quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Demissão por telefone

Educação e Ressentimento

Mesmo com pressa, precisamos tomar cuidado quando vamos fazer as coisas, para evitar magoar as pessoas e criar ressentimentos. Na vida pública, quando as pessoas são demitidas por telefone ficam mais ressentidas do que quando são demitidas pessoalmente e depois de breve explicação.

Tanto no caso da demissão de Cristovão Buarque, quando foi demitido do Ministério da Educação no governo Lula, como agora no caso de Chioro, ao ser demitido pelo telefone por Dilma, a imprensa usou muito estes dois casos para desgastar as imagens tanto dos demitidos com de quem os demitiu.

O ritual dos cargos, obriga as pessoas a serem mais formais.
No Brasil, há uma mania de se enaltecer gestores grosseiros, como se estes fossem decididos e competentes. Isto é errado. Devemos enaltecer as pessoas firmes, decididas, mas que também são educadas e profissionais. Isto ajuda as pessoas a serem educadas em todos os momentos e ajuda o país a ser mais saudável.

Alguém pode dizer que, na crise, as pessoas não têm tempo de ser educadas ou formais. Não é verdade. Mesmo na crise, a educação é um pré-requisito da vida pública e coletiva.

Esta Reforma Ministerial é necessária e urgente, mas não pode ser transformada em "balcão de negócios inescrupulosos", nem em motivo para demissões indelicadas. Vida política é instável e quem aceita assumir cargo público tem que saber disto de antemão.Tanto para quem nomeia como para quem é nomeado. Se um juiz usa palavras grosseiras numa  seção de julgamento, ele se descredencia para tão relevante função. O mesmo vale para todas as pessoas públicas.

A gente não quer só comida...

Nenhum comentário:

Postar um comentário