terça-feira, 16 de agosto de 2016

Demissões são estimuladas pelo governo Temer

Só na Mercedes são 1.870 demissões

Os dois maiores inimigos dos pobres são as guerras bélicas e as demissões. 

1 - As guerras bélicas porque nas batalhas há muito mais militares de origem pobre do que de origem rica. Portanto, enquanto os ricos morrem algumas centenas, os pobres morrem aos milhões. Vejam os milhões de mortos e migrantes na Europa...

2 - As demissões atingem também em maior quantidade os pobres do que os ricos. Os golpistas do impeachment brasileiro diziam que Dilma deveria sair do governo porque já existiam dez milhões de demitidos.

Agora no governo, estes golpistas, estão deliberadamente estimulando as empresas a demitir tanto para cortar custos, como para recuperar as margens de lucro, isto é, ganhar mais. E os demitidos que se virem. Aqueles que foram às ruas a favor do golpe e agora estão demitidos, foram enganados pelos golpistas.

Para os economistas conservadores e golpistas, trabalhador é apenas um número. Portanto, este número pode significar mais custo ou mais lucro. Os neoliberais não se importam com as pessoas, sejam elas trabalhadores ou consumidores. Eles só pensam nos lucros e nos bônus milionários...

Hoje em todo Brasil acontecerão manifestações contra as demissões, a reforma da Previdência, o arrocho salarial, a recessão e o custo de vida assustador. Tudo está subindo de preço e os salários estão sendo arrochados. É a inflação não contabilizada pelo governo. E o governo ainda está prejudicando o Agricultor Familiar!

Junto com a luta em defesa do emprego, do salário e da Previdência, os trabalhadores e trabalhadoras também estarão lutando contra o golpe do impeachment, contra o governo ilegítimo e recessivo de Temer. O mundo não reconheceu o governo golpista.

Mesmo sendo votada a destituição da presidente Dilma, o mundo continuará vendo com desconfiança este governo ilegítimo. Os empresários podem até continuar a cobrar por mais reformas neoliberais e contra os trabalhadores, mas terão que enfrentar a vontade do povo nas próximas eleições presidenciais. Sem contar que, na medida que a recessão continue, aumentando o desemprego, o Brasil poderá viver um período de saques, manifestações e violência de tal dimensão como vivemos na recessão de 1983. 

Lembram da Operação Vaca-Brava no ABC, nas montadoras?
 A classe trabalhadora brasileira já aprendeu a defendeu seus direitos e suas conquistas. Não aceitaremos retrocessos...

A imprensa pode até tentar esconder os fatos, o Judiciário pode até condenar à prisão as lideranças dos trabalhadores, mas os fatos aparecerão e exigirão mudanças.

Ou voltamos a valorizar a democracia representativa e participativa, 
ou caminharemos para a barbárie.
Viraremos um grande Oriente Médio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário