domingo, 16 de março de 2014

Imprensa, Eleições e Manipulações

A arrogância (ou desespero) da nossa imprensa

O quê é a verdade? Quem tem autoridade para professar a verdade? Quem é o amigo e quem é o inimigo?

Perguntas como estas, na Idade Média, quando a Igreja Católica controlava tudo no mundo ocidental tinham apenas uma resposta. Fora do mundo católico havia outras verdades, muitas delas melhores do que as do lado ocidental.

Com a Reforma Protestante o Ocidente descobriu outras verdades e a própria Bíblia passou a ser traduzida para a linguagem dos homens, caindo em domínio público. Passou a ser Um Livro e deixou de ser o único livro.

Com a Revolução Francesa, e agora da Internet, os donos da verdade são cada vez menores. A própria ciência trabalha com várias verdades.

No Brasil, a imprensa se recusa a trabalhar com as várias verdades.

Nossa imprensa continua arrogante e manipuladora. Aqui, os inimigos de ontem passam a ser amigos, e os amigos de ontem passam a ser inimigos de hoje. Foi assim com Orestes Quércia, é assim com Sarney e Collor e tantos outros. Nossa imprensa é cínica.

Uma das características mais comuns na nossa imprensa atual é entrevistar ex-ministros, ex-diretores do Banco Central e tantos outros acadêmicos que, quando estiveram no governo, foram incompetentes e levaram o Brasil à recessão, ao desemprego e ao entreguismo econômico, levando centenas de empresas à falência ou a serem vendidas. Sejam eles do governo Sarney, Collor e Fernando Henrique. De repente, desde que falem mal do PT, passam a ser heróis da nossa imprensa reacionária.

A oposição ao governo Dilma e Lula, dirigida pela imprensa, descobriu que o povo não aceita que falem mal das conquistas sociais promovidas por Lula e Dilma, então, resolveu que deve destacar a avaliação da economia nacional a partir de 1994, isto é, como se o governo fosse de 20 anos continuamente sendo uma mesma política econômica. Nada mais mentiroso!

No início do governo Dilma, a imprensa tentou cooptá-la, quando perceberam que ela não trairia Lula, passou a defenestra-la. Nada mais oportunista!

A imprensa vem também trabalhando com três tempos, conforme a conveniência, sendo um tempo 20 anos, outro tempo a partir de Lula, e o último somente o governo Dilma. Porque isto? Para mostrar que o governo Dilma está sendo ruim e que, bom mesmo era Lula e FHC. Vou mostrar um exemplo de uso do tempo conforme a conveniência.

No último dia 14, sexta-feira,
a Folha publicou um Caderno Especial sobre o Setor Automotivo.

Na página 2, com destaque, há um grande título : “Acelerador e Freio” e a introdução:
“Em 20 anos, Brasil quase triplica produção, mas enfrenta problemas parecidos aos de 1994”.

Quando você vai olhar o gráfico que ilustra a matéria, o número de emplacamento de carros e comerciais leves em 1994 é de 1,33 milhão, em 2001 é de l,51 milhão e finalmente em 2012 é de 3,58 milhões.
Logo, no governo FHC quase que não houve crescimento, saiu de 1,33 para 1,51. Mas quando comparamos com os governos Lula/Dilma, a quantidade pula para 3,58.
Isto sim que é triplicar!

A verdade é que ninguém neste país investiu tanto na indústria automobilística quanto Lula.
Não adianta manipular, não adianta mentir, não adianta contratar economistas reacionários, neoliberais e entreguistas, o povo, enquanto grande beneficiários das políticas de Lula e Dilma, sabe em quem votar.
O povo ainda vê TV e ouve rádio, mas não lê a Folha.
Precisamos abrir mais o mercado de TV e Rádio no Brasil.

A imprensa até que poderia usar todos estes economistas e políticos reacionários e corruptos como aliados, mas não poderia “fingir” que é neutra ou participativa.

Nossa imprensa precisa mesmo é de mais concorrência.
Trazer revistas como a Der Spiegel, canais de TVs e Rádios comprometidos com a economia de mercado e com a inclusão social. Aí nós vamos ver o que sobra desta imprensa tacanha. Se podemos trazer empresas e bancos, também devemos trazer Rádios e TVs.

Atenção:
Agora a imprensa descobriu que o PT pode eleger uma grande bancada de parlamentares e governadores, além da presidência, é claro.
A baixaria só vai aumentar...

Um comentário:

  1