quinta-feira, 16 de julho de 2015

Grécia e desvalorização cambial

Como fazer estando no Euro?

A situação da Grécia virou "abraço de afogado".

Se ficar no Euro e renovar o acordo como fez, perde a soberania, tem que fazer mais reformas como privatizações e arrochos salariais de aposentados e da ativa e continuar devendo as turras...

Se sair do Euro, a primeira vítima são os bancos gregos que ficarão insolventes e falidos.

Ora, nos Estados Unidos, quando a GM - General Motors e o Citybank perderam liquidez, o governo Obama foi lá e salvou as duas empresas, momentaneamente estatizando-as e depois voltando a devolve-las a iniciativa privada.

Porque não se pode estatizar momentaneamente o sistema financeiro grego, manter a moeda circulando gerida pelo Banco Central greco, fazer a desvalorização cambial necessária e estruturar o Estado e a Sociedade grega às condições econômicas que for possível neste momento.

O dilema é:

Isto é possível de ser feito permanecendo no Euro? Eu creio que sim. É só ter vontade política  e um Comitê de Gestão conjunto entre os representantes da Comunidade Europeia e o Governo Grego.

Se não for possível fazer a reestruturação da sociedade e ficar no Euro, que se saia do Euro, desde que se garanta a liquidez do sistema financeiro e da economia. Mesmo que seja em patamares menores do que era antes.

Nem tanto ao mar, nem tanto a terra.
Nem ficar refém da ortodoxia neoliberal, nem ficar refém de um bem estar social que a sociedade não tem pernas para manter.

Puxar tudo ao patamar atual do Euro é que não é possível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário