sábado, 6 de dezembro de 2014

Desordem na democracia

Como voltar à ordem democrática?

Da mesma forma que, no início do segundo milênio, quando Gengis Khan era o imperador mais importante do mundo, controlando a China, a Rússia e boa parte do Oriente Médio, a Europa estava em segundo plano e a desordem pairava no mundo ocidental, neste início do terceiro milênio estamos vivendo algo parecido.

A Europa está em desordem, os Estados Unidos estão em crise de hegemonia e o resto do mundo sobrevive com sistemas de governos agonizantes onde mais prepondera a violência e a desordem do que a ordem.

É preciso construir o novo. O que será o novo?
Diz-se que, apesar de ser caótico, o sistema democrático ocidental ainda é o melhor disponível. Ainda é o melhor, mas não satisfaz mais. Está velho e cheio de furos.

A hegemonia do sistema financeiro sobre o produtivo, a manutenção de um sistema legislativo parasitário e improdutivo, a existência de um judiciário ocioso, caro e não representativo da nova realidade, e a permanência de executivos sem forma ágil de demissões e substituições torna a democracia como um mal necessário. Até quando?

O parlamentarismo ainda continua sendo o melhor sistema democrático. Melhor do que o sistema brasileiro e mesmo o americano. Mas, mesmo o parlamentarismo também precisa ser atualizado.

A dúvida é se esta atualização do sistema de governo na conjuntura atual se dará pacificamente ou se será pelas guerras clássicas. Tudo indica que já estamos passando por guerras de transformações e que as mudanças virão da periferia para os centros econômicos. É só lembrar que Roma caiu de fora para dentro, a revolução francesa consolidou-se a partir da independência americana conquistada com uma guerra de grande proporção, e o mundo democratizou-se depois de duas grandes guerras mundiais. Por que agora seria diferente?

O Brasil vive a sua desordem e os partidos mais representativos - o PT e o PSDB - que deveriam ser os protagonistas da modernização do Estado e da Sociedade, estão se mostrando incompetentes para governar, garantir a paz e a ordem. Daí o crescimento da direita. Só falta o golpe ou a guerra...

Pelo jeito, apenas a minoria está querendo a paz.
A imprensa, o judiciário e os partidos políticos estão querendo a guerra.
Estamos sabendo como está começando,
mas jamais saberemos como esta guerra irá acabar.

A História não perdoa...
relata.

Nenhum comentário:

Postar um comentário