, descobrimos que o Jasmim e a Primavera da frente de casa começaram a florir...



Ao mesmo tempo, quando fui comprar pão no mercadinho, vi que o pé de Ipê amarelo da nossa rua também começou a florir. E o Sabiá voltou a cantar, compartilhando sua alegria com o bem-te-vi, que cantava na ponta de um poste de luz.



A cidade com flores fica mais bonita.
Mesmo quando ouvimos a vizinha contar que teve o vidro de seu carro quebrado e sua bolsa levada com tudo dentro. Ela estava no bairro de Pinheiros e esperava o farol abrir.

Precisamos contribuir para nossa cidade voltar a ter alegria e solidariedade.



As flores do jasmim ainda são poucas, mas o perfume já é grande.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

O Brasil desacreditado

É a pior situação

Partindo para mais um desafio: acompanhar um julgamento sem poder acreditar muito na Justiça.

Hoje é o julgamento do recurso de Vacari solicitando sua liberdade em função de os processos até agora não terem nada que comprove erro de Vacari. O único motivo que aparece até agora foi o fato de ele ter sido tesoureiro do PT. Mesmo nesta função, tudo que ele fez foi dentro da legalidade. E tudo está comprovado.

Então, por que estão mantendo Vacari preso?

Porque o processo é politico. As razões são políticas. E os fins justificam os meios... muito triste tudo isso.

Este mesmo descrédito acontece em relação aos governantes e à imprensa. Não está dando para acreditar em ninguém.

Para restabelecer a confiança nas instituições, precisamos de uma Nova Constituinte, seguida de Eleições Gerais. O Brasil precisa de novas regras e de um novo sistema eleitoral.

O Brasil precisa de transparência.
O Brasil merece respeito.

O povo precisa ser respeitado e
Ser a última palavra.
Na Democracia, quem decide é o povo.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

O Brasil sob ataque de nervos

Onde falta dinheiro, falta alegria

O governo está conseguindo deixar o Brasil sob ataque de nervos.
A economia continua travada, o desemprego continua grande,
a violência cresce e a corrupção fica cada vez mais exposta.

Este clima afeta a saúde e o emocional das pessoas.

Os pobres já vinham reclamando muito,
agora a classe média começa a chegar no seu limite.
A crise atinge a todos, independente de quem foi a favor
ou contra o golpe do impeachment.

O Brasil está sendo vendido a preço de banana,
estão acabando com a soberania nacional.
As Universidades estão fechando
e os estudantes perdendo os empregos.

E, em vez de resolver os problemas econômicos,
os governantes só falam em eleições.

Parecem abutres se apropriando dos recursos do povo.
O Judiciário vai perdendo a seriedade, brigando entre si.
A imprensa disputa quem consegue mais entrevistas
com os políticos corruptos e traidores do povo.

Resistir é preciso!
Tanto para preservar a saúde,
como para preservar a vida familiar.

domingo, 6 de agosto de 2017

Zuza a caminho dos 84 anos

Zuza é uma das raridades nacionais

Ler sobre Zuza Homem de Mello é como ler sobre Fernanda Montenegro, como era ler sobre Antônio Candido e alguns outros brasileiros que bem poderiam formar uma constelação de estrelas guias de nossa Pátria Mãe Gentil...

O caderno de fim de semana do jornal Valor - que pertence à Rede Globo mas que continua sendo o melhor jornal do Brasil - trás uma capa chula sobre a violência na Venezuela, mas, o que importa mesmo no caderno é "à mesa com o Valor, onde Maria da Paz Trefaut, traduz o sublime do velho historiador de música e musicais, Zuza Homem de Mello.

Zuza está a caminho dos 84 anos de vida bem vivida.


Depois de um câncer, três infartos e com cinco stents no coração, ele aproveita a vida como nunca. Precisa dizer mais alguma coisa?

Olhem que declaração maravilhosa:


"Sou muito chorão, a música me faz chorar. Ray Charles me emociona sempre, vem de dentro. Imagina um cego, que só teve visão até os oito, nove anos, o quanto as pessoas passaram a perna nele. Como ele ia contar dinheiro?"

Outra beleza...

"A melhor da história da música brasileira, feita só com três notas, é Águas de Março de Tom Jobim."

"A bossa nova foi uma daquelas coincidências que acontecem na arte dde vez em quando, como no fim do século XIX, em Paris, quando se descobriram pintores que viviam na mesma cidade e tinham uma tendência para o impressionismo."

"O samba-canção é um gênero brasileiro que fala de relações amorosas mal-sucedidas. Não fala das bem-sucedidas, ao contrário da bossa nova, que é mais leve."

Tenho vários livros de Zuza, leio tudo que sai sobre ele e já estou esperando o novo livro...

Bem que a imprensa brasileira
, em vez de dar espaço aos corruptos e degenerados que tomaram conta de Brasília e do Brasil, devia procurar os brasileiros e brasileiras que dão exemplo de cidadania, de respeito à nossa história e as nossas tradições e dar ampla publicidade, mostrar nas escolas e nos espaços culturais das empresas e das cidades.

O Brasil merece respeito.
O Povo merece ter um país que estimule a cultura, a pesquisa, o trabalho, a honestidade e a solidariedade.

Zuza está a caminho dos 84 anos.
O Brasil precisa encontrar o caminho dos sábios
e dos brasileiros e brasileiras que contribuem para um Brasil melhor e para todos.

É pau, é pedra, é o fim do caminho...
como gosta de ouvir e cantar o velho Zuza.
O nosso especialista em música e gente.

Cinco faces da Direita brasileira

Evangélica, Tucana, Vale-Tudo, Jurídica e Midiática

Como o Brasil saiu de uma ditadura militar nos anos oitenta e passou a ser um país democrático, passamos um período onde no Brasil só existia gente do Centro, Centro-Direita e Centro Esquerda. Os representantes da ditadura militar ficaram no PFL, atual DEM.

Desde os anos setenta, quando estava na FGV-SP, defendia a democracia plena como forma de contribuir para as pessoas poderem escolher pelo voto em quem votar: na direita, no centro-direita, no centro, no centro-esquerda e na esquerda. Tendo também espaço para quem quisesse votar nos ambientalistas, nos stalinistas e mesmo nos fascistas. Desde que todos estivessem representados e organizados em partidos políticos que disputassem eleições e aceitassem as regras do jogo.
Este sempre foi meu conceito de Democracia Parlamentar e Participativa.

Ajudamos a redemocratizar o Brasil.


Ajudamos a organizar instituições dos trabalhadores. Aceitamos as regras democráticas e partimos para disputar espaços legais e legítimos.

Ajudamos a fundar o PT, fundar a CUT e a organizar jornais sindicais, programas de rádio e até tentamos comprar a TV Manchete, para que os Trabalhadores também tivessem sua rede de comunicação nacional.

A esquerda criou seus partidos: PT, PDT, PSB, PCB, PC do B, PSOL. PCO, PV, etc.

A direita escondeu-se no DEM, PP, PSDB, PMDB, e uma infinidade de partidos com siglas que confundem o eleitorado.

Quando a direita precisou definir-se?


Exatamente quando a esquerda consegue chegar à presidência da República.
a direita, inicialmente, achou que Lula não daria certo. Depois achou que Lula seria subserviente e não alteraria a tradição conservadora brasileira. Mas, finalmente, chegou a conclusão que Lula levaria o povo a modernizar o Brasil e assim acabaria a mamata tradicional de uma minoria mandar e a maioria obedecer. O povo estava ficando exigente!

Precisa destruir a imagem de Lula e do PT.


No início foi difícil, mas, depois conseguiram fatos e pretextos para destruir a imagem de Lula como o pai do pobres e o desenvolvimentista que fez com que todos ganhassem dinheiro... Descobriram a Petrobras, a Odebrecht e as construtoras.

Descobriram? Não
.
O sistema sempre existiu, mas não era para todos. Era apenas para quem obedecessem ao sistema conservador e concentrador.
A partir daí ficou fácil demonizar Lula e o PT. Mesmo as últimas pesquisas mostrando que Lula continua na frente e que pode ganhar as próximas eleições.

O golpe do impeachment possibilitou a direita voltar ao poder absoluto e organizar o impedimento legal de Lula e o PT voltarem ao poder da República.

A direita saiu do armário
.
Ficou cínica e descomprometida...
Começaram a aparecer as diferenças entre os representantes da direita. Ser pulverizado na esquerda é normal, mas a direita brasileira descobriu que só tem consenso quanto a necessidade de destruir Lula e o PT, foram disto não há mais consensos...

Aos poucos vão aparecendo os candidatos da direita e seus porta-vozes.


Bolsonaro será o candidato dos Evangélicos.
Alkimin ou Doria será o candidato tucano e dos patrões.
O DEM e o PMDB lançarão um candidato do Centrão, da direita Vale-Tudo.
O pessoal do Judiciário rachará entre os tucanos, o Vale-Tudo ou
lançarão algum procurador-evangélico-moralista.

Já a Mídia ficará dividida no primeiro turno.
O Estadão apoiará o Vale-Tudo, como porta-voz da nova direita radical.
A Folha apoiará, como sempre, os tucanos, e qualquer candidato que seja contra o PT.
A Rede Globo anda confusa. Teve um papel importante na denúncia da JBS,
mas anda sem saber dizer o quê quer.

E a esquerda?


A maioria quer Lula presidente, mas há uma parcela torcendo para a direita não deixar Lula ser candidato, para tentar ocupar o espaço do PT. A direita já usou este jogo com Marina, com a professora das Alagoas e com Luciana Genro. São inocentes úteis.

Por enquanto ainda não deu certo, mas, depois do golpe, como a direita perdeu a vergonha, a direita tende a usar o Judiciário como instrumento legal para impedir Lula de ser candidato.

Só falta combinar com os russos, como dizia Garrincha.
Os russos, neste caso, é o POVO BRASILEIRO.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Recurso de Vaccari será julgado dia 9

Expectativa toma conta dos amigos

Depois de ver tantos corruptos serem libertados;
depois de ver tantas denúncias serem arquivadas;
depois de ver a imprensa antecipar decisões de juízes;

depois de ver tanto sofrimento de familiares;
depois de ver gente honesta ser exposta como bandidos;
depois de ver processos transformar-se em espetáculos midiáticos;

depois de ver juízes absolver/inocentar o que outros juízes condenaram;

ficamos em dúvida se o julgamento será justo, neutro ou partidarizado;
ficamos em dúvida se o julgamento será mera formalidade para condenar sem provas;
ou se será usado o famigerado "domínio dos fatos" para dizer que João errou.

Ontem ficamos sabendo que o julgamento do recurso será no próximo dia 09,

hoje, por acaso, é o aniversário da filha de João Vaccari.
A filha que casou com um colega da medicina, também chamado João,
que tiveram um casal de filhos, um chamado de João e outra de Ana.

Bem que os familiares e amigos gostariam que
o presente para a filha fosse a libertação do pai.

O pai que todos sabem que só está preso por ser tesoureiro do PT.
O pai que não acharam nada contra ele e seus familiares.
Nem mesmo contra o partido, já que tudo que João fez está legalizado.

Nós que dedicamos nossas vidas à luta pela redemocratização do Brasil,
que atuamos na Constituinte na defesa de uma Constituição Cidadã,

nós que ajudamos a trazer os exilados de volta para o Brasil,
ajudamos a construir novos partidos e novas centrais sindicais,

nós que acreditamos na cidadania e no respeito às diferenças,
nós merecemos ter Vaccari de volta ao ambiente familiar e de trabalho.

O Brasil precisa ser pacificado.
O Brasil precisa de paz e progresso.

Nós precisamos ter João de volta.



Lula passa dos 50% e fica imbatível!

O Povo quer Lula na presidência!

Apesar da baixaria da imprensa e da perseguição política do juiz Sergio Moro, Lula continua imbatível.

Deram o golpe, enganaram o povo, estão protegendo os corruptos e já desistiram de tirar Temer antes das eleições do ano que vem. O Brasil paga caro por tanta irresponsabilidade dos golpistas.

Lula vencerá!
O Povo vencerá!

Vejam a nova pesquisa CUT-Vox Populi onde Lula já passa dos 50%


CUT-Vox: Com 53% das intenções de voto,

Lula ganha em todos os cenários no 2º turno em 2018

Lula, o melhor presidente que o Brasil já teve para 55% dos brasileiros, continua imbatível em 2018, apesar da perseguição implacável da turma de Curitiba.

> A nova rodada da pesquisa CUT-Vox Populi, realizada entre os dias 29 e 31 de julho, mostra que o ex-presidente Lula lidera as intenções de voto para presidência da República no segundo turno nos quatro cenários pesquisados: contra Jair Bolsonaro (PEN-RJ) ou João Doria (PSDB-SP), Lula alcança 53% das intenções de voto; se os candidatos forem Geraldo Alckmin (PSDB-SP) ou Marina Silva (Rede-AC), Lula bate ambos com 52% dos votos.

> Nesses cenários imaginados pela pesquisa, Bolsonaro teria 17% dos votos. Já Alckmin, Doria e Marina alcançariam, no máximo, 15% do total de votos, cada um.

> Aumenta intenção de voto espontânea em Lula


> A intenção de voto espontânea em Lula também aumentou depois que o juiz Sérgio Moro condenou o ex-presidente, sem nenhuma prova, por crime de corrupção passiva no caso do tríplex do Guarujá. Em junho, antes da sentença, 40% dos entrevistados disseram que votariam no ex-presidente. No fim de julho, o percentual aumentou para 42%.

