sexta-feira, 23 de setembro de 2016

O Impeachment e a Lava Jato como parte do Golpe

O uso da mentira como prática de enganação

1 - Mantega estava à serviço de Dilma,
logo, que sejam destruídos tanto Mantega como Dilma.

Li os diversos jornais e não vi em nenhum lugar a comprovação de que Mantega pediu dinheiro a Eike Batista. Não vi nada que caracterizasse como Prova do Crime. Vi somente citações indutoras, isto é, Eike diz que deu dinheiro a pedido do ministro e que Monica Santana negociou com seus funcionários e recebeu o dinheiro na Suíça. Até agora isso não prova nada contra Mantega.

Uma outra notícia, que a imprensa conscientemente está manipulando, foi o bloqueio de dez milhões de reais nas contas dos oito acusados. Sendo que dos oito acusados, sete são empresários e só Mantega é empregado, professor de  carreira.

A imprensa, de má fé, noticia que a Justiça (sempre passando a idéia de que qualquer promotor, procurador ou juiz representa a verdade absoluta, quando os fatos mostram exatamente o contrário), bloqueou dez milhões de Mantega e mais sete... Vários pessoas me perguntaram "quantos milhões Mantega tinha, sendo mero professor?".  Se as pessoas estão perguntando é porque o objetivo de denegrir Mantega e o PT foi alcançado.

A imprensa também noticia que o objetivo principal da operação policial de ontem, na verdade, é pegar Dilma. Isto é, como o Senado votou que ela não perderia os direitos políticos e o mundo reconhece que houve um golpe no Brasil, Dilma precisa ser punida, castigada e cassada pelos novos ditadores de plantão. O serviço precisa ser executado, já que os senhores senadores não tiveram coragem de fazer o serviço completo.

2 - Querem que as eleições municipais legitimem o golpe do impeachment. 

Nos mesmos jornais de hoje, a imprensa publica páginas e páginas comemorando a nova pesquisa nacional do Datafolha. Para a imprensa golpista, estas eleições municipais vão "legitimar o golpe", já que em quase todas as capitais do Brasil, os candidatos que estão na frente, são candidatos de partidos que apoiaram o golpe e são beneficiários da nova ditadura brasileira.

Se os golpistas tivessem submetido ao povo brasileiro, através de um Plebiscito, tanto o novo governo, como as novas políticas neoliberais e retrógradas, e tivessem respaldo do povo através do voto, aí sim, poderia falar de boca cheia que tinha legalidade e legitimidade. Porém, quanto mais passa o tempo, mais sujo e desmoralizado ficam o governo e seus apoiadores. Não é por acaso que, enquanto o PMDB faz o serviço sujo, o PSDB posa de mocinho e está conquistando mais votos nas grande cidades do que o PMDB.

3 -  E como ficam o PT e seus aliados?

Bombardeados diariamente pela imprensa, pelo judiciário e pelos partidos da direita golpista, o PT e seus aliados tendem a ter um grande recuo eleitoral, mas não será o fim do mundo, será apenas o fim de um ciclo.

Precisamos aprender com os erros e com os acertos.

A esquerda no mundo, não apenas na América Latina, precisa aprender a combinar capacidade de fazer projetos sociais, com capacidade para gerir as economias nacionais, mantendo empregos, mantendo crescimento econômico com distribuição de renda, inclusão social e competitividade internacional. Se, quem fica parado perde espaço na economia mundial, os países de desenvolvimento tardio precisam se legitimar intensivamente com seus eleitores, ou tenderão a perder eleições e abrir espaço para que a direita aprove medidas contra o povo, apesar de ter sido eleita pelo próprio povo.

Com medo da força popular de Lula e do PT, a direita brasileira não soube esperar novas eleições e optou por mais um golpe, mais uma ditadura. A ditadura militar durou 21 anos. Vamos ver quantos anos durará esta nova ditadura.

4 - As disputas de projetos continuam

Tudo que está acontecendo no Brasil não são fatos isolados, faz parte de uma armação nacional e internacional, que foi facilitada com os erros políticos e econômicos do Governo Dilma, da tolerância do PT com erros desnecessários e falta de priorizar uma Reforma do Estado Brasileiro.

Vivemos num país novo, com estruturas herdadas da ditadura militar, incluindo os políticos, o judiciário e a imprensa.

A partir de 2 de outubro,
o Brasil vai presenciar novos impasses e novas tragédias.

O novo não vem do velho, vem como reação ao velho.
Este governo ilegítimo será derrubado pela força do Povo.
Pelo VOTO contra o neoliberalismo e o entreguismo.

Os pobres poderão ser enganados por pouco tempo,
mas não poderão ser enganados o tempo todo.

O povo, na rua, derrubará mais esta ditadura.
Como derrubou a ditadura militar, com as Diretas Já!

Nenhum comentário:

Postar um comentário