sexta-feira, 24 de junho de 2016

Inglaterra e Brasil: duas tragédias

Loucos de lá e loucos de cá

Primeira Tragédia: a Inglaterra e o Reino Unido.

O mundo amanheceu assustado com o resultado do plebiscito no Reino Unido sobre a SAÍDA ou NÃO da União Europeia.

Para quem vinha acompanhando os fatos, não houve surpresa.

O problema foi que a Imprensa abafou o assunto enquanto as pesquisas indicavam que o povo tendia a votar pela SAÍDA; e depois da morte da deputada trabalhista, a Imprensa tentou criar um clima artificial de virada do jogo e que o FICAR ganharia, levando o mundo ao engano. O resultado poderia ter sido maior para o SAIR se não tivesse acontecido a morte da deputada.

Todos os sinais eram de que SAIRIAM...

O mundo vai se acabar?
Não acredito. Todos terão que se adequar aos novos tempos. A começar pelo primeiro ministro vaidosos que blefou o tempo todo contra a UE e quando viu que ia perder, apelou para os Trabalhistas, para Obama e Todos os Santos... Perdeu e vai ter que renunciar.

A União Europeia será dirigida mais intensamente pela Alemanha e pela França. É claro que a presença da Inglaterra contribuía para que a França e a Inglaterra juntas equilibrassem o poderio econômico e político da Alemanha.

Finalmente, depois de tantas guerras com Bismarck, com os generais da Primeira Guerra e com os nazistas da Segunda Guerra; finalmente a Alemanha vai consolidar sua hegemonia econômica e política na Europa. Sem dar um tiro! Sinais dos tempos...

O mundo precisa se acostumar à nova realidade de equilíbrio de poderes, onde os Estados Unidos, a China, a Alemanha, a Rússia, o Japão, mais a Inglaterra e a França, em menor grau, darão as cartas econômicas e políticas. Ainda bem que os Estados Unidos vai deixando de mandar sozinho.

Da mesma forma que a Primeira e a Segunda Guerra serviram para acabar com o colonialismo direto e acabar com alguns impérios, além de espalhar formas republicanas e democráticas de governos, o mundo no século 21 começa a dar sinais evidentes de mudanças estruturais.

Infelizmente os primeiros sinais são de aumento do fascismo e da intolerância. Porém, os trabalhadores do mundo precisam ser mais ativos, mais competentes para solucionar os problemas econômicos e mais ágeis na busca de soluções sociais.  Um novo mundo é possível!

Segunda Tragédia: O Brasil e a violência golpista.

A violência judicial, da polícia federal e da imprensa, a cada dia aumenta, beirando o ridículo. Nem a ditadura militar foi tão ridícula.

Invadir o prédio de apartamentos do Senado Federal e prender o marido de uma senadora, por esta ser a lider da resistência ao golpe do impeachment é coisa de militares e juizes de republiquetas. Prender motocicletas Halley Davison  de um ex-ministro por ele ter dado carona para a presidente Dilma passear de moto é outra atitude ridícula e típica de subdesenvolvidos ridículos.

A ditadura fazia a guerra política publicamente,
estes novos ditadores fazem a guerra suja e camuflada.

Será que tudo isto faz parte da campanha salarial diferenciada?
Será que, se o senado aprovar o aumento especial que eles tanto reivindicam, eles passarão a respeitar os direitos constitucionais?

Da mesma forma que a Europa está convivendo com o renascimento do nazismo, aqui no Brasil, os fascistas ainda não usam bandeiras nem uniformes especiais, eles apenas estão abusando das suas funções públicas e usando o aparelho do Estado para ridicularizar os poderes e as pessoas.

Quando teremos a Terceira Tragédia?
Esta será com milhões de mortes?
Como farsa ou como tragédia?

Liberdade, liberdade,
Quantos crimes cometem em teu nome!

Honestidade, honestidade,
Quantos crimes cometem em teu nome!

Nenhum comentário:

Postar um comentário