sábado, 12 de dezembro de 2015

Frank Sinatra e Luiz Gonzaga no Brasil

O quê eles têm em comum?

Hoje Frank Sinatra faria 100 anos de idade. Dia do seu aniversário.
Amanhã, dia 13 de dezembro, Luiz Gonzaga também estaria fazendo aniversário.

Frank Sinatra marcou o mundo e Luiz Gonzaga marcou o Brasil. 

Hoje ouvi no programa Vira e Mexe da Rádio USP as notícias e as músicas de Luiz Gonzaga.
Há vários dias venho ouvindo as músicas de Sinatra no toca CD's do carro. Há meses coloquei o disco " The best of frank", onde os destaques são as músicas My way, Strangers in the night, New York New York e Moon river. Hoje os jornais dão destaques ao aniversário de Sinatra. Três bons artigos na Folha e um artigo no Estadão.

Pela manhã, voltando da feira e ouvindo Luiz Gonzaga, fiquei pensando qual seria o significado dele e de sua música. Lembrei-me que comecei a ouvir Luiz Gonzaga com pouco mais de 8 anos, quando os sanfoneiros de Serrinha tocavam e cantavam as suas músicas. Nos rádios, ainda não existia a televisão, ouvíamos muitas músicas de Luiz Gonzaga. Era o Brasil rural deixando seu passado para trás e passando a ser o Brasil urbano e integrado pelo rádio e pela TV.

Na parte da tarde, lendo os jornais e os artigos de Sinatra, lembrei-me que comecei a escutá-lo já nos anos 60, na segunda metade, quando já tinha acontecido o golpe militar, os festivais da Record, já existia Caetano, Chico, Gil e Milton Nascimento. Além de Gal Costa e Bethânia... Depois apareceu Elis Regina e a Bossa Nova. E Frank Sinatra já disputava a audiência com os cantores brasileiros. Era o pós-guerra e o boom americano. O Brasil fazia parte do mundo americano. Não foi por acaso que Sinatra gravou Tom Jobim e a Bossa Nova.

Novo século, nova década e o mundo volta para o passado, comemorando 50 anos de carreira, 100 anos do nascimentos de seus artistas e escritores. O mundo está doente e saudoso. A violência e a crise preponderam sobre a cultura e a criatividade.

Estamos mais para anos sombrios do que para nova Bossa Nova.
Mas ainda temos Frank Sinatra, Luiz Gonzaga e muita gente boa.
Poderemos ter novas guerras e novas ditadura,
mas todas passarão. Só não passarão os artistas e os escritores.

Afinal, passarão o Céu e a Terra, mas minhas palavras não passarão.
Isto lembra alguém?

Nenhum comentário:

Postar um comentário