sábado, 2 de janeiro de 2016

2016 - O grande mal-estar vai continuar

Como contribuir para melhorar

Os jornais brasileiros ficaram sem matérias políticas e econômicas nacionais neste final de ano, e passaram a dar mais espaço para a imprensa internacional. Com isto diminuiu a mediocridade da nossa política e contribuiu para ter uma visão melhor do que está acontecendo no Brasil e no Mundo.

No dia 1o. de janeiro, ontem, o jornal Estadão mais uma vez veio melhor que a Folha.

Além de grande matéria sobre o fato de o banco Itaú ter comprado empresa e carteira de créditos vencidos do BTG por R$1,2 bi, o Estadão também publicou um ótimo artigo do prêmio Nobel de Economia, Joseph E. Stiglitz, com o título: O grande mal-estar continua, "http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,o-grande-mal-estar-continua,10000006023", é só copiar e abrir no computador.  Neste artigo, Stiglitz fala do Brasil, da China, dos EUA, da África e América Latina, da Europa e Ásia...

O interessante, entre tantos parágrafos sensatos, é o seu diagnóstico para a crise econômica mundial:

" A única cura para o "mal-estar" do mundo é o aumento da demanda agregada. Uma redistribuição de renda de longo alcance ajudaria, assim como uma profunda reforma de nosso sistema financeiro - não só para impedi-lo de causar danos ao restante de n´´os, mas para levar bancos e outras instituições financeiras a fazerem o que estão destinados a fazer: ajustar poupanças de longo termo a necessidades de investimento de longo termo."

Escolhendo os livros que deveria ler neste início de ano, ao olhar nossa pequena biblioteca, achei um livro de capa verde com o título: Globalização - Como dar certo, e curiosamente o autor é... Joseph E Stiglitz, editado pela Companhia das Letras. Ao folhear o livro, descobri que o mesmo tinha sido um belo presente em 08/12/2007. Portanto, de antes da crise de 2008, quando os bancos quebraram o mundo...

Vejam este parágrafo na orelha do livro: 
"Ao contrário do que seus arautos prometiam, a globalização, em geral, não foi benéfica para os países pobres do mundo. e a receita dominante de privatização total, liberalização radical e Estado mínimo trouxe mais problemas do que soluções. Ao mesmo tempo, as políticas que se concentram no combate à inflação e as que só levam em conta o PIB são insuficientes, pois muitas vezes o PIB vai bem, mas o povo vai mal."

Além de recomendar a leitura do bom artigo sobre o que se esperar de 2016, também recomendo que leiam o livro sobre a Globalização. Em ambos os casos encontraremos muitas coisas que têm a ver com a economia brasileira e a nossa política tão desmoralizada.

Finalmente, para ter um lado salomônico, hoje foi o dia de a Folha estar melhor do que o Estadão na parte de economia. Além de comentar o bom livro sobre o governo Roosevelt e a crise de 1929, Eleonora de Lucena apresenta outro bom artigo sobre economia.

Se a imprensa brasileira passar alguns meses sem publicar as baixarias políticas nacionais e destacar mais o cenário internacional, principalmente econômico, talvez os brasileiros encontrem uma saída melhor para nosso país. Ou talvez, a imprensa nacional aprenda a noticiar e informar sem manipulações e mentiras, contribuindo para que os brasileiros sejam parte dos cidadãos do mundo. Uma Terra onde todos os países e todos os cidadãos tenham direito às várias versões dos fatos e da história.

O grande mal-estar pode continuar, mas podemos contribuir para que não demore tanto... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário