segunda-feira, 20 de abril de 2015

Decadência Física de São Paulo

Feios, sujos e malvados?

Trabalhando no Centro de São Paulo há 45 anos, hoje, quando vim mais uma vez para o Centro, fui olhando os prédios abandonados e ocupados por família pobres, com suas bandeiras e estandartes e fiquei pensando com meus botões:

Será que esta feiura da cidade está contaminando a política e o emocional dos moradores de São Paulo? Não é apenas o Centrão que anda horrível e decadente, a própria Avenida Paulista, retrato de São Paulo na época do Barões do Café e depois dos Bancos - os novos ricos - anda decadente e feia.

Já vi tanta coisa nesta cidade...

Vi acabarem com o Parque Dom Pedro, quando Maluf era prefeito nos anos 70; vi derrubarem as mansões da Paulista para construirem prédios; vi a Avenida Ipiranga perder seus cinemas e seus hotéis; vi a Avenida São Luiz perder suas agências de viagens - chiquérrimas - e virar dormitório de moradores de rua e traficantes; vi a Praça da República deixar de ser um espaço de cultura e de artistas para ser lugar de mendigos e prostituas; vi a Praça da Sé deixar de ser o referencial religioso e político com a Catedral da Sé e passar a ser um monte de lixos e de mendigos. Até o Largo Paissandu que tinha sua galeria histórica e a Igreja dos Escravos, também ficou feio e perigoso.

Vi acabar tantos bancos: Comind, Banespa, Real, Bamerindus, Mercantil de São Paulo, BCN, Auxiliar,  Geral do Comércio, Sudameris, Banco Francês e Brasileiro, Nossa Caixa - Nosso Banco e tantos outros...

Por que tanta decadência? 
Onde está o brio dos paulistas e migrantes empreendedores?
Onde anda a Associação Viva o Centro? E os governantes? Todos eles...

Com o tempo, veio também o feio, o sujo e o malvado para o Centro de São Paulo.  
Com o tempo, São Paulo foi deixando de ser a vanguarda política e econômica. Junto com estas mudanças, o ódio e o medo foram crescendo, a violência tomou conta de tudo. Agora também falta água e luz. As escolas públicas estão abandonadas e as Polícias já não dão segurança. Será que não há solução?  

Nas pessoas, a decadência física reflete doença,
desemprego ou desagregação familiar.
Na nossa cidade de São Paulo,
o quê esta decadência representa?

3 comentários:

  1. A última vez que eu fui a SP foi quando a gente se encontrou, Gilmar. Eu fiquei abismado com o número de moradores de rua - até nos Jardins - e com a quase onipresença do crack e das suas mazelas.

    O Centro Velho - que eu adoro - já conheci decadente, acho que essa decadência tem décadas, mas se acentuou recentemente. A violência urbana ultrapassou a periferia e não tem mais fronteiras. A sujeira das ruas tá maior que no Rio, que é muito sujo.

    Achava que podia ter melhorado com o Haddad. Parece que não. A prefeitura tem um papel importante aí. Ordenar o espaço urbano. Se não fizer isso, não há ciclovia que resolva.

    abç

    ResponderExcluir
  2. Gilmar,
    Minha mãe veio de Salvador estes dias e ficou impressionada com a quantidade de mendigos nas ruas de sp.
    Para vir ao centro, venho a pé pela r. da consolação, ou de metrô, pela Sé. A situação é caótica. Não me arrisco a sugerir soluções, mas algo tem de ser feito.
    Abs
    Vitor

    ResponderExcluir
  3. IMPERIO DE SOLO É UMA DESGRAÇA SE TIVESSEM ESTERELIZADO COMPULSORIAMENTE DECADAS ATRAS ESSES QUE SE REPLICAM SEM A MENOR CONDIÇÃO GENETICA E RESTO NÃO TERIA TANTA FALENCIA A NIVEL DA LONGITUDE MAS KALERGI VEM DA TENDA

    ResponderExcluir