terça-feira, 17 de maio de 2016

Entra Temer e sai Cauby

Sinais dos tempos

O primeiro grande sucesso de Cauby foi a música Conceição, em 1956. O grande sucesso do ano. No rádio, porque naquele tempo a televisão ainda não existia nos lares brasileiros. Neste domingo Cauby partiu para o outro lado. Foi cantar no céu com Caymmi, Tom Jobim e tantos outros.

Hoje, ao folhear os jornais, fui ficando deprimido com o noticiário político e econômico. Só tinha notícias ruins. Por exemplo:

- Extinguiram o MDA - Ministério de Desenvolvimento Agrário, que era responsável por milhões de agricultores familiares, que abastecem os lares brasileiros com frutas, verduras e tudo mais;

- Já declararam que vão cortar milhões de reais do Minha Casa, Minha Vida, deixando milhares de famílias pobres sem o sonho da casa própria;

- Extinguiram o Ministério da Cultura, como os nazistas e fascistas, não consideram a Cultura algo relevante;

- O novo ministro da Saúde declara em longa entrevista que vai cortar despesas com o SUS - Sistema Único de Saúde, que é um dos melhores do mundo;

- Há grande destaque para a reunião para se discutir a Reforma da Previdência e a idade mínima para aposentadoria. É a maldita mania dos ricos de achar que pobres que começaram a trabalhar com 14 ou 16 anos, devem se aposentar somente a partir dos 65 anos de idade.

- Mas o novo governo também já fala em liberar os cassinos, os bingos e tudo que facilite lavar dinheiro, tráfico de drogas e aumentar a prostituição...

Depois de tanta notícia ruim, pulei para os cadernos de Cultura, literatura, cinema, teatro e arte em geral, tudo que a direita não gosta. Lá, nos cadernos da Folha e do Estadão estavam grandes reportagens sobre Cauby Peixoto. Imperdíveis!

O Estadão, apesar de ter se transformado num jornal fascista, continua preservando o Caderno 2, de cultura. Neste caderno há ótimos artigos sobre Cauby. A Folha fez um bom artigo, com o cronograma da vida de Cauby. Muito bom.

Quando éramos pequenos, no início da década de 1960, morávamos em Serrinha, Bahia, numa casa sem forro e quando íamos deitar, ouvíamos do sistema de auto-falante do parque de diversõe, que ficava na praça da Igreja nova, a grande música de Cauby: "Conceição, eu me lembro muito bem..."

Crescemos, estudamos, todos fizemos faculdades, alguns fizeram mestrado e até doutorado. Percorremos o mundo, usufruindo do progresso do Brasil e de suas esperanças. Trabalhamos muito, desde pequenos. Nos sentimos parte deste imenso Brasil que deu certo.

De repente, quando todos já passamos ou chegamos aos sessenta anos, ao voltar à Serrinha para o aniversário da nossa mãe, que fez 93 anos de vida cantando, lendo e escrevendo, todos queriam saber como ficaria o Brasil com os novos golpistas e este governo ilegítimo. Minha resposta era que eles passarão, como todos passaram. Mesmo que deixem suas cicatrizes.

Acabo de ver no facebook, por mensagem de nossa sobrinha que mora em Paris, que a embaixada brasileira suspendeu a apresentação de um filme sobre as torturas no Brasil na época da ditadura militar. A ditadura civil não quer contrariar os militares.

Aí vocês entendem o porque eu li todos os artigos sobre Cauby Peixoto e não consegui ler os artigos sobre política e economia. Só que Cauby se foi e os conservadores golpistas estão apenas começando o novo governo de tragédias e cortes nas políticas públicas.

Sinais dos tempos...


Nenhum comentário:

Postar um comentário