segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Eleições2016: Política, Religião e Futebol. Tudo a ver

A Direita venceu? Qual direita?

Um país que tem 35 partidos políticos, sendo 30 direita e apenas 5 de esquerda, quando se diz que a direita foi a grande vencedora das eleições municipais desse ano, perguntamos: Qual direita?

Outra novidade explícita é ver o conjunto de manchetes e títulos da Folha: 

1 - A direita venceu!
2 - O PSDB foi o grande vencedor.
3 - Alckmin consolida vantagem contra Aécio.
4 - Todos que apoiaram o golpe de impeachment ganharam.
5 - O grande perdedor foi o PT (de esquerda).

Podemos concluir que o Brasil é de direita? 
Não. O Brasil está na direita.
Como já esteve na esquerda.

Então, por que tanta euforia da imprensa golpista?
Por que agora a direita golpista poderá usar os resultados eleitorais para dizer que foram "legitimados pelas urnas". O quê é uma meia verdade.

Quantas vezes Maluf e Quércia ganharam eleições em São Paulo, sem o mundo se acabar?
Quantas vezes o PT também ganhou eleições em São Paulo, sem o mundo se acabar?

A capa da Folha me fez entender que a Folha comemorava a grande vitória de seu partido. O PSDB. A Folha sempre foca PSDB, embora tivesse vergonha de assumir publicamente. O Estadão sempre foi assumido. Mesmo antes de ter virado fascista. A Folha e o PSDB são neoliberais e defensores do modelo eleitoral americano. Republicanos e Democratas. Direita e Centro-direita. Para que mais?

Ao ir lendo o primeiro caderno da Folha a gente vai juntando os títulos e manchetes...
Como ensinava o grande psicanalista brasileiro, Fábio Hermann:
"o poder não corrompe, o poder revela".
A euforia também revela, o que se pensa mas não se fala diariamente.

Não é por acaso que se diz que,
Política, Religião e Futebol não se discute por ser perigoso e violento.
Pode liberar o lado primitivo e recalcado do ser humano. 

Curiosamente, nessas eleições, as três coisas apareceram com destaque. 
Houve a negação da política nas eleições e foram eleitos religiosos conservadores e dirigentes de clubes de futebol que aglutinam grandes torcidas em vez de cidadãos para discutir suas cidades e suas comunidades.

A vida é como um jogo. 
Se ganha, se perde, se empata e tudo continua como as estações do ano. Pena que no Brasil a direita não se assuma como direita, a esquerda tem vergonha de ser esquerda, os professores são constrangidos a não falar de política nas escolas, nem de religião e daqui a pouco não poderão falar de futebol...

Mas, tudo passa...
Ainda temos os jovens, os negros, os artistas,
as redes sociais e o coração dos brasileiros e brasileiras.

domingo, 30 de outubro de 2016

Brasil injusto e sombrio

Um país violento, com leis e ética de conveniência

A Folha de hoje faz um Editorial importantíssimo, porém dúbio, como sempre. Digo dúbio por que quando o jornal quer ser sério, ele sabe ser, mas quando quer manipular e fingir de morto, ganha de qualquer um... Esse é o lado triste do jornal. Gostaria de ser progressista, mas não deixa de ser golpista.

Vamos aos fatos do Editorial: 

O Brasil sombrio
"A constatação fala por si: de janeiro de 2011 a dezembro de 2015, o número de mortes violentas intencionais no Brasil chegou a 279 mil, superando o registro de vítimas da sangrenta guerra da Síria  em período semelhante.

Este Brasil sombrio, dos assassinatos, dos latrocínios e das lesões corporais seguidas de mortes expõe um quadro de falência civilizatória e disfunção institucional que se estende há décadas.

É de lamentar que o ESTADO, do qual se esperam políticas de segurança pública,seja na verdade parte indissociável da crise."

O Editorial desenvolve ótima comparação com os números do Reino Unido para, mais na frente, concluir:

"O quadro é crítico e exige medidas urgentes. A sociedade é a maior vítima do jogo de empurra entre Estados e União quando se trata de traçar objetivos e prover recursos para aperfeiçoar as polícias; de reformar o sistema prisional; de agilizar a Justiça e REDUZIR A IMPUNIDADE; de incentivar políticas voltadas para a EDUCAÇÃO e a oferta de oportunidades aos JOVENS."

Agora, meus comentários:

1 - Realmente a violência no Brasil é espantosa tanto na sua quantidade como por ser rotineira. O Brasil tem mais de 800 mil advogados, está entre os três países do mundo que mais tem faculdades de Direito e em número de advogados, no entanto, carrega na sua história a violência e a injustiça. Principalmente contra os pobres e os negros. Ainda mais se forem negros e pobres...

2 - Essa mesma violência sempre esteve presente nas relações capital e trabalho. Isto é, nas relações trabalhistas, no trato com os conflitos agrários, e mesmo nos conflitos grevistas urbanos. Enquanto na Europa as centrais sindicais têm mais de 120 anos, aqui no Brasil, somente foi criada a primeira central sindical em 1983.

3 - O Judiciário está aprovando decisões que estão retrocedendo ainda mais os direitos trabalhistas e a livre organização dos trabalhadores. E os empresários conservadores, como a Fiesp, ainda estão exigindo mais retrocesso com as terceirizações e as flexibilizações nas representações negociais de salários e benefícios.

4 - O Brasil também é violento quando, com o atual governo, em nome de uma reforma fiscal radical, está aprovando leis que congelam os investimentos em EDUCAÇÃO e SAÚDE. Afetando diretamente os mais pobres e principalmente os jovens e negros, facilitando que estes sejam executados pela repressão policial e pela ausência de política pública.

5 - A violência do Brasil também aparece na Estrutura do Estado, quando aparentemente cobra muito imposto, mas, grande parte desses impostos desaparece com as artimanhas patronais em sonegá-los e se protegerem com recursos jurídicos duvidosos e corrompendo representantes do Estado.

6 - Outra vez aparece a violência no Brasil quando vemos algo que deveria ser igual para todos, principalmente porque se diz moralizador do país, mas este algo tem lado, esconde as denúncias que envolvem parte dos partidos políticos e de funcionários públicos. O Estado moderno, para ser democrático, precisa ser para todos, com todos e de todos. Não é o que temos visto no Brasil atual...

7 - A operação Lava Jato já não consegue esconder seu lado político e ideológico. Além de usar ostensivamente o Estado para executar suas ações políticas e jurídicas, com ampla participação da imprensa, comete injustiças e violências típicas de uma sociedade que vê o Estado manipular dados, tomar partido e aceitar ou negar fatos que interferem no conteúdo de cada processo. Isso é sombrio e é injusto.

8 - Por último e não menos importante, vale lembrar que hoje é aniversário de um dos principais personagens desse mundo chamado Lava Jato.

Hoje João Vaccari Neto faz aniversário, mas continua preso na República de Curitiba, que substituiu Brasília como Governo Federal e Poder Judiciário.
Qual foi o crime de Vaccari? Quantos videos foram achados carregando malas de dinheiro? Quando acharam de dinheiro nas suas contas bancárias? Quantas contas acharam nos bancos suíços? NADA! NADA! NADA!

Então, qual é o crime de Vaccari?
Ser tesoureiro do PT? Então ele é preso político!
Ou o PT era uma organização criminosa, como o PCC?
E os demais partidos? Porque somente contra o PT?
E o dinheiro de Serra e do PSDB?

Enquanto a violência está concentrada nos pobres e nos negros, não aparecem editoriais. Com a generalização do uso de drogas e da violência de seus negócios, toda nossa sociedade vai sendo destruída e, combinada com a corrupção generalizada, vai levando à destruição do Estado e da Paz Social.

Precisamos nos unir e começar um novo Brasil. 
Um Brasil com Democracia, um Brasil Solidário,
laico, com formação escolar e muita saúde.
Saúde física e mental.
As pessoas sombrias precisam de ajuda.
O Estado violento precisa ser reconstruído.


sábado, 29 de outubro de 2016

Radio 98.9 faz belíssima homenagem a Dom Paulo Evaristo Arns

Um documentário histórico

Quando saí de casa para fazer o "Sacolão da Vila Sônia" liguei o radio do carro, na rádio USP tocava Bach, muito bonito como sempre, fui verificar o que tocava na radio 98.9 e fiquei hipnotizado com a voz de Dom Paulo Evaristo Arns. O que estava acontecendo? Pensei comigo...

Aos poucos fui descobrindo que era uma longa entrevista, parece que foi no dia que Dom Paulo despedia-se da Arquidiocese de São Paulo, num missa na Catedral da Sé.

Mas tudo era tão presente que parecia que a entrevista era  na segunda-feira, quando ele foi homenageado na PUC-SP.

Dom Paulo falava do povo, dos pobres, falava da importância de se combinar o discurso com a prática solidária, falava dos franciscanos... Falava da importância de se ter Moradia, Educação, Emprego e cuidar dos idosos... De se garantir condições de o povo escolher seu caminho.

Um documentário tão lindo que tentei achar o telefone da radio para parabenizá-los mas não achei. Mandei um torpedo para Paulo Salvador pedindo que repetissem o programa durante a semana. Vou falar com Colibri e com Marilu Cabanhas, dois grandes responsáveis pela existência da rádio e pela sua qualidade.

Mais bonito ainda foi ouvir Dom Paulo falar que adora música. E terminou cantando "canto gregoriano". Só faltou falar das flores, embora tenha dito que sua fase mais bonita foi quando se dedicou aos velhinhos...

Para nós, que tivemos a oportunidade de viver com Dom Paulo, a fase mais bonita foi Deus ter nos dado esta convivência. Nossa vida sem Dom Paulo teria sido mais difícil do que foi.

Para quem não sabe, sem Dom Paulo, talvez não existissem nem a CUT, nem o PT. Quando o Papa veio ao Brasil, Dom Paulo propôs que o operário e líder católico, Waldemar Rossi, lesse uma carta-aberta ao Papa falando da necessidade de liberdade no Brasil. Quando fomos fundar a CUT, ela só foi viabilizada porque Dom Paulo apoiou, facilitando o apoio de mais duas grandes figuras da nossa época, o governador de São Paulo, Franco Montoro e o presidente nacional do MDB, Ulisses Guimarães.

A ditadura nos unia e a democracia nos separou. Agora, com a volta de nova ditadura com cara civil, está na hora de a Igreja Católica voltar a ter seu papel milenar de juntar as ovelhas perdidas do Brasil e da América Latina. O papa Francisco, por ser franciscano e argentino, está tendo papel determinante na recuperação do trabalho maravilhoso de pessoas como Dom Paulo Evaristo Arns.

Vou pedir que a Rádio 98.9, Rádio Brasil Atual,
disponibilize nas redes sociais esta maravilhosa homenagem a Dom Paulo. 

Quando acabei a feira e voltei para o carro, ao ligar o carro na radio Cultura, o grande pianista e maestro, João Carlos Martins, tocava BACH. Bach, Dom Paulo, a Alemanha e o Brasil tem tudo a ver nesse período novo deste século 21. A Alemanha, junto com a China, deve ser um dos pilares deste século.

O Brasil precisa estar junto com os demais países,
construindo um mundo democrático, solidário,
laico e competitivo internacionalmente.

Que Dom Paulo viva para sempre em nosso corações e em nossas mentes!


sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Abílio Diniz: um homem de muitas histórias e estórias

Uma entrevista falando de Deus

Estou há vários dias com uma entrevista de Abílio falando da expansão do BRF e das expectativas com o Brasil atual. Segunda-feira fui surpreendido com uma nova entrevista a Sonia Racy do Estadão falando sobre seu novo livro e sua fé em Deus. Também guardei esta nova e curiosa entrevista para comentar no meu blog. Hoje vi as fotos do lançamento do seu novo livro e algumas personalidades que foram à solenidade...

Como também sou pessoa de muita fé, reservei algumas citações para mostrar: 

1 - Nas 175 páginas de "Novos Caminhos, Novas Escolhas", nome do novo livro, diz: "Eu me reinventei, e não só profissionalmente. Atribuo isso à minha fé em Deus".

2 - Ao ser perguntado se "Acredita que o ser humano controla o que ele quer ser?", Abílio respode:

"Se eu posso, você também pode... Nasci filho de imigrante português, um padeiro. Nunca tive dinheiro, se cheguei aonde cheguei, por que outros não podem chegar?"

- Você escolhe o que quer na vida. Eu escolhi. Um caminho de desafios, de inconformismo com certas situações... As pessoas têm que traçar metas na vida. Eu tinha tudo para não dar certo na vida.

- Eu tive uma boa base, minha mãe me deu uma coisa sensacional que foi me apresentar para Deus, e aí eu segui por esse caminho. Minha mãe me deu a proximidade com Deus e meu pai as noções de honestidade e ética. Foram as escolhas que fiz...

Agora meus comentários:

Quem conhece a história e as estórias de Abílio sabe que negociar com ele sempre foi muito difícil. Foi difícil com os familiares, foi difícil nas compras e aquisições de novas empresas, como foi difícil superar a primeira grande derrota ao vender o Pão de Açúcar para o Casino francês. Mas, como Abílio sempre foi competitivo, comprou boa parte da BRF, gigante de alimentos no Brasil e no mundo,  está ampliando seus negócios, comprou parte do Carrefour no Brasil e na França e hoje o Carrefour cresce mais do que o Pão de Açúcar.

A fé  ajudou muito, mas a vontade de enfrentar  desafios, sem esmorecer foi determinante para seus resultados. Abílio é tão marcante que, no lançamento livro compareceram personalidades como Geraldo Alckmin, Candido Bracher, Luiz Trabuco, Yoshiaki Nakano e Vicente Falconi.

Quando a gente defende que o Brasil seja uma sociedade democrática, solidária, laica e competitiva é para que, mesmo com a ajuda da Fé e de Deus, todos possam ter educação, saúde e vida comunitária de qualidade, possibilitando formar cidadãos sãos e competitivos internacionalmente, como Abílio é. Quanto mais desigual fica o Brasil, menos Abílios oriundos dos milhões de mais pobres teremos.

Nossos empresários sequer conseguem ser solidários com o sr. Emilio Odebrecht, quanto mais com os mais pobres.

Mais reconheço que Abílio Diniz é um bom exemplo de brasileiro.
Por isso estou sempre falando dele no meu blog.



quinta-feira, 27 de outubro de 2016

O impeachment e o Brasil que queremos

Um Brasil Democrático, Solidário, Laico e Competitivo

Enquanto organizava o pensamento para escrever sobre a crise que o Brasil vem passando, principalmente a partir do golpe do impeachment, fomos avisados de que o Governo Temer, através de sua assessoria, estava telefonando para todos os representantes dos trabalhadores vinculados às instituições de esquerda estavam sendo excluídos do Conselhão - Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, criado por Lula para promover a integração social, inclusão dos pobres e evitar conflitos desnecessários.

Com Lula era conciliação social e de classe. 
Agora vão participar do Conselhão somente representantes conservadores e  apoiadores do golpe. É a democracia autoritária e servil. É a democracia do big stick, modelo americano de "democracia do porrete". Ou me obedece ou o reprimo violentamente. É a democracia de uma classe só. Da elite nacional. É 1% contra 99%.

Ontem os jornais comemoravam a prisão de um dos empresários mais ilustres do Brasil, o sr. Emilio Odebrecht. Hoje exclui os setores progressistas do Conselhão. Ontem aprovaram a PEC 241 - a PEC do fim do mundo, antes foi a entrega do Pré Sal aos estrangeiros; depois virão a entrega das escolas públicas, dos hospitais públicos, da segurança pública e até da ÁGUA. Sem contar a reforma da Previdência e o arrocho salarial.

Abertamente foi um golpe de direita contra as conquistas sociais do povo brasileiro. Passado o golpe, agora vivemos a consolidação da hegemonia golpista, através de reformas na Constituição em geral e do apoio incondicional da imprensa, objetivando inibir qualquer reação. Vivemos numa Ditadura Civil, apesar da aparente legalidade institucional. É uma legalidade conservadora e excludente, que está implantando de forma devastadora o neoliberarismo econômico.

Enquanto os governos Lula e parte do governo Dilma estiveram crescendo, distribuindo renda e promovendo inclusão social, a direita conservadora, por também ser grande beneficiária com o grande aumento da produção, das exportações e dos grandes lucros no período, aceitou a regra democrática e constitucional das disputas eleitorais e do respeito aos resultados das urnas.

Bastou combinar a crise econômica interna com a dificuldade de relacionamento da presidente Dilma, para a direita, liderados pelo PSDB, começar a articular o golpe. E pensar que Lula, mesmo  com 80% de popularidade, recusar o canto da sereia de propor ao Congresso Nacional o direito a um terceiro mandato como fez FHC, que eleito para um mandato, mudou a Constituição para dois mandatos contínuos...

Lula não aceitou mais um mandato, mas a direita explicitou sua vontade de acabar com as vitórias do PT e articulou e conseguir dar o golpe de Estado. Liderados pelo PSDB, contando com o apoio e benefícios do PMDB e dos Evangélicos.

A Primavera Brasileira também transformou-se num Outono sombrio. Faremos a resistência pacífica, com muita discussão com os trabalhadores, os artistas, os acadêmicos, os jovens, os idosos e a população rural. Faremos também muitas mobilizações e greve. Quantas forem necessárias...
E qual era o Brasil que Lula e nós queremos?

Era e é o Brasil para todos, com todos e de todos que moram no Brasil, sejam brasileiros natos ou imigrantes que vieram ajudar a construir no país, independente da etnia, da religião, do sexo e do país de origem.

É um Brasil Democrático, Solidário, Laico e Competitivo.

Da mesma forma que reconstruímos o Brasil, depois do entreguismo de FHC, iremos reconstruir o Brasil depois desta nova experiência golpista. O povo brasileiro está mais instruído, está em melhor condição de vida  e saberá, a curto prazo, perceber que foi enganado pelos políticos, pelo judiciário e pela imprensa.

Da mesma forma que os trabalhadores e estudantes juntaram-se a empresários e juristas na luta pela redemocratização do Brasil, aos poucos, retomaremos uma Frente Ampla pela Democracia e pela Soberania Nacional. Os entreguistas não podem destruir o Brasil. Nosso país tem condições de ser uma Nação livre e soberana. Praticando a democracia, a solidariedade, o respeito a todas as religiões e ser um país competitivo internacionalmente, numa economia de mercado.

No dia do aniversário de 71 anos de Lula, o Brasil precisa entender o que está em jogo nesse momento. Lula nunca fugiu à luta. Nem durante a ditadura militar, nem na democracia, nem agora com essa perseguição manipuladora.

Lula vale a Luta.

O Brasil vale muitas lutas!

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Emílio Odebrecht merece mais respeito

O Brasil capitalista acovardado!

Quando os grandes jornais dão destaques comemorando a possível prisão de um dos mais importantes empresários da História do Brasil, sem que estes tenham roubado ou matado, alguma coisa muito grave está acontecendo. Se for prender a todos que fizeram ou fazem o que os Odebrecht fizeram, tem que se prender a quase todos que lidam com negócios, inclusive juízes e promotores.

A operação Lava Jato tornou evidente o lado mais vergonhoso do empresariado nacional

O que os Odebrecht fizeram foi a mesma coisa que todos os grandes e médios empresários fizeram e fazem, inclusive distribuir dinheiro para todos os partidos. O PSDB e suas lideranças foram os mais beneficiados com as doações da Odebrecht. Só não vê quem não quer...

Só que, enquanto o grande líder dos trabalhadores e defendido a ferro e fogo pelos seus companheiros de classe social, como é o caso de LULA, não encontramos uma entidade patronal sequer emitindo uma nota de solidariedade e pesar para com os empresários humilhados e presos na operação lava jato. 

É o maior vexame da nossa história. 
Covardes, covardes e covardes. 
Também são uns pamonhas, pamonhas e pamonhas.

Uma das coisas que mais me orgulha da família Odebrecht é que eles são baianos e vitoriosos como empresários. O pai é adorado por todos que o conhecem e o filho Marcelo é, para mim, o empresário mais digno entre todos os empresários dignos que têm o Brasil.

Vejam o que saiu na capa do jornal Valor de hoje. O jornal dos empresários...


Emílio Odebrecht deve cumprir prisão domiciliar

Valor - Por André Guilherme Vieira e Letícia Casado

O empresário Emílio Odebrecht, de 71 anos, deve cumprir ao menos seis meses de prisão em regime domiciliar e seis meses em regime aberto, como parte do acordo de delação premiada negociado na Operação Lava­ Jato e que envolve cerca de 80 pessoas ligadas ao grupo.

O ex-­presidente do grupo, Pedro Novis, também terá que cumprir pena de prisão em regime domiciliar.   

Marcelo Odebrecht deve cumprir um mínimo de três anos e meio em regime fechado, progredindo em seguida para o domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica.

O tempo de prisão de Marcelo até agora será abatido do total da pena acordada. Ele está preso preventivamente desde 19 de junho de 2015.

Ao menos 52 das cerca de 80 pessoas que participam da delação da Odebrecht terão que cumprir algum tipo de pena.

Os promotores ainda querem que os delatores paguem de 20% a 30% dos valores que receberam como remuneração durante todo o período em que mantiveram vínculo trabalhista com a companhia.

Notícias para pensar...

Boas e más notícias

1 - Aprovada a PEC 241.

A PEC 241, também chamada de PEC do Fim do Mundo foi aprovada em segunda votação pela Câmara Federal. Sem passar pelo crivo do eleitorado nacional, a direita neoliberal, chefiada pelo PSDB e executada pelo PMDB e os Evangélicos, vai aprovando alterações na Constituição como mecanismo para dificultar que novos governantes eleitos com o compromisso social possam fazer um governo democrático e fiquem refém da alteração da Constituição. Enquanto isso, o povo e os pobres que se fiquem sem escola, sem saúde e sem segurança... Faz parte do aprendizado golpista e democrático.

2 - Na Europa já morreram mais de 3 mil imigrantes nesse ano.

Enquanto o Ocidente destrói o Oriente Médio, com invasões e guerras, o povo imigra para a Europa aos milhões, morrendo, ora de sede e fone no deserto, ora afogados durante a travessia entre a África e a Europa. De todos os países europeus, salva-se apenas a ALEMANHA, que aceitou um milhão de imigrantes! Os demais? Fazem cena...

3 - Morre Carlos Alberto Torres, o capitão da melhor seleção brasileira de futebol.

Falar da importância de Carlos Alberto na seleção de futebol, é lembrar que o tricampeonato foi em 1970. Em janeiro desse ano, eu e Gilton, chegamos em São Paulo para enfrentar o novo mundo e uma nova vida. Nesse ano assistimos pela primeira vez uma Copa do Mundo pelo TV em transmissão direta. Foi um sucesso, tanta a transmissão como as vitórias do Brasil. No final, ainda fui para o Anhangabaú receber os atletas tricampeões. Nesse mesmo ano, trabalhando num grande escritório de advocacia ao lado do Othon Hotel, descobri que esse hotel hospedava o presidente da República quando vinha para São Paulo. Todos os prédios mais altos no entorno do hotel tinham atirados das Forças Armadas, dando segurança. Foi o pior período da Ditadura Militar. Mais tarde, um casal de amigos contou-me que estavam num fusca na avenida paulista, fugindo da repressão da ditadura, e tiveram que aguardar a multidão passar, comemorando a vitória do Brasil na Copa do Mundo. O povo estava com o milagre brasileiro...

4 - O eterno Maracanã, o Flamengo e o Corinthians

Por falar em futebol, fica difícil não comemorar o grande jogo no Maracanã nesse domingo. Flamengo e Corinthias, as duas maiores torcidas do Brasil embelezaram o mais importante estádio do Brasil. Parabéns!

5 - FHC no lugar de Temer?

E para fechar o noticiário, Monica Bérgamo, da Folha, avisa que já discutem a necessidade de se indicar Fernando Henrique Cardoso para presidir o Brasil no lugar de Michel Temer em 2017. Aos poucos, a Lava Jato vai mostrando a que veio. Só o PMDB não entendeu até agora. Ou está fazendo-se de desentendido. Vamos ver o final desse filme: Quem vai sobrar...

terça-feira, 25 de outubro de 2016

A Igreja Católica e as Reformas Conservadoras do governo Temer

O Senhor escutou as nossas preces...

Enquanto os Evangélicos dão sustentação ao governo golpista de Temer, as Pastorais começam a analisar e orientar seus participantes a defenderem seus direitos e suas conquistas. Nem todos que dizem Senhor, Senhor, entrarão no reino de Deus.

O papa Francisco, como o próprio nome já diz, continua do lado dos pobres, dos fracos e dos oprimidos.

Veja a mensagem da Pastoral:


Nota da Comissão Episcopal Pastoral
Para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz
SCJP - Nº. 0683 /16

“Nenhuma família sem casa,
Nenhum camponês sem terra,
Nenhum trabalhador sem direitos,
Nenhuma pessoa sem dignidade”.
Papa Francisco.

Nós, Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz, e bispos referenciais das Pastorais Sociais, da Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil, reunidos em Brasília, nos dias 18 e 19 de outubro de 2016,

manifestamos nossa preocupação com o cenário de retrocessos 
dos direitos sociais em curso no Brasil.

Entendemos que as propostas de reforma trabalhista e terceirização, reforma do Ensino Médio, reforma da Previdência Social e, sobretudo, a Proposta de Emenda Constitucional, PEC 241/2016, que estabelece teto nos recursos públicos para as políticas sociais, por 20 anos, colocam em risco os direitos sociais do povo brasileiro, sobretudo dos empobrecidos

Em sintonia com a Doutrina Social da Igreja Católica
, não se pode equilibrar as contas cortando os investimentos nos serviços públicos que atendem aos mais pobres de nossa nação. Não é justo que os pobres paguem essa conta, enquanto outros setores continuam lucrando com a crise. 

Afirmamos nossa solidariedade com os Movimentos Sociais, principalmente de trabalhadores e trabalhadoras, e com a juventude, que manifestam seu descontentamento com as propostas do governo, bem como todas as organizações que lutam na defesa dos direitos da população.

Encorajamos as Pastorais Sociais a participarem, com os demais movimentos e organizações populares, na defesa das conquistas sociais garantidas na Constituição Federal de 1988, na qual a CNBB tanto se empenhou no final da década de 1980. Não desanimemos diante das dificuldades. Somos povo da esperança!

Com compromisso profético, denunciamos, como fez o Profeta Amós: “Eles vendem o justo por dinheiro, o indigente, por um par de sandálias; esmagam a cabeça dos fracos no pó da terra e tornam a vida dos oprimidos impossível” (Am 2,6-7). 

O Espírito do Senhor nos anima no serviço
da Caridade, da Justiça e da Paz.

Com Maria cantamos a grandeza de Deus que “derruba os poderosos de seus tronos e exalta os humildes; enche de bens os famintos e manda embora os ricos de mãos vazias” (Lc 1, 51s). 

Brasília, 19 de Outubro de 2016.

Dom Guilherme Werlang
Bispo de Ipameri - GO
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para
o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz


Promiscuidade Jurídica e Lava Jato

O quê se previa, já acontece

Em nome da lei, normalmente se comete abusos. 
Principalmente em países com democracias frágeis, como é o caso do Brasil.

Os parlamentares de todos os partidos políticos herdaram um sistema eleitoral da ditadura militar, que não foi adequado para uma democracia participativa. Os governantes, em todos os níveis, adequaram-se a este sistema político sustentado por caixa dois e negociatas. Mesmo o PT, quando conquistou a confiança do povo e virou governo, em vez de promover uma limpeza ética, adaptou-se à governabilidade conservadora, incluindo aí a manutenção da política econômica neoliberal com Pallocci.

Com Lula e com a ajuda das exportações para a China, todos ganharam no Brasil, havendo uma grande inclusão social e mais de 40 milhões de brasileiros deixaram a linha da pobreza. Com Dilma, a governabilidade caiu, tanto pelo seu estilo político, como influenciada pela economia em recessão. Mesmo os políticos do PSDB ganharam dinheiro no governo Lula.

O quê o PSDB não aceitou foi perder várias eleições presidenciais... 

Articulados, tanto no Brasil como internacionalmente, os que perderam as eleições em 2014 decidiram dar um golpe de Estado e cassaram a presidente eleita, Dilma Rousseff. Além de usarem pretextos econômicos, deitaram e rolaram usando mecanismos jurídicos para desacreditar o PT e seus aliados.

Para derrubar o governo Dilma, em vez das Forças Armadas, os golpistas usaram e abusaram do Judiciário e da Polícia Federal. Tudo isso articulado com a imprensa.

O quê os golpistas não esperavam é que tão rapidamente o Judiciário e a PF se juntassem com o PSDB para constranger o PMDB e seus aliados. Além de toda manipulação  jurídica e midiática, até juízes de primeira instância começaram a dar autorizações contra os poderes legislativo e executivo em diversos níveis.

Imaginem se no Governo Lula fosse usada uma autorização de um juiz como Vallisney de Souza Oliveira, da 10a. Vara Federal de Brasilia para prender assessores do Senado Federal?   Haveria levante nacional!

Em nome de se querer prender Renan e Collor, o Judiciário não pode passar por cima dos poderes Legislativo e Executivo.

Para Gilmar Mendes, ministro do STF, tudo indica que juiz de primeiro grau não poderia ter autorizado a prisão de policiais legislativos lotados no Senado Federal.

No governo FHC, nenhum juiz de primeira ou segunda instância podia suspender as privatizações. Todas as vezes que alguém autorizava, imediatamente o STF anulava a sentença. O bloqueio era total.

Se agora os juízes de primeira instância estão liberados para fazer política e perseguição aos políticos que não são aliados do PSDB, isto acontece porque é conveniente para os golpistas. Conveniente até quando?

Como em toda ditadura, os golpistas começam falando da lei e da ordem, depois começam a prender qualquer oposicionista. E quando necessário até matam os opositores, como fizeram com Vladimir Herzog, Manuel Fiel Filho e tantos outros...

Ditadura civil não é melhor do que ditadura militar. 
Ambas são ditaduras... 

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A Imprensa tem Ética?

Ética e Compromisso tem lado

Ontem foi a Folha com ampla matéria da ombusdman falando do "compromisso com o leitor", hoje foi a vez do jornal Valor falar de "Compromisso com quatro pilares que sustentam uma sociedade que se quer saudável e justa".

Porque, depois do golpe, tanto a imprensa, como os juízes
e os empresários agora falam tanto em Ética?

Seria muito mais honesto que este pessoal reconhecesse que Ética e Compromisso têm lado.

Por mais que o Grupo Globo, novo proprietário exclusivo do jornal Valor diga que compartilha os quatro pilares que sustentam uma sociedade que se quer saudável justa: a DEMOCRACIA, a REPÚBLICA, a LIVRE EXPRESSÃO  e o LIVRE MERCADO, estes valores podem ser analisados sobre vários aspectos e posições.

1 - A DEMOCRACIA, pressupõe que o governo seja Com o Povo, Para o Povo e Do Povo. Portanto, a palavra final é dos eleitores. Isto é, do povo. Não de golpistas que interrompem mandatos de legítimos representantes eleitos pelo povo;

2 - A REPUBLICA, pressupõe a República construída a partir da Revolução Francesa e da Revolução Americana, com a Declaração dos Direitos Humanos. Ao contrário disso, a República da imprensa brasileira, especialmente da Rede  Globo, têm sido a República dos ricos e defensores da hegemonia americana, em prejuízo de um projeto brasileiro que fortaleça nosso capitalismo e nossa autonomia;

3 - A LIVRE EXPRESSÃO, pressupõe que o Estado, como porta voz da sociedade, deva garantir o direito a diversidade e equidade, impedindo a oligopolização da imprensa e da mídia. Quem conhece a Globo sabe que diversidade e equidade são valores inexistentes;

4 - O LIVRE MERCADO, pressupões que o Estado deve garantir as mesmas condições de competição, tanto para os indivíduos, como para as empresas, sejam elas grandes, médias ou pequenas. O Grupo Globo, como a maior rede de comunicação do Brasil, tem usado seu poder político para expandir seus negócios nas mais diversas áreas. E jamais aceitou que o sistema midiático brasileiro fosse democratizado como acontece na Europa.

Finalmente, o Grupo Globo diz que "acredita que os princípios do bom jornalismo - a busca incessante pela isenção e pela correção - são essenciais para a defesa daqueles pilares. Deveria ser, mas não tem sido a prática da nossa imprensa.

Sou leitor diário do Jornal Valor, como também de O Globo, a Folha e até o Estadão - pelo seu passado. Fui leitor assíduo da Gazeta Mercantil, até ela deixar de existir. Louvei o nascimento do jornal Valor e o considero o melhor jornal do Brasil atual. Mesmo tendo caído a qualidade nos últimos meses.

Fui o primeiro diretor de imprensa da recém fundada CUT - Central Única dos Trabalhadores em 1983, fui presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, tínhamos um jornal diário com 100 mil exemplares por dia, além de um programa de rádio. Na época da crise da TV Manchete, tentei articular um  pool de entidades para comprar a Manchete e montar uma rede de TVs Educativas, mas "as Forças Ocultas" vetaram a iniciativa. O motivo alegado era impedir que os trabalhadores tivessem igualdade de concorrência com os empresários...

No mundo moderno, a liberdade de imprensa, a liberdade nas escolas e a diversidade de seu conteúdo são condições imprescindíveis para se ter de forma plural e com equidade, tanto a Democracia, como um Governo Republicano, como garantia de Livre Expressão e Livre Mercado.

Lutei muito pela redemocratização do Brasil e pela liberdade de manifestação e organização. Fiquei muitíssimo triste com o golpe do impeachment liderado pela imprensa, em comum acordo com o Judiciário, os empresários, os evangélicos e os políticos conservadores.

Espero que, da mesma forma que restabelecemos a democracia no Brasil depois de 21 anos de ditadura militar, também iremos restabelecer a democracia neste Brasil tão maltratados pelos empresários que têm medo do verdadeiro capitalismo de mercado.

Liberdade, Ética e Empreendedorismo,
quantos crimes cometem em seus nomes?

Mesmo assim, devemos estar abertos ao diálogo e a realização de um plebiscito para organizar uma ampla reforma nacional com uma Constituinte Soberana, Livre e com Equidade.

O tempo está do lado do Povo.

domingo, 23 de outubro de 2016

Juros, Selic e a PEC 241

Estamos todos no mesmo barco à deriva 

O jornal Estadão, apesar de atualmente ser fascista, e talvez sem perceber, publicou hoje um ótimo artigo do economista Amir Khair, mestre em Finanças Públicas pela FGV. 

Além de mostrar que a fiscalização das contas públicas no Brasil é lerda e ineficiente, facilitando o descontrole, Almir Khair mostra outra omissão, tanto de quem é a favor, como de quem é contra a PEC 241.

Esta falta de agilidade na fiscalização abriu brecha para o golpe do impeachment contra Dilma, e a falência de vários Estados. Estes sem impeachment em função de serem governados por apoiadores do golpe.

O governo Temer diz que a Reforma Fiscal vai resolver tudo, principalmente com a PEC do Fim do Mundo, a 241. No entanto, a despesa com juros responde por 80% do déficit público, e seguirá sempre elevado para gáudio do Sistema Financeiro. 

A recente redução da Selic em 0,25, pelo Banco Central, faz casquinha no déficit público.

O que matou o governo Dilma nos últimos anos foi a despesa com juros no setor público, que explodiu:

Passou de 249 bilhões de reais (4,7% do PIB) em 2013,
para 311 bilhões (5,5% do PIB) em 2014 e
502 bilhões (8,5% do PIB) em 2015,
levando o déficit nominal para o pico de 613 bilhões (10,4% do PIB)! 

É o Banco Cental contribuindo para o desrespeito à meta fiscal nominal.

Vale ressaltar esses dados, pois estão sendo OMITIDOS PELO GOVERNO e pelas análises ligadas ao MERCADO FINANCEIRO para não atrapalhar a aprovação da PEC 241. 

Enquanto isso, em cada dia corrido aumenta 1,4. Bilhão de reais o déficit fiscal em despesa com juros. 

O problema dessa PEC, é que ela deixou de fora do limite de despesas a relativa à JUROS para deixar o Banco Central livre em adotar a Selic que julga necessária necessária ao controle da inflação. 

Essa é a falha principal da PEC e várias análises pro e contra a PEC passam ao largo disso. 

E por último, a elevada Selic repercute nas altas taxas de juros que infernizam as despesas financeiras das empresas levando várias a encerrar suas atividades (fecharem, quebrarem e ficarem os proprietários e empregados endividados). 

Isso agrava a recessão e reduz a oferta de bens e serviços. 
O resto é consequência e descompromisso social.

sábado, 22 de outubro de 2016

As flores de Outubro

Apesar da crise...

As flores de Outubro renovam as esperanças 


As Lágrimas de Cristo já renascem florindo.


As pequenas flores amarelas com as folhas verdes.
O Brasil ainda tem jeito...


As lindas flores da Jaboticaba. 
Brotam no tronco, mostrando seu charme.


Até frutas aparecem nos jardins da Vila Madalena.

As Primaveras no mundo viraram Outono.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Falta de Luz em São Paulo, basta chover

Uma privatização vergonhosa

No final da tarde de ontem São Paulo viveu mais uma tempestade. Para a maior e mais rica cidade do Brasil isto é comum e previsível no verão.

Também é comum e previsível FALTAR LUZ.

Acontece que o PSDB na época de FHC vendeu a imagem de que privatizar iria melhorar tudo no Brasil, mesmo quando a empresa compradora das estatais, geralmente uma estrangeira, tinha a fama de empresa sem idoneidade como foi o caso da AES-Eletropaulo.

Além de a AES nos Estados Unidos estar envolta em situação nebulosa, o BNDES liberou muito dinheiro para a compradora, sendo que o banco teve que executar a AES por falta de pagamento e quase que não recebeu o dinheiro de volta. Por mais que tenha sido uma compra à preço de banana.

Passados muitos anos, a cidade de São Paulo continua faltando luz toda vez que chove, gerando caos no trânsito, no comércio e nas residências.

Vocês imaginam o que é a VILA MADALENA SEM LUZ?
Restaurantes fechados, geladeiras desligadas e comida estragada...
Clientes revoltados e moradores perdendo comida e paciência.

A padaria estava fechada,
os faróis alagados,
as garagens com os portões travados
e a insegurança gerando pânico na população.

Passamos a noite no escuro, três horas da madrugada a luz chegou, piscou e foi embora novamente. Nem recarregar os celulares conseguimos...
Hoje cedo, botei o celular no carregador do carro e liguei para a AES-Eletroplaulo para saber quando a luz retornaria.
Qual foi a resposta?
Pelo seu celular sabemos que é da Vila Madalena e que o retorno da energia está prevista para as 14:00h.

Podemos perder tudo!

Tanta incompetência da AES-Eletropaulo?
Não merece uma grande multa?
Não merecem cadeia?

Há mais de dez anos que esta história se repete.
E os juízes ainda vem falar que estão fazendo Justiça?

Falta ética e transparência em todos os níveis do Brasil.
E com a volta do PSDB no governo federal, agora querem privatizar tudo.

E o povo vai, mais uma vez, pagar a conta...
Além de ter que tomar banho frio e perder a comida da geladeira.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

O povo vai descobrindo a verdade sobre o golpe

Centrais Sindicais preparam JORNADA DE LUTA


Mesmo com a participação de sindicalistas que estavam contra o governo Dilma e até alguns que defenderam o golpe do impeachment, as centrais sindicais brasileiras estão construindo uma grande unidade de ação contra a política econômica dos golpistas.

Em reunião na sede da CUT nacional, todos disseram que a PEC 241, a PEC do Fim do Mundo prejudica a todos. Principalmente quem depende da Saúde, da Educação e do Salário Mínimo. Sem contar o grande prejuizo que terão as mulheres...

Além de pressionar os deputados federais e senadores para que votem contra a política neoliberal e entreguista do governo Temer, as centrais montarão vigília em Brasilia já na próxima semana para denunciar os traidores do povo. Haverá campanhas nos estados e municipios de cada parlamentar.

Já virou regra ouvir das pessoas que o desemprego está aumentando, o custo de vida está um absurdo e o salário está ficando curto.

E a aposentadoria?
Muita gente está providenciando aposentadoria para fugir da reforma pretendida pelo governo Temer. É muita traição!