> Para Marcos Coimbra, diretor do Instituto Vox Populi, vários dados pesquisa podem explicar porque Moro não acabou com as intenções de voto positivas no ex-presidente.

> “Um deles, muito importante, é que, para 42% dos entrevistados, Moro não provou a culpa de Lula no caso do tríplex do Guarujá. Para 32%, Moro provou e, outros, 27% não souberam ou não quiseram responder”.

> Outros candidatos

> No cenário em que os entrevistados não recebem cartela com nomes e citam espontaneamente em quem pretendem votar para presidente da República em 2018, o segundo colocado é Bolsonaro, com 8% das intenções de voto.

> Marina vem em terceiro, com 2%; e, embolados com apenas 1% dos votos aparecem Moro (sem partido), Ciro Gomes (PDT-CE), Joaquim Barbosa (sem partido), Doria, Fernando Henrique e Alckmin.

> Aécio Neves (PSDB-MG) zerou novamente, como havia zerado em junho, após as denúncias de corrupção feitas pela PGR – Procuradoria Geral da República.

> Intenção de voto estimulada


> No cenário em que a intenção de voto foi estimulada com Alckmin, o tucano atinge 6% das intenções de voto e Lula, 47%. Bolsonaro tem 13%, Marina, 7%, e Ciro, 3%.

> Na estimulada com Doria, Lula tem 48% das intenções de voto, Bolsonaro manteve os 13%, Marina subiu para 8% e o prefeito de São Paulo empatou com Ciro Gomes, com 4%.

> “O pessimismo dos brasileiros com o momento econômico e político atual e o descrédito no governo Temer, aliados as lembranças de um passado recente de que a vida era melhor nos governos do PT, ajudam a explicar porque as intenções de voto no presidente Lula são as que mais crescem em todos os cenários da pesquisa”, analisa Coimbra.

> Segundo ele, outros dados da pesquisa CUT-Vox, ajudam a entender essa tese. Um deles é o aumento de 49% para 55%, entre junho e julho deste ano, do percentual de entrevistados que apontam Lula como o melhor presidente que o Brasil já teve - o outro nome lembrado é o de Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP), com 15%.

> Além disso, 58% dos brasileiros consideram Lula um bom administrador, 65% dizem que ele é trabalhador e 61% afirmam que a vida melhorou nos 12 anos de governos do PT.

> Já o presidente da CUT, Vagner Freitas, ressalta que o pessimismo dos brasileiros com o governo Temer vem aumentando rapidamente mês a mês por causa do desemprego recorde – mais de 13,5 milhões de trabalhadores estão desempregados – e das medidas de arrocho salarial, previdenciário e social.

> Para Vagner, isso explica dados da pesquisa como os de que, com Temer, a vida piorou para 61% dos entrevistados – em junho o percentual era de 52%.

> Aumentou também o pessimismo e a descrença quanto a capacidade de Temer de controlar a inflação – em junho, 62% achavam que a inflação ia aumentar. Em julho, esse percentual pulou para 75%. Cresceu também o percentual dos que acham que vai aumentar o desemprego no Brasil - de 68% em junho para 72% em julho.

> “O povo quer votar em quem tem compromisso com a classe trabalhadora tanto para voltar a ter uma vida melhor, quanto para reverter as medidas que Temer tomou para acabar com a CLT e a aposentadoria, entre tantas outras desgraças desta gestão golpista”, conclui Vagner.

> A pesquisa UT/Vox Populi, realizada nos dias 29 e 31 de julho, entrevistou 1999 pessoas com mais de 16 anos, em 118 municípios, em áreas urbanas e rurais de todos os estados e do Distrito Federal, em capitais, regiões metropolitanas e no interior.

> A margem de erro é de 2,2 %, estimada em um intervalo de confiança de 95%.
>
> Assessoria de Imprensa
> CUT Nacional
>
> Marize Muniz
> Fones: 11-2108-9290/9-4762-8865

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

O Brasil violentado

Congresso Nacional dá vexame

Ontem, durante todo o dia, o povo brasileiro acompanhou a votação a favor e contra a investigação do presidente Temer por corrupção. Foi mais uma demonstração de quanto o povo votou esperando algo positivo e está vendo seus deputados e senadores votarem contra o próprio povo.

Isto invalida a Democracia e o sistema eleitoral?

Não. Isto prova que nossa Democracia precisa ser melhor estruturada, que nosso sistema eleitoral possibilita "esconder os maus candidatos", e, pior do que tudo, possibilita que o parlamentar engane o povo e o seu eleitorado.

É claro que, para acontecer a mediocridade que aconteceu ontem, os parlamentares contaram com a cumplicidade da imprensa e do próprio judiciário.

Assim, constatamos que não podemos confiar nos políticos, não podemos confiar na imprensa e, muito menos ainda, não podemos confiar no judiciário.

Como sair deste quadro desolador?

A solução democrática passa pela necessidade de se estruturar um novo sistema eleitoral e de governabilidade no Brasil. Como os poderes constituídos não têm autoridade nem credibilidade para fazer estas mudanças, torna-se necessário se convocar uma Nova Constituinte para atualizar a Constituição brasileira e convocar Novas Eleições Gerais.

O Brasil está rachado em pedaços.
O Brasil está violentado.

O Brasil merece respeito.
O povo brasileiro precisa tomar coragem.

O povo precisa dizer Não!
O Brasil não pode esperar 2018.

Vamos parar tudo e começar a construção de um Novo Brasil.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

O Rio de Janeiro continua lindo!

Apesar de tudo de ruim que acontece lá

Passei o dia de ontem no Rio de Janeiro.
Confesso que fui com medo de encontrar ladrões
e assassinos nas ruas do Centro da cidade.

Quando o avião começa a descer a gente já fica admirado.
O mar continua lindo,
o aeroporto, novo e moderno, também acolhe a gente bem.

O trenzinho bonitinho não estava funcionando,
mas o o taxista, um senhor de idade,
dirigia o taxi com ar condicionado ligado
e nos levou até o Mercado Municipal,
onde descemos e fomos andando até à CUT.

Confesso que, no início andava com medo,
segurando a pasta e olhando para os lados.

Fomos almoçar num restaurante simples e acolhedor,
também conhecido afetivamente como "mosca frita",
que nos preparou entradas deliciosas e
um fígado veneziano, com purê e cebolas, maravilhoso.

Depois fomos para as reuniões de trabalho,
onde tudo correu bem, as pazes foram restabelecidas,
e os esforços para fazer um bom diagnóstico do...

porque se mata tanta gente na Rio de Janeiro?
porque se destrói tanto a economia do Rio?
porque o contrabando de armas é tão grande no Rio?
porque o tráfico é tão violento no Rio?
porque a corrupção ficou tão grande no Rio?
porque deixar os funcionários sem salários?
porque deixar os aposentados sem salários?
o quê tem a ver a Rede Globo com a crise do Rio?
o quê tem a ver tantos economistas conservadores no Rio?

E depois de tantos "porques",
como entender tanta beleza, simpatia, charme e alegria
no povo do Rio de Janeiro?


Voltei com saudade do que vi no Rio de Janeiro.

Jeanne Moreau morreu. E o cinema francês?

Da década dos sonhos à década perdida

Ontem saiu uma boa matéria de capa do caderno Ilustrada da Folha sobre a morte da atriz Jeanne Moreau, na segunda-feira, em Paris, aos 89 anos de idade.

Quem não viu e reviu o lindo filme "Jules e Jim", do também tão querido Francois Truffaut, com Jeanne Moreau como protagonista e simbolo de uma época?

Jeanne Moreau simboliza a rebeldia, o novo, o irreverente e a busca da realização. O cinema francês era era a vanguarda cultural e o modelo do mundo.

Como está o cinema francês atualmente?


Imitando o cinema americano, repetitivo e comercial.
Cada vez que minha esposa convida-me para ir assistir a um filme francês eu fico com receio de sair, mais uma vez, frustrado do cinema. Os filmes alemães dizem mais sobre o mundo de hoje do que os franceses...

Como dizia a própria Jeanne:
"Tenho em mim uma espécie de energia que não controlo."


Atuar nos últimos tempos estava ficando cada vez mais difícil, sobretudo diante da "tentação, à qual não se deve ceder, de fazer qualquer coisa para agradar o público, ao invés de fazer aquilo com o que estamos profundamente de acordo."

Chico Buarque também deve estar triste. Perdeu uma das musas de suas canções. Quem não se lembra da música Joanna Francesa, cantada pela Jeanne, por Nara Leão e tanta gente mais?

Está na hora de o cinema francês voltar a ser o quê era.
Um cinema de vanguarda, em vez de cinema para vender pipoca ou popcorn...

Os anos sessenta ficaram para trás,

os sonhos libertários acabaram,
muitos de seus líderes viraram conservadores.

Vivemos época de barbárie e de vergonhas,
vivemos época sem sonhos e sem esperanças.
Como será o novo? Como será a nova vanguarda?

O mundo nunca foi tão globalizado como agora.

O mundo nunca esteve tão triste como agora.
O mundo está precisando voltar a ter esperança,
a acreditar na força da democracia e da liberdade.

Isto tudo pressupõe reconhecer as minorias,
os diferentes e a não necessidade de tantos partidos políticos,
nem de governantes autoritários e corruptos.

A França sempre foi uma fábrica de sonhos e esperanças.

A França não pode morrer.
Viva a cultura francesa!

Viva a Liberdade, a Igualdade e a Fraternidade!

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Futebol, Politica e Religião não se discute?

Os brasileiros adoram...

Passei o dia ouvindo e lendo comentaristas esportivos de São Paulo dizendo que o Corinthians jogou mal no segundo tempo por causa do juiz e do bandeirinha, que erraram ao anular o gol legal do Corinthians. Quem viu o segundo tempo do jogo sabe muito bem que não é verdade. O Corinthians simplesmente jogou mal e o empate foi justo.

Passei o dia ouvindo notícias de que Aécio Neves, depois do vexame da denúncia da JBS, agora anda se achando o máximo. Ele imagina que o povo é bobo ou burro. Todo mundo sabe o quê Aécio aprontou e ele não será perdoado pelo eleitorado nacional e de Minas Gerais. Quem viver, verá.

Já sobre religião, não tem nada mais desagradável do que ver os bispos evangélicos puxando o saco de Temer. Para estes bispos, Temer não é corrupto. É uma verdadeira vergonha! Será que os religiosos seguidores das Igrejas destes bispos também acham isto? Se sim, o caso é muito grave...

Já que todo brasileiro é técnico de futebol, pregador religioso e diz que "todo político é corrupto", está na hora de rever os conceitos de honestidade, transparência e participação. Um novo Brasil precisa ser construído.

O Brasil não pode continuar como está!

domingo, 30 de julho de 2017

FIESP gosta de apoiar ditaduras

Elio Gaspari fala da FIESP e das ditaduras

Na Folha de hoje, Elio Gaspari, fala do apoio da montadora Volkswagen à ditadura militar e a repercussão atual na Alemanha. Bom artigo.

Mais interessante ainda é saber que a FIESP coordenava a coleta de dinheiro para sustentar a ditadura e os torturadores. Isto em 1972 e antes disso.

A fiesp financiou a repressão e bajulou os militares até que os ventos mudaram e criaram-se outras caixas, uma coletivase outras individuais. Relata Elio Gaspari.

Naquele tempo os empresários da FIESP tinham outros nomes, hoje, os dirigentes também recolheram dinheiro para dar o golpe do pato e para financiar políticos conservadores. Paulo Skaf está na lista de Joesley.

Os empresários brasileiros, além de apoiarem ditaduras, se omitem quAndo grandes empresários são presos pelos novos ditadores. Não são solidários nem entre si. Lamentável!

Num país onde os empresários nativos são covardes, fica fácil os corruptos fazerem leis autorizando vender as empresas nacionais às multinacionais estrangeiras. Abrindo mão da Soberania Nacional.

Aqui é no Brasil falta transparência em quase tudo. Na imprensa, no judiciário, na política, nos governantes, e o povo acostuma-se a Lei de Gerson. O negócio é levar vantagem. Mesmo que destrua o país.


O Brasil merece respeito.
E o povo precisa de coragem.

Precisamos acabar com esta nova ditadura brasileira.

sábado, 29 de julho de 2017

Brasil, Argentina, Venezuela, Egito

Para onde vai o Brasil?

Sabemos que já não vivemos numa Democracia;

Sabemos que já não podemos acreditar nos Políticos;

Sabemos que já não podemos confiar na nossa Justiça;

Sabemos que já não podemos acreditar na nossa Imprensa;

Sabemos que já não podemos acreditar em muitos bispos;

Sabemos que já não contar com os sonhos de antigamente;

Sabemos que já não podemos contar com o emprego e a aposentadoria.


Com tantas certezas e incertezas,
como sobreviver ante tanta mentira e tanta violência?



Há um século atrás, em 1917
, o Brasil teve sua primeira greve geral contra as más condições de trabalho.

Em 1922, o Brasil teve sua primeira revolução cultural
, com a Semana da Arte Moderna. Neste ano também viu ser fundado o Partido Comunista do Brasil. O mundo comemorava o fima da primeira guerra mundial e a revolução russa de 1917 foi salva depois de vencer a guerra civil, onde morreram sete milhões de pessoas.

Em 1930,o Brasil teve a mais importante revolução nacional
. Os tenentes e o povo derrubaram a República Velha, acabando com o Café com Leite, entre São Paulo e Minas, e governando para o Brasil e para o povo brasileiro.

O Brasil timidamente esteve dos dois lados da guerra na Europa. No início apoiou os fascistas e nazistas, e, depois, pressionado pelos Estados Unidos, Inglaterra e França, teve que apoiar os aliados vitoriosos. O Brasil também teve sua parte de vitória na segunda guerra mundial.

