terça-feira, 25 de outubro de 2016

Promiscuidade Jurídica e Lava Jato

O quê se previa, já acontece

Em nome da lei, normalmente se comete abusos. 
Principalmente em países com democracias frágeis, como é o caso do Brasil.

Os parlamentares de todos os partidos políticos herdaram um sistema eleitoral da ditadura militar, que não foi adequado para uma democracia participativa. Os governantes, em todos os níveis, adequaram-se a este sistema político sustentado por caixa dois e negociatas. Mesmo o PT, quando conquistou a confiança do povo e virou governo, em vez de promover uma limpeza ética, adaptou-se à governabilidade conservadora, incluindo aí a manutenção da política econômica neoliberal com Pallocci.

Com Lula e com a ajuda das exportações para a China, todos ganharam no Brasil, havendo uma grande inclusão social e mais de 40 milhões de brasileiros deixaram a linha da pobreza. Com Dilma, a governabilidade caiu, tanto pelo seu estilo político, como influenciada pela economia em recessão. Mesmo os políticos do PSDB ganharam dinheiro no governo Lula.

O quê o PSDB não aceitou foi perder várias eleições presidenciais... 

Articulados, tanto no Brasil como internacionalmente, os que perderam as eleições em 2014 decidiram dar um golpe de Estado e cassaram a presidente eleita, Dilma Rousseff. Além de usarem pretextos econômicos, deitaram e rolaram usando mecanismos jurídicos para desacreditar o PT e seus aliados.

Para derrubar o governo Dilma, em vez das Forças Armadas, os golpistas usaram e abusaram do Judiciário e da Polícia Federal. Tudo isso articulado com a imprensa.

O quê os golpistas não esperavam é que tão rapidamente o Judiciário e a PF se juntassem com o PSDB para constranger o PMDB e seus aliados. Além de toda manipulação  jurídica e midiática, até juízes de primeira instância começaram a dar autorizações contra os poderes legislativo e executivo em diversos níveis.

Imaginem se no Governo Lula fosse usada uma autorização de um juiz como Vallisney de Souza Oliveira, da 10a. Vara Federal de Brasilia para prender assessores do Senado Federal?   Haveria levante nacional!

Em nome de se querer prender Renan e Collor, o Judiciário não pode passar por cima dos poderes Legislativo e Executivo.

Para Gilmar Mendes, ministro do STF, tudo indica que juiz de primeiro grau não poderia ter autorizado a prisão de policiais legislativos lotados no Senado Federal.

No governo FHC, nenhum juiz de primeira ou segunda instância podia suspender as privatizações. Todas as vezes que alguém autorizava, imediatamente o STF anulava a sentença. O bloqueio era total.

Se agora os juízes de primeira instância estão liberados para fazer política e perseguição aos políticos que não são aliados do PSDB, isto acontece porque é conveniente para os golpistas. Conveniente até quando?

Como em toda ditadura, os golpistas começam falando da lei e da ordem, depois começam a prender qualquer oposicionista. E quando necessário até matam os opositores, como fizeram com Vladimir Herzog, Manuel Fiel Filho e tantos outros...

Ditadura civil não é melhor do que ditadura militar. 
Ambas são ditaduras... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário