sábado, 31 de dezembro de 2016

Que 2017 comece com flores

Amarelas, rosas e folhas verde

A simplicidade de um pequeno jardim


Para receber bem quem chega


Despedir-se de quem sai


E desejar que a Paz e o Amor se multipliquem 
como estas pequenas flores.

Que venha 2017!

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Aprendendo na dor, em 2016

Um ano para não ser esquecido

Finalmente estamos chegando ao fim de 2016.
Muitas cicatrizes marcarão nosso corpo e nossa mente.

A esquerda investiu num projeto, mas não soube dar continuidade.
A direita, impaciente, preferiu dar o golpe à esperar por eleições.

Resultado: Todos perdemos!

Talvez o único vencedor seja o presidente ilegítimo, Temer.
Em condições normais ele jamais seria eleito presidente.

O PMDB, aliado aos fisiológicos e monitorado pelo PSDB,
conseguiu em pouco tempo destruir o que restava de boa imagem.
O desemprego aumenta, a recessão é pesada
e os trabalhadores estão perdendo as aposentadorias
e as políticas públicas.

Ninguém acredita nesse governo.
Até quem apoiou o golpe está arrependido e envergonhado.
Caminhamos para o imponderável.

Haverá renúncia?
Haverá impedimento pelo TSE?
Teremos eleições diretas e Constituinte?

Enquanto o Brasil anda para trás,

A China inaugura mais um trecho de seu Trem Bala,
que cobre 2,252 Km de extensão.
No outro dia a China inaugura a ponte mais alta do mundo.

Obama diz que vai retaliar a Russia,
por esta ter conseguido a PAZ armada na Síria,
enquanto o Iraque continua afogado em sangue.
Até a Turquia tenta conseguir uma PAZ diferente.

A Europa se cala,
como não tivesse o que comemorar.
A Europa está com medo do futuro.

O mundo quer ver como vai ser o governo Trump.
Vai priorizar o mercado interno,
ou vai se meter em mais guerras?

Estamos todos em transição.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Brasil e o Mundo: De volta para o Inferno?

Por que as guerras sempre voltam?

A guerra sempre é a porta do inferno.
A Síria que o diga.

O professor inglês, Ian Kershaw, escreveu um bom livro sobre a primeira e a segunda guerras mundiais, que traumatizaram o mundo, além de reorganizá-lo. Antigamente as guerras regionais eram também chamadas de mundiais, como o Dilúvio ou as guerras púnicas ou do império romano. Afinal, para Roma, como para Londres, o mundo se acabava onde acabavam seus impérios. Isso também valeu para a China, o Egito e a Pérsia...

O título do livro do professor Ian Kershaw, editado  pela companhia das Letras, é "De Volta do Inferno".
Na apresentação do livro, o texto até parece que está falando dos dias de hoje. O quê é muito preocupante.

Vejamos:

"No verão de 1914, grande parte da Europa mergulhou numa guerra catastrófica. A geopolítica do continente foi abalada de tal forma que seus efeitos são visíveis até hoje.
O desastre traumatizou os sobreviventes, chocados com o fato de que uma civilização que se pretendia um modelo para o resto da humanidade tinha colapsado sob uma selvageria sem precedentes.

Em 1939, um conflito ainda pior teria início - uma guerra em que o assassinato de civis era parte central da estratégia e que culminou no Holocausto, com um total de 40 milhões de vítimas.

Seu vasto retrato é construído a partir de quatro eixos:

1 - Em primeiro lugar, a ascensão do nacionalismo étnico, que contribuiu para o fim dos impérios Austro-Húngaro, Otomano e russo.

2 - Em seguida, as demandas por revisão das fronteiras territoriais entre França e Alemanha, no Leste Europeu, na Europa Central e em todos os Balcãs.

3 - O terceiro eixo é o conflito de classes, à medida que os trabalhadores e o incipiente movimento socialista se insurgiam contra os patrões e a aristocracia, sobretudo a partir da Revolução Bolchevique em 1917.

4 - Por fim, a crise do capitalismo, que atingiu a Europa em cheio no início dos anos 1930, como reflexo da quebra da Bolsa de Nova York em 1929, e ajudou a preparar o terreno para o nazismo."

Estes quatro eixos acima dialogam muito com nossa realidade na Europa, com Trump nos Estados Unidos, com a nova hegemonia asiática, com a América Latina num impasse, com Israel ameaçando os Palestinos e seus protetores americanos, e com o continente africano ainda sem Estados estáveis e democráticos.

Estamos na eminência de uma Nova Ordem,
com guerras ou sem guerras?

Por enquanto, as guerras estão preponderando.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

O Brasil na encruzilhada

Exigir transparência para todos ou para alguns?

Quando os políticos decepcionaram,
quando os governantes se omitiram,
quando os empresários se esconderam,
quando os movimentos sociais se locupletaram,
quando o judiciário tomou partido,
e quando a imprensa colocou-se acima de todos,

O Brasil chegou ao impasse:

Como dar um salto de qualidade intensificando a transparência,
ou,
como parar de abrir os podres de nossa sociedade,
sem implodir os sistemas?

O governo Temer não é de confiança,
o Congresso Nacional merece menos confiança ainda,
os empresários estão exigindo reformas antissociais,
aumentando o desemprego e a recessão.
E silenciam quando são identificados como corruptores e corruptos.
O Judiciário não quer mostrar suas contas secretas,
Os movimentos sociais precisam reconquistar a confiança do povo.

E a imprensa precisa insistir
na coerência de todos os setores e de todas as  pessoas.
Será que consegue?

Vejam os jornais de hoje:

Na página  A6 do Estadão.
Primeiro caderno, página nobre, a manchete é:

"Odebrecht lucrou 4 vezes valor de propina, diz SUÍÇA"
Para cada US$ 1 milhão pago a agentes públicos, empresa obtinha US$ 4 milhões em contratos, afirma Ministério Público da Suíça".

Isto é: Para cada 20% de propina, a empresa lucrava 80%.

Na página A6 da Folha.
Primeiro caderno, página nobre, a matéria de Elio Gaspari diz:

"Eliana Calmon, ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça disse que
"delação da Odebrecht sem pegar o JUDICIÁRIO não é delação.
É impossível levar a sério essa delação caso não mencione um magistrado sequer."

Vamos exigir que se apure tudo e todos,
ou vamos parar no meio do caminho.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Brasil no vai e vêm econômico

Quantos Bresser-Pereira tem o Brasil?

Por mais que a esquerda radical critique o jornal Folha por ter participado do golpe do impeachment, é impossível negar a contribuição que este jornal dá ao publicar um artigo como esse do professor Bresser-Pereira. Isso faz parte da esquizofrenia da Folha. Reconhece-se de direita, mas não quer ser fascista, como tem sido o Estadão.

O Brasil é um país cheio de economistas teóricos que quando vão para os governos fracassam na aplicação de suas teorias. Depois que saem dos governos, principalmente se forem ex-ministros da Fazenda ou diretores do Banco Central, passam a ser consultores e considerados "sábios". Mesmo que fracassados fora da sala de aula e dos artigos nos jornais. Muitos viram diretores de bancos estrangeiros ou viram banqueiros de bancos de investimento.

O professor Bresser, como nós o chamávamos na GV, sempre foi bom professor. Exerceu cargo no Banespa na época de Montoro, depois foi ministro da Fazenda no governo Sarney. Não se destacou muito, mas, depois que resolveu deixar de ser militante do PSDB, voltou a ser um professor e analista brilhante.

Além de comprar seus livros mais recentes, leio com frequência seus artigos. O de hoje, publicado na Folha, deve ser guardado para estudos em todas as escolas, sejam de economia ou não. Bresser relata a História Econômica dos anos recentes do Brasil de uma forma ímpar.

Enquanto o Brasil e o mundo discutem a DEMISSÃO DO MINISTRO DA FAZENDA, da Argentina, publico o artigo de Bresser.

A desconstrução do Brasil
27/12/2016  02h00 Folha
Luiz Carlos Bresser-Pereira

A história das nações é uma história de construção política, mas hoje minha sensação dolorosa é a de que estamos desconstruindo o Brasil.

Desde 1980 a economia brasileira cresce pouco mais de 1% ao ano, per capita; nos dois últimos anos essa renda caiu cerca de 8,4%; o desemprego alcança índices inimagináveis; os resultados decepcionantes do PIB trimestral e da indústria sugerem que a recessão se estenderá por mais um ano.

O baixo crescimento está associado ao regime econômico liberal-conservador instaurado pelas "reformas": abertura comercial e financeira de 1990-92, as desnacionalizações e privatizações de 1995 e o "tripé macroeconômico" de 1999.

Nesse quadro, o crescimento teria que ser necessariamente baixo, porque duas das pernas do tripé impedem o investimento e o crescimento: juros altos ("meta de inflação") e câmbio apreciado no longo prazo ("câmbio flutuante").

E teria que ser entremeado de crises financeiras (1998, 2002, 2015), porque a moeda nacional apreciada e os correspondentes deficit em conta-corrente são desejados pela ortodoxia liberal, que os identifica com "poupança externa", a qual aumentaria os investimentos.

Na verdade, os deficit desejados apreciam o câmbio, aumentam o consumo e a dívida privada e levam o país à crise financeira.

Em 2003 Lula chegou ao poder. Em seus oito anos de governo manteve o regime liberal-conservador intacto; os rentistas continuando a capturar 6% do PIB graças a uma taxa de juros altíssima.

Lula apenas usou o excedente produzido pelo boom de commodities para aumentar o salário mínimo e as transferências aos pobres. Dessa maneira, rentistas e financistas, que já eram os grandes beneficiados do sistema, continuaram a sê-lo, mas agora a eles se juntavam os pobres.

E a classe média tradicional? Foi esquecida, tanto no período conservador (1990-2002) quanto no social-democrático (2003-2014). Frustrada e indignada com a corrupção generalizada, em 2013 a classe média fletiu para a direita liberal.

Antes disto, em 2011, Dilma Rousseff tentara mudar esse regime ao baixar a taxa de juros, mas o câmbio estava enormemente apreciado, e as empresas industriais, sem lucro, não investiram.

Não podiam investir. Como a baixa dos juros não foi acompanhada de ajuste fiscal, a inflação aumentou, a crítica generalizou-se, e o governo bateu em retirada.

Em 2013, já sem apoio na sociedade, decidiu adotar injustificável desoneração de impostos, que destruiu o equilíbrio fiscal que prevalecia desde 1999.

Reeleita, a presidente viu-se diante de crise financeira -a principal causa da recessão. Não uma crise de balanço de pagamentos, nem uma crise bancária, mas uma crise financeira das empresas, quebradas pelos juros altos e o câmbio apreciado.

Para enfrentá-la, acreditou na tese ortodoxa de que a falta de investimentos era problema de "confiança" e nomeou um ministro liberal, que, em plena recessão, realizou um ajuste fiscal. As empresas continuaram sem poder investir, a crise agravou-se.

Seguiu-se o impeachment. A ortodoxia liberal, agora no poder, só viu dois problemas: a inflação (já vencida) e a crise fiscal (que a recessão agravara). Enfrentados eles, novamente a "confiança" e os investimentos voltariam.

Continuou assim a manter os juros altíssimos e a cortar os investimentos públicos. Previsivelmente, a crise econômica aprofundou-se, já que as oportunidades de investimento deterioraram-se ainda mais, ao mesmo tempo em que o governo perdia apoio político. A desconstrução do Brasil está em marcha.

LUIZ CARLOS BRESSER-PEREIRA é professor emérito da Fundação Getulio Vargas. Foi ministro da Fazenda (governo Sarney), da Administração e Reforma do Estado e da Ciência e Tecnologia (governo FHC)


Caiu o Ministro da Fazenda

Na Argentina...

O povo argentino votou num candidato neoliberal em protesto contra os Kirchner e agora está descobrindo que tudo que foi prometido não está acontecendo. O importante, em relação à Argentina, foi que a decisão de trocar a linha política e econômica se deu pelo VOTO soberano do POVO ARGENTINO. Como está dando tudo errado, o culpado deixou deser o presidente da república e seus aliados na imprensa, e passou a ser responsabilidade do super-ministro da Fazenda. Que foi DEMITIDO!

O Brasil vive o mesmo drama argentino.

Tem um governo que faz tudo de ruim contra o povo, só defende os empresários, de preferência os estrangeiros, caracterizando-se por um governo entreguista, enganador, mentiroso, corrupto e subordinado ao PSDB e ao neoliberalismo.

Para piorar ainda mais, o governo brasileiro é ilegítimo, porque é fruto de um golpe de Estado, não foi eleito com um programa entreguista como está praticando e ainda piora a economia a cada dia que passa.

Os pregadores da vida fácil no livre mercado e no Estado mínimo atuam juntos, tanto na Argentina como no Brasil. São profissionais a serviço dos Estados Unidos, estudaram nas suas melhores universidades e trabalham para os seus bancos de investimento.

Já vivemos estas enganações...

Na década de 90 tivemos o tripé de enganadores: Menem, na Argentina, Fernando Henrique Cardoso, no Brasil, e Clinton, nos Estados Unidos. Enquanto Clinton liberava o sistema financeiro para conquistar o mercado internacional, mesmo que tivesse que omitir ou manipular  dados contábeis e financeiros, Menem e FHC privatizavam tudo. Entregavam tudo às multinacionais. Mesmo que isso trouxesse mais desemprego e empobrecimento ao povo. Lembram das privatizações do Banespa e da Vale? Vendidas a preço de bananas...

Foi como reação à esta politica destrutiva de Menem e FHC, que o povo votou em Kirchner e Lula. Começando um novo período de crescimento econômico e distribuição de renda. O problema foi que, depois das "vacas gordas chinesas", vieram as "vacas magras de 2008", e a Argentina e o Brasil tiveram o mérito de eleger mulheres para presidência, mas não tiveram capacidade de tourear a economia em crise. Resultado: ambas perderam o poder. Uma pelo voto e outra pelo golpe do impeachment.

Voltando aos novos governos neoliberais e entreguistas do Brasil e da Argentina. No Brasil se fala mais da derrubada de Temer, por ser golpista e incompetente, do que na demissão do ministro da Fazenda.

Mas há gente que acha que Meirelles, o homem forte da economia, vai ser levado a renunciar ou será demitido para dar lugar a um verdadeiro representante do PSDB. Não estranhem se Serra substituir Meirelles... Já vimos este filme com FHC e Itamar Franco.

Como o Brasil só volta a trabalhar depois do Carnaval. Meirelles tem até final de fevereiro para melhorar os indicadores. Como os economistas comparam mês a mês, vai ser fácil vender a ideia de que os índices estão melhorando. Isto é, sair de menos 3,8 para menos 1 já é um grande progresso.

Precisa ver se o povo vai aguentar e suportar tanta crise econômica, política e social. 

Na Argentina a inflação a chegou à 40%!
Aqui no Brasil, os economistas dizem que o Banco Central vai travar a economia, parar tudo, até a inflação baixar. Afinal, se o povo estiver desempregado, não terá dinheiro para comprar nada e assim a inflação baixa.

Eu acho que o povo vai preferir ELEIÇÕES GERAIS e DIRETAS JÁ!

Ou teremos saques, fome, migrações forçadas como antigamente e muita, muita violência. Até os dízimos serão reduzidos. 10% de pouco é pouco. 10% de quando o Brasil crescia e distribuía renda era muito mais.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Um Natal sombrio

Poucos presentes e muitas preocupações

Por mais que a imprensa tende vender a ilusão de que está tudo bem,
as pessoas já não acreditam mais na imprensa.

Não vou falar dos políticos porque
os políticos já perderam o pouco que tinham
de credibilidade.

O Judiciário merece atenção,
por mais partidarizado que esteja,
está obrigando os políticos e empresários
a tomarem mais cuidado com a corrupção.
Também precisam de controle e de limites.

Os empresários continuam perdendo credibilidade.
Além de patrocinarem um golpe contra o povo,
patrocinam a corrupção e alguns estão presos.
O pior é que não são solidários nem entre eles.

Os trabalhadores, há, os trabalhadores,
quantas pessoas falam em teu nome!
Políticos, sindicalistas, empresários e jornalistas.
Será que estes efetivamente escutam o povo?
O povo está ficando mais pobre e mais angustiado.

Ainda temos os religiosos e as religiões.
O Natal é a principal data religiosa.
Mais há mais pastores pensando em dinheiro
do que pensando nas palavras de Deus.

Caminhamos para um final de 2016,
o ano que não será esquecido.
O ano da vergonha.
O ano do golpe civil.

E ninguém consegue imaginar como vai ser 2017.
O Natal foi de poucos presentes e muita austeridade.
No Brasil e no mundo.

O Ano Novo começa com muitas preocupações.
Desemprego, arrocho salarial, precarização do trabalho,
cortes nas políticas públicas, piora na saúde e na educação.
Juros abusivos e muita discussão política desnecessária.

O povo continuará passivo em 2017?
Deixará continuar um governo que é uma vergonha nacional?

Teremos um novo golpe civil ou teremos Diretas Já?
Ao desejar Feliz Ano Novo,
na verdade estamos torcendo para que seja
realmente um ano novo e esperançoso.

Na primeira guerra mundial os adversários se confraternizaram.
Mas a guerra continuou matando milhões de pessoas.
Não bastasse a primeira, 
o mundo ainda presenciou a segunda,
mais feroz e mais destrutiva.

Ainda bem que temos o Papa Francisco.


domingo, 25 de dezembro de 2016

Natal com flores e frutos

Lágrimas de Cristo e Pitanga 

Beleza pura...


Brancas e vermelhas. No início são verdes...



Aos milhares.



Pitangas nas ruas e praças. 
Uma das maravilhas da Vila Madalena.

E neste Natal não choveu
E a temperatura em Sampa passou dos 32o.C

sábado, 24 de dezembro de 2016

Estupro aumenta pelo quarto mês seguido no Estado de São Paulo

Notícia no dia de Natal

O Estadão de hoje, 24 de dezembro de 2016, destaca no Caderno A12 - Metrópole, que o número de estupros no Estado de São Paulo está aumentando continuamente.

Ainda em novembro, foram registrados 914 casos de estupro no Estado!

O crime subiu na Capital, na Grande São Paulo e também no interior em oito dos 11 meses do ano. Só na cidade de São Paulo foram 205 registros de estupro.

Historicamente, a maior parte dos estupros cometidos deixa de ser registrada pelas vítimas.

As informações acima foram todas copiadas do jornal Estadão, edição deste Natal...

Curiosamente, recentemente houve o caso de estupro com assassinato da vítima. O pior é que a vítima era feminista, militante da União das Mulheres Brasileiras. O assassino fugiu para a Bahia e foi preso neste final de semana. Vai passar o Natal na cadeia.


sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Fim das Primaveras. É Natal

Alepo, Ancara, Washington, Berlim e Brasilia

Hoje os comentaristas internacionais escrevem e falam que, com a retomada de Alepo pelo governo Sírio, fechou um ciclo de esperanças chamado "As Primaveras Árabes".

Como reflexo da guerra na Síria, o embaixador russo foi assassinado em Ancara, na Turquia. Parece até nome de filme e de livro: Assassinato em Ancara. Todos que entendem de história lembra logo do assassinato na Sérvia, do príncipe Ferdinando da Áustria. É mais uma longa guerra que começa?

A Europa vê o manto do terrorismo ameaçar as festas natalinas. Os turistas ficam com medo. Os moradores ficam com medo. O comércio cai, a crise política vira crise econômica, que vira votos radicais e assim as democracias vão sendo reduzidas.

A Europa reclama dos milhões de imigrantes muçulmanos, mas foi a Europa que apoiou os levantes pacíficos no início e armados depois, contra os governos do Oriente Médio. O curioso é que esses mesmos imigrantes não vão para os Estados Unidos. Sendo que o governo americano, tanto Bush como Obama, patrocinaram os levantes armados contra os governos árabes.

Ironicamente, as Primaveras estão virando Invernos. Inclusive na América Latina, onde houve uma fase longa de governos progressivas, que, de repente, com a crise internacional de 2008, não souberam socorrer o povo e manter a economia crescendo.

Os Estados Unidos aproveitaram-se para estimular o surgimento da Primavera Neoliberal e golpista na América Latina. A guerra suja com o uso da imprensa e do judiciário está acabando com a inclusão social e está aumentando a pobreza.

A Ásia assiste de longe todas estas turbulências. O Japão tenta voltar a crescer economicamente. A China, que já não é mais a China de Mao, agora só pensa em negócios. E dinheiro não tem ideologia. A Coreia do Sul continua disputando o mercado internacional.

E a África continua no abandono econômico e social. 
Muitos africanos estão vindo morar no Brasil.
Mas a África não pode ser apenas fornecedora de imigrantes.

Com tanta crise, a gente até esquece que ainda falta normalizar a vida dos palestinos e dos curdos. As últimas duas nações que ainda estão sem ser países próprios. A ONU continua devendo esta promessa.

No Brasil, os golpistas aproveitam-se do clima de Natal para tomar decisões contra o povo, os pobre e os trabalhadores. Principalmente contra as mulheres e os trabalhadores rurais. Desmoralizando as instituições e estimulando o ódio.

Amanhã é Natal.
Depois temos o Ano Novo

Novo em que sentido?
De Paz ou de Guerra?

Ainda bem que, depois dos Invernos, 
sempre voltam as Primaveras...

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Governo mente na forma e no conteúdo

Temer acaba com o Natal dos trabalhadores

Em nota oficial, 
CUT diz que reforma de Temer é ineficaz, inoportuna e autoritária

A reforma trabalhista anunciada nesta quinta-feira (22) pelo governo do ilegítimo e golpista Temer é ineficaz, inoportuna, autoritária e não resolve o problema do Brasil.

É ineficaz por não enfrentar o principal problema do País, que é a estagnação econômica, a crise da indústria e o desemprego que atinge milhões de famílias.  

É inoportuna porque está fora da realidade, foi elaborada às vésperas do Natal, o que demonstra a falta de compromisso dos golpistas com o povo, com a classe trabalhadora.

É autoritária porque é unilateral, decidida sem amplo debate com as centrais sindicais e a sociedade.
A CUT não negociou esse pacote. Ao contrário do que disse o governo Temer, não é verdade que a CUT foi chamada em algum momento para negociar mudanças na legislação trabalhista.

As questões referentes ao mercado de trabalho são extremamente importantes para serem discutidas e encaminhadas em formato de Medida Provisória.

Ao tomar essa decisão, o governo do golpista e ilegítimo Temer demonstra mais uma vez o desrespeito para com a representação e a negociação de temas extremamente importantes para toda a sociedade.

O método só comprova o “modus operandi” de um governo ilegítimo, que não foi eleito e não tem preocupação com as relações sociais nem com a opinião da sociedade.

É um atentado à negociação. É um golpe à classe trabalhadora.

A CUT é contra toda e qualquer retirada de direito da classe trabalhadora e lutará para que isso não aconteça.

Nenhum direito a menos!

Central Única dos Trabalhadores


São Paulo, 22 de dezembro de 2016.

Lula imbatível nas urnas

Só o golpe do impeachmente e do judiciário
para impedir a volta de Lula

Na verdade, Lula deveria ter voltado em 2014. 
Foi democrático demais e estamos pagando caro por isso.

Os golpistas mentiram, enganaram, manipularam, usaram e abusaram do Judiciário e da Imprensa, e mesmo assim estão fazendo o pior governo do Brasil. 

Quanto pior fica o Brasil, mais Lula cresce.
Quem não tem competência, não se estabelece.

Vejam a nova pesquisa CUT/Vox Populi.

Desmente inclusive o Datafolha, da Folha.



CUT/Vox Populi: 

LULA, o mais admirado e o melhor presidente do Brasil

é imbatível nas urnas, no primeiro e no segundo turnos, em 2018. 

É isso o que a pesquisa CUT/Vox Populi realizada entre os dias 10 e 14 de dezembro, em 168 municípios do Brasil, confirmou.

Quem é o melhor presidente do Brasil? - perguntou a CUT/Vox ao povo. 

43% cravaram o nome de Lula. Só 13% escolheram FHC. 

E quem você admira/gosta muito? Deu Lula de novo, com 33%. Para Aécio Neves (PSDB-MG), sobraram meros 8%. Já a Geraldo Alckmin (PSDB-SP), seu desafeto, conseguiu um ponto a mais, 9%.

Detalhe importante, 96% dos brasileiros responderam que ficaram sabendo que Lula foi indiciado pelos procuradores da Operação Lava Jato.

Para o presidente da CUT, os resultados da pesquisa CUT/Vox mostram que “os brasileiros, mesmo os mais pobres e simples, têm discernimento, refletem e julgam racionalmente, não se deixam influenciar pela avalanche de denúncias sem provas e sensacionalismo da mídia conservadora”. 

É o que mostram também as respostas espontâneas e estimuladas sobre as eleições para presidente da República de 2018. Lula está à frente de todos os concorrentes em todas as simulações feitas no primeiro e no segundo turnos.

Lula tem 31% das intenções de voto espontâneas. 

Bem atrás vem Aécio, com 5%; Marina Silva (Rede-AC), 4%; o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP), 3%; e Alckmin, com 2%.

Na estimulada, Lula também ganha de todos. 

Tem 37% contra Aécio, o mineirinho, que atinge 13%; tem 38% contra Alckmin, o santo, que atinge 12%; Marina atinge somente 10%.

Nas simulações de segundo turno, Lula também está à frente de todos. 
Tem 43% contra Aécio (20%); 45% contra Alckmin (20%) e 42% contra a Marina, que tem 21% das intenções de votos para 2018.

A pesquisa Datafolha, de 7 e 8 de dezembro, colocou Marina com estratosféricos 43% no segundo turno de 2018. Segundo o instituto da família Frias, contra Marina, Lula teria apenas 34%.

O legado de Lula pode ser boicotado pelos meios de comunicação, mas o povo não esquece. As críticas a ele e muitas das convicções dos denunciantes não afetam o que é mais relevante: Lula acertou mais do que errou. 

Para a CUT/Vox, 56% dos brasileiros disseram que Lula fez mais coisas certas do que erradas (35%). E 58% dos entrevistados disseram que suas vidas melhoraram nos governos do PT.


Humildemente propomos que o povo brasileiro seja ouvido e respeitado. Que se convoque NOVAS ELEIÇÕES GERAIS, para presidente, senadores e deputados federais. Que tenhamos uma NOVA CONSTITUINTE, livre e soberana, para restabelecer a credibilidade das Instituições brasileiras.

Na Democracia, a palavra final sempre deve ser do POVO.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Sírio-Libanês: Propaganda e Transparência

Entidade filantrópica precisa de propaganda?

Sem nunca ter visto uma propaganda do Hospital Sírio-Libanês.
Este Hospital tornou-se O MELHOR DO BRASIL.
Virou sinônimo de qualidade.
Tem mais nome do que o Hospital Albert Einstein.

Todo mundo gostaria de se tratar no Sírio-Libanês...
O Instituto de Responsabilidade Social Sírio-Libanês
é uma Organização Social gestora de unidades públicas.

Será que, com tanta fama, o Sírio-Libanês precisa fazer propaganda?

Neste domingo, dia 18/12/2016, levei um susto quando, ao folhear os jornais Estadão e Folha, edição de domingo, primeiro caderno, páginas 11, 12, 13 e 14, na Folha e páginas 9, 10, 11 e 12 no Estadão, vi tanta propaganda! Matéria paga caríssima!

Estou até hoje perguntando as pessoas sobre o que teria motivado esta iniciativa.

Junto com a propaganda, no rodapé da última página aparece: 

- PROADI - SUS,

- Ministério da Saúde,

- Brasil Governo Federal,

- SUS,

- Governo de São Paulo (Estado),

- Prefeitura de São Paulo.

Não consigo imaginar quanto custou
quatro páginas de propaganda,
no primeiro caderno dos principais jornais de São Paulo.

Algumas pessoas acham que o anúncio tem a ver com a estratégia dos Hospitais Particulares, mesmo sendo entidades filantrópicas, de se transformarem em FACULDADES DE MEDICINA, com graduação, residência, mestrado e doutorado, ótimos equipamentos. Tudo privado. Custando uma fortuna! Para compensar o custo, há os convênios com os governos citados, o quê reduz muito o custo fixo do Hospital e garante atendimento a milhares de pessoas que não teriam acesso a tanta qualidade.

Com a privatização da medicina e da saúde, as faculdades públicas tenderão a virar centros de estudos e atendimentos de saúde coletiva, tipo sanitaristas, doenças endêmicas e calamidades.

Diz o pessoal, que na Faculdade de Medicina da USP, vários professores já pediram demissão para ir trabalhar na Faculdade de Medicina do.... Hospital Albert Einstein. 

Tudo indica que, logo logo, teremos a Faculdade de Medicina do... Hospital Sírio-Libanês.

Como dizem Caetano Veloso e Gilberto Gil:

O Oriente Médio é aqui...
O Haiti também é aqui.


BRF faz propaganda para quê?

Mais uma propaganda repetida no Estadão

Tudo indica que a BRF está gastando dinheiro com propaganda no Estadão como forma de ajudar financeiramente o jornal, a pedido de alguém.

A Folha, que é um jornal mais  importante,
 parou de publicar os anúncios da BRF.

Para o leitor inocente, este tipo de propaganda seria para fixar a marca da holding controladora. Mas, a insistência em fazer propaganda de mal qualidade, de páginas inteiras, onde aparecem os diretores da BRF e alguns funcionários, todos brancos, combinado com a frequência que Abilio Diniz tem aparecido em eventos do governo Temer, e com o próprio Temer, só reforça que a propaganda faz parte de algum acordo político.

E pensar que, quando os Fundos de Pensão, no governo FHC e tendo o BNDES presidido por Luis Carlos Mendonça de Barros, todos nós apoiamos a iniciativa de se  salvar a Perdigão e, mais tarde, de se salvar a Sadia, formando este grande empreendimento mundial chamado BRF, jamais imaginamos que veríamos desperdício de dinheiro.

Propaganda como forma de repassar dinheiro é uma forma antiga no Brasil. Assis Chateaubriand sabia muito bem usar este mecanismo. Que depois passou a ser generalizado.

Abilio Diniz continua devendo esclarecimentos.

Tanto pela ausência de negros e negras na propaganda da BRF,
como pelo uso de propagandas repetidas no mesmo jornal.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

BRF e a propaganda sem negros e negras

Mais uma propaganda no Estadão

A impressão que passa é que a BRF,
por orientação de alguém,
está publicando as propagandas no Estadão
apenas para ajudar financeiramente o jornal.

A BRF está repetindo as propagandas.
O que seria uma estupidez.

Empresa nenhuma rasga nota de cem dólares.
E propaganda de página inteira no caderno principal
do jornal como Estadão custa uma fortuna!

A propaganda de hoje repete a foto dos diretores.
Todos brancos e todos homens.

Onde estão as mulheres?
Onde estão os negros e negras?

Será que na BRF não tem negros e negras?
Será que não há clientes negros e negras?

Será que Abílio Diniz ainda não percebeu
que esta campanha da BRF
mais depõe contra do que a favor?

Argentina piora na economia

40% de Inflação e PIB negativo

Mentira tem perna curta!

Isto vale para qualquer candidato que venda imagem de bonzinho e de competente, negando ou escondendo os principais problemas que a economia e a sociedade passam.

Vivemos um período onde o povo vem votando em candidatos não identificados com os partidos tradicionais. Isso quer dizer que o povo não quer saber de políticos? Não necessariamente. O povo está cansado de políticos que prometem e não cumprem o que prometeu. O povo está experimentando os candidatos. Sejam eles de direita, de esquerda ou sem vida política. O povo está cansado e carente.

No Brasil, o povo foi às ruas à reboque da direita que pedia o fim do governo Dilma. A direita aproveitou-se da crise econômica e da dificuldade de se relacionar com Dilma e deu o golpe do impeachment.

O Brasil melhorou com o golpe?
Não, o Brasil piorou em todos os sentidos.

Na Argentina, o povo também foi às ruas contra o governo de Cristina Kirchner. Lá também a direita aproveitou-se da crise econômica e da dificuldade de se relacionar com Cristina e, no voto democrático, elegeu a oposição de direita. Elegeu um neoliberal que prometia o céu e a terra...

Um ano depois de Macri ter sido eleito, 
a Argentina só tem piorado.

- A inflação que estava em 26,9% foi para 40%.

- A pobreza que estava em 28% aumentou para 32%.

- O desemprego que estava em 7,1% aumentou para 8,5%.

- O PIB que estava em 2,1%, CAIU para -1,8%.

-O peso argentino se DESVALORIZOU em 42%.

- O investimento de fora não veio como se esperava!

O Brasil está sofrendo da "DOENÇA ARGENTINA"?

Lembram do Menem, na época de Fernando Henrique Cardoso?
Privatizaram quase tudo, dolarizaram a economia, diziam que era unha e carne com Bill Clinton. E tanto a Argentina como o Brasil ficaram mais pobres.

Depois vieram os governos progressistas que retomaram a economia e a inclusão social. Porém, tiveram dificuldades em lidar com a crise econômica internacional e suas consequências na economia interna. Os países precisam aprender a lidar com competitividade internacional e melhoria da qualidade de vida interna.

A Argentina já foi um dos países mais ricos do mundo. O Brasil, desde a segunda guerra mundial, vinha crescendo maravilhosamente bem. A partir da crise do petróleo, nos anos 80, o Brasil desandou. Ainda não aprendeu a conviver democracia com legitimidade social.

Argentina e Brasil precisam superar suas crises internas de hegemonia. 

- Vão ser países exportadores de matérias primas?
- Ou vão recuperar a industrialização e avançar para disputar o mercado internacional?
- Vão ser países livres e presentes no cenário internacional?
-  Ou vão virar capachos dos Estados Unidos, como querem o PSDB, no Brasil, e o Macri na Argentina?

Como Menem e FHC passaram,
Macri e Temer/PSDB também passarão.

domingo, 18 de dezembro de 2016

Aposentadorias dos militares ameaçadas

Imprensa e bancos querem cortar salários dos militares

O desafio é a reação dos militares

Se o os juízes estão derrubando governos e prendendo políticos como reação à reforma dos salários e aposentadorias dos funcionários públicos, imaginem como ficarão os militares se algum político tiver a ousadia de propor redução dos benefícios dos militares?

O único setor da sociedade que tem condições de derrubar governo que ainda continua na moita são os militares... por enquanto.

Vejam o que diz a Folha deste domingo:

- as despesas com MILITARES inativos e pensões. Chegam a R$ 32,44 BILHÕES 

- valor equivalente a quase metade do deficit do sistema previdenciário do setor público. 

A Folha, repercutindo a posição da Rede Globo,
coloca como manchete de capa da edição deste domingo: 

Aposentadoria de militar no Brasil é mais generosa (sic).

E complementa o jornal na capa...

Para 30 anos de trabalho, militares BRASILEIROS 
recebem benefício integral (diga-se salário integral),

Enquanto nos Estados Unidos os militares recebem apenas 60%
e no Reino Unido (Inglaterra) os militares recebem somente 43%.

Diz ainda a Folha:
- para as mulheres militares, o tempo exigido é de apenas 25 anos. 

Se igualar as civis mortais, as mulheres perderão estes direitos
e se aposentarão com 65 anos ou muito mais. 

Pior ainda! 

Diz a Folha que as Forças Armadas
respondem por 45% do DEFICIT DO SISTEMA!

O Brasil é um dos países mais transparentes do mundo,
embora a imprensa esconda as informações
e só as usa quando convém.

Já o Judiciário é o setor da sociedade e o poder
que mais esconde informações corporativas.
Não é por acaso que tanto os militares quanto 
o judiciário têm FORUM ESPECIAL. 
Não são iguais aos demais brasileiros. 

Não precisa ser comunista para se exigir
DIREITOS IGUAIS PARA TODOS, 
basta ser democrata.

Para complicar ainda mais,
no governo Lula o ministro da defesa era do PC do B.
Já no governo Temer, o ministro da defesa é ex-PARTIDÃO.

Tudo isso rima com CONFUSÃO.

Por isso que acho melhor SUSPENDER TODAS AS REFORMAS,

CONVOCAR DIRETAS JÁ!
NOVA CONSTITUINTE

E começar tudo outra vez.

Um novo Brasil.
Uma nova República
Um novo pacto social
Onde todos os brasileiros tenham os mesmos direitos e deveres.


sábado, 17 de dezembro de 2016

Brasil perde a inocência

Perde a ética, a neutralidade e a vergonha

Durante anos aprendemos que o Estado era neutro, isto é, o juízes não tomavam partido, os militares não tomavam partido, os professores não tomavam partido e os pregadores religiosos como padres e pastores evangélico priorizariam as palavras de Deus e da Bíblia, em vez de fazerem pregação partidária.

Acabamos com a ditadura militar, num processo de ampla mobilização nacional, recebendo de volta os exilados, anistiando os cassados pela ditadura, legalizamos todos os partidos políticos, como nunca antes acontecera por um longo período e acreditamos que estávamos entrando numa nova fase da vida brasileira.

Estávamos deixando de ser vira-latas, para ser cidadãos do mundo. 
Esta esperança de um novo Brasil também contaminou o mundo. O clima era tão bom que até tivemos autorização do mundo para realizar no Brasil uma Copa do Mundo e um Olimpíadas. O máximo da aceitação internacional.

Até elegemos um sociólogo, um operário e uma mulher como presidentes da República. Parecia que o atraso e o preconceito eram coisas da República Velha. Coisa da época da guerra-fria...

De repente, não mais que de repente, veio uma crise econômica internacional, em 2008, provocada pelos bancos americanos e europeus, e o mundo mais uma vez teve que pagar a conta. Principalmente os países mais pobres e menos estruturados.

No primeiro momento, o Brasil tinha gordura para queimar, e Lula afastou a marolinha. Com o fim das gordurinhas e a eleição de uma pessoa que não tinha a habilidade de Lula, as coisas foram ficando mais difíceis, facilitando as provocações e os boicotes da direita.

A direita grosseira, cínica e ditatorial que a gente pensava que não existia mais, essa direita foi tomando coragem, começou a voltar às ruas, e, na medida que o governo Dilma errava, a direita crescia e mostrava suas garras...

Essa direita foi ficando tão cínica que já não esconde a manipulação na Imprensa, já não nega que legisla para tirar as conquistas democráticas e sociais da época da Constituinte e da redemocratização, até o judiciário, que antes era cuidadoso, agora, usa e abusa da legislação para prender, ameaçar, intimidar, espionar, divulgar fatos reais e imaginários, intimidando a todos, como forma de fazer valer suas intenções.

O Brasil que tinha acabado com a ditadura militar, depois de um período de esperanças e de grandes realizações, voltou a ser um país pequeno, uma ditadura - não militar - mais jurídica e da imprensa. Uma forma mais "civilizada" de fazer ditaduras.

A direita brasileira não precisa mais do "brasileiro cordial".
Agora, esta direita acha que "manda quem pode e obedece quem tem juízo". Nada de querer passar a impressão de que "éramos todos iguais". Não somos. Talvez, nunca tenhamos sidos. Esse é um dos nossos desafios históricos: Reconhecer o que cada um é e o que somos enquanto país. Juntos, porém, diferentes.

O Brasil ainda não estava preparado para ser uma Nação unida, porém plural nas etnias, nas religiões, nos partidos políticos, na cultura e no lazer. Este novo Brasil terá que ser construído com novos embates, nova Constituição, novas regras de concessão de Rádio e Televisão. Um Brasil onde se ensine nas escolas que somos iguais e diferentes, que somos singular e somos plural.

Se a direita nunca aceitou a "ditadura do proletariado",
a esquerda e o povo também não precisam aceitar
as ditaduras militares ou civis.
Muito menos ditaduras jurídicas e midiáticas.

Nunca é tarde lembrar que Democracia quer dizer,
o governo do povo, com o povo e para o povo.

Dom Paulo Evaristo Arns continuará sendo
o Patrono da nossa Democracia e da nossa Liberdade.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Estão fritando o Meirelles?

Meirelles cai antes de Padilha?

No clima de Natal ruim, economia em crise, governo sendo acusado diariamente de "recebedores de propina da Odebrecht" e de ficar refém dos políticos do Congresso Nacional, onde quase "trezentos deles" também constam da lista da Odebrecht, o famoso "mercado" começa a estimular a pressão que o PSDB está fazendo para assumir de vez a Economia, no lugar de Henrique Meirelles.

A Globo está exigindo a demissão de todos os políticos que estão no governo e na lista da Odebrecht. Isso porque na lista aparentemente tem poucos tucanos do PSDB. Estes sempre receberam mais dinheiro do que os outros, mas isso não interessa à Lava Jato. O que interessa é destruir o PT e quebrar o PMDB.

Porque derrubar Meirelles se esse também é tucano?
Acontece que Meirelles é um tucano muito autônomo.
Não subordinado aos tucanos paulistas e mineiros.

Lembram de Aureliano Chaves,
que era vice na ditadura militar,
mas não mandava?

Tucano paulista é assim, quer mandar sozinho.
Os demais são coadjuvantes.
Por isso que, além de derrubarem Dilma,
agora querem também derrubar Temer.

E o caminho para derrubar Temer,
é não deixar a economia dar certo.
Para os tucanos, a palavra de ordem nesse momento é:

- Fora Meirelles, agora.
- Fora Temer, depois.

Esse depois é março ou abril. 
De preferência 31 de março ou 1o. de abril.

Diz alguma coisa????

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Imprensa usa MP para queimar Lula

O circo está armado

Imprensa, Judiciário, PSDB, tudo junto e combinado para destruir a imagem de Lula e do PT. É tudo tão combinado que, antes que qualquer juiz libere a decisão, os jornais já têm cópias dos depoimentos e as versões combinadas com o pessoal do Judiciário e da Polícia Federal.

Um combina o jogo com o outro

Agora a regra é destruir a imagem do PMDB. Destruir Renan, Padilha, Sérgio Cabral e todos os cardeais do PMDB.

Será que antes do impeachment o PSDB, a imprensa e o judiciário não sabiam de nada do PMDB? Se disserem que não sabiam, estão mentindo. Apenas eles usaram o PMDB porque sem este partido não teria o impeachment. O PMDB está se sentindo traído. Ou vendido...

Agora o PSDB vai deixar Temer sangrando até renunciar ou ser fritado e destruído pela opinião pública envenenada pela imprensa e alimentada pelo judiciário.

O problema é que até o judiciário está ficando desacreditado. 

O PSDB é tão cínico que diz que só vai assumir no lugar de Temer se for através de eleições diretas. Mas "no meio do caminho tem uma pedra" e esta pedra chama-se Luis Inácio Lula da Silva. E FHC tem medo de perder para Lula e passar um vexame internacional.

Como impedir que Lula ganhe as eleições diretas?

Muito simples, tornando-o inelegível.
Para os mais cínicos, tornar Lula inelegível é pouco.
É preciso prendê-lo e humilhá-lo.
Como fizeram com Tiradentes.
Esquartejado e exposto em Praça Pública.

O problema desta tramoia politica é que a economia não está ajudando. 
Talvez, antes de tirar Temer, tenha que tirar o Meirelles.

Até março saberemos quem cai primeiro.
Temer ou Meirelles...

Enquanto isso, vamos para a Catedral da Sé despedir-se de Dom Paulo.
Amanhã, a partir das 14:00 h teremos a missa de despedida.

Que dom Paulo continue nos defendendo das maldades dos conservadores.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Dom Paulo continua entre nós

Uma vida que já entrou para a História

Depois do crime do Congresso Nacional, ao aprovar a PEC-55 no dia de ontem, hoje fomos informados pela Cúria de que, aos 95 anos de idade, Dom Paulo faleceu nessa manhã.

Se o Brasil e a América Latina devem muito a Dom Paulo, a Classe Trabalhadora deve muito mais. A própria existência da CUT - Central Única dos Trabalhadores, primeira central sindical criada no Brasil em 500 anos, tem muito a ver com a dedicação de Dom Paulo em defesa dos pobres, do classe trabalhadora, dos índios e da liberdade para todos.

Convivi com Dom Paulo desde meados dos anos 70 do século passado.
Já na faculdade, compartilhava os ensinamentos de Dom Paulo. Depois de formado, ao passar a atuar no movimento sindical, nossa convivência foi maior. Mais tarde, conheci dona Zilda Arns, irmã e fundadora da Pastoral da Criança. Com esta convivência, conheci o filho de dona Zilda Arns, Rogério, tendo tido a felicidade de ser convidado a ser padrinho de casamento de Rogério.

Depois que Dom Paulo aposentou-se, continuei a registrar nesse blog seus aniversários. E hoje, com tristeza, registro a sua morte. Desde a aposentadoria de Dom Paulo, a Igreja Católica passou por um período obscuro, quando acabaram com a Teologia da Libertação. Voltando a olhar para os pobres e para a Democracia a partir da escolha do Papa Francisco.

Dom Paulo continua entre nós, para sempre. 
Que sua família receba nossas preces e nossa solidariedade.

Que a vida de Dom Paulo ilumine o Brasil
e contribua para que voltemos a ter paz,
progresso, emprego, respeito às diferenças
e, acima de tudo, respeito à vida e
à Democracia para todos.

O Brasil e a Síria em guerra?

No Brasil as bombas matam a longo prazo

Na Síria as bombas matam na hora

No Brasil a história está se repetindo, apenas trocando os uniformes. 

Em 13 de Dezembro de 1968 os militares baixaram o AI-5, impondo a ditadura total. Acabando com os poderes do Congresso Nacional e do Judiciário. Ficando apenas o poder absoluto das armas pesadas, incluindo a grande censura aos meios de comunicação. É claro que a imprensa que apoiava os militares continuaram sem censura, como a Rede Globo. A principal porta-voz dos militares.

Em 13 de Dezembro de 2016, os golpistas aprovaram no Congresso Nacional, a maior bomba da História do Brasil. Através da PEC-55, chamada de Reforma Fiscal, que congela os orçamentos dos Municípios, dos Estados e da União, o Brasil vai andar para trás, vai diminuir de tamanho, privatizando tudo e transformando-se num país de segunda categoria. Abriu as portas para implantar o modelo neoliberal radical, o mesmo que foi implantado no Chile, durante a ditadura militar de Pinochet.

A nova ditadura brasileira tem amplo apoio da Imprensa e do Judiciário.
Aparentemente, quem vem mandando de verdade é a Rede Globo. Os políticos e os partidos estão reféns dos golpistas. Os americanos administram de longe.

