quarta-feira, 14 de maio de 2014

A Esperança, o Medo e as Eleições

Como superar o Ódio de Classe?

A Democracia tem sido o melhor remédio político para combater as ditaduras, sejam elas de direita ou de esquerda. Gostamos do diálogo e do convencimento, mas há momentos em que uma das partes não aceita mais dialogar ou ser convencida, daí vem a ruptura pacífica ou violenta. O problema é que o autoritarismo faz parte das pessoas. E daí surge a importância de um bom árbitro. Para os grandes problemas nacionais, o melhor árbitro é o povo, através do voto.

O Brasil tem uma história de "não rupturas violentas". Tem uma história de golpes conservadores, não de guerras. Por um lado isto tem sido bom por manter a unidade nacional, mas, por outro, esta tradição "cordial" tem sido usada para manter o conservadorismo e evitar a modernização do país. Os Estados Unidos tiveram guerra civil, a França e a Inglaterra idem. O Japão se modernizou depois de guerras internas e externas e a China tem oito mil anos de guerras internas e externas.

Mas o Brasil é "cordial". Era, mas está deixando de ser.
O PT tem contribuído para isto. Como tem incluído milhões de pessoas.
Tem contribuído para aparecer os preconceitos e o ódio de classe.
Precisamos agora ajudar a superá-los.
O PT sempre foi uma partido moderno
e deve continuar ajudando o Brasil a ser uma Nação Democrática.

Distribuir renda, gerar milhões de empregos, incluir milhões de jovens nas universidades, construir milhões de moradias para o povo, ter bilhões de dólares em reservas, tudo isto é importante. Mas, se não for bem informado e esclarecido para os beneficiários, o partido não capitalizará as suas conquistas sociais.

O PT tem feito o melhor governo que o Brasil já teve na sua história, mas não tem conseguido maximizar isto para toda a população. Como o partido investe pouco em comunicação própria, com jornais e revistas de massa, tem ficado refém da imprensa conservadora, neoliberal e que resolveu jogar todas as fichas contra Dilma e o PT.

Lula nunca foi de pregar o ódio e o confronto.
Lula sempre foi um conciliador brilhante. Sempre quis incluir os trabalhadores e os pobres na vida brasileira.
Mas, mesmo assim, os neoliberais, liderados pela Folha e pela Rede Globo, nunca aceitaram Lula como principal liderança nacional. A Folha e a Rede Globo pregam o "Ódio de Classe"!

Como podemos ajudar a esclarecer estas contradições? Como ajudar o povo a ter consciência do jogo que está sendo jogado? Como continuar a ser um país sem guerra civil e sem ódios de classe?

Mais uma vez, a melhor pessoa para ajudar é o próprio Lula.
Lula tem um papel fundamental para que este processo eleitoral transcorra sem violência direta ou indireta.

Se a imprensa e o judiciário pregam o ódio e a violência, nenhum militante petista pode propor o "olho por olho", nem, muito menos dizer que Joaquim Barbosa mereça morrer. A melhor resposta para o "ódio de classe" deve ser o voto do povo. Se temos certeza que estamos fazendo o melhor para o povo, iremos ganhar mais uma eleição. Sem violência e sem medo de ser feliz.

O conflito é parte da natureza humana e da própria lógica evolutiva. Deve, portanto, ser reconhecido como parte natural do próprio processo democrático. E o árbitro dos conflitos deve ser o povo, através do voto universal e direto. Para que o povo exerça a democracia, um dos pressupostos é a democratização dos meios de comunicação e a qualidade do ensino nas escolas públicas e privadas.

O Brasil e o mundo continuam precisando de pessoas como Lula.
Dilma está com Lula e Lula está com Dilma.
Ambos estão com o PT e o PT deve continuar priorizando o povo brasileiro e a paz mundial.

Lula trouxe a Copa para o Brasil. Lula estava certo quando tomou esta decisão.
Não podemos deixar que o "ódio de classe da imprensa" impeça este evento mundial de ser realizado no Brasil.
O quanto pior melhor sempre foi coisa de esquerdistas, mas a imprensa incorporou esta baixaria.

Vamos ter Copa, o mundo vai ficar "ligado no Brasil" e vamos ter eleições.
E Lula ajudará Dilma a ser reeleita e o povo vai votar para que o Brasil continue melhorando. Sem ódio e sem rancor.
Sem medo e com a certeza de que o futuro é agora.

2 comentários:

  1. Companheiro Gilmar em 1954 Getúlio em um ato de coragem postergou o golpe em 10 anos. Em 1964 veio o golpe dos intolerantes que impuzeram ódio e medo à nação brasileira, veja bem a mesma elite de 54com o mesmo endereço, querem impor mais um golpe. Vamos dar o troco através do voto.

    ResponderExcluir
  2. Companheiro Gilmar em 1954 Getúlio em um ato de coragem postergou o golpe em 10 anos. Em 1964 veio o golpe dos intolerantes que impuzeram ódio e medo à nação brasileira, veja bem a mesma elite de 54com o mesmo endereço, querem impor mais um golpe. Vamos dar o troco através do voto.

    ResponderExcluir