quinta-feira, 22 de outubro de 2015

O Brasil refém de Eduardo Cunha?

Chantagem virou método e desfaçatez, o rito

"A permanência por tempo indeterminado do presidente da Câmara dos deputados no cargo prorroga a chantagem como método e a desfaçatez como rito da política.

É uma prorrogação de muitos gols para o modo de fazer política que o deputado Eduardo Cunha, com o beneplácito do governo, tornou regra no Legislativo. "

Estas sábias palavras estão no artigo assinado por Maria Cristina Fernandes, excelente jornalista do Valor.  O artigo está na página A6, do primeiro caderno - Política. O título é: A república sem Eduardo Cunha.

Nenhum projeto começa a tramitar na Câmara, sem que a Comissão de Constituição e Justiça diga se o que está lá rima com a Constituição Federal. Seus descaminhos mais recentes contribuíram para que o judiciário se assenhorasse da cota do Legislativo no concerto dos poderes.

Para continuar a comandar os prepostos que instalou nos postos-chave da Câmara, Eduardo Cunha tem se valido do cargo para não dar início ao processo de CASSAÇÃO no Conselho de Ética.

Toda representação feita na Casa deve ser numerada pela mesa diretora. Só assim passa a tramitar. Pois a representação de 46 parlamentares de sete partidos protocalada há uma semana no conselho até hoje não foi oficialmente registrada pela presidência da Câmara. O regimento prevê que a Casa o faça em até três sessões ordinárias. Cunha tem optado por sessões extraordinárias para congelar o prazo de sua degola.

Uma república sem Eduardo Cunha é mais do que uma efeméride. Seria como a primeira parcela do 13o. para uma nação que ainda tem muitas contas a acertar.

Eu andava lendo pouco o jornal Valor.
Hoje, parece que os jornalistas voltaram a olhar melhor para o Brasil. Há várias matérias valiosas... Aos poucos o Brasil vai voltando à normalidade e podendo retomar o crescimento econômico com distribuição de renda e inclusão social.

Reforço aqui meus parabéns ao belo trabalho que vem sendo desenvolvido pela jornalista Maria Cristina Fernandes.



Nenhum comentário:

Postar um comentário