Nas Américas, o imperialismo americano está impondo uma derrota atrás da outra contra os desenvolvimentistas e que defendem a inclusão social. Com os golpistas atuais, liderados pelos tucanos do PSDB, pobres voltarão a ser pobres e excluídos...

Já para a Síria, o dia 13 de dezembro de 2016, será lembrado como o dia da grande derrota dos revoltosos contra o governo local.

Caiu Alepo!

A maior cidade da Síria, controlada pelos rebeldes há vários anos, finalmente voltou para o controle do governo. Graças a ajuda dos russos... Foi uma grande derrota dos Estados Unidos e seus aliados que estão implodindo o Oriente Médio.

A Síria está destruída. Como a Líbia e o Iraque também estão destruídos. A ditadura no Egito também está em crise. E os muçulmanos radicais se espalham pela Europa causando pânico e morte. Culpa dos muçulmanos ou culpa do Ocidente que invadiu seus países?

E ainda não começou o ano de 2017...

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

2017 será diferente de 1917?

Prenúncios de tragédias

Ao olhar os jornais vemos notícias de tragédias em  todas as regiões do mundo. As eleições americanas jogam o país na incerteza, a mesma incerteza na Alemanha, com a mesma certeza de endurecimento na França,  que se soma com as derrotas na Inglaterra e na Itália.

Ao mesmo tempo a Ásia cresce, o Oriente Média pega fogo em guerras intermináveis e a África sucumbe na sua própria precariedade de  formas de organização dos Estados e das Comunidades.

Tudo isso sem a existência de um país ou grupo de países que consiga estabilizar o mundo econômico, político e social.

Para onde caminha a humanidade?

Em 1917 o mundo caminhava para o fim das monarquias e dos impérios diretos. Apesar das grandes guerras, o mundo renasceu mais democrático do que era antes. Apesar dos milhões de mortos...

Em 2016, às vésperas do Ano Novo de 2017, o novo ainda não deu as caras, só aparece o velho. Não por acaso estão vendendo tantos livros sobre as guerras mundiais. Comprei a ótima edição das Memórias da Segunda Guerra Mundial, de Churchill, e ganhei dois ótimos livros sobre a primeira guerra mundial: Um de David Stevenson, 1914-1918, uma caixa com quatro volumes; e o livro de Ian Kershaw, De volta do inferno, sobre a Europa entre 1914 e 1949.

Além de estudar as guerras, é fundamental que estudemos as economias. Tanto a economia chinesa, como a americana e a mundial. Para isso, além de estudar a importância do câmbio e da multinacional, temos que estudar a necessidade de um novo sistema financeiro mundial. Um bom livro para aprender sobre as mudanças mundiais continua sendo O Capital no século XXI, de Thomas Piketty.

Para concluir, é bom lembrar que em 1917, o Brasil, mesmo sendo um país atrasadinho, já enfrentava sua primeira greve geral. Isso antes da Revolução Russa de 1917. Reflexos das grandes migrações e das derrotas militares humilhantes.

A História não se repete,
mas ensina muito as pessoas.

Os poderosos de hoje,
podem virar pó em poucos dias.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

BRF continua machista e racista

Antepropaganda da BRF

Esta parceria BRF/DM9/Estadão não está dando certo. 
Pode estar ajudando financeiramente o jornal Estadão,
mas está prejudicando a imagem da BRF.

Hoje, mais uma vez, a propaganda aparece somente no Estadão.
A Folha continua sem publicar anúncios da BRF.
Assim a Folha não se queima.

Na propaganda de hoje,
ALÉM DE NÃO TER NENHUM NEGRO ou NEGRA,



TREZE HOMENS,

BRANCOS!

Imagino que as fotos são de funcionários da BRF.
Já que falam de CONFIANÇA.

Mas a propaganda é para os clientes, consumidores,
mercado potencial e países em geral.

Logo, o mundo é plural!

Há funcionários negros na BRF?
Quantas MULHERES trabalham na BRF?

Por que só colocar fotografias de homens?
Por acaso, são o sexo e a etnia que garantem
a qualidade dos produtos da BRF?

Com a palavra ABILIO DINIZ.

P.S.: 

Agora saiu no jornal VALOR.

Mais tarde, quando fui ler o jornal Valor, descobri que agora a BRF também publicou anúncio nesse jornal. É um anúncio que já saiu no Estadão. Tendo cinco homens e duas mulheres. Todos brancos.

Como a Folha vendeu sua participação no controle do jornal para a Rede Globo, as propagandas ficaram apenas para o Estadão e o Valor.

Agora, vamos ver se o jornal Valor e a Rede Globo ajudam a mudar a forma de a BRF fazer propaganda. Como na Globo há muitos artistas negros, vamos ver se a BRF também reconhece a importância das mulheres e dos negros e negras na  publicidade e na vida.

domingo, 11 de dezembro de 2016

Seis anos de blog, 500.113 acessos

O mundo lendo o blog. 128 países...

Você sabe onde fica Antígua e Barbuda? Procure no Google...

Pois alguém de Antingua e Barbuda também acessa esse blog. Como outros pessoas da Argélia, das Filipinas, da India, do Japão, da Rússia, da Síria, da Turquia, de Angola, de Moçambique, da Colômbia, do Uruguai, do Canadá, da França, da Alemanha e principalmente dos Estados Unidos. 

Graças à internet, o mundo está on line...

Com o nosso blog passando dos 500 mil acessos, quero agradecer ao pessoal da Escola 28 de Agosto, do Sindicato dos Bancários de. São Paulo, que teve a ideia de criar o blog e dizer que bastava eu contar um caso ou fazer um comentário por dia.

Na verdade, eu gostaria de falar mais das flores, de música e das pessoas. Infelizmente, a política brasileira anda tão mesquinha que fica impossível não falar da política, da economia, do judiciário, da imprensa e da corrupção.

Uma das primeiras musicas que botei no blog foi Sabiá de Tom Jobim, comece cantando. Linda interpretação. Passou o tempo e eu ouvi na Rádio USP Elis Regina cantando, acompanhada de piano. Simplesmente divina! Meu ipad anda dificultando as coisas e já não consigo publicar musicas. 

Mas este ano eu comprei um livro maravilhoso, chamado Histórias de Canções de Tom Jobim. Vejam a letra da música Sabiá. Poesia de primeira qualidade. Prestem atenção na última parte...

Vou voltar
Sei que ainda vou voltar
Não vai ser em vão
Que fiz tantos planos de me enganar
Como fiz enganos de me encontrar
Como fiz estradas de me perder
Fiz de tudo e nada de te esquecer.

Se vocês souberem acrescentar a música, vou ficar agradecido.

Como aqui na Vila Madalena tem muitos sabiás,
Vou acrescentar foto de flores,
Dos jardins onde cantam os Sabiás...


Como dizia Tom Jobim: o jasmineiro floriu.
Aqui em São Paulo diz-se " o pé de Jasmin..."

Parece dezembro
De um ano dourado
Parece bolero
Te quero, te quero
Dizer que NÃO QUERO

Ditadura nunca mais...

sábado, 10 de dezembro de 2016

Governo mata antes da aposentaria

Aposentadoria:

GOLPE FATAL NA PROTEÇÃO SOCIAL


No Brasil, milhões de pessoas morrem 
antes de completar 65 anos. 
Com essa idade mínima e o aumento do tempo de contribuição de 15 para 25 anos, a maioria dos brasileiros será excluída da aposentadoria. É um grande retrocesso que penaliza os mais pobres e as pessoas que dependem dos benefícios previdenciários para sobreviver com o mínimo de dignidade.

A reforma está pautada em nome de um deficit da Previdência. 
Se o que justifica essa perversidade é o alegado deficit, o governo deveria atacar as reais causas: isenções fiscais (R$ 88 bilhões em 2015); sonegação, que tira da Previdência mais de R$ 100 bilhões por ano; e, principalmente, cobrar a dívida ativa da Previdência, que soma R$ 340 bilhões.

As novas regras irão dificultar o acesso à aposentadoria de todos os trabalhadores, especialmente aqueles que têm MENOR qualificação e salário, como domésticas e pedreiros.
Hoje, para se aposentar por idade -homens aos 65 anos, mulheres aos 60-, os trabalhadores precisam contribuir no mínimo 15 anos. Caso as novas regras sejam aprovadas, homens e mulheres terão de contribuir no mínimo 25 anos e ter 65 anos.

As mulheres serão ainda mais prejudicadas, pois terão de contribuir dez anos a mais e trabalhar mais cinco anos para se aposentar por idade. A Constituição brasileira, que estabelece um tratamento diferente às mulheres por uma série de fatores -entre eles, maior responsabilidade na criação dos filhos, tripla jornada, menor renda e discriminação no mercado de trabalho-, foi ignorada.

A desgraça vai se espalhar no campo e na cidade. 
A PEC prevê regras quase inatingíveis para trabalhadores rurais. A idade mínima para ter direito ao BPC (Benefício de Prestação Continuada), pago a idosos e portadores de deficiência de famílias pobres, vai aumentar um ano a cada dois, até passar dos atuais 65 anos para 70. O benefício também ficará menor, pois será desvinculado do salário mínimo.

Os trabalhadores rurais, responsáveis pela produção de mais de 70% dos alimentos que chegam às nossas mesas, serão enquadrados nas mesmas regras dos urbanos. A reforma praticamente acaba com o benefício especial a que eles têm direito em função das condições de trabalho que enfrentam.

Hoje eles não precisam comprovar tempo de contribuição, basta idade -60 para homens e 55 para mulheres. Só contribuem quando comercializam parte da produção, o que nem sempre é possível. Com a reforma, mesmo que produzam apenas o suficiente para sua própria subsistência, terão de contribuir por 25 anos e esperar os 65.

Mas o baú de maldades não terminou. 

A PEC prevê aumento da idade de acesso à aposentadoria toda vez que o IBGE detectar aumento da expectativa de sobrevida. Nos últimos dez anos, a expectativa cresceu 4,6 anos. Se as novas regras da Previdência com idade mínima de 65 anos estivessem em vigor há dez anos, o mínimo hoje seria quase 70.

Pelas novas regras, os brasileiros terão de contribuir durante 49 anos para ter direito ao valor integral do benefício -o teto hoje é R$ 5.189. Isso é inviável para a maioria da população, que enfrenta vários períodos de desemprego.

Trata-se de um golpe fatal em uma das mais eficazes políticas sociais 
de distribuição de renda e inclusão social do Brasil. 

Sem a Previdência, o total de pessoas abaixo da linha da pobreza 
aumentaria em 25 milhões e 
70% dos idosos estariam em condição de extrema miséria.  

O governo optou pela Previdência Privada 
em detrimento da Previdência Social definida pela Constituição, 
com uma proposta que acaba com as políticas de proteção 
e assistência social aos idosos e aos mais pobres.

VAGNER FREITAS 
é presidente nacional da CUT (Central Única dos Trabalhadores)

Texto publicado na página 3 do jornal Folha de S.Paulo de hoje.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Aposentadorias: O gigante acordou

Metalúrgicos do ABC param montadoras e Via Anchieta

As montadoras vinham demitindo milhares de trabalhadores, dizendo que a recessão estava derrubando as vendas e assim diminuía a produção. A categoria sentia o impacto das demissões dos lay-off e da humilhação de ficar em casa sem trabalhar.

A direita deu o golpe no governo Dilma, alegando que acabaria com as demissões, faria a economia crescer e combateria a corrupção. O povo acreditou na direita e nos golpistas, afinal, Dilma não estava conseguindo impedir a crise  econômica e chegou até a nomear um neoliberal tucano para o Ministério da Fazendo. Joaquim Levy também não deu certo. O voto aceitou o golpe.

Depois do golpe, como o governo de Temer era um governo que não passou pelas urnas, sentiu-se também sem compromisso com as demandas sociais e este governo golpista passou a fazer reformas defendidas pelo PSDB desde a época de FHC.

O neoliberalismo passou a ser implantado de forma impiedosa no Brasil. 
Aprovado por parlamentares golpistas, mercenários e traidores do povo.

Mais recessão, mais desemprego, juros altos, Reforma Fiscal, arrocho nos Estados e Municípios, corte nas políticas sociais, redução do salário mínimo, reforma trabalhista, terceirização, negociado e legislado, reforma da educação e privatização à preço de banana.

Tudo isso foi aprovado  em Brasilia com amplo apoio da imprensa e ante o silêncio do povo.

De repente, não mais que de repente, o governo resolveu tornar pública sua proposta de mudança da Constituição brasileira, conhecida como PEC da Reforma da Previdência. É o maior crime contra a população brasileira. Até o coxinhas apoiadores dos golpistas, estão contra a proposta de Reforma da Previdência.

Ante o descontentamento geral, a vanguarda dos trabalhadores brasileiros, os operários das montadoras de automóveis do ABC, reuniram-se nos locais de trabalho, chamaram o Sindicato e aprovaram parar as fábricas e a Rodovia Via Anchieta.

O gigante acordou!

O Brasil viu a rodovia parada, os operários dizendo NÃO a esta Reforma da Previdência. Mais uma vez o ABC paulista volta a ser a vanguarda do Brasil.

Os maiores prejudicados são os trabalhadores rurais,
principalmente as mulheres trabalhadoras rurais, depois,
as mais prejudicadas são as mulheres como um todo.
Os jovens terão que trabalhar a vida toda para se  aposentar,
os que já são maduros, trabalharão até morrer, se é que vão se aposentar...

Já se fala abertamente em derrubar o presidente Temer.
Já se fala abertamente em ocupar o Congresso Nacional.
Já se fala abertamente em fazer manifestações em frente as casas dos deputados.
Já se fala abertamente que esse Brasil vai transformar-se numa Venezuela.

Se queriam um motivo para derrubar o governo,
exigir novas eleições gerais para limpar esse Congresso Nacional,
com esta Reforma da Previdência as condições estão dadas. 

Ou o Brasil impede a aprovação desta Reforma Assassina, 
ou os brasileiros morrerão abandonados pelo seu governo.

Que se mude o governo!
Que se salve o Brasil.

Trabalhadoras e Trabalhadores do Brasil, Uni-vos! 

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

O Homem do Ano: Emilio Odebrecht

Um herói num país de covardes

Os jornais golpistas dão manchetes informando que o sr. EMILIO ODEBRECHT, cumprira quatro anos de prisão domiciliar - COM USO DE TORNOZELEIRA - decorrente do acordo de DELAÇÃO na Lava Jato.

Este homem brioso, que já tinha deixado suas funções como gestor do seu grande grupo econômico, para socorrer o filho e seus negócios, ofereceu-se a desempenhar o ingrato papel de DELATOR, dedo duro e outra coisas ruins.

Não adianta os fascistas dizerem que ele merece tudo isso em função do que fazia sua empresa. Um dos crimes que sua empresa fazia era doar dinheiro para o PSDB e os demais partidos. Mas, para esses mesmos fascistas, só vale o crime de ter doado dinheiro para o PT. Mesmo que o dinheiro tenha sido registrado no partido e reconhecido pelo TSE - Tribunal Superior Eleitoral.

Mas tem outras falcatruas que não são legais, dizem os mesmos fascistas. Mais uma vez reconhecemos que estas falcatruas abasteceram TODOS os partidos e muitos dos funcionários públicos e de estatais, além de governadores, prefeitos e presidentes. A lei não é igual para todos no Brasil atual. A lei virou conveniência.

O filho do sr. Emilio, Marcelo Odebrecht, também resistiu com bravura.
Mas o prêmio de "O Homem do Ano", merece ser dado a seu pai. 

As entidades patronais, empresariais e mesmo instituições como a OAB, ou apoiaram o golpe, ou se omitiram ante as prisões e exposições ao ridículo de empresários e seus familiares.

Triste o país que passa por tão grande vexame!
Querem passar o país à limpo?
Vamos passar efetivamente tudo a limpo.
Os Executivos, os Legislativos, os Judiciários, as Polícias, as entidades patronais e dos trabalhadores, as Igrejas e os Conselhos Federais.  Vamos passar a Imprensa a limpo?

O tempo vai mostrar quanta mentira e quanta injustiça se cometeu nesse período brasileiro. Ainda vamos recuperar a dignidade nacional.

Os fascistas que foram e vão para as ruas ou para a imprensa combater a corrupção seletiva, agora vão sentir as medidas negativas deste governo ilegítimo. A reforma da Previdência está acabando com a aposentadoria de milhões de brasileiros e brasileiras. As mulheres, os trabalhadores rurais e os jovens serão os principais prejudicados. A recessão está levando milhares de pequenos e médios empresários à falência. O povo está ficando desempregado e sem perspectivas...

Ah, seu Emílio, mesmo sofrendo muito,
não tenha vergonha de seu filho, nem de seus diretores, tenha orgulho! Eles fazem parte da nossa história. Eles são iguais à maioria do povo brasileiro. Os covardes e os fascistas é que são minoria.

Que Deus dê muitos anos de vida ao sr. Emílio, para que ele possa viver para ver o reconhecimento histórico de sua vida e de sua dignidade.

Dias melhores virão...
Como nas guerras, os traidores e covardes sempre aparecem.


quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

BRF não confia nos Negros e Negras?

Presente em mais de 95% dos lares brasileiros

Lares de brancos ou lares que incluem os negros?

Se os negros e negras comem produtos da BRF,
porque não podem aparecer nas propagandas?

Se a BRF está presente em 95% dos lares brasileiros,
como diz a propaganda no Estadão de hoje,
se os negros e negras representam 53,6% da população brasileira,

Porque os negros e negras NÃO PODEM aparecer nas propagandas da BRF?

Passei três dias em Florianópolis, Santa Catarina, a terra onde nasceu a Perdigão e a Sadia, ambas que formam as principais empresas da BRF, quando cheguei em casa e fui ver os jornais, mais uma vez não tem propaganda da BRF na Folha, mas tem TRES PAGINAS no Estadão.

O curioso é que agora, na foto dos funcionários da BRF,
se antes tinha mulher e não tinha negros,
na foto de hoje aumentou para  TREZE HOMENS BRANCOS!!!

NENHUM NEGRO. 
E, nenhuma mulher. 
É grave...

Isso é um escândalo!
Se fosse nos Estados Unidos,
já haveria um levante nacional.

Tudo bem que o Brasil está uma zona,
mas não precisa que as empresas ajudem a desmoralizar ainda mais nosso país.

Por falar em Brasil, na foto dos jornais em que o presidente Temer aparece sendo homenageado com outros políticos, há uma pessoa que parece Abílio Diniz. 

Se Abílio está no Brasil,
porque não resolve esses erros publicitários da BRF e da DM9?

Brasil desgovernado

Judiciário é corporativista?

O Brasil está vivendo uma verdadeira crise de autoridade. Já que as autoridades estão brigando umas contra as outras e o povo está pagando o pato.

Quando vão botar ordem no Brasil?

Só fazer manifestações de ruas não resolve. Agora com a reforma da previdência, o povo vai ter que se manifestar de forma mais efetiva.

Chega de tanto abuso!

Vamos botar ordem na zona...

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Democracia ou Guerra?

Qual Democracia?

Existe a Democracia Representativa e Presidencialista;
A Democracia Representativa  e Parlamentarista;
A Democracia Participativa e Presidencialista;
A Democracia Participativa e Parlamentarista;

Como existem Democracias com Monarquias e 
Até existem Democracias Religiosas e Étnicas, 
Como Israel e Japão...

Da mesma forma que existem vários tipos de Democracias, 
Também existem vários tipos de Guerras.

A direita brasileira deu mais um golpe na Democracia,
Golpe que contou com amplo apoio do Judiciário e da Imprensa.

As Democracias da Ruas sempre levaram os países ao impasse e às guerras...
As Democracias que consultam e respeitam todos os eleitores sempre são mais sólidas e legítimas.

As pessoas precisam ter mais cuidado com o que falam e escrevem. 
Principalmente quando têm cargos relevantes.

BRF continua contra os negros

Dando dinheiro para o Estadão

Desta vez a propaganda da BRF, publicada mais uma vez no Estadão, só tem DIRETORES. Como na foto só tem diretores, é normal que todos sejam BRANCOS. É rara uma grande empresa brasileira ter negros ou negras na diretoria. Isso é típico de um país racista.

Outra coisa que chama atenção é a propaganda está somente no Estadão. Deixando a Folha de fora. Porque estão privilegiando o Estadão? Qual é o acordo? Será que o Estadão também é racista?

Enquanto a BRF não se explicar o porque vem fazendo propaganda somente com pessoas brancas, este blog vai repercutir negativamente a ausência de negros e negras como parte fundamental do povo  brasileiro.

Já fomos procurados por vários sindicatos de trabalhadores querendo ampliar a campanha pela inclusão dos negros e das negras.

Já tivemos sugestões para ampliar a campanha para recomendar o boicote aos produtos da BRF. Mas achamos que ainda não é o caso.

Nosso blog é acompanhado por 128 países e está chegando a 500 mil acessos.
Por isso preferimos fazer Política Afirmativa.
Para nós, é mais importante os negros e negras serem reconhecidos como importantes. Não queremos prejudicar a empresa. Queremos justiça!

domingo, 4 de dezembro de 2016

PMDB pode botar tudo a perder

Vão entregar o Ministério da Fazenda ao PSDB?

Política e economicamente o Governo Temer está refém do PSDB. Mas a política econômica do PSDB não está dando certo e o PMDB está pagando caro pelo fracasso da economia.

O PSDB, por sua vez, usa o Judiciário e a Imprensa para deixar o PMDB fraco e sem votos nas ruas. O maior retrato disso é a popularidade de Temer. É de fazer o povo sentir saudade de Dilma.

O judiciário aproveita-se da fragilidade de Temer e do PMDB para legislar em causa própria, tentando transformar o Brasil numa ditadura do judiciário, respaldado pelos empresários e pela imprensa.

O problema é que politicamente o povo não aguenta mais o PMDB, mas o povo também não quer a política neoliberal e entreguista do PSDB. O judiciário pode quebrar empresas, mas não pode governar a economia.

O Brasil caminha rapidamente para o impasse.

Os empresários golpistas recomendam tirar Temer e botar FHC. Assumindo de fato o governo e deixando o PMDB como coadjuvante. Como sempre foi... Precisa, no entanto, perguntar aos pemedebistas...

E se o PMDB rachar?
Já botaram a perder a relação com o PT
E podem botar a perder a subserviencia ao PSDB.

Restarão as Forças Armadas e o Povo.

Com quem ficarão?


sábado, 3 de dezembro de 2016

Brasil em marcha à ré

Mentira tem perna curta

A imprensa mentiu quando disse que bastava tirar Dilma do governo que a situação melhorava;

A imprensa mentiu quando disse que o desemprego ia diminuir depois do golpe;

A imprensa mentiu quando disse que o custo de vida ia melhorar com a reforma fiscal;

A imprensa mentiu quando disse que corruptos eram os petistas e omitiu o PSDB e os demais golpistas;

A imprensa mentiu quando disse que com a Delação Premiada da Odebrecht acabaria com a corrupção no Brasil;

A imprensa mentiu quando disse que a lava jato não era partidária e mentiu também quando disse que a justiça era justa e ética;

A imprensa mentiu quando acobertou os políticos que trairam Dilma em troca de cargos no governo Temer;

A imprensa mentiu quando disse que a reforma da previdência é mais importante do que a redução do pagamento dos juros e da dívida pública; 

A imprensa continua mentindo quando esconde que está armando a troca de Temer por Fernando Henrique Cardoso;

Por causa de todas estas mentiras,

O Brasil está retrocedendo no tempo, 
O Brasil está na pior recessão dos últimos vinte anos, 
O Brasília está sendo sucateado, vendido a preço de bananas aos estrangeiros.

O Brasil em marcha à ré...
Até quando?

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Desculpe, o Brasil errou

Todos estamos aprendendo várias lições

Hoje é mais um dia histórico para o Brasil, para os empresários, para os políticos, para o judiciário, para a imprensa e para o povo em geral.

Estamos vivendo um período como se fosse uma guerra, com forças de ocupação obrigando os perdedores a confessar erros desproporcionais, como um processo stanilista ou kafkaniano. Muitas instituições deveriam ter vergonha pelas omissções de seus pares. Particularmente as entidades patronais, como a Fiesp e a CNI.

Perdemos também a noção do que justiça e direito. Aqui tudo está sendo possível. O tempo vai mostrar quem tem e quem não tem razão. Quem cometeu abuso e quem se omitiu. 

As palavras da Família Odebrecht, registradas nesta matéria paga  e publicada nos jornais de hoje, não representam tudo que a família sente. Muitos que usufruíram da familia estão se escondendo e até aproveitando-se da tragédia. 

Quiçá seja a hora de todos os brasileiros e brasileiras reconhecerem sua omissão e também os seus erros. O Brasil que está sendo construído não é o Brasil da dignidade, é sim o Brasil da vergonha!

A Família Odebrecht merece nosso TOTAL RESPEITO!

A seguir, a íntegra do pedido de desculpas:
 
COMUNICADO ODEBRECHT
DESCULPE, A ODEBRECHT ERROU


A Odebrecht reconhece que participou de práticas impróprias em sua atividade empresarial.
Não importa se cedemos a pressões externas. Tampouco se há vícios que precisam ser combatidos ou corrigidos no relacionamento entre empresas privadas e o setor público.
O que mais importa é que reconhecemos nosso envolvimento, fomos coniventes com tais práticas e não as combatemos como deveríamos.
Foi um grande erro, uma violação dos nossos próprios princípios, uma agressão a valores consagrados de honestidade e ética.
Não admitiremos que isso se repita.
Por isso, a Odebrecht pede desculpas, inclusive por não ter tomado antes esta iniciativa.
Com a capacidade de gestão e entrega da Odebrecht, reconhecida pelos clientes, a competência e comprometimento dos nossos profissionais e a qualidade dos nossos produtos e serviços, definitivamente, não precisávamos ter cometido esses desvios.
A Odebrecht aprendeu várias lições com os seus erros. E está evoluindo.
Estamos comprometidos, por convicção, a virar essa página.

COMPROMISSO COM O FUTURO

O Compromisso Odebrecht para uma atuação Ética, Íntegra e Transparente já está em vigor e será praticado de forma natural, convicta, responsável e irrestrita em todas as empresas da Odebrecht, sem exceções nem flexibilizações.
Não seremos complacentes.

Este Compromisso é uma demonstração da nossa determinação de mudança: 

1.      Combater e não tolerar a corrupção em quaisquer de suas formas, inclusive extorsão e suborno.
2.      Dizer não, com firmeza e determinação, a oportunidades de negócio que conflitem com este Compromisso.
3.      Adotar princípios éticos, íntegros e transparentes no relacionamento com agentes públicos e privados.
4.      Jamais invocar condições culturais ou usuais do mercado como justificativa para ações indevidas.
5.      Assegurar transparência nas informações sobre a Odebrecht, que devem ser precisas, abrangentes e acessíveis, e divulgadas de forma regular.
6.      Ter consciência de que desvios de conduta, sejam por ação, omissão ou complacência, agridem a sociedade, ferem as leis e destroem a imagem e a reputação de toda a Odebrecht.
7.      Garantir na Odebrecht e em toda a cadeia de valor dos Negócios a prática do Sistema de Conformidade, sempre atualizado com as melhores referências.
8.      Contribuir individual e coletivamente para mudanças necessárias nos mercados e nos ambientes onde possa haver indução a desvios de conduta.
9.      Incorporar nos Programas de Ação dos Integrantes avaliação de desempenho no cumprimento do Sistema de Conformidade.
10.  Ter convicção de que este Compromisso nos manterá no rumo da Sobrevivência, do Crescimento e da Perpetuidade.

A sociedade quer elevar a qualidade das relações entre o poder público e as empresas privadas.
Nós queremos participar dessa ação, junto com outros setores, e mudar as práticas até então vigentes na relação público-privada, que são de conhecimento generalizado.
Apoiamos os que defendem mudanças estruturantes que levem governos e empresas a seguir, rigorosamente, padrões éticos e democráticos.
É o nosso Compromisso com o futuro. É o caminho que escolhemos para voltar a merecer a sua confiança.

Odebrecht S.A.