sábado, 11 de julho de 2015

Bancos são para ser servidos?

Ou é um serviço público de direito privado?

Um país com mais de 100 milhões de correntistas e mais gente querendo abrir contas bancárias é servido por apenas cinco bancos que controlam mais de 80% de tudo que o sistema financeiro brasileiro faz. O curioso é que, destes cinco bancos, dois dão do governo federal.

Quem acabou com os bancos de varejo no Brasil?
Se vocês pensaram FHC com suas privatizações e o PROER, acertaram. Mas os governos Lula e Dilma, apesar de pararem as privatizações, não pararam as fusões e incorporações, contribuindo para a concentração dos bancos em São Paulo e também para aumentar a lucratividade dos bancos com os juros altos.

Privatizar serviços públicos, garantindo correção monetárias e privilégios especiais às empresas compradoras das privatizações e concessões sempre fortalece mais as empresas do que os usuários, ou seja, o povo fica fragilizado. É o carneiro brigando com o lobo.

Os neoliberais contra argumentam dizendo que FHC criou as Agências Reguladoras. Bobagem! Nenhuma funciona ou funcionou. Novamente, nem com FHC, nem com Lula e nem com Dilma. Viraram cabides de emprego controlados pelas empresas que deveriam ser fiscalizadas... É a raposa tomando conta do galinheiro.

Com todas as contradições, de vez em quando lemos algumas notícias boas sobre os bancos em relação aos usuários, ou clientes, ou Povo como deveria ser chamado.

Hoje saiu no Estadão que o Banco do Brasil no Japão criou uma agência móvel, chamada de "Bank Truck", para atender os brasileiros que estão trabalhando no Japão, os Dekasekis, que são centenas de milhares. Este veículo bancário percorre até 3,5 mil quilômetros por mês, prestando atendimento aos clientes. Um grande serviço de utilidade pública.

No final da matéria lemos outra informação interessante:
"Com o fechamento das operações de varejo do ITAÚ no Japão, o BB passou a ser o único banco brasileiro naquele país."

O Banco do Brasil, mais uma vez, está de parabéns! 
É um banco público que serve e é servido. Mesmo estando precisando aprender com os japoneses e implantar "Qualidade Total" para que os clientes tenham mais orgulho ainda de serem correntistas e brasileiros.

É sempre a mesma história: 
- Quando não é lucrativo, o serviço deve ser prestado pelo Estado.
- Quando passa a ser lucrativo, aparecem os capitalistas nacionais e internacionais para tomarem o mercado lucrativo...

O Banco Central brasileiro deveria pensar nestes temas. Já que o Congresso Nacional virou um pardieiro...

Nenhum comentário:

Postar um comentário