quinta-feira, 31 de julho de 2014

Pesquisas reforçam baixarias do Estadão

Saiu pesquisa Globo/Estadão

Bem que avisei que a manchete de ontem do Estadão tinha a ver com pesquisas eleitorais e era uma forma de influenciar no resultado. Aproveito para pedir desculpas por não ter mostrado qual foi o título. Este é um dos problemas do Estadão: Não é acompanhado a nível nacional e internacional. É um jornal mais de São Paulo. A manchete de ontem foi: "Empresas e deputado do PT são suspeitos de lavar dinheiro do PCC".

Hoje o Estadão tem a mesma manchete da Folha. O quê já virou rotina. Copiam manchetes e fotos. É a pobreza na criação ou má intenção na concorrência. Falta originalidade. Precisam chamar Olivetto ou Nizan.

Voltando à manchete de ontem do Estadão, eu disse que os editores estavam agindo movidos pelas pesquisas e ainda ontem à noite saiu a Pesquisa Ibope Rede Globo e Estadão. São apresentados números para estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas e Brasilia. No geral os números mostram que apenas no Estado de São Paulo há folga para o primeiro lugar, os demais números mostram que está tudo embolado.

Skaf despencou em São Paulo. Esta é a grande novidade!
Arrogância sempre foi o pior inimigo de um candidato.

Quando Skaf foi candidato à Fiesp pela primeira vez, pediu ajuda ao governo Lula. Agora que usou a Fiesp e o Sistema S, (SESI) para fazer propaganda de sua imagem e se candidatar para governador, Skaf acha que não precisa mais do PT e de Dilma. Ledo engano, o tempo vai mostrar que no Brasil ou se está do lado dos neoliberais tucanos (PSDB), ou se está do lado do povo e dos trabalhadores. Não há muro para ficar esperando sentado.

Humildade faz bem para todos. Sejam candidatos ou não. Humildade é virtude! Este é um dos motivos do porquê Alckmin continua com boa imagem. Ele sabe passar uma imagem de humilde, embora muita gente o considere dissimulado e sonso.

Hoje Dilma estará na Plenária Nacional da CUT, recebendo apoio de trabalhadores de todos os estados brasileiros. O Brasil estará presente em Guarulhos com Dilma, Padilha e muito mais. Nós temos lado, nós estamos do lado do Brasil para todos. Volto a dizer que, apesar das baixarias da imprensa, Dilma ganhará no primeiro turno. Prá frente é que se anda.

P.S.:
Israel, Israel,
quantos crimes ainda cometerás até que volte o respeito ao teu Deus?
O mundo não vai esperar muito tempo...


quarta-feira, 30 de julho de 2014

Baixaria eleitoral no Estadão

A imprensa volta à baixaria

O Estadão não resistiu uma semana de seriedade e voltou a ter recaída eleitoral. A manchete de hoje do jornal é um boletim de quinta categoria. Matéria policial forjada para se fazer notícia nos jornais que, por sua vez, serão lidas pelos rádios e TVs, usando o jornal Estadão como fonte.

É a mesma mania de tentar enganar os eleitores e a população como um todo. Lembram a história de uma mentira repetida várias vezes pode virar uma verdade? Nossa imprensa infelizmente age assim. Mente, mente, mente e depois faz de conta que não tem nada a ver com a história.

Tenho a impressão que as pesquisas internas da imprensa e dos tucanos devem estar registrando um crescimento de Dilma e do PT. Sempre que acontece este crescimento a baixaria da imprensa aumenta, tentando impedir que as eleições presidenciais sejam decididas no primeiro turno.

Esta será a grande resposta dos eleitores brasileiros:

Dilma irá ganhar no primeiro turno!

Aécio e Campos não merecem ser presidente do Brasil.
São fracos, mentem e mal educados.

A Dilma é durona, mas faz os políticos trabalharem,
faz a oposição ter que prestar conta,
faz os empresários produzirem mais e terem o lucro justo,
enfim, fez até a Copa acontecer no Brasil.

Mesmo com seus defeitos, Dilma é muito melhor do que
Aécio e Campos com suas poucas virtudes.
O povo não é bobo e saberá escolher o melhor para o Brasil.

Para o Brasil continuar melhorando,
a melhor opção é Dilma para presidente.
E aguardem Lula em 2018...

terça-feira, 29 de julho de 2014

A conjuntura e a realidade

Para onde estamos indo?

Participando dos debates sobre a conjuntura internacional e a realidade brasileira, confesso que fiquei confuso. Uns diziam que o Capitalismo está passando por uma crise profunda. Outros diziam que o Capitalismo está destruindo conquistas da Social Democracia e do Socialismo. Outros diziam que, comparativamente, o Brasil está bem melhor que a Europa. E assim o tempo foi passando...

Fiquei pensando sobre o porquê não se fala que todas estas mudanças aconteceram com o povo sempre votando, ora a favor da esquerda, ora a favor da direita. Que todos estes governos foram eleitos pelo povo. Mesmo os governos reacionários que são contra os imigrantes. Ou ainda o governo conservador de Israel. Foi o povo judeu de Israel que elegeu este pessoal que está matando crianças palestinas e destruindo a Faixa de Gaza. Até quando?

Convivendo com psicanalistas e economistas, além de políticos, fico sempre na dúvida sobre até onde vai a ação individual e onde começa a ação coletiva.

Por exemplo: O Brasil melhorou muito, mas, além da corrupção continuar existindo, o povo não sabe como acabar com a corrupção, a violência também toma conta das cidades e os governos estaduais dizem que fazem o que pode e isto interfere no emocional do povo. Para o bem e para o mal.

Outro exemplo: O garoto que nasce na Faixa de Gaza ou mesmo o garoto que nasce em Israel, o quê eles têm a ver com a violência dos adultos? Ambos estão ameaçados pela violência, pela guerra e pelas bombas. Mas a ONU e os países podem fazer muito para acabar esta violência. Da mesma forma que fizeram quando da criação do Estado de Israel. Protegeram as raposas e deixaram as ovelhas indefesas contra seus predadores.

Quando estudava na FGV, tínhamos uma matéria chamada Engenharia Operacional onde aprendíamos a analisar múltiplas alternativas, em vez de ficar no maniqueísmo binário do bem e do mal, do certo e do errado. Não sei se deve continuar chamando Engenharia Operacional, mas os analistas, os jornalistas, nossa imprensa e meso os sindicalistas e os políticos talvez estejam precisando desenvolver esta prática de múltiplas alternativas.

Estamos passando por profunda transição.
Já superamos as monarquias absolutistas, superamos o capitalismo da barbárie quando se trabalhavam 16 horas por dia, sem previdência, sem aposentadoria e sem nada, já superamos o comunismo stalinista, já superamos o século 20 com suas duas grandes guerras mundiais e o colonialismo violento. Agora a Europa e os Estados Unidos estão sendo superados pela China e pela Alemanha, mesmo continuando importantes. A Índia, a África do Sul, a Turquia e o Brasil também querem seu espaço internacional, contribuindo para o surgimento de uma "nova ordem efetivamente globalizada".

E já não temos mais a ONU como mediadora.
Isto é que é mais triste.
Vamos ter que resolver as divergências com bombas?
Eu prefiro que resolvamos com votos.
E muita democracia, é claro.


segunda-feira, 28 de julho de 2014

Gente de todo Brasil passa frio

Até em Brasília

O tempo anda mesmo muito esquisito. Até quem mora em Brasilia passou frio neste final de semana!

Fazer reunião com gente de todo o Brasil na cidade de Guarulhos - São Paulo, foi mais econômico, mas o frio lá é maior do que em São Paulo.

Comemorando seus 31 anos de fundação, a CUT  realiza sua 14a. Plenária Nacional na cidade de Guarulhos, cidade administrada há quatro mandatos consecutivos pelo PT. Contando inclusive com a presença de Lula nesta segunda-feira, abertura da Plenária e com a presidente Dilma no dia 31, quinta-feira.

Será uma semana de muitos debates e grandes confraternizações.
Mas também será uma semana de banho de energias para que todos possam voltar a seus Estados e fazerem campanha para Dilma, além dos candidatos a governadores, senadores, deputados federais e estaduais.

O projeto de inclusão social, crescimento econômico e melhoria da qualidade de vida precisa continuar, mesmo enfrentando pressão econômica do mercado financeiro nacional e internacional, além da oposição oportunista dos tucanos e da imprensa.

A vida não está fácil para ninguém e todos precisam contribuir para mais esta vitória.

Quando nós fundamos à CUT em São Bernardo do Campo, no ano de 1983, a temperatura era de 4 graus positivos. Hoje a temperatura está um pouco mais alta, em compensação o debate político é mais pobre e o vale tudo nas redes sociais e na imprensa continuam para os dois lados.

Educação e respeito fazem bem as eleições e à Democracia.



domingo, 27 de julho de 2014

Saúde é coisa séria

O Estadão trata com seriedade

Nesta semana em São Paulo, e talvez no Brasil, o assunto mais importante foi o fato de a diretoria da Santa Casa ter mandado fechar o Pronto-Socorro. 

Isto fez com que, talvez por ser ano eleitoral, os políticos saíssem fazendo acusações e tentando minimizar suas responsabilidades. Enquanto os políticos brigam, os pobres sofrem...

Depois de tanta repercussão nas redes sociais, o Estadão ontem (sábado) fez um Editorial com o título: " As lições da crise da Santa Casa" , que mostra que, quando a imprensa quer ser séria, consegue. Talvez o Editorial tenha sido escrito por um médico em vez do editor de sempre - este mais politiqueiro e provocador. O Editorial sobre a crise da Santa Casa é uma obra prima que merece ser lido em todas as áreas do jornal, como modelo de qualidade.

Neste domingo, o Estadão continua dando aula de qualidade em relação à saúde.
Publica uma boa entrevista com José Gomes Tinhorão, ex-ministro da saúde e médico muito sério. 

Enquanto isto, a Folha publica uma entrevista com o presidente da Santa Casa, onde aparecem mais as vaidades do que os problemas da saúde e da Santa Casa. Abotoaduras, clubes de futebol, chá das cinco entre os ricos e poderosos de São Paulo mas comprometem a nossa saúde pública do que resolvem seus problemas. 

A saúde no Brasil, como também a educação e o transporte, precisam ser tratados com mais seriedade tanto pela imprensa como pelos políticos. Eleições são sempre momentos para discutir estes desafios e votar nos melhores candidatos. É assim que aperfeiçoamos nossa democracia. 

O Estadão, quando quer, consegue continuar sendo um grande jornal.
O problema é querer...

sábado, 26 de julho de 2014

Quando os jornais ficam diferentes

A brutalidade de Israel

A Folha e o Estadão andam se copiando em quase tudo. Na capa, nas manchetes, nas fotos e na mediocridade quando tratam da política nacional, isto é, o ódio e a má fé jornalística que tratam o PT e o governo Dilma.

Na Economia, na Cultura e nas questões internacionais, normalmente o Estadão é melhor do que a Folha. Enquanto a Folha é neoliberal e subserviente aos Estados Unidos, o Estadão é mais desenvolvimentista, mais nacionalista e independente.

Em relação a cobertura da violência das Forças Armadas de Israel contra a população palestina na Faixa de Gaza, até parece que são duas agressões distintas, quando se compara o que o Estadão publica e o que mostra a Folha. Ainda ontem o Estadão deu um show de eficiência, enquanto a Folha se perdia em pequenos agrados a Israel. Gilles Lapouge escreveu belíssimo artigo e as demais matérias do Estadão sobre as questões internacionais eram educativas e esclarecedoras.

Lendo os jornais de hoje a sensação é a mesma.
O Estadão é muito mais jornal.
Pena que quando falam de política nacional
a mediocridade se iguala.

Educação, Liberdade e Democracia
são coisas que se combinam e se complementam.
Curiosamente são três temas ainda carentes no Brasil.
Talvez se São Paulo e o Brasil tivessem mais diversidade e
mais jornais, rádios e TVs o país teria
mais Educação, mais Liberdade e mais Democracia.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Ato Falho do Santander

Campanha eleitoral e jogo sujo

Não vi nos jornais, mas recebi de leitores amigos o artigo do Blog de Fernando Rodrigues, jornalista dos sérios da Folha. Este Ato Falho do Santander mostra mais uma etapa do jogo sujo da oposição ao governo Dilma. É o "sem querer, querendo". 

E pensar que a president Dilma desautorizou o Banco do Brasil e o Bradesco a comprarem o Santander Brasil. Quem com ferro fere, com ferro será ferido…

Leiam o bom artigo de Fernando Rodrigo.

Sucesso de Dilma deteriora economia,
diz Santander a clientes ricos

Fernando Rodrigues - blog
25/07/2014 07:12

O Banco Santander enviou neste mês de julho de 2014 aos seus clientes de alta renda um texto afirmando que o eventual sucesso eleitoral da presidente Dilma Rousseff irá piorar a economia do Brasil.
A análise foi impressa na última página do extrato dos clientes na categoria “Select”, com renda mensal superior a R$ 10 mil. Diz que se Dilma melhorar nas pesquisas de intenção de voto, os juros e o dólar vão subir e a Bolsa, cair.
O texto vem sob o título “Você e seu dinheiro” e orienta os clientes do Santander: um cenário eleitoral favorável à petista reverterá “parte das altas recentes” na Bolsa.
Eis a reprodução do extrato:
"Você e Seu Dinheiro
A economia brasileira continua apresentando baixo crescimento, inflação alta e deficit em conta-corrente. A quebra de confiança e o pessimismo crescente em relação ao Brasil em derrubar ainda mais a popularidade da presidente, que vem caindo nas últimas pesquisas, e que tem contribuído para a subida do Ibovespa. Difícil saber até quando vai durar esse cenário e qual será o desdobramento final de uma queda ainda maior de Dilma Rousseff nas pesquisas. Se a presidente se estabilizar ou voltar a subir nas pesquisas, um cenário de reversão pode surgir. O câmbio voltaria a se desvalorizar, juros longos retomariam alta e o índice da Bovespa cairia, revertendo parte das altas recentes. Esse último cenário estaria mais de acordo com a deterioração de nossos fundamentos macroeconômicos.
Diante desse cenário, converse com o seu Gerente de Relacionamento Select para alocar os seus investimentos da maneira mais adequada ao seu perfil de investimento."
O documento do Santander ao seus correntistas mais abastados contém uma análise que já frequentava o mercado financeiro brasileiro de forma difusa, mas nunca de maneira institucional por um grande banco.
Esse tipo de comportamento do mercado não é novo. Desde a primeira eleição direta pós-ditadura ocorrem interpretações nesse sentido. Em 1989, o empresário Mário Amato deu uma entrevista dizendo que se o petista Luiz Inácio Lula da Silva ganhasse naquele ano, 800 mil empresários deixariam o Brasil.
Em 2002, quando o mercado financeiro novamente ficou apreensivo com uma possível vitória de Lula, o analista Daniel Tenengauzer, do banco Goldman Sachs, chegou a inventar o “lulômetro”, que previa a cotação futura do dólar caso o petista fosse eleito. Tenengauzer acabou repreendido pelo banco, que considerou “leviano” e de “mau gosto” o nome de seu modelo matemático.
O Santander confirmou a autenticidade do documento ao qual o Blog teve acesso. Em nota, disse adotar critérios “exclusivamente técnicos” em suas análises econômicas, “sem qualquer viés político ou partidário”.
O banco reconhece que o texto enviado a seus clientes “pode permitir interpretações que não são aderentes a essa diretriz” (de se ater a análises mais técnicas). A instituição emitiu uma nota na qual pede desculpas ao seus correntistas e diz que adotará providências internas.
De capital espanhol, o Santander é o 5º maior banco e o 1º estrangeiro em atuação no Brasil. Fica atrás de Banco do Brasil, Itaú, Caixa e Bradesco. Em 2000, massificou sua operação de varejo ao comprar o Banespa, o antigo banco estatal que pertenceu ao governo paulista.
Abaixo, a íntegra da nota do Santander:
“O Santander esclarece que adota critérios exclusivamente técnicos em todas as análises econômicas, que ficam restritas à discussão de variáveis que possam afetar os investimentos dos correntistas, sem qualquer viés político ou partidário. O texto veiculado na coluna ‘Você e Seu Dinheiro’, no extrato mensal enviado aos clientes do segmento Select, pode permitir interpretações que não são aderentes a essa diretriz. A instituição pede desculpas aos seus clientes e acrescenta que estão sendo tomadas as providências para assegurar que nenhum comunicado dê margem a interpretações diversas dessa orientação.”   (Bruno Lupion)

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Saúde, Santa Casa e Politicagem

Calamidade Pública e Irresponsabilidade

Constatamos horrorizados a Direção da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo deliberadamente FECHAR os serviços no Pronto-Socorro, deixando de atender centenas de pessoas pobres por dia, usando como pretexto a falta de dinheiro para pagar os fornecedores.

Quem mantém – ou sustenta financeiramente – a Santa Casa?
A maior parte do orçamento é oriunda de atendimentos do SUS – Sistema Único de Saúde.  O mesmo acontece com a maioria dos hospitais privados.  Outra parte importante é coberta por recursos do Governo Federal que repassa ao Governo Estadual – que também contribui com outra parte.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin do PSDB, rapidamente tomou a iniciativa de dizer que a culpa pelo fechamento do Pronto-Socorro da Santa Casa era de Dilma. De pronto o Ministro da Saúde mostrou os números provando que o Ministério da Saúde tinha repassado 74,7 milhões de reais a mais do que os valores do SUS e que o governo de SP – do PSDB – não tinha repassado para a Santa Casa.

Tudo isto é muito lamentável!
Nem a direção da Santa Casa poderia ter fechado o Pronto-Socorro;
Nem o governador Alckmin deveria deixar de repassar o dinheiro que era para a Santa Casa;
Nem o governador Alckmin poderia acusar sem provas o governo Dilma.

Curiosamente, a imprensa tratou o assunto de forma simplificada e o que é mais estranho, o Poder Judiciário paulista não condenou ninguém até agora.

Os Juízes, os Promotores e o Ministério Público gostam muito de CONDENAR as greves dos trabalhadores, julgando-as ILEGAIS e determinando que o Sindicato pague centenas de milhares de multa por dia como punição por fazerem o povo sofrer e por dar prejuízo ao mercado.

O quê aconteceu com a Santa Casa de São Paulo é o quê?

O Brasil não pode continuar sendo um país de DOIS PESOS E DUAS MEDIDAS.

Os pobres não podem continuar pagando a conta da irresponsabilidade dos políticos.

Nossa imprensa tem que informar mais e fazer menos politicagem. 

quarta-feira, 23 de julho de 2014

O mundo não é binário

A diversidade faz parte da vida

Não sei porque a história da humanidade é contada da forma binária. O bem contra o mal. O céu contra o inferno. O branco contra o vermelho ou o vermelho contra o negro.

Com o tempo fomos aprendendo que, apesar de na computação o inicio ter sido binário, mesmo na informática o sistema não é apenas binário.

Na política vemos a imprensa tentar impor a visão de que os petistas são maus e a direita é boa. Digo direita porque não é apenas o PSDB que representa a oposição. Basta ser contra o PT que a imprensa apoia. 

Na economia, até o Professor Delfim Neto, no jornal de hoje, veio com a visão binária entre - tudo ao mercado ou tudo ao Estado? Quando sabemos que Delfim sempre foi polivalente e heterodoxo.

Nas religiões a mesma coisa.  Cristãos contra o mundo não cristão. Até constatarmos que a bondade existe em todas religiões, assim como o fanatismo e a violência. 

Que tal, em vez de elegermos partidos, escolhermos propostas e projetos?
Formar um Legislativo de pessoas comprometidas em modernizar o Brasil e seus Estados. Colocar os projetos coletivos acima dos projetos pessoais?

Acho que não é tão difícil! 

Mesmo vendo grandes escritores morrerem...
Mesmo vendo Chico Buarque ir morar na França...
Mesmo vendo o Dunga voltar para a seleção...
Mesmo vendo a violência aumentar nas grandes cidades...
Mesmo vendo a Santa Casa de São Paulo fechar a Emergência...
Mesmo tendo que ficar no Centro até as oito por causa do rodízio...

Apesar de tudo isto, é possível melhorar nossa vida.
O mundo é plural, diverso e cheio de mensagens.
O mundo não é binário.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Datafolha ou Ibope: Quem está errado?

Pesquisa é como Arte Moderna

Mesmo sendo da Folha, a UOL apresenta esta matéria de forma bem diferente de como apresentou do Datafolha. Será autocrítica? 

Dilma tem 38% e os demais 36% no primeiro turno. Na espontânea a vantagem de Dilma é ainda maior...

Até o dia das eleições veremos muitas pesquisas contraditórias.

Ibope: Dilma tem 38%, e Aécio 22% das intenções de voto

Do UOL, em São Paulo
22/07/201421h11 > Atualizada 22/07/201421h43

Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (22) mostra a presidente Dilma Rousseff (PT) na frente da disputa, com 38% dos votos. Ela é seguida pelo tucano Aécio Neves, com 22%, e por Eduardo Campos (PSB), com 8%. O candidato Pastor Everaldo (PSC) tem 3% das intenções de voto. Eduardo Jorge (PV), Luciana Genro (PSOL) e Zé Maria (PSTU) possuem 1% cada. Os demais candidatos não pontuaram. 
Os votos brancos e nulos correspondem a 16% do total; 9% não souberam responder. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que significa que o Ibope tem 95% de certeza de que os números estão dentro da margem de erro.
Esta é a primeira pesquisa do Ibope após o registro das 11 candidaturas a presidente no TSE, no último dia 5. Na pesquisa anterior, realizada pelo Ibope em junho, Dilma tinha 39% das intenções, Aécio, 21% e Campos, 10%.
Segundo turno
O Ibope disse que não é possível prever se haverá segundo turno diante deste cenário. A pesquisa, no entanto, simulou um eventual segundo turno entre Dilma e Aécio e entre a petista e Eduardo Campos.
Contra Aécio, Dilma tem 41% das intenções de voto, e o tucano, 33%. Já diante de Campos, a presidente aparece com 41% contra 29% do candidato do PSB.
Espontânea e rejeição

Na pesquisa espontânea, na qual não é apresentada ao entrevistado a lista de candidatos, 26% declararam voto em Dilma, 12% em Aécio e 4% em Eduardo Campos.
Apesar de liderar a corrida, a presidente possui a maior taxa de rejeição entre os candidatos. Ao todo, 36% declararam que não votariam em Dilma de jeito nenhum; 16% não votariam em Aécio; 11% em Pastor Everaldo; 9% em Zé Maria e 8% em Eduardo Campos.
Ao todo, 2.002 pessoas foram entrevistadas em 143 municípios entre 18 e 21 de julho. A pesquisa foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número BR-00235/2014. 

A pesquisa foi contratada pela TV Globo e pelo jornal "O Estado de S. Paulo"

Eleições e Ódio de Classe

O Coletivo e o Individual

Políticas Públicas são direitos. No papel, na Constituição, mas nem sempre são assegurados de fato. Vamos pegar pelo mais importante:

Saúde para todos. Nossa saúde pública é fraca e a saúde privada é cara e também precária. Os governos não têm dinheiro para garantir saúde de qualidade para todos. Nem enquanto saúde pública nem complementada pela privada.

Como a população lida com isto?
Reclamando dos governos e reclamando dos convênios médicos.

Por que se gasta tanto com saúde e mesmo assim continua precária?
Porque o deficit é acumulado há anos e é mais fácil asfaltar ruas do que construir hospitais e prover de médicos e infraestrutura básica.

O mesmo vale para o transporte coletivo, para a educação, para o abastecimento, água, esgoto e cultura. Aumentando a pressão para se aumentar os salários e rendimentos e criando-se a demanda por mais investimentos públicos ou privados nas políticas públicas.

Coletivamente, a vida dos brasileiros melhorou muito. Individualmente também houve grandes melhorias. Principalmente nos últimos 12 anos de governo Lula e Dilma.  Qual o papel dos governadores e dos prefeitos?  Como se explica tanta campanha da imprensa contra Dilma e o PT? Qual o grau de responsabilidade dos outros partidos?

Porque a Classe Média ficou espremida entre os milhões de brasileiros que passaram a ser da Classe Média, superlotando os espaços públicos e privados. E a Classe Média tradicional não evoluiu na mesma velocidade que os pobres, aumentando assim uma frustração social e tornando-se um alvo fácil do discurso contra o governo que beneficia os pobres em detrimento da classe média e dos ricos. Abrindo espaço para o fascismo e o ódio de classe.

Ser governante é governar para todos, saber lidar com as diferenças e as demandas desiguais da sociedade. Governar é como ser um pai ou uma mãe de muitos filhos. Declarar que ama igualmente a todos mas que precisa cuidar de cada um individualmente para que todos possam crescer e tornar-se um adulto com suas especificidades. Este é o segredo de um bom governante.

A imprensa brasileira tem estimulado o ódio de classe, a mentira, a manipulação e a violência. Perdendo de vista sua missão educadora. Os movimentos sociais e as redes sociais, além dos educadores públicos e privados têm um grande desafio que é contrapor-se a este papel sujo e deseducativo da imprensa brasileira.

Cada ano sim e outro não, temos eleições no Brasil. Cada ano temos mais oportunidade de usar o processo eleitoral para contribuir para educar mais a nossa sociedade. Ganhando ou perdendo, esta é a missão do processo eleitoral.

Podemos ganhar dinheiro sozinho, mas nunca viveremos sozinhos. Estamos cercados por pobres e ricos, negros e brancos, trabalhadores e aposentados, jovens e velhos. Esta é a nossa sina. Mesmo não tendo uma tradição coletiva, temos que aprender a combinar o individual com o coletivo. Por bem ou por mal.

Seria bem melhor se a imprensa também contribuísse para isto.
Mas está cada dia mais difícil ler jornal...
Será que temos que optar apenas pela Internet?



segunda-feira, 21 de julho de 2014

Editora Abril, Veja, Folha, O Globo e Valor

Tudo a ver?

Mais mudanças na Editora Abril.
Desta vez envolve o Jornal Econômico Valor. A matéria abaixo, publicada no Valor, mistura tudo como se fosse do mesmo Grupo Econômico.
Será que, além de ficarem todos iguais, também estão ficando sócios?

Editora Abril tem novo presidente: Alexandre Caldini

Por Beth Koike | Valor - 21/07/2014 às 19h20

SÃO PAULO  -  O Grupo Abril anunciou nesta tarde um novo presidente para a editora. Trata-se de Alexandre Caldini, que ocupava o cargo de CEO no Valor há dois anos. 
Caldini, que fica no Valor até 1º de agosto, vai se reportar diretamente ao presidente do Grupo Abril, Fábio Barbosa, que acumulava o cargo de presidente da editora desde a saída de Jairo Mendes Leal em outubro do ano passado. Caldini já havia trabalhado na Abril entre 1998 e 2012 e nesta nova etapa vai comandar as unidades de negócios das revistas Veja, Exame, as revistas segmentadas, além das áreas de assinaturas e Casa Cor. 
"Caldini, ao lado de sua equipe, terá como uma de suas principais missões focar na consolidação da estratégia de todos os títulos e marcas da Editora Abril, a fim de promover o crescimento e a rentabilização de cada um del es", informou Barbosa por meio de comunicado.
Na semana passada, a Abril anunciou que repassará para a editora Caras dez títulos: Aventuras na História, Bons Fluidos, Manequim, Máxima, Minha Casa, Minha Novela, Recreio, Sou+Eu, Vida Simples e Viva Mais.
“Em breve será anunciado o nome do novo diretor-presidente do Valor Econômico”, informou comunicado do conselho de administração do Valor. Neste ínterim, o diretor financeiro do Valor, Carlos Ponce de Leon, fará a i nterlocução com o conselho de administração em assuntos estratégicos, segundo o comunicado.


Confusão na área

Dunga na Seleção?

Realmente não dá para entender nada.
Do que adianta tirar Felipão e contratar Dunga?
É jogar na confusão!
Esta ninguém entendeu.

Este é o Brasil nos esportes.
Na política a confusão é muito parecida.
São 33 partidos onde todos se aliam com todos.
Logo, quem é governo e quem é oposição?

Como a maior parte dos políticos é de "vale-tudo",
todos são governos e todos são oposição.
No município, no estado ou no governo federal.

Quem tem autoridade para atirar a primeira pedra?

A imprensa?
Esta não tem por que apoia os candidatos conservadores
e querem ganhar de qualquer jeito.

O Judiciário?
Seus representantes são aliados dos políticos
e trabalham por eles usando os artifícios jurídicos.

As Igrejas?
Estas também têm seus candidatos e seus partidos.
Além de canais de TVs e programas de rádio.

Os Sindicatos?
Como as Igrejas, também têm seus candidatos e seus partidos.

E o povo?
Ah! O povo. Este deveria a razão de ser de tudo isto.

E por que não é?
Por que o povo acaba fazendo parte
"desta grande confusão na área chamada Democracia Imperfeita".

Como superar tudo isto?
Vivendo, aprendendo, estudando, fazendo e refazendo...


domingo, 20 de julho de 2014

Dialogando com o mundo

111 países e 333.333 acessos ao nosso blog

Hoje cedo, quando olhei as notícias no computados, surpreendeu-me o número de acessos: 333.333. Quando fui olhar os países, já eram 111. Números repetidos e caba listicos. Estas coincidências acontecem de vez em quando é sempre nós chamam atenção.

Sem a internet estes números não existiriam. 
Com a internet o mundo ficou pequeno e acessível.

Enquanto o acesso às informações internacionais ficou mais fácil, no Brasil, a imprensa vai ficando cada vez mais manipuladoras das informações e das análises. Pensei em escrever sobre " O mal que a Folha nos faz", mas deixei para outro dia. Hoje é domingo e é dia de notícias leves e lúdicas.

Por exemplo, analisando sobre os países que nós acessam. São de todos os continentes, mais da Europa do que da América Latina e África. Mas estes continentes sempre estão presentes. A Ásia e o Oriente Médio também são regulares. Mas o maior acesso é da Europa e individualmente dos Estados Unidos, da Alemanha e da Ucrânia. Mesmo antes da guerra. 

De vez em quando, fico pensando o porque dos acessos. Devem ser pelos temas. Flores, política e cultura. Também acho que são brasileiros que moram nestes países. Mas há a tradução do Google. 

Enfim, a gente vai dialogando com nossos amigos no Brasil e no Mundo.
Apesar das guerras, a Terra continua uma grande aldeia.
A Terra é a nossa Pátria!

sábado, 19 de julho de 2014

Cemitérios, Flores e Reflexões

Mais uma morte amiga

Quando uma geração vai ficando mais velha acontece isto.
O número de mortes torna-se mais frequentes.
No início de julho teve a morte de minha tia Alice.
No velório no Cemitério da Paz, além de flores,
tinham vários pássaros inclusive o Bem-ti-vi.
Matamos a saudade dos parentes.
Tia Alice estava com 87 anos.

Ontem à noite fomos avisados de uma outra morte.
Não foi do escritor famoso.
Foi do pai de uma colega de vida e de lutas.
O pai de Alice Yamamoto.
Como o nome diz, filha de japoneses...
O pai já estava com 97 anos e via a família
realizada, com netos e muitos amigos.

Ao chegar no velório no Cemitério da Vila Mariana,
fiquei impressionado com a quantidade de pés de Ipês Rosas.
O sol brilhava na manhã deste sábado,
os amigos foram chegando
e as conversas sobre a vida.
A grande maioria já cinquentões.
Bonito ver tantas etnias misturadas...

A morte reaproxima as pessoas
e nos estimula a falar sobre a vida.
Se foi bem vivida e se haverá ou não
um ritual religioso. O normal é que sim.
Por via de dúvidas,
todo mundo quer chegar bem do outro lado.
Principalmente se vivemos bem esta vida.

Independente de qualquer coisa,
A vida continua.
E os Cemitérios, como as Igrejas,
Continuam sendo pontos de encontros e de reflexões.
Além de muitas flores...


sexta-feira, 18 de julho de 2014

Jogo sujo da imprensa continua

Economia, política e futebol

Vale tudo eleitoral.

1 - antes era a Copa que não iria acontecer ou que seria  um fracasso. Deu tudo ao contrário e o Brasil foi o grande vencedor. 

2 - diariamente a imprensa diz que a economia está caótica e a inflação vai disparar. Nem a economia está caótica nem a inflação dispara. Mas a imprensa continua manipulando informações. 

3 - acabou a Copa, Felipão não é mas o técnico e agora é hora de botar ordem na CBF. No entanto, os cartolas querem continuar mandando e fazendo de conta que não precisa mudar a estrutura do nosso futebol. Basta mudar o técnico. 

4 - para piorar, Israel aumenta sua violência contra os palestinos e mais um avião da Malásia faz desaparecer ou morrer centenas de pessoas. Querem quebrar a empresa aérea ou querem desestabilizar o mundo?

Ainda bem que hoje é sexta.

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Israel: Que vergonha!

Matar crianças na praia? 
Isto não é uma Guerra, é terrorismo de Estado.

O mundo apoiou a criação do Estado de Israel. Um país para os judeus. Este mesmo mundo tem a obrigação de apoiar a criação do Estado Palestino. Um país para os milhões de palestinos espalhados pelo mundo.
Hoje, li o Estadão e a Folha e ambos só faziam campanha para a oposição brasileira. Depois, quando fui ler “O Globo” , ficquei estarrecido com a material sobre a Guerra suja de Israel contra os palestinos: Israel agora mata criancinhas na praia? 
Já estive em Israel, defendo seu direito de existir, mas, jamais aceitarei matanças de crianças e civis. O mundo tem que botar limite na prepotência dos conservadores de Israel.

Leiam a materia de O Globo de hoje:  

Bombardeio de aviação israelense 
mata 4 crianças palestinas em praia de Gaza


Jornalistas testemunham assassinato em frente a hotel onde estavam hospedados 


POR O GLOBO / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS
16/07/2014 13:12 / ATUALIZADO 16/07/2014 21:06

GAZA — O hotel al-Deira, construído há quase 15 anos na Cidade de Gaza, é frequentemente utilizado por jornalistas ocidentais que viajam para a região para cobrir o conflito árabe-israelense. O local luxuoso — em uma área não muito conhecida pelo luxo — com belas vistas de uma praia do Mar Mediterrâneo, permitiu nesta quarta-feira que repórteres de jornais como o “New York Times” e “Guardian” fossem testemunhas oculares do assassinato de quatro crianças palestinas, atingidas após bombardeios da aviação israelense.
Duas bombas destruíram uma cabana na praia onde o grupo jogava bola e, segundo o porta-voz dos serviços de emergência de Gaza, Achraf al-Qudra, mataram quatro meninos, dois de 10 anos, um de 9 e outro de 11. Os quatro, Mohammed, Mohammed, Ahed e Zakaria Baker eram primos e brincavam na areia quando um míssil ou granada israelense os matou. Os corpos das crianças foram levados para sepultamento imediato. A praia que foi alvo do ataque costuma estar cheia de barracas, cabines para pescadores e pequenos cafés populares.
— Quando a primeira bomba atingiu a terra, as crianças fugiram, mas outro míssil os acertou — contou Abu Hassera, que testemunhou o ataque e estava com a camisa manchada de sangue. — Parecia que as granadas os perseguiam.
Tyler Hicks, fotógrafo do “New York Times”, foi um dos primeiros a chegar ao local, após uma corrida desesperada para tentar salvar as vidas de outras crianças feridas no bombardeio.
— Testemunhei três meninos mortos pela artilharia israelense em uma praia vazia na Cidade de Gaza esta tarde — escreveu Hicks no Twitter.
REFÚGIO NO HOTEL
Segundo testemunhas, algumas das vítimas, ensanguentadas, saíram correndo e gritando para o hotel, onde se refugiaram. Outras cinco pessoas ficaram feridas no ataque. Pelo menos três também eram menores, que foram atingidos por estilhaços, um deles na cabeça.
— Crianças feridas foram socorridas por jornalistas estrangeiros no terraço do hotel al-Deira — postou no Twitter Jonathan Miller, da rede britânica Channal 4 News.
Horas depois, Miller divulgou imagens do cortejo fúnebre, lembrando que as crianças fazem parte de uma família de pescadores bem conhecida na região — segundo ele, “uma profissão extremamente perigosa em Gaza”.
Uma agência de notícias local, a Media 24, compartilhou no Facebook o que seriam imagens das quatro vítimas fugindo durante o ataque. Um motorista que trabalha para a mesma agência foi morto em um ataque aéreo na semana passada, apesar do veículo estar identificado.
Após as mortes, as Forças de Defesa de Israel (IDF) informaram que as crianças foram erroneamente identificadas como rebeldes que fugiam e irão investigar o caso. Mas o ataque acirrou ainda mais os ânimos na região. Em resposta, o porta-voz do Hamas, Sami Abu Zuhri disse aos repórteres que haverá retaliação.
O bombardeio eleva a 214 o número de mortos palestinos desde o início da operação israelense em Gaza, no dia em 8 de julho. Delas, pelo menos 39 eram crianças. E a maioria não foi documentada por jornalistas.
Na semana passada, um míssil israelense matou nove pessoas que assistiam a uma partida da Copa do Mundo, entre Argentina e Holanda, na Faixa de Gaza. O Fun Time Beach Café, onde o jogo era visto, virou uma cratera na praia e agora é ocupado pela água do mar.
Todos os nove mortos eram da cidade de Khan Yunis. Pessoas presentes no local afirmam que três membros de uma mesma família estavam entre as vítimas e que a maioria dos mortos era de jovens.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

A Copa mudou o Brasil

O Itau acreditou na Copa

A empresa que mais investiu na Copa desde o início foi o Itaú.
Parece que Nizan Guanaes também contribuiu para isto.
Se for verdade, tanto o Itaú como Nizan merecem ser homenageados.

Enquanto a imprensa nacional investia em notícias desestimuladoras da Copa, dizendo que daria tudo errado, que seria um vexame e que era para os estrangeiros não virem para o Brasil.
O Itaú decidiu ser um dos principais patrocinadores da nossa seleção e começou a fazer uma linda campanha publicitária.

A Copa foi um grande sucesso mundial. 

O Brasil, enquanto país, foi o grande vencedor.
Já a nossa seleção de futebol, que começou capengando
e foi crescendo, acabou o torneio de forma humilhante,
tomando duas goleadas totalmente desnecessárias e sem sentido.
Mas, ninguém pode negar a beleza e alegria do evento esportivo
chamado Copa do Mundo, ou a Copa das Copas.

Hoje, ao abrir os dois jornais - Folha e Estadão - já nas páginas dois e três
há uma propaganda de páginas inteiras: #issomudaomundo
Não sei o que é isto, mas
o pequeno texto da propaganda é muito interessante:

"Nós temos os cinemas. Mas quem espalha a cultura é você.
Temos as bikes. Mas quem pedala é você.
Oferecemos milhões de livros infantis. Mas é você quem lê para uma criança.
é por isso que nós apoiamos
tudo aquilo que ajuda você a mudar o seu mundo."

Você pode mudar o mundo.

Eu acho que a presidente Dilma, além de fazer o ótimo balanço que fez, deveria convidar e homenagear as empresas privadas e públicas que investiram na Copa. E entre todas elas, fazer uma homenagem ao Itaú.

A Copa mudou o mundo,
parafraseando o Itaú.

Depois desta Copa, todos passaram a acreditar: 

- Na capacidade de o Brasil fazer megas eventos.
- Que o brasileiro é agradável e receptivo aos turistas.
- Que, mesmo nossa seleção sendo um improviso,
a alegria da festa é mais importante do que  o resultado da partida.
- Que, apesar de nossa imprensa ter denegrido tanto a imagem do Brasil,
já não dá para negar o grande sucesso que foi esta Copa.
- Que, apesar da imprensa tentar impor sua visão de mundo,
quem faz a realidade é cada um dos brasileiros.
- Que, por mais que gostem ou não gostem de Dilma,
ela foi fundamental para o sucesso deste mega empreendimento.
- Que a EDUCAÇÃO e o RESPEITO são condições indispensáveis
para um País transformar-se numa NAÇÃO.

Voltando a parafrasear o Itaú:

Sim, nós podemos mudar o mundo.
A começar pelo Brasil e por nosso dia a dia.

terça-feira, 15 de julho de 2014

Der Spiegel antes e depois da Copa

Não é só a imprensa brasileira que fala bobagem

Veja a Capa da Der Spiegel de 12 de Maio de 2014


A brazuca pegando fogo e caindo sobre o Rio de Janeiro. A matéria da revista era fortemente crítica à Copa e recheada de previsões catastróficas, nenhuma das quais se verificou. Aqui no Brasil, a matéria da Der Spiegel foi considerada por muitos o atestado de que a Copa seria um fracasso retunbante. Afinal, eram os alemães que estavam dizendo e, considerando-se nosso complexo de vira-latas, eles são 
superiores aos brasileiros. (jornal Valor - EU&Fim de Semana de 27 de junho de 2014- Alberto Carlos Almeida).

Agora vejam a foto da Alemanha Campeã Mundial no Brasil



Mudou o Brasil ou mudou a Der Spiegel?

Quem vê as declarações da Seleção Alemã, agradecendo o carinho do povo brasileiro e a infra estrutura encontrada no Brasil.

Quem vê os números da qualidade da infra estrutura apresentados tanto pelo governo como pelo Datafolha, percebe que a Copa no Brasil foi um grande sucesso.

Vamos ver se a Der Spiegel faz autocrítica.
A imprensa brasileira já fez.

Parabéns a Dilma pela mão de ferro que cuidou das obras para viabilizar esta Copa.
Governo é para governar e oposição é para reclamar (mesmo sem ter razão).

Agora é cuidar da Seleção…


segunda-feira, 14 de julho de 2014

Copa das Copas: Sucessos e Fracassos

Abílio Diniz na Copa
Faz tempo que não reproduzo um artigo de jornal.
Como todos sabem que gosto de publicar coisas sobre Abilio Diniz, vou aproveitar seu balanço da Copa, publicado na Folha. Como Abílio aprendeu com a vida, acho que ele tem autoridade para falar sobre o assunto.
Vamos aprender com Abílio?

Sucessos e fracassos

Em 2016, teremos a Olimpíada. 

Precisamos aproveitar as lições da Copa e melhorar

Parabéns aos alemães pela Copa, lutaram para merecê-la. E parabéns aos brasileiros, campeões da hospitalidade, da simpatia e do entusiasmo. Nossa seleção desceu do pedestal, e nosso povo subiu ao pódio.
O 3 a 0 contra a Holanda confirmou o vergonhoso desempenho da seleção. Felipão segue tentando negar a realidade, ressaltando o mérito de ir à semifinal. Diante do fracasso, a comissão técnica ofereceu arrogância e prepotência.
Perfeição, para mim, é algo a ser perseguido, mas jamais alcançado. Para Parreira, segundo suas palavras, é a capacidade de conviver com a mediocridade. Antes da Copa, escrevi que Felipão e Parreira eram bons líderes, pois, como ensino na FGV, conseguiam fazer seus liderados darem o máximo pelo coletivo. Mas, nesta Copa, os dois falharam.
Temos jogadores tão bons quantos as melhores equipes. Faltou-lhes uma comissão técnica atualizada, esquema tático, liderança --faltou o coletivo. Os resultados falam por si: 3 vitórias, 2 empates e 2 derrotas inesquecíveis.
Líderes erram. Não crucifiquemos Felipão e Parreira. Não são os únicos culpados. A CBF tem que ser repensada, como todas as confederações esportivas.
A escolha de seus dirigentes deve priorizar o interesse do esporte, dos esportistas e do país, não a felicidade deles próprios. Com raras exceções, clubes, federações e confederações são mal dirigidos, pois são feudos pessoais.
Não precisamos começar do zero. Há muito conhecimento disponível nas experiências exitosas de ligas europeias e americanas, como NBA e NFL.
Daqui a dois anos, teremos a Olimpíada. Precisamos aproveitar as lições da Copa para promover grandes Jogos e melhorar nosso desempenho esportivo.

Um ouro já está garantido: o do povo brasileiro. Que fez desta Copa uma das maiores Copas, e do Brasil, um grande anfitrião.

domingo, 13 de julho de 2014

Campeã no Futebol: Alemanha

Campeã Moral: Argentina

Grande derrotado: Felipão 

A Argentina mostrou ao Brasil como se organiza um time.
Felipão amarelou contra a Alemanha e contra a Holanda.
Já a Argentina, cresceu contra a Holanda e contra a Alemanha.

As imagens do Maracanã e do Rio de Janeiro foram maravilhosas.
O Brasil, enquanto pais sede, está de parabéns.
Foi tudo muito bonito, a exceção das duas derrotas da seleção brasileira.

Agora é fazer um bom balanço de tudo, 
Aprender com os erros e os acertos,
E andar para a frente.

A Bahia fez bem aos alemães e, nos baianos, 
Estamos contentes com a vitória da Alemanha.
Um pais que se reconstruiu dos escombros da guerra
E hoje é a grande referência do século 21.

Obama deve ter assistido ao jogo
E deve ter aprendido mais uma da Alemanha.
Não sei se Felipão assistiu.
Mas nossos meninos viram e se emocionaram.

Parabéns a todos que jogaram!
Parabéns a todos que trabalharam!
Parabéns a todos que torceram!

Este é o nosso Brasil que tanto amamos.

sábado, 12 de julho de 2014

Despedida Melancólica da Copa

O pênalti foi infantil

Tiago Silva não tem estrutura emocional para ser capitão.
Tomou dois cartões amarelos infantis.
Felipão despede-se de forma melancólica.
Sem Neymar, ninguém chuta a gol.

A defesa continua uma piada.
E o meio de campo continua não existindo.
Até o juiz, mais uma vez, atrapalhou.
O resultado saiu barato.

Poderia ter perdido de mais.
Quarto lugar ficou no lucro.
A torcida bem que ajudou, torceu, 
vibrou mas o time não correspondeu.

A vida continua...
Precisamos repensar o futebol brasileiro.
Talvez trazer técnico de fora do Brasil.
Em vez de gastar dinheiro com cartolas
Precisamos reestruturar nosso futebol.

Nos dois últimos jogos, 
A impressão que ficou foi que Felipão queria perder.
Estava satisfeito com o que já tinha conseguido.
Felipão insistiu nos seus erros.

Se o pênalti foi infantil
O time é de meninos inexperientes
E os técnicos são teimosos e ultrapassados.
Apesar de tudo,

Tivemos a melhor de todas as Copas.
A Copa das Copas 
em infraestrutura, apoio das torcidas,
simpatia e integração com os turistas.

O Brasil, como país, está cada vez melhor.
Precisamos apenas ser mais humildes,
fraternos e solidários.

Continuamos penta campeões.
Mas quem vive de passado é museu.

Sétimo jogo não é sétimo degrau

Está mais para Sétimo Selo de Bergman

Hoje teremos o sétimo jogo da Seleção Brasileira de Futebol.
Não será o sétimo degrau para ser Campeão.
Será apenas a disputa para o terceiro lugar.

Várias seleções caíram antes e mesmo assim foram recebidas como Herois em seus países. A nossa avançou mais, mas está tendo um final melancólico, depois de uma goleada homérica.

Deveria ser hora de recomeçar se Felipão não continuasse na sua teimosia de escalar jogadores que não renderam o básico necessário e deixar de escalar outros atletas. Talvez Felipão tenha travado. É compreensível.

DUPLO LUTO

Do dia 7 para o dia 8 da semana passada vivi com meus parentes uma situação que nos fez pensar na morte de um ente querido do que na derrota trágica da nossa seleção.

Nossa Tia Alice, que recebeu a mim e outros dois irmãos quando viemos morar em São Paulo em 1970, faleceu no dia 7 e o enterro foi no dia 8 pela manha. Na parte da tarde tivemos a derrota da nossa seleção.

Hoje teremos o último jogo do Brasil nesta Copa

E amanhã teremos a Missa de Sétimo Dia de nossa Tia Alice.

Vejam que mensagem singela recebemos de nossa prima Nidinha (Leonídia):

Convido a todos os amigos para a missa de 7.dia de minha mãe no dia 13.07.2014 na Paróquia Sant Ana, na rua Voluntários da Pátria, 2060 Santana, às 10:30 h ao lado do metrô Santana.

Seu falecimento ocorreu no dia 07.07.2014 às 12:15 h 
e o sepultamento no dia 08.07.2014 às 12:00 no Cemitério da Paz , no Morumbi.

Ela deixou no coração dos filhos, netos, bisneto, genros e noras valores nobres, como a integridade, o respeito ao próximo, o amor à  natureza, que ela demonstrava na beleza de seu jardim, no carinho ao preparar sua linda casa para comemorar todos os aniversários, as festas juninas, as festas natalinas. 

Tinha o dom do bem receber, sabia como ninguém ouvir os corações. Ensinou a importância do sempre fazer bem feito o que fosse. O Capricho, a dedicação e o grande amor que dedicou até seu último minuto junto a nós, será sempre nosso exemplo do bem viver.

Minha mãe sempre nos ensinou a coragem, a dignidade, a fé e a esperança. 
Foi a avó dedicada na criação dos netos.

Seus Olhos tinham um Brilho Especial! 
O Brilho da Sabedoria!
A Vida é Eterna! 
Um dia nos encontraremos...
 
Com gratidão
 
Leonídia Maria