domingo, 6 de dezembro de 2015

Brasil: Quando a verdade é o quê menos importa

Na guerra, a verdade é a primeira vítima

Como a verdade no Brasil é o que menos importa,
logo, só podemos podemos estar em guerra.

Até os adolescentes que tiveram que ocupar suas escolas em São Paulo, tiveram que descobrir empiricamente que as intenções do governador e de seu secretário de educação só mudariam se os próprios adolescentes fossem à luta contra o fechamento de suas escolas. E são os grandes vencedores!

Folheando os jornais, vemos tantas notícias e tantas versões que ficamos com a impressão que o Brasil está se desmanchando... Sem rumo, sem direção, sem justiça, sem imprensa e principalmente sem políticos e governantes que tenham autoridade para serem seguidos e obedecidos.

Um chantagista resolve abrir processo contra uma presidente em crise de autoridade e logo aparecem as hienas para compartilhar do banquete da degradação da lei e da ordem institucional. E setores da sociedade que já estão sofrendo em função da crise econômica e política, como se fossem prisioneiros de campos de concentração nazistas, preferem à morte e à falta de esperança, à lutar contra os chantagistas e desonestos. Não vêem mais esperanças...

Todo mundo quer saber se a presidente vai ser cassada pela horda de políticos inescrupulosos ou se será salva por uma minoria de resistentes defensores das regras democráticas e da Constituição.

Será que realmente as guerras são necessárias?
Será que as mortes e os sofrimentos precisam acontecer regularmente como forma de aperfeiçoamento da democracia e do respeito às diferenças?

Amanhã será constituída a comissão que decidirá sobre a presidente e na terça-feira será o dia que a Comissão de Ética decidirá sobre o chantagista que está na presidência da Câmara, se o processo de cassação por corrupção e mentira será aberto ou não.

Na História,quando Pilatos perguntou ao povo hebreu se eles preferiam Jesus ou Barrabás, eles preferiram Barrabás, mesmo depois reconhecendo os méritos de Jesus. No Brasil, outros brasileiros já traíram e entregaram pessoas para à morte. No Congresso Nacional, é mais fácil encontrar representantes de Judas, do que representantes da Honestidade e da Verdade. Mas, Dilma não depende da maioria absoluta dos votos, bastam 172... Será que nem isto conseguirá?

Só o tempo dirá....

Nenhum comentário:

Postar um comentário