Mesmo a imprensa escondendo as pesquisas que mostram a imagem negativa do governo,  o povo vai percebendo que foi enganado.

Todos os dias constatamos mais manifestações contra o governo.
Dia 11 de Novembro teremos mais uma Dia Nacional de Greves e Manifestações!

O povo não é bobo!

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Pesquisa confirma importância de Lula

Pesquisa nacional confirma:
Lula é o melhor presidente  do Brasil


O que sempre dissemos, agora está sendo confirmado pelos pesquisa CUT/Vox Populi. 
Lula é o melhor presidente do Brasil e a nossa maior liderança de todos os tempos.

Vejam a divulgação da pesquisa:

 

CUT/Vox Populi:

Cresce para 34% intenção de votos em Lula, que continua na frente

Apesar dos ataques do MP, Judiciário e da mídia, Lula é o melhor presidente do Brasil para 42% dos entrevistados

Marize Muniz/CUT Nacional • Publicado em: 18/10/2016 - 18:07

Lula é o melhor presidente do Brasil, fez coisas boas para o povo, é injustiçado e perseguido. E se for candidato em 2018, é o preferido pela maioria dos brasileiros.
Essa é uma das principais conclusões da 5ª rodada da pesquisa CUT/Vox Populi, realizada depois do 1º turno das eleições municipais e, também, depois das manchetes que destacaram a decisão do Ministério Público do Paraná de tornar Lula réu por supostos crimes que os procuradores não conseguiram provar, mas têm convicção de que ele cometeu.

Intenção de votos
Cresceu para 34% o percentual dos brasileiros que pretendem votar em Lula para presidente em 2018 na pesquisa estimulada de intenção de voto - em abril e junho, a intenção de voto em Lula era de 29%. 
Se concorrer à presidência da República em 2018, Lula ganha de Aécio Neves/PSDB (15%), Marina Silva/Rede (11%), Jair Bolsonaro/PP (7%) e Ciro Gomes/PDT (5). Se o PSDB trocar Aécio por Geraldo Alckmin, Lula ganha também – 35% contra 12%. 17% não declararam quem vão votar e entraram na coluna de ninguém/branco ou nulo. Outros 10% não souberam ou não quiseram responder.
Lula atinge 28% na pesquisa de voto espontâneo para presidente em 2018. Nessa modalidade em que não é apresentado nenhum nome para os entrevistados, Aécio tem 6%, Alckmin tem 3%, Marina 3%, Fernando Henrique (PSDB) 2%, Joaquim Barbosa (sem partido) 2%, Ciro Gomes 1%, Luciana Genro (PSOL) 0% e Eduardo Jorge (PV) 0%. 12% declararam que não vão votar em ninguém/branco ou nulo. E, 35% não sabem ou não responderam.

Lula: o melhor presidente
42% dos entrevistados disseram que Lula foi o melhor presidente do Brasil, 19% não sabem ou não responderam, 12% acham que nenhum foi bom, 9% citaram outros, 2% José Sarney e Dilma Rousseff; e, 1% Itamar Franco.
Vida melhorou nos governos do PT
Aumentou para 56% (em abril eram 36%) o percentual de entrevistados que consideram que suas vidas melhoraram nos governos de Lula e Dilma. Para 28%, nem melhoraram nem pioraram e, apenas 14% acham que  piorou. No Nordeste, o percentual dos que responderam que a vida melhorou é de 75%, no Centro-Oeste/Norte de 60%, no Sudeste 48% e no Sul 40%.

Brasileiros gostam mais de Lula do que de qualquer outro político
À pergunta sobre qual o “sentimento em relação a lideranças políticas”, 43% disseram que gostam de Lula, 36% não gostam e apenas 1% não souberam ou não quiseram responder.
Os percentuais dos que não gostam de Temer (53%), Aécio (51), Serra (43%)  e Alckmin (39%) em comparação aos percentuais dos que gostam, provam que a perseguição e as tentativas de destruir o legado de Lula como pessoa e como presidente não contaminaram o povo, nem tampouco contribuíram para melhorar a imagem dos seus opositores. Apenas 13% declararam gostar de Temer, 17% de Aécio, 19% de Serra e 21% de Alckmin.

Lula é bem avaliado como pessoa e como político
A avaliação de Lula como pessoa e como político é positiva para  43% dos entrevistados. No Nordeste, o índice sobe para 67%, no Centro Oeste/Norte  48%, no Sudeste 33% e no Sul 21%.
30% dos brasileiros avaliaram Lula como pessoa e político como regular,  25% negativo e 2% não sabem ou não responderam. No Nordeste, o percentual de negativo cai para 5%, regular 27% e apenas 1% não sabem ou não responderam.

O povo sabe que Lava-Jato declarou Lula réu e se divide sobre injustiça
95% dos entrevistados ficaram sabendo que Lula foi indiciado pelos procuradores da Lava-Jato. 
Quanto à isenção dos procuradores, a pesquisa constatou que o Brasil está dividido. Para 41%, os procuradores sempre atacam Lula e os petistas, mas não fazem nada contra os políticos do PSDB e do governo Temer. Para 43%, esses procuradores são justos e tratam todos os políticos da mesma maneira. 16% não sabem ou não responderam.
65% consideraram errado o fato dos procuradores dizerem que não conseguiram provas de que Lula agiu de forma desonesta, mas que estavam convictos de que ele agiu errado. 29% acharam correto Lula ser acusado sem provas.
Para a maioria dos brasileiros, Lula acertou mais do que errou. Para 62% dos entrevistados, Lula cometeu erros, mas fez muito mais coisas certas pelo povo brasileiro e pelo Brasil. 31% acham que ele errou mais do que acertou.

A pesquisa foi realizada depois do resultado das eleições, entre os dias 9 e 13 de outubro. Foram entrevistadas 2 mil pessoas com idade superior a 16 anos do Distrito Federal e de todos os estados brasileiros, exceto Roraima, de todos os segmentos econômicos e demográficos em 116 municípios.