sexta-feira, 8 de julho de 2016

Com a renúncia de Cunha, o golpe fica nu?

Farsa generalizada

Cunha renuncia a presidência da Câmara e, graças a mudança de função, deixa de ser julgado pelo pleno do STF para ser julgado pela Segunda Turma, que, por coincidência, é presidida por Gilmar Mendes, amigo dos golpistas.

As contas públicas na época de Dilma eram escandalosas, agora com Temer, o deficit é muito maior, mas a imprensa e os políticos tratam-na como "um mau necessário".

O custo de vida aumenta assustadoramente, levando a classe média ao desespero, mas a imprensa trata isto como se fosse "um soluço" ante a redução da inflação em 2018.

O desemprego aumenta assustadoramente, as empresas tiram as placas de "procuram-se", mas a imprensa trata isto como "uma necessidade para viabilizar o ajuste econômico".

A corrupção era tida com a maior da história do Brasil, a cada dia que passa, aparecem mais denúncias de corrupção envolvendo mais partidos e mais pessoas. O problema é que estas denúncias estão subordinadas aos interesses dos golpistas.

Os crimes continuam existindo em proporções ainda maiores que antes. Os golpistas estão envergonhados e os manifestantes apoiados pela imprensa desapareceram das ruas.

Se agora a culpa não é de Dilma,
quem são os verdadeiros culpados?

Só falta dizerem que, com a saída de Cunha, o Brasil vai melhorar...
Ao contrário, com a saída de Cunha, o golpe fica nu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário