terça-feira, 19 de julho de 2016

Gaspari, Vaccari e as Verdades

Provocações

Estou desde o último domingo sem escrever no blog. O motivo foi a leitura do artigo de Elio Gaspari na Folha, comparando a situação de Ramon Mercader, assassino de Trotsky, com a de Vaccari e estimulando-o a fazer delação para sair da cadeia.

Pensei em escrever algo hostil, agressivo com Gaspari, em reação às suas provocações. Depois, com a leitura do bom livro "Brasil: Uma Biografia", de autoria de Lilia Sachwarcz e Heloisa Starling, mesmo ainda estando na página 227, resolvi escrever abordando com outro olhar.

A História do Brasil está cheia de traidores, delatores, vendilhões, escravocratas, mercenários e tantos outros adjetivos. O principal delator foi um português endividado que entregou os organizadores da Conjuração Mineira, levando à morte e esquartejamento de ninguém menos do que TIRADENTES. Assim o DELATOR pegou anistia e ficou livre da divida.

Em relação ao artigo de Gaspari, que é um jornalista que mantenho o hábito de ler seus textos e seus livros, fico com a dúvida se ele fala de Vaccari por saber da sua integridade ou é porque acha que Vaccari é um político qualquer, ou um empresário que sempre mamou nas tetas do governo. Mas acho que Gaspari foi de uma infelicidade rara.

Vaccari não vai delatar, porque não faz parte do seu carater nem de sua história. Não sei se Gaspari concordou com o golpe de 1964 e com o novo golpe do impeachment, sendo que os jornais que ele publica seus artigos sempre apoiaram os golpes. São golpistas!

Quanto a Vaccari, da mesma forma que o tempo reconheceu os méritos de Tiradentes, Vaccari também será reconhecido.

Democracia é aprender a viver com as diferenças. Respeitá-las e saber ganhar e saber perder. Ser jornalista a favor de golpistas e assassinos profissionais é mais fácil do que perseverar na defesa da verdade e da dignidade. Vaccari jamais será um Ramon Mercader.

Depois vou contar várias histórias sobre o passado do Brasil. Principalmente contando a falência do Rio de Janeiro, já em 1660, e as mais diversas histórias de corrupção, rebeliões e tudo mais. Devemos respeitar o direito de a direita e os conservadores escrever como vêem a História do Brasil, mas também devemos escrever a nossa forma de entendê-la. Afinal, nós, os trabalhadores, os negros, as mulheres, os representantes dos compromissos sociais e da qualidade de vida para todos, não podemos ficar reféns de uma única versão.

A Lava Jato só quer ver aquilo que lhe dá condições de incriminar o PT e Lula, as outras informações que evidenciam como funciona o Estado brasileiro e como os políticos e empresários se beneficiam dele, não interessam, ou interessa escondê-las. O delator da Conjuração Mineira delatou por dinheiro, os articuladores da Lava Jato e seus delatores, ainda não sabemos o porquê de tanta manipulação. O tempo também vai mostrar...

A História tem muitas versões. Tem muitas Verdades.

2 comentários:

  1. é por dinheiro, também, gilmar. só que é dinheiro grosso, muito mais do que os trocados do silvério.

    ResponderExcluir
  2. Quando Eu vejo gente nossa reverenciando Rui Barbosa, um dos maiores corruptos deste País,tinha até uma máquina de imprimir dinheiro,vejo que temos muito que aprender da nossa história real.Começa contando,Gilmar.

    ResponderExcluir