segunda-feira, 16 de junho de 2014

É a Copa: Estadão 3, Folha 0

Nada melhor do que a concorrência

Embora fique mais dispendioso, é bom poder ler vários jornais em vez de se ficar refém do "pensamento único". Seja ele da direita ou da esquerda. A diversidade é saudável. é só olhar para a Natureza e para as flores.

Eu tenho lido três a quatro jornais por dia - Folha, Estado, Valor e Globo - os dois primeiros em leio ainda cedo em casa e os outros dois no trabalho. Por relações mais antigas e afetivas, falo sempre mais da Folha e do Estado.

Hoje tinha prometido que só iria escrever no blog à noite. Mas, ao ler os dois jornais não consegui sair de casa sem antes incorporar o "espírito da Copa" e fazer um breve relato.

Hoje a Folha está perdendo de 3 x 0 para o Estadão. 

Vejam as matérias que destacarei e podem escrever seus comentários.

1 - A folha saiu na frente defendendo em editorial e matérias a privatização da USP - a maior e mais importante universidade pública do Brasil.

Várias pessoas, inclusive eu, saímos na defesa da manutenção da USP como universidade pública e sem cobrar mensalidades. Reclamei que a grande maioria dos professores da USP não estava defendendo a Universidade.

Pois hoje o Estadão saiu com uma longa matéria do professor José Goldemberg, um dos professores mais respeitados no Brasil e no exterior, uma grande liderança da comunidade judaica paulista e brasileira e ex-reitor, além de ex-ministro da educação.

Goldemberg faz um histórico da USP e esclarece muitos fatos, o que senti falta foi de ele ao citar os nomes de Carvalho Pinto e Jânio Quadros, não ter falado quem era o governador em 1988, quando foi fixado uma parcela do ICMS para sustentar as universidades paulistas - USP, UNICAMP E UNESP -  e não ter dito quem são os governadores que nomearam reitores que afundaram a USP. Afinal, reitores são eleitos em lista tríplices e escolhidos pelos governadores. Quem paga cuida, diz o ditado. Serra, quando governador, interveio na OSESP e tirou o maestro.

Leiam a boa matéria do Professor José Goldemberg.

2 - Iraque e Obama - O pior dos mundos

Lúcia Guimarães, jornalista brasileira radicada há muitos anos nos Estados Unidos, escreve hoje no Estadão, uma matéria primorosa sobre o caos no Iraque e a política americana. O nome é "O pior dos mundos". É tão interessante que pretendo reproduzi-la na íntegra mais tarde.

Como diz Lúcia Guimarães: "Obama disse que os Estados Unidos deram aos iraquianos uma país estável. NADA MAIS DISTANTE DA REALIDADE.

3 -  A cobertura da COPA DO MUNDO

A Folha trabalhou tanto contra a Copa que não consegue fazer uma cobertura com a sua capacidade histórica de criatividade. Fico triste e com pena do jornal. Está parecendo a Veja.

Já o caderno de esportes do Estadão, parece que estamos em outra Copa e em outro país. Fico sempre emocionado lendo a cobertura do Estadão e vendo as fotos. É o empresário orgulhoso de Itaquera, são as crianças com as camisas do Brasil, são os estrangeiros comemorando o carinho brasileiro...

Eu até esqueço que até alguns dias, havia um monte de loucos dizendo que "Não ia ter Copa". Entre este bando de loucos estavam os donos da Folha e alguns loucos dos seus jornalistas.

Enfim, o Brasil e a Copa venceram os derrotistas, os oportunistas e os odientos.

Mesmo estando perdendo de 3x0 para o Estadão, quem sabe a Folha resolva jogar no segundo tempo e, em vez de ficar "jogando m... no ventilador", começa a priorizar uma boa cobertura da Copa, mostrar que o Brasil pode fazer parte do mundo e que nossa diversidade e nossas contradições são nossa melhor característica.

E hoje vou ver o jogo Portugal e Alemanha. 
Gosto da Alemanha e de Portugal.
Se a Alemanha facilitar, toma de 3 de Portugal.
Sempre pela Globo - Alô Galvão!

Nenhum comentário:

Postar um comentário