Em 1945 tiraram Getúlio Vargas,
em 1950 ele voltou para morrer em 1953.


Novo golpe em 1964, depois de outras tentativas.

Em 1985 o Brasil voltou à Democracia.

Em 2015 perdeu de novo a liberdade e passou a ter uma ditadura civil.

Estamos nos transformando numa Argentina, que anda para trás?
Precisaremos passar pela Venezuela, que está à beira de uma guerra civil?

Chegaremos a nova ditadura militar, como no Egito?
Ou voltaremos a ser o país da esperança mundial?


Para onde estamos indo?????


As cerejeiras da Vila Madalena.
Ainda temos as flores....

sexta-feira, 28 de julho de 2017

A Nova Ditadura e as Eleições de 2018

Feridas Abertas

“O golpe em curso no Brasil se insere no processo internacional da contrarrevolução neoliberal que está construindo estados constitucionais não democráticos pelo mundo inteiro.

Os golpistas estão divididos e enfrentam dificuldades para lidar com a crise de legitimidade decorrente do golpe, mas estão unificados programaticamente.

E esse programa põe em questão princípios fundamentais do pensamento democrático do pós-guerra, gerando um cenário de instabilidade , ódio e intolerância”.

A avaliação é do cientista político Juarez Guimarães, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que aponta graves conseqüências desse quadro nos planos nacional e internacional.

“Os valores fundamentais da paz, da liberdade, dos direitos humanos, do pluralismo e da tolerância estão em questão e é por isso que falo que estamos vivendo uma crise civilizacional”, diz o cientista político em entrevista ao Sul21.

O texto acima foi reproduzido do Conversa Afiada,
que reproduziu a desafiadora entrevista do professor Juarez Guimarães.
...

Para provar que o professor Juarez Guimarães está certo,
veja parte do artigo de Gilles Lapouge, publicado no
Estadão de ontem, 27/07/2017, referindo-se às intervenções
militares e imperialistas do Ocidente:

“A Líbia é uma ferida aberta,
tanto para a África quanto para a Europa, desde que, em 2011, o então presidente francês, Nicolas Sarkozy, teve a péssima ideia de levar o Ocidente à guerra na Líbia – matando no meio do processo Muamar Kadafi, déspota que era odioso, mas pelo menos mantinha a ordem e a paz nessa região explosiva do Norte da África.

Despojada de seu líder, a Líbia se partiu em pedaços,
tribos, clãs, facções, bandidos, traficantes e jihadistas.

Desde então, o caos é total.

Destituídos de tudo, extorquidos por todos, líbios miseráveis e famintos ficam à mercê de “atravessadores” que os fazem cruzar o Mediterrâneo em barcos caindo aos pedaços. Naufragam à vista da costa italiana. Os que sobrevivem, repelidos em todas as fronteiras, rondam uma Europa a cada dia mais trancafiada.”

É este o futuro da humanidade?
O Brasil está sendo parte desta tragédia...


quinta-feira, 27 de julho de 2017

Mino Carta e o Sofrimento do Brasil

Vocação para mediocridade?

Para um ilustre jornalista italiano, residente no Brasil, que passou pelos melhores e maiores meios de comunicação nacional, constatar o retrocesso e a desmoralização pública do país é de cortar o coração e de sentir-se impotente ante tanta passividade de parcela majoritária da população.

Vejam a mensagem de Mino Carta,
depois de uma ressaca sem escrever Editoriais...

“Fosse este país aquele que haveria de ser,
os brasileiros teriam paralisado o Brasil
desde a noite do dia 11,
sem arredar pé das ruas e praças até o momento.

Em um punhado de horas, o Senado enterrou a CLT, garantia de trabalho oferecida por Getúlio Vargas à classe operária, um tribunal inspirado nos ditames do Santo Ofício para sentenciar os hereges aos autos de fé condenou sem provas o presidente mais amado do Brasil.

Uma manifestação fluvial se esticaria do Oiapoque ao Chuí, cheia de som e fúria, significando tudo.O Brasil não é, porém, o país que mereceria ser por mil razões, a começar pelas infinitas dádivas recebidas da natureza. De fato, é terra de predação há cindo séculos, dos quais três e meio foram de escravidão.

E casa-grande e senzala continuam de pé, donde a facilidade de entender por que a maioria de um povo que ainda traz nos lombos a marca da chibata não lota ruas e praças e põe a tremer o solo pisado e o coração dos senhores.

É exatamente nesta inércia, nesta apatia, neste fatal alheamento, que a casa-grande aposta, na ignorância de quantos, repito, a maioria, não têm a consciência da cidadania. Daí haver explicações, mas não consolam. Além do mais, os senhores contam com porta-vozes munidos das melhores armas da comunicação, os pseudo jornalistas da mídia nativa, assim como não hesitam em recorrer às soluções mais torpes, aos ardis mais velhacos, para impor seus interesses e garantir sua hegemonia.

Em 1964, apelaram para os generais,
dispostos a comandar um exército de ocupação
para o sossego da casa-grande e de Tio Sam.

Agora, no estado de exceção a resultar do golpe de 2016,
elegem à condição de jagunços os próprios poderes da República,
entregues a quadrilhas mafiosas.

Mesmo nos mais sombrios pesadelos, imprensado entre súcubos e íncubos, jamais imaginei que o País pudesse precipitar em uma situação tão aviltante, e vergonhosa para todos os cidadãos de boa vontade. E aqui, sim, refiro-me à minoria.

Ao longo da vida, expus à luz do sol minha fé de indivíduo e de jornalista, uma só, a bem da verdade. No final de 2005, ao entrevistar Lula no Palácio do Planalto em meio à crise do chamado mensalão, lá pelas tantas o presidente disse textualmente: “Você sabe, eu nunca fui de esquerda”.

Retruquei para evocar uma lição de Norberto Bobbio, a remontar à queda do Muro de Berlim, destinada a contestar quem pretendia decretar o falecimento das ideologias: ser de esquerda significa, antes de tudo, empenhar-se pela igualdade. E Lula corrigiu-se: “Se for assim, sou de esquerda”.

Quando nasceu o PT, 37 anos atrás, fiquei muito satisfeito
, surgia, no meu entendimento, um bastião da luta pela igualdade, primeiro e maior problema a infelicitar o Brasil, um dos países mais desiguais do mundo, graças à inextinguível prepotência da casa-grande.

Imaginava um confronto de larga duração, direto e áspero, e longo porque sem esperança de conciliação, no Brasil possível somente entre os moradores da mansão senhorial por ocasião de divergências extemporâneas. Chance de negociar com a casa-grande só haveria depois de abrir os olhos do povo humilhado e prostrado, a começar pelos trabalhadores.

É uma pressão popular cada vez mais consistente que leva os senhores a desguarnecer os dedos de alguns anéis. É evidente que nestes 37 anos nada mudou, ou melhor, mudou para pior, e muito.

Mantenho com Lula uma sólida amizade de quatro décadas
e me orgulho de ter sido o primeiro jornalista
a lhe perceber o extraordinário carisma e QI elevado.

O único, autêntico líder popular brasileiro.

Talvez surjam outros, embora seja grave que não tenham assumido até agora a ribalta. É hora, tal é minha visão de jornalista e de cidadão, de mergulhar em um profundo exame de consciência, desabrido e sincero, entre o fígado e a alma.

Carta Capital, leitoras e leitores sabem, apoiou Lula na eleição e na reeleição, e o apoiaria hoje, por ter sido, inclusive,
o melhor presidente que o Brasil teve.

Nem por isso deixei de escrever neste espaço que, no poder, o PT portou-se como todos os demais pseudopartidos brasileiros. E que não soube combater dignamente a batalha do impeachment de Dilma Rousseff.

E que, de modo geral, portou-se de forma tíbia nos momentos cruciais. O próprio Lula não enfrentou a ameaça da Inquisição com o peso da sua liderança, como não lhe percebesse a extraordinária dimensão, ou confiasse cegamente na negociação de bastidor.

Fico pasmo, hoje, ao me perguntar onde estão aqueles 90% de eleitores que choraram com Lula, quando, em companhia de Marisa, desceu pela última vez a rampa do Planalto para cair nos braços do povo aglomerado na Praça dos Três Poderes.

E, na minha dolorosa perplexidade, pergunto aos meus botões:

onde está o erro?


É de uma regra transcendente caber a um partido de esquerda despertar o povo e ao sindicato defender seus representados até o derradeiro alento. Não foi o que se deu, donde a necessidade instransponível de um mea-culpa.

Na minha visão, insisto, de jornalista e cidadão, é hora de encarar a realidade, repensar em táticas e estratégias, voltar aos propósitos originais. É hora de autocrítica e renovação, para despir-se corajosamente da tola aposta em algum gênero de acordo com a casa-grande, a qual não é, definitivamente, de direita, é simplesmente o poder diante de uma nação ignara e aturdida. Por outro lado, com raras e honrosas exceções, quem se disse de esquerda mentiu.

Tempos atrás decidi parar de escrever
o que repetia à exaustão, vencido pelo desalento.

Os eventos me forçam ao retorno.

Na selva imersa em negrume, dois raios de luz.

Seis senadoras
assumem à força as cadeiras da presidência na sessão do dia 11, encabeçadas pela nova presidente do PT, Gleisi Hoffmann: elas sabem que qualquer tentativa de negociar com os prepostos da casa-grande destina-se ao fracasso.

Dias antes, ouço da boca do presidente da CUT, Vagner Freitas, sentado na plateia do auditório paulista da entidade, a seguinte sentença: “o PT esteve no poder por 13 anos e meio, e não soube, ou não quis, aplicar a própria Constituição para domar a Globo e o resto da mídia”. disse ainda ter às vezes pensado que o PT gostava mesmo era do plim-plim.
É bom introito para uma desassombrada autocrítica.”


Nota do blogueiro, um dos fundadores do PT e da CUT.


1 - Primeiro é importante destacar que Lula nunca foi militante de esquerda ideológica. Lula sempre foi vinculado à militância da Igreja Católica e, principalmente, o maior líder de massa que o Brasil já teve. Lula é intuição, sensibilidade e coração.

2 - O PT nunca foi um partido marxista, nem marxista-leninista. O PT é um partido que nasceu principalmente da base católica organizada a partir da Teologia da Libertação, da classe média funcionária pública e de Estatais espalhada por todo Brasil, dos exilados e cassados pela ditadura militar, e, minoritariamente de militantes de pequenas organizações de esquerda, esta sim, marxista, mas sem ser de massa e sem feeling para converter o partido de massa em partido orgânico e militante.

3 - O sistema eleitoral brasileiro, combinado com as regras de governabilidade, como herança da ditadura militar, foram criados para IMPEDIR que a esquerda ganhe e governe com legalidade e legitimidade. Um dos maiores erros da Constituinte e do próprio governo Lula, foi acreditar que o Ministério Público, que a Policia Federal e que o Judiciário, serviriam com principal mecanismo de defesa da governabilidade, da legitimidade e do Estado de Direito. Ledo engano. A burocracia sentindo-se respaldada pela direita nacional e internacional, aceitou fazer o papel que antes era dos militares, servindo como instrumento de combate ao PT e ao próprio Lula.

4 - Governar no Brasil significa compor-se com dezenas de partidos fisiológicos e corruptos como forma de ter maioria no legislativo, requer abrir mão da ética, da transparência e consolidação de um país livre e soberano.

5 - Outra importante característica no Brasil foi a Igreja Católica ter sido obrigada pela Igreja Internacional a EXTINGUIR a Teologia da Libertação do território nacional, submetendo-se ao crescimento competitivo e desigual das Igrejas Evangélicas Pentecostais. Os bispos e pastores evangélicos tornaram-se a principal base de apoio populares golpistas, tanto no legislativo, como nas camadas mais pobres.

6 - Finalmente e não menos importante, como gostam de falar os ingleses, tanto Lula como os dirigentes do PT, sempre cultuaram ter acesso à mídia conservadora e golpista brasileira. Como a Folha participou da campanha das Diretas Já, acreditou-se que ela tivesse desistido de participar de novos golpes. Mais um engano. Bastou o PT ganhar quatro eleições presidenciais, para, mesmo sendo governos conciliadores e submetidos, a imprensa coordenar e incendiar o país, pregando o ódio, a mentira e a manipulação. Quando tentamos criar imprensa vinculada à classe trabalhadora, parte significativa dos dirigentes petistas achou que era melhor ser aliada da grande imprensa, em vez de gastar dinheiro e tempo construindo uma rede de imprensa alternativa.

Convivendo com todas estas dificuldades, enfrentando até a própria burocracia partidária, os trabalhadores conseguiram criar, pela primeira vez no Brasil, várias Centrais Sindicais que, fortalecidas em função da unicidade sindical e o imposto sindical, tornaram-se efetivos instrumentos de resistência ao golpe do impeachment e às reformas destruidoras da Soberania Nacional e do Estado do Bem Estar Social.

O Brasil voltou a antes de 1930
exatamente no ano que completou um século
da primeira greve geral realizada no país.

Nunca na história deste país, vimos o ódio de classe estar tão presente em tudo e em todos. Talvez, da mesma forma que depois da primeira e da segunda guerras mundiais no século passado, o mundo presenciou uma grande primavera de melhoria de qualidade de vida e de liberdades democrática, quem sabe este sofrimento sirva de estímulo para que o povo brasileiro saia da letargia que se encontra e finalmente transforme este país numa Nação?

Antes tarde do que nunca!

O Brasil merece respeito,
os brasileiros coragem!

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Flores da cerejeira

A beleza em poucos dias

As cerejeiras da praça Vicentina estão floridas. Pena que seja durante pouco tempo.






terça-feira, 25 de julho de 2017

A crise no Brasil afeta a classe media

Os pobres estão ficando mais pobres

E a classe média está entrando em desespero

Aparentemente a inflação vai baixando mas o custo de vida continua alto. Imaginem a gasolina chegar a 4,44 reais no Rio de Janeiro!

A classe média tradicional está ficando assustada com a falta de dinheiro para manter o padrão de vida.

O quê aconteceu?

escola para os filhos ficaram caras;

O lazer ficou caro;

O supermercado ficou mais caro,

Até a feira e a padaria ficaram caros...


Apesar de tanto sofrimento, não consigo provocar os apoiadores do golpe. Entraram de gaiato na farsa do impeachment e agora estão constatando que a vida piorou.

Que fazer?

Além de pesquisar alternativas, é preciso ter paciência, tolerância e perseverança.

O que não é fácil!

domingo, 23 de julho de 2017

Jornalismo golpista ou jornalismo de qualidade?

A imprensa brasileira optou, mais uma vez, pelo golpismo

O jornal Valor, no seu caderno de fim de semana, "EU&fim de semana" publicou duas longas reportagens que tem tudo a ver com o Brasil. A primeira, que também foi matéria de capa, "Os novos caminhos da Notícia", a segunda foi uma longa reportagem e entrevista sobre os negros no Brasil. Abordando a FLIP, feira literária de Paraty, promovida pela Editora Companhia das Letras, que terá como um dos temas principais Lima Barreto.

Considerando que já estamos no final da noite de domingo, vou abordar somente a questão da imprensa, da mídia e da qualidade ou compromisso com os leitores.

1 - Por que será que os empresários de mídia dos Estados Unidos são mais transparentes do que os empresários de mídia brasileiros? Será que é porque aqui no Brasil imprensa é visto como uma "concessão do Estado/governos"? Ou será porque os americanos são mais empresários do que os brasileiros? Ou ainda será porque o público leitor americano é mais exigente do que o público leitor brasileiro? Temos várias opções e combinações...

2 -
É bom ver o dono do jornal "The New York Times" assumir publicamente as dificuldades em manter o que a empresa de sua família faz há CINCO GERAÇÕES - UM JORNALISMO DE QUALIDADE.

Os Estados Unidos haviam passado por um tsunami econômico em 2008, alcançando grandes instituições financeiras, a internet abalava todo o setor de mídia e o mercado publicitário, desorientado, acionara o freio.

Vejam que declaração distante da realidade brasileira:
O dono do Times diz que
"o que se espera de uma empresa de jornalismo é a HONESTIDADE."


Mais uma frase marcante:

"OFERECER EXCELÊNCIA JORNALÍSTICA É O NOSSO PRINCÍPIO HÁ 165 ANOS."

Nenhum jornal, rádio ou TV brasileiros NUNCA teve como prioridade a Excelência, a Qualidade e a Honestidade. Aqui no Brasil o modelo de sucesso no vale-tudo é de Chateaubriand, Roberto Marinho e os Frias. Os Mesquitas já não são donos de mídia, infelizmente.

3 -
A imprensa americana não foi capaz de ascultar o "grande" Estados Unidos, um país não vive na ilha de Manhattan, nem desfila nas alamedas arborizadas de Washington. A imprensa britânica não levou em conta o que se passava fora de Londres com o "Brexit". Na França a imprensa demorou a ver que Macron encarnava um aneio de mudança da sociedade.

Esses episódios parecem sinalizar que o futuro do jornalismo depende não só de suporte financeiro, mas do fortalecimento dos seus valores mais caros - rigor na apuração, independência, credibilidade. Além de as empresas terem que contar, cada vez mais com o bolso dos leitores...

Palavras do caderno especial do jornal Valor. Boas palavras...

No Brasil, assustados pela mesma crise de 2008
, a imprensa brasileira, em vez de manter a prioridade na qualidade, no rigor da apuração, na independência e na credibilidade, a imprensa brasileira optou por organizar e dirigir mais um golpe de Estado e dar início a uma nova ditadura.

Só que esta nova ditadura é civil, e não está disfarçada em militar.

Para isto, a imprensa resolveu também dar um golpe nos empresários, aliando-se a parcela do judiciário, que aceitou fazer o papel de capitão do mato. Quantos aos políticos e seus partidos, todos estavam no bolso dos empresários e sob controle do ministério público e seus golpistas.

Assim, o Brasil voltou no tempo a antes de Getúlio Vargas, a antes de 1930.
Quem sabe se, ainda antes de 2030, o povo tome coragem e derrube os novos ditadores. E faça florescer uma nova primavera brasileira.

sábado, 22 de julho de 2017

Sabiás e muitas flores

Apesar do frio e da baixaria política

Hoje acordamos com o cantar do Sabiá.
Tinha sol e frio ao mesmo tempo.
A diferença estava no canto do Sabiá.

Ao ir comprar pão, passei pelas lindas flores do Ipê do vizinho.




Mais tarde quando fui fazer feira passei pela praça Vicentinha com suas cerejeiras repletas de flores. Simplesmente divinas.



E a lembrança da fogueira no frio das montanhas de Cunha, perto de Paraty.



Agora vocês entendem o porquê da alegria do Sabiá.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Missa de Sétimo Dia de Augusto Campos

Mesmo estando no Céu, Augusto merece uma Missa

Na próxima terça-feira, dia 25/07/2017, às 16:00H,
na Igreja de Santo Antônio do Embaré,
na Avenida Bartolomeu de Gusmão, 32, Embaré,
Santos - SP.

Como será em Santos, recomendo que façamos um
Ato Ecumênico em São Paulo, em data a ser combinada
com Lúcia e o pessoal do Sindicato.

Nesta quinta-feira, durante o Ato em Defesa de Lula
e contra a ditadura dos golpistas e do juiz maluco,
foi feita uma homenagem Augusto Campos e
a Marco Aurélio Garcia, militante petista,
que morreu de ataque cardíaco fulminante.

Juntos vamos cantar "Fé cega, faca amolada",
e somar esforços na luta pela redemocratização
do Brasil e pela volta do emprego e de
distribuição de renda. Por eleições diretas já!

Por uma Nova Constituinte, livre e soberana.
Pelo retorno da Soberania Nacional.

Augusto Campos, Presente!
João Vaccari, Presente!
Gushiken, Presente!

Todos banespianos!
Um banco que fez História!

quinta-feira, 20 de julho de 2017

O imposto sindical e as manobras na imprensa

Reforma trabalhista quer destruir os direitos dos trabalhadores

Enfraquecer os sindicatos é uma forma de enfraquecer a classe trabalhadora.

Hoje tem uma matéria no Globo bem significativa sobre a pressão deste governo golpista contra os sindicatos. Contando com a contribuição de professores da USP como assessores patronais. Muitos destes assessores patronais chegam ao cinismo, como prepostos ou capitães do mato.

Os sindicatos no Brasil eram sustentados financeiramente de três formas:

1 – ser sócio e pagar mensalidade sindical de livre e espontânea vontade;
2 – contribuição confederativa ou assistencial, descontada na época de campanhas salariais para cobrir gastos com greves, assembleias, comunicação, etc.;
3 – tem sindicato que cobra tanto a contribuição confederativa como a assistencial, fazendo com que hajam 4 ou 5 tipos de contribuição financeira;
4 - imposto sindical correspondente a um dia de trabalho descontado em março .

ESCLARECIMENTOS

O Tribunal Superior do Trabalho, de repente e sob orientação do governo golpista e dos patrões, acabou com a contribuição assistencial, gerando grande confusão tanto para os trabalhadores como para os patrões.

A Justiça, neste caso, cometeu uma grande injustiça.

Se o sindicato presta serviço para todos os trabalhadores durante as negociações salariais e de condições de trabalho, os custos destas campanhas também precisam ser pagos por todos os beneficiados, isto é, toda a categoria representada na convenção coletiva.

Se for para somente os sócios pagarem, então, os benefícios conquistados com negociações e greves, devem ser somente para os sócios.
Esta história de correria para pedir cancelamento da cobrança quem criou foi a Justiça do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho, quando intervieram na soberania das assembleias, em nome de se combater os abusos dos pelegos que cobravam muito. Em vez de curar a doença, mataram o doente e fizeram demagogia.

Aí surgem os teóricos do boicote às liberdades de organização social dos trabalhadores.

O professor da USP, Hélio Zylbertajn, conforme a matéria do Globo de hoje, ao defender que o desconto sindical seja aprovado dentro das empresas e não em assembleias nos sindicatos, também defende que, no Brasil, se implante o modelo ANTISSINDICAL existente nos Estados Unidos onde só existe sindicato e atuação coletiva nas empresas em que 50% mais um do total dos trabalhadores aprovam em votação dentro das empresas.

Nos Estados Unidos
, até hoje este modelo é usado para prejudicar os trabalhadores e combater a organização coletiva, mantendo-os individualizados e fragilizados. O modelo europeu é bem mais democrático que o americano.

Para se garantir equilíbrio nas negociações entre patrões e empregados é imprescindível que haja liberdade de organização e negociação dos trabalhadores através dos sindicatos e comissões de empresas. Os patrões têm o poder do dinheiro, do controle do trabalho e da produção, além do apoio da Justiça e dos governos.

É preciso estar atento e forte...
Já cantavam Gal Costa e Caetano Veloso

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Lula e sindicalistas despediram-se de Augusto Campos

Enquanto Augusto foi para o Céu,

o inferno jurídico e midiático contra Lula continua...


Lula, mais uma vez demonstrando sua grandeza espiritual e pessoal, mesmo com o frio da manhã, desceu a Serra do Mar para Santos para ver o velho amigo Augusto Campos.

Lula deu um abraço em cada familiar de Augusto, conversou com as centenas de sindicalistas presentes e voltou para São Paulo para cuidar dos processos baixarias que o juiz Moro faz contra ele e se preparar para conversar com a imprensa.

Além da relevante presença de Lula, foi bonito ver os familiares de Augusto, os filhos, as netas, os amigos e colegas bancários, especialmente os banespianos... Com certeza, Augusto ficou muito contente com o que viu. Nós adoramos Augusto e seu belo trabalho desenvolvido nesta sua passagem por aqui.

Enquanto Augusto vai para o Céu,
o inferno jurídico e midiático contra Lula continua.

O jogo-sujo contra Lula é todo combinado:


Moro prepara o processo, combina com a imprensa o quê deve ser publicado e os destaques a serem feitos, tipo manchetes terroristas, como acontecia com a Folha da Tarde na época da ditadura militar.

Mudaram os atores mas a encenação e o teatro são os mesmos. Ditadura é sempre ditadura, seja civil ou militar. Agora Moro mandou bloquear os bens de Lula, incluindo as contas bancárias. Vamos fazer uma campanha financeira em solidariedade a Lula e vamos recorrer contra esta falsa neutralidade jurídica.

Voltando ao amigo Augusto Campos


Quero pedir desculpas por não ter dado mais informações sobre o velório de Augusto ontem, mas eu estava emocionalmente impossibilitado. Mesmo assim, foram mais de 4.750 acessos em nosso blog. Centenas de amigos de Augusto escreveram mensagens carinhosas. Augusto continuará para sempre entre nós. Nosso amigo Laranjeiras, importante militante da oposição bancária nos anos setenta, depois diretor representante do Banespa, e, finalmente, presidente do sindicatos dos bancários da Bahia, veio de Salvador para despedir-se de Augusto.

Ver Augusto partir foi como perder um pedaço da nossa vida e da nossa história.
Ficamos com suas lembranças e seus ensinamentos. Mas ainda temos Lula...

Lula ainda viverá muitos anos entre nós.


Continuaremos lutando juntos por um Brasil mais justo, mais democrático e mais participativo.Um Brasil onde os pobres, os negros, as mulheres e a própria classe trabalhadora seja reconhecida como parte imprescindível do usufruto das riquezas do Brasil, como atores determinantes da nossa Democracia e da nossa Liberdade.

Enquanto lutamos aqui na Terra,

Augusto, Gushi e demais companheiros
irão nos estimulando lá do Céu.

O Brasil só será de todos,
com todos e para todos,
se todos participarem da luta.

O Brasil merece respeito.
Eleições sem Lula é fraude.


Eleições sem Lula não é democracia,
Eleições sem Lula é ditadura.



terça-feira, 18 de julho de 2017

Sob o impacto da morte de Augusto Campos

Por que sofremos tanto com a morte?

Augusto passou para o outro lado. Fez a passagem...
O "Veio do Rio" morreu nesta manhã de frio e garoa.

Mais um companheiro de lutas e de alegrias se foi.
Como foi o Gushi e o Nelson Silva...

Augusto foi a pessoa mais importante no sindicalismo bancário
desde a década de setenta.


Não vou citar aqui tudo que o Augusto fez. Isso fica para depois...
Neste momento, o mais importante é o que Augusto significou para todos nós.

Um guru, uma pessoa que tinha como missão de vida contribuir
para a formação da consciência de classe dos trabalhadores.

Os detalhes sobre o pós-morte eu escrevo depois.

Ainda estou sob o impacto da morte.

Não foi por acaso que meus amigos
demoraram de me avisar.
Eles sabiam mais que eu, como eu reagiria.

A morte não é racional, é pura emoção.

Eu estou emocionalmente abalado e
impossibilitado de escrever coisas belas.

Um dia de luto e de lágrimas...