quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Como Bill Clinton prejudicou a candidata Hillary Clinton

A Classe Média Branca descobriu 
o lado negativo do neoliberalismo

Quando Bill Clinton foi presidente, ele liberou os bancos americanos para fazer operações financeiras sem cobertura, isto é, sem as garantias reais. Assim, os empréstimos e aplicações financeiras se multiplicaram levando a economia americana à crise hipotecária.

Em 2008 os bancos americanos começaram a quebrar,
levando a crise para a indústria e para muitos outros países.
Parecia a crise de 1929...

Ao mesmo tempo que a economia mundial passou a ser controlada pelo Sistema Financeiro, as indústrias americanas foram transferidas para a China, a custo bem mais baixo, voltando os produtos também mais baratos e mantendo a margem de lucro. Mesmo sendo controladas por indústrias americanas na China, a mão de obra americana foi perdendo os empregos na indústria e migrando para o setor de serviço a custo mais baixo. Isto é, os salários e benefícios ficaram menores...

Depois de Bill Clinton veio Bush filho que tentou salvar a economia americana promovendo novas guerras no Oriente Médio. Além de fazer uma guerra com custos astronômicos, não houve melhora de qualidade de vida para os americanos mais pobres e de classe média. Houve uma grande concentração de renda. Daí surgiu a campanha 1% x 99%. Isto é, 1% de ricos contra 99% de pobres e classe média.

Obama foi a grande esperança do povo americano. A aliança entre os negros, os hispânicos e a classe média branca dos Estados Unidos. Depois de dois mandatos, depois de oito anos, a economia melhorou mas não gerou muitos empregos qualificados. O empobrecimento continuou. E a frustração também.

O neoliberalismo, que na era Reagan ajudou a economia americana, começou a mostrar seu lado perverso exatamente a classe média branca americana. O sonho acabou? O império entrou em crise? Não sabemos... O importante é que a economia esteja voltada para a maioria da população e haja estabilidade social.

Com a crise financeira, mais a dificuldade da recuperação econômica, os prejudicados resolveram votar contra a candidata do sistema financeiro. Em silêncio, o povo resolveu mostrar seu descontentamento. Como Trump fez o discurso de campanha mostrando-se como um empresário independente dos bancos e do governo, o povo se identificou com ele.

Por ironia, a candidata democrata personificou o sistema financeiro e tudo que ele representa. Assim, o governo de Bill Clinton, como protetor dos bancos, acabou tendo um papel negativo sobre a candidatura de sua esposa, a democrata Hillary Clinton. Para o povo, Hillary simbolizava os bancos...

Agora a direita no mundo comemora a vitória de Trump, como se fosse a sua.

Não foi a direita que ganhou.
Foi o neoliberalismo que perdeu.

Se a economia não melhorar,
se não tiver mais emprego e renda,
com certeza o povo irá votar contra quem estiver no governo.

Mais uma vez os brasileiros vão aprendendo o que é a tal da globalização.
Também aqui no Brasil, com seus 35 partidos políticos, mesmo aparentemente a direita sentindo-se a grande vencedora das eleições municipais, o raciocínio continua igual.

Ou a economia melhora, gerando mais emprego e renda,
ou o povo vai votar contra quem estiver no governo.

As crise sempre começam atingindo os pobre e negros,
depois chegam na Classe Média Branca.

Aí, ou se resolve pelo voto
ou se resolve com revoltas e derrubadas de governos.

É tudo uma questão de tempo...

Um comentário:

  1. Raciocínio matemático aplicado à análise politica. Muito bom.

    ResponderExcluir