sábado, 31 de maio de 2014

Zuza, Ella e as flores

Uma noite de autógrafos

No dia 26, segunda-feira, consegui fugir da rotina e ir ao lançamento do novo livro de Zuza Homem de Mello, " Música com Z".

Peguei dois autógrafos mas não tive coragem de pedir uma foto. Veja um dos autógrafos...


Hoje, sábado, vinha do Sacolão da Vila Sônia lembrando que Zuza escreve sempre levantando o astral, é um escritor construtivo, agradável. Lembrei-me que tinha no rádio do carro o disco de Ella Fitzgeraldo cantando Tom Jobim. Quando liguei para ouvir uma musiquinha, ouvi:

" De que servem as flores que nascem pelo caminho, se no meu caminho, sozinho, é nada" 

Não é de ficar emocionado? 
Ella cantando em inglês e em português...

Cheguei em casa e fui ouvir no computador.
Primeiro com Ella e depois com Elis Regina.
Cada uma mais bonita...

Mas, mesmo sozinhos, as flores são fundamentais...

sexta-feira, 30 de maio de 2014

Ditadura no Egito reprovada nas urnas


Tem legalidade, mas não tem legitimidade
 
O mundo está à deriva. O povo sofre com a recessão, a  paralisia econômica, os cortes dos benefícios sociais, a falta de perspectiva e de governantes que façam as mudanças necessárias. 

O resultado disto tudo é que o povo ora vota na direita fascista, ora vota nos reformistas, ora apoia golpes militares, golpes jurídicos ou mesmo guerras civis. Estamos no mesmo clima entre a primeira e a segunda guerra mundial. 

Só que, se houver uma terceira guerra mundial, os estragos serão muito mais devastadores. Qualquer ditadorzinho europeu ou terceiro-mundista tem acesso a bombas destruidoras.

Clóvis Rossi mostra a fragilidade da ditadura no Egito. Mesmo humilhada, continua com o apoio dos países ocidentais. Vejam o artigo de hoje.


Alto índice de abstenção no pleito é humilhação para o 'deus' Sisi

CLÓVIS ROSSI COLUNISTA DA FOLHA – 30/05/2014

Para quem, como é o caso do general Abdel Fattah al-Sisi, havia exigido 40 milhões de votos (ou cerca de 80% dos 54 milhões de eleitores registrados), a enorme abstenção constitui uma humilhação talvez irreparável.
Contagem extraoficial informa que compareceu às urnas a metade, pouco mais ou pouco menos, do quórum que Sisi definira como necessário para lhe conferir um mandato para reformar profundamente um país sob crise política, social e econômica. 

Interpretação do escritor e analista Mahmoud Salem para o precioso site "Al Monitor": "O deus que a mídia criou sangrou e, quando um deus sangra, ninguém mais crê na sua natureza divina".
Mais: "Seu apoio supostamente espalhado pelo país está agora severamente em dúvida, assim como sua capacidade gerencial e a ilusão de que o país seguirá sua liderança". 


A abstenção, além de humilhar o ditador, é uma clara demonstração de que o Egito está profundamente dividido em ao menos três grupos. 

Dois deles boicotaram o pleito (os seguidores da Irmandade Muçulmana e os laicos da sociedade civil que foram a ponta de lança do movimento que levou à queda de Hosni Mubarak, em fevereiro de 2011).
O terceiro são os que acreditam nos militares e, por extensão, em Sisi. 

Define-os o escritor Magdi Abdelhadi: "Não há dúvida de que Sisi é um nacionalista conservador e autoritário. Mas, nisso, ele está bastante sintonizado com muitos egípcios", declarou.
Do que tampouco há dúvida é de que se trata de uma ditadura, uma espécie de Mubarak 2.0. 

AUTORITARISMO
Escreve, também para "Al Monitor", Zenobia Azeem, que se especializou na observação de eleições:
"Nada no presente ambiente político do Egito favorece eleições abertas e multipartidárias, que permitam a plena e igual participação de todos os egípcios e preservem a liberdade da mídia local e internacional para informar objetivamente". 

Como parece inevitável que Sisi tenha que se reconectar com as instituições islâmicas, o autoritarismo só tende a ser reforçado, como escreve, para "Foreign Affairs", Robert Springborg, professor de assuntos de segurança nacional na Escola Naval de Pós-Graduação (EUA). 

"O Egito de Sisi será aquele em que a religião reforçará o autoritarismo militar e servirá para justificar a repressão dos oponentes, mais especialmente daqueles políticos que, paradoxalmente, são também embebidos pelo islã", diz. 

É uma alusão ao fato de que a Irmandade Muçulmana, outra grande instituição ao lado dos militares, está banida e e seus membros são vítimas de uma feroz repressão.
Daí vem o Mubarak 2.0: o ditador afastado tolerava a Irmandade, embora proscrita.

quinta-feira, 29 de maio de 2014

A Copa de todos os brasileiros

Sindicato dos Bancarios de SP de parabéns!

Quem chega na sede do nosso sindicato fica impressionado com as bandeiras de todos os países que disputarão a Copa. Trabalhadores do mundo, uni-vos! Torcedores do mundo mundo, nós encontraremos na Copa.

Vejam que fotos bonitas...


Parece que estamos no Japão!


Até a porta de vidro está decorada.



Carmen de Bizet – Sucesso de Vendas

Revolução Cultural em São Paulo
Mesmo sem saber qual é a música, as pessoas sabem cantarolar trechos de Carmen de Bizet. Se perguntarmos se as pessoas gostam de ópera, a maioria vai responder que não. No entanto, depois que Neschiling saiu da OSESP e veio para o Teatro Municipal na gestão Haddad, a ópera ganhou grande relevância e virou sucesso de vendas e de crítica.
Qual é o segredo?
Vejam esta boa matéria da Folha de hoje.
Público esgota ingressos para as récitas de 'Carmen' no Municipal
Com 13,5 mil entradas vendidas, montagem da ópera de Bizet traz o maestro espanhol Ramón Tebar

Diretor cênico Filippo Tonon desloca o enredo do início para o final do século 19, dando ênfase na Revolução Industrial

29/05/2014
JOÃO BATISTA NATALICOLABORAÇÃO PARA A FOLHA

O Theatro Municipal de São Paulo estreia nesta quinta-feira (29) "Carmen", de Georges Bizet (1838-1875), uma das mais atraentes e interpretadas óperas do repertório. Os 13,5 mil ingressos para as nove récitas foram todos previamente vendidos, algo excepcional na história do teatro paulistano.

"Carmen" tem enredo ousado e coloca em primeiro plano uma personagem sexualmente livre, determinada a escolher seus amores e a desprezar o puritanismo.

A cigana e assalariada de uma fábrica de cigarros nasceu de um romance de Prosper Mérimée (1803-1870) e ganhou libreto de Henri Meilhac e Ludovic Halévy, que entendiam muito de teatro e já haviam sido parceiros do compositor Jacques Offenbach.
A montagem traz o maestro espanhol Ramón Tebar e terá a direção cênica do italiano Filippo Tonon, diretor-assistente da Arena de Verona, que deslocou o enredo da Sevilha do início para o final do século 19.

Com isso, a ênfase, antes psicológica, ganha as cores cinzentas e sombrias da Revolução Industrial, para produzir uma Carmen essencialmente operária e resistente.

No papel-título se revezam a mezzo-soprano israelense Rinat Shaham e a brasileira Luisa Francesconi. Don José é interpretado pelos tenores brasileiros Thiago Arancam e Fernando Portari. São duas vozes vigorosas. Arancam, com carreira desenvolvida sobretudo no exterior, já participou de mais de 500 récitas em 25 países, e foi vencedor, em 2004, do Concurso Internacional de Canto Bidu Sayão.

A história de "Carmen" é relativamente simples. Don José, um militar e noivo da camponesa Micaela, deixa-se fascinar por Carmen. Ela se envolve numa briga, deve ser presa, mas Don José a liberta quando ela insinua entre ambos um encontro amoroso.

Na cena seguinte, contrabandistas sugerem que Carmen os acompanhe a uma missão. Para segui-la, Don José se torna um desertor. E o ciúme da amada inconstante se transforma em tragédia.


CARMEN
QUANDO
 nesta quinta, dias 31/5, 3/6, 5/6, 7/6, 10/6 e 11/6, às 20h; dias 1º/6 e 8/6, às 18h
ONDE
 Theatro Municipal, pça. Ramos de Azevedo, s/nº, tel. (11) 3397-0327
QUANTO
 ingressos esgotados
CLASSIFICAÇÃO
 10 anos

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Jornais não falam de flores

Perderam a sensibilidade

Olhar para os jornais de hoje é como se estivesse na Ucrânia antes da derrubada do governo anterior. É com o se o caos tivesse tomado conta do pais e fosse necessário um novo poder. Como nenhum dos três candidatos à presidente tem autoridade, fica a pergunta, quem botaria ordem na casa? 

Na Ucrânia, aqueles que fizeram as manifestações de antes, agora pregam a ordem, mesmo que matem dezenas de pessoas. Só que agora a imprensa diz que as mortes são o preço que se paga para garantir a ordem.

No Egito a receita é a mesma: uma democracia de fachada, desde que seja do lado que eu quero, é melhor do que uma democracia verdadeira, mas com um presidente que não nos obedece.

Como nossa imprensa quer a guerra e não a paz, hoje eu vou apenas mostrar as folhas com água de chuva. Já que não tem água na Cantareira, vou mostrar como as plantas fazem a parte dela.

Vejam que beleza...


Está nandinas acima são da parte interna do nosso jardim.
Estas de baixo são da parte da frente da casa. 
Nandinas, nome bonitas para plantas que embelezam um jardim durante o ano todo.
Os governantes e a imprensa precisam aprender com as Nandinas...


terça-feira, 27 de maio de 2014

Jornal Valor faz campanha aberta

Contra Dilma e o PT

A neutralidade da nossa imprensa é igual a propaganda de que no Brasil não tem racismo.  Mesmo o jornal Valor, que é feito para os empresários, não aguentou uma campanha eleitoral, já tomou partido e faz campanha descarada, nem disfarçam.

Hoje falam da mídia e da Lei de Anistia, ontem falavam do “desencanto do empresário Pih, o primeiro empresário que apoiou o PT” e da “nova opção de Ronaldinho”, antes vinham defendendo Eduardo Campos, agora são tucanos...

Para que o Brasil alcance um patamar estável de Democracia, ainda temos que evoluir muito. Como diz o Lula, nossas elites ainda não estão preparadas para a verdadeira democracia.

É uma pena que até o jornal Valor ainda esteja tão atrasado. Vejam esta materia da capa de hoje.

PT mira mídia e Lei da Anistia

Por Fábio Brandt | De Brasília
27/05/2014
O programa de governo de um eventual segundo mandato da presidente Dilma Rousseff incluirá a regulação dos meios de comunicação e a revisão da Lei da Anistia, conforme o documento final com as diretrizes do PT para esse plano. Segundo o deputado federal Geraldo Magela (PT-DF), secretário-geral do partido, nenhuma proposta foi feita à revelia da presidente.
Apesar de ser o texto final das diretrizes do PT, Magela disse que as propostas serão ainda debatidas com os partidos que formarem a aliança de apoio à reeleição de Dilma. A versão inicial do documento foi elaborada por Marco Aurélio Garcia. Segundo o texto, a revisão da Lei da Anistia deve incluir "a punição dos crimes praticados por agentes do Estado durante a ditadura militar".


Segurança da Copa falha no primeiro teste

Manchete do jornal "O Globo" de hoje

"Professores em greve cercam ônibus da seleção e dão tapas na lataria"
"Ninguém vai encostar a mão nas delegações", tinha prometido a presidente Dilma.
Apesar do forte esquema montado em Teresópolis, manifestantes chegaram muito perto dos jogadores no Rio, numa área  que poderia ter sido isolada.

O pessoal petista pode falar o que quiser da Rede Globo, mas, em relação ao assunto acima, o jornal está totalmente certo. A segurança da Seleção não está garantida! Eu já avisei que a presidência e o governo não podem confiar nas polícias estaduais. Tem que trabalhar com as polícias estaduais mais as Forças Armadas.

Este pessoal que quer melar a Copa fará qualquer coisa para inviabilizar o sucesso do torneio e, principalmente, a possibilidade de o Brasil ser Campeão. E os que querem inviabilizar a Copa passa por muita gente oportunista, seja na imprensa, na oposição, nos grevistas ou outras coisas mais… Cabe ao governo federal não dar motivo ou pretexto…

É preciso trabalhar muito e "orar e vigiar", pois nem todos que dizem Senhor, Senhor, entrarão no reino do Céu e muitos que se dizem amigos, na verdade não são…

Além de jogar muita bola, ter competência na estratégia esportiva, precisamos ter uma boa organização e ter garantias de Segurança. A ordem e a vida são fundamentais para o sucesso de qualquer empreendimento, seja ele cultural, esportivo ou empresarial.

O Brasil e o  Mundo clama por ordem, justiça, competência, transparência e autoridade.

A Colômbia, o Egito, a Tailândia, a Ucrânia e mesmo a França estão nos mostrando as demandas do povo e como ele reage quando fica inseguro… Vota com a direita, mesmo que o resultado seja o fascismo, as guerras civis e guerras mundiais. Depois todos choram a dimensão da tragédia, lambem suas feridas e voltam a construir a Paz para depois tentarem novas guerras… Esta é a História da Humanidade, seja religiosa ou não.

Matam e mentem em nome de Deus e da Paz.

Dilma, não facilite, continue buscando a garantia da Paz e da Ordem,
além do sucesso da Copa e de nossa Seleção.

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Felipão e Zuza Homem de Melo no Estadão

Felipão na Comary e Zuza na Livraria Cultura

É muito mais jornal!
Este é o slogan do Estadão, apesar da mediocridade das páginas dois e três, onde a direita paulista escreve suas declarações conservadoras e pretensiosas. Tirando estas duas páginas, as demais compensam. Conheço um professor que diz sempre que ouve alguém reclamar que o Estadão é reaça: "Pule as duas primeiras páginas!" Acostumei-me a fazer isto e assim consigo ver coisas boas no jornal.

Nesta segunda-feira, para os leitores deste blog que são de outros estados e países e não têm muito acesso ao Estadão ou não têm hábito de lê-lo. Hoje o jornal veio com duas pérolas de primeira qualidade:

1 - A maior entrevista de Felipão antes do início da Copa.

2 - Uma ótima matéria sobre o lançamento do novo livro de Zuza Homem de Melo. 

Recomendo que os internautas baixem a entrevista de Felipão e guardem para consulta durante os jogos. Já pensaram se Felipão consegue realizar o quê ele declara na entrevista? Seria um verdadeiro show de bola e de competência! Eu sempre gostei muito de Felipão, torço para que o Brasil tenha um bom desempenho e, se for campeão mais uma vez, eu ficarei muito contente; o quê eu não quero é passar vergonha como foi o Brasil na Copa passada. Aquele joguinho mixuruca... A perder, tem que perder com dignidade!

Quanto à infraestrutura para a Copa, eu quero é que Ronaldinho tome juízo e comporte-se como uma referência mundial. O brasileiro precisa deixar de ser "esperto" ou oportunista. Precisa ser digno! é pedir muito?

Por falar em brasileiro DIGNO, o Zuza é um deste brasileiros que nos dá orgulho.
Zuza lança mais um dos seus bons livros, só que desta vez ele reúne entrevistas e reportagens feitas entre 1957 e 2014. Pega minha vida toda! Eu nasci em 1953 ouvindo nossa mãe cantando as marchinhas carnavalescas e as músicas de Francisco Alves. Não é interessantíssimo! Vou ver se consigo chegar atrasado, mas tentarei chegar na livraria Cultura, mesmo que haja algum grupo de baderneiros contra a Copa e a Cultura.

Pois é, querem saber mais detalhes?
Leiam as duas ótimas reportagens do Estadão.

E ainda vejam uma notícia muito interessante:

- Corinthians finalmente ganha de 4 a 1 e a polícia acha duas toneladas de maconha no estacionamento da Gaviões da Fiel. Agora entendi como o Corinthians conseguiu dar uma goleada. A meninada ignorou o Mano e fez a festa!

Zé Simão também vai comemorar esta notícia do Corinthians e a maconha!

domingo, 25 de maio de 2014

Futebol, Política, Imprensa e Confusão

Omissão dos governadores e prefeitos

Quando algumas pessoas conseguem parar uma avenida ou rodovia, se for por pouco tempo a população acha normal. Mas, quando está paralisação dura vários dias, a população se sente desprotegida e fica propensa a aceitar a violência como forma de restabelecer a ordem.

A quem interessa a desordem?
Com certeza a quem está contra Dilma e seu governo.

Como evitar a desordem sem parecer autoritário?
No primeiro momento buscando respaldo da Justiça.
E quando os juízes também querem a desordem e boicotam a ordem?
O recurso é a ação direta dos governantes.
Mesmo que a imprensa fale mal, 

A ordem é mais importante para o povo,
Do que a cumplicidade da imprensa e de juízes.
Quando os juízes e a imprensa querem zelar pela ordem,
Sabem fazer da melhor forma possível.

Estamos chegando ao início da Copa e a imprensa tem duas opções:

Entra no clima positivo da Copa, ou continua investindo na baderna...
O governo federal não pode confiar no trabalho das policias militares vinculadas aos governadores. O governo deve usar o apoio logístico das Forças Armadas em todas as cidades que houver jogos. Mesmo com toda baixaria da imprensa...

A decisão da Copa da Europa ontem em Lisboa a policia não deu moleza aos provocadores. Aqui no Brasil o governo não pode vacilar. É a imagem Brasil que está em jogo para o mundo todo.

As Eleições a gente decide depois da Copa.
Uma coisa de cada vez.
Sem medo de ser feliz
E sem perder a referência no povo brasileiro.

Chuva, Folhas e flores - II

A chuva nas folhas e flores

Ontem eu mostrei folhas de Nandina com gotas de água de chuva e também uma flor de Gerânio.

Hoje vou mostrar outras fotos...


As de cima são as Mariazinhas...
As de baixo são folhas de Trevo e das Amarelinhas.


sábado, 24 de maio de 2014

Chuva, Flores e Folhas - I

Poupando água e ficando bonitas

Vejam estes exemplos de folhas e flores que retêm a água da chuva. 
A Sabesp, em São Paulo, virou uma grande reserva financeira para os tucanos, mas esqueceu de garantir água para a grande São Paulo. São fotos deste sábado.

Vamos aprender com as folhas e as flores?


Vejam esta outra foto. Tirei mais de vinte...




Copa do Mundo e Ódio de Classe

 Imprensa tentou impedir a Copa

O ódio obstrui a lucidez. Este é um fenômeno que afetou a imprensa brasileira. Ficaram tão à serviço de impedir que o Brasil realizasse uma Copa do Mundo brilhante, que se esqueceram de ganhar dinheiro. E o que é pior, não conseguiram o apoio do povo, conseguiram apenas apoio dos oportunistas de direita e de esquerda.

Capitalista corajoso mesmo foi o Banco Itaú. Acreditou na Copa e no Brasil e está sendo o grande vencedor desta Copa no Brasil.

Vejam esta boa matéria de Jamil Chade, correspondente do Estadão. O Estadão, quando quer, consegue ser o bom jornal de sempre.

Vamos ter Copa e vai ser a melhor Copa da História do Futebol.
Vamos lá Felipão! Bota os meninos para jogar bola!
Vejam a matéria do Estadão deste sábado.
Copa no Brasil baterá todos os recordes financeiros da história do futebol

Dados oficiais da Fifa apontam que Mundial de 2014 foi o que mais se ganhou e gastou dinheiro

23 de maio de 2014 | 8h 51
Jamil Chade - O Estado de S. Paulo

GENEBRA - A presidente Dilma Rousseff tinha razão. O Brasil sediará a "Copa das Copas". Dados oficiais da Fifa apontam que, pelo menos do lado financeiro e de marketing, oMundial que começa em poucas semanas baterá todos os recordes da história do futebol.

Ela será a Copa mais cara, a mais lucrativa, a que distribuirá maiores prêmios, a que será vista por um número inédito de pessoas, a que mais teve ingressos pedidos e a que terá em campo os craques mais caros da história do futebol. Das seleções aos clubes, dos atletas aos cartolas, todos sairão do Brasil com um volume de dinheiro inédito nos bolsos.
A renda da Fifa ultrapassará a marca de US$ 4 bilhões, mais de US$ 800 milhões acima do que a entidade obteve na África do Sul em 2010. Mas a entidade insiste que nunca gastou tanto com um evento quanto a Copa no Brasil. No total, o investimento da Fifa teria chegado perto de US$ 2 bilhões.
Para ter o direito de transmitir a Copa, redes de televisão pagaram um valor recorde para a Fifa: cerca de US$ 1,7 bilhão. A expectativa é de que a audiência seja recorde. Na final da Copa em 2010, 530 milhões de pessoas assistiram a Espanha levantar o troféu. Desta vez, os números devem bater essa marca. No Brasil, mais de 14 mil jornalistas foram credenciados para o evento, outro recorde.
Os estádios também bateram recordes, com gastos feitos no Brasil de mais de R$ 8,5 bilhões para as doze arenas, três vezes o que a CBF havia indicado para a Fifa em 2007. O valor é ainda o equivalente a tudo o que a Alemanha e a África do Sul gastaram em duas Copas do Mundo, juntas.
Outro recorde é o número de pedidos de ingressos. No total, mais de 11 milhões de pessoas enviaram seus pedidos para os 3 milhões de ingressos disponíveis. Só para a final no Maracanã, a Fifa poderia ter preenchido cinco estádios com os pedidos que recebeu.
ATLETAS

A Fifa garante que as seleções também ganham com a Copa. O prêmio ao vencedor de US$ 35 milhões é o maior já pago pela entidade. Mas ele é apenas um terço do que a Fifa gasta anualmente para pagar os salários de seus funcionários e cartolas em Zurique. Outros US$ 323 milhões serão distribuídos para as outras 31 seleções.

Diante dessa realidade financeira inédita, algumas seleções já anunciaram que os prêmios que darão aos 23 jogadores baterão recordes. A França, por exemplo, indicou que cada atleta sairá do Brasil com 330 mil euros se ganhar a Copa, 10% a mais do que foi prometido na África do Sul em 2010.
Já a seleção dos EUA indicou a seus jogadores que, apenas por participar do torneio, cada um deles levará uma bolada de US$ 75 mil. Antes mesmo da bola rolar, a Fifa distribuiu US$ 48 milhões para ajudar as 32 federações nacionais a pagar pelos custos de preparação.
Até os clubes ganharão com a Copa. A Fifa reservou US$ 70 milhões para dar aos times que vão emprestar os jogadores para as seleções nacionais. O valor é duas vezes o que foi distribuído na África do Sul.
EMPRESAS
Quem também já comemora é a Adidas, uma das principais patrocinadoras do evento. A empresa prevê um aumento de sua receita em 8% em 2014, graças ao torneio no Brasil. Em valores, isso representa um incremento de US$ 1,6 bilhão.

Os seis maiores parceiros da Fifa, incluindo Adidas e Coca-cola, pagaram mais de US$ 700 milhões para a entidade para ter o direito de explorar a marca da Copa e ter seus cartazes nos estádios no Brasil, outro recorde. 

sexta-feira, 23 de maio de 2014

CUT e sindicalismo internacional

Presidente mundial do sindicalismo

João Felicio, secretario de relações internacionais da CUT foi eleito hoje em Berlim, Alemanha, presidente da CSI confederação sindical internacional. É a primeira vez que um brasileiro e latino americano é eleito para este cargo.

Mais uma vez entramos para a história. Em trinta anos fundamos a primeira central sindical do Brasil, criamos o maior partido de esquerda da nossa história e elegemos um presidente operário e uma mulher.

Precisamos consolidar nossas conquistas e ampliar nossa democracia. 
Precisamos continuar a solidariedade internacional.
Precisamos intensificar a luta pelo fim da pobreza,
Fim do analfabetismo e da discriminação.

O mundo está passando por grave crise econômica e o Brasil pode ajudar a superar esta recessão. Lula mostrou que é possível crescer, gerar emprego e distribuir renda, além de incluir milhões de pessoas na vida social e econômica. Lula hoje é a maior liderança mundial viva.

Lula está com Dilma e precisamos trabalhar muito para reeleger Dilma no primeiro turno.

Sem medo de ser feliz!

João Felicio na presidência da CSI,
Dilma na presidência do Brasil,

E Lula liderando o Brasil e o Mundo 
Por mais inclusão social, 
Mais proteção aos idosos
E mais respeito aos imigrantes.

Um novo mundo está nascendo!

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Ainda temos as flores

Vejam estas beleza


Flores contra a baixaria da imprensa

Vejam estas belezas. O Brasil estaria bem melhor se não houvesse tanta baixaria!





Uol faz campanha pesada contra PT

Baixaria da imprensa chega na UOL

Triste, muito triste esta nossa imprensa.
Você faz assinatura dos jornais, eles viram panfletos da direita tucana.
Faz assinatura da UOL pensando que será mais leve, mas os donos mandam baixar o nível.

Será que teremos que deixar de ler jornais e ler sites tradicionais?

As chamadas das matérias da UOL são verdadeiras chamadas eleitorais.
Vamos privatizações nossa imprensa.
Vamos abrir o mercado para as multinacionais mundiais?

Baixaria por baixaria, prefiro ler as matrizes.

Vamos investir em imprensa alternativa com qualidade e competividade?
Com a palavra o Sr. Luis Inácio Lula da Silva.

PS.:
Por falar em Lula, vocês viram o novo vexame do Corinthians?


quarta-feira, 21 de maio de 2014

Querem derrubar os governos da Tailândia e do Brasil

Clovis Rossi explica como
É evidente que Clovis Rossi explica como os conservadores estão derrubando o governo da Tailândia e não explica diretamente como estão fazendo isto no Brasil.
No entanto, quando vemos o comportamento da imprensa, as ações do Judiciário, as manifestações e greves misteriosas e o comportamento das oposições ao governo Dilma e ao PT, o que nos diferencia da Tailândia, do Egito, de Honduras ou mesmo do Paraguai, é que no Brasil ainda não “chamaram” publicamente os militares.
Mas o golpe está em andamento…
Depois das greves do policiais de Pernambuco, Bahia e agora a greve da policia civil e mesmo dos ônibus em várias cidades, onde se cria o clima de ingovernabilidade, esta matéria de Clovis Rossi pode servir como alerta aos “entendidos” ou mesmo uma mensagem.
Até a Polícia Federal está ameaçando entrar em greve! Só governos fracos permitem que policiais civis e militares entrem em greve e boicotem à governabilidade.
Por ironia do destino, as Forças Armadas que historicamente serviram aos conservadores, podem ser chamadas a servir ao povo brasileiro e inibir qualquer tentativa de golpe jurídico, parlamentar ou mesmo militar.
O voto democrático continua sendo a melhor solução. 
Precisamos garantir que o povo exerça a democracia e escolha seu destino.
Leiam abaixo a materia Clovis Rossi. Este entende das coisas…
Movimentação de elite e militares segue figurino notabilizado na América Latina
CLÓVIS ROSSI
COLUNISTA DA FOLHA – 21/05/2014

Se você não tem votos suficientes para ganhar uma eleição, bata às portas dos quartéis. Essa lei não escrita da política, tão conhecida na América Latina, explica a versão "light" de um golpe militar, dada na Tailândia, na forma de estado de sítio e imposição da lei marcial.
De fato, o grupo político de Thaksin Shinawatra, eleito primeiro-ministro em 2001 e deposto pelos militares cinco anos depois, ganha todas as eleições desde então, com os votos principalmente do interior e dos mais pobres.
É algo que as classes médias e as elites tailandesas não conseguem suportar, o que as leva a recorrer a todos os artifícios possíveis, legais e ilegais (como o estado de sítio agora) para afastar o grupo do poder. Primeiro foi com o próprio Thaksin, hoje exilado mas a sombra por trás do trono da irmã Yingluck.
Duas semanas atrás, o golpe foi mais original: tomou a forma de ordem da Corte Constitucional para que Yingluck abandonasse o poder.
O que vem agora? O primeiro-ministro interino, Niwattumrong Boonsongpaisan, assegura que a Tailândia celebrará eleições no próximo dia 3 de agosto.
É improvável que baste para resolver a crise. Afinal, o clã Shinawatra ganhou o pleito mais recente, realizado em fevereiro, faz, portanto, apenas três meses. Não houve, de lá para cá, nenhuma alteração substancial --salvo os percalços enfrentados pelo governo legítimo-- que faça supor que, desta vez, os Shinawatra perderão. Michael Peel, do "Financial Times", relata assim o que pensam os críticos dos militares:
"[A intervenção militar] é parte de um golpe gradual cuidadosamente orquestrado pelo establishment tradicional, em que as Forças Armadas estão agindo para reforçar os protestos de rua apoiados pela elite, que carece de suporte de âmbito nacional, mas estão respaldando seus simpatizantes nas principais instituições civis e militares para uma campanha destinada a suspender o Parlamento e instalar, no lugar dele, uma Junta não eleita".
Não seria nenhuma novidade: os militares foram responsáveis por 18 golpes de Estado nos 82 anos decorridos desde o fim da monarquia absoluta, em 1932.
A reação das elites se deve aos programas típicos do populismo implantados pelo clã Shinawatra, que pode se gabar de dados econômicos bastante bons: o desemprego é de 0,9% da população economicamente ativa, e a inflação não passa de 2% ao ano.

O problema para o governo deposto é que os protestos bancados pela elite e que serviram para chamar os militares provocaram retração na economia, que encolheu 2,1% no primeiro trimestre, comparado com o último trimestre de 2013.