quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Israel: De vítima a Estado Terrorista

Um marco negativo na História de Israel

O mundo foi solidário com os judeus, tanto na ajuda contra a agressão nazista, como na votação da Assembleia Geral da ONU para a criação do Estado de Israel.

O mundo também acompanhou os anos de lutas para que o Estado de Israel se consolidasse como país. Foram várias guerras contra vários países e em todas elas Israel saiu vitorioso e expandiu seu território. Derrotados, os árabes e palestino, viram seus territórios serem diminuídos e a força do Estado de Israel se consolidar cada vez mais.

De repente, a necessidade de defender Israel foi substituída pela política expansionista de Israel, em nome de uma autodefesa que não passava de pretexto para a ampliação do território e o impedimento para que os palestinos pudessem ter seu Estado Palestino livre e soberano.

As guerras foram substituídas pelos atentados terroristas e o discurso radical.
Ao optarem pelos atentados dentro do Estado de Israel, os palestinos foram perdendo o apoio internacional.

Agora, Israel aproveitou-se do desgaste do Hamas e resolveu  destruir a infraestrutura da Faixa de Gaza. Passando a impressão ao mundo de que, na verdade, Israel que inviabilizar que os palestinos habitem este território, obrigando-os a migrarem para o Egito, a Jordânia ou ainda a Cisjordânia.

Israel pretende ocupar e apossar-se também da Faixa de Gaza, fazendo com que, ao ser criado o Estado da Palestina, que seja apenas na Cisjordânia. Ficando os palestinos sem direito ao mar e com um território diminuto.

Com o fim da Guerra Fria, sem a ameaça da União Soviética, com um governo americano fraco e com uma ONU desmoralizada, a direita israelense se achou credenciada a deixar de ser "a vítima histórica", para implementar a destruição da Faixa de Gaza, mesmo que tivesse que destruir Escolas da ONU, Mesquitas e Hospitais.

Ao cometer tantos crimes de guerra, inclusive porque o que vimos não foi uma guerra e sim uma agressão desproporcional, o Estado de Israel deixa de ser visto como vítima das agressões árabes para passar a ser visto mundialmente como um Estado Terrorista.

Por enquanto, a imagem de Estado Terrorista fica apenas para Israel.
Esperamos que os judeus da diáspora, os judeus presentes em tantos países não se calem nem sejam cúmplices deste Terrorismo de Estado.

Os povos do mundo já não aceitam esta violência descabida e desproporcional.
Os anos de história devem servir de alerta a este governo terrorista de Israel.

O povo judeu não pode respaldar esta barbárie,
caso contrário, os israelenses não poderão alegar que "não sabiam",
como já aconteceu com o próprio povo judeu na Europa.

A fotografia na capa da Folha de hoje passa uma imagem de que os soldados israelenses estão "comemorando a vitória". Mas devemos lembrar à Folha e ao governo de Israel que no início das guerras, os agressores sempre comemoram suas vitórias fáceis.
Depois choram e sentem vergonha do que fizeram.

Deus, oh Deus, onde estás que não respondes?
O tempo deu razão a Castro Alves...



Nenhum comentário:

Postar um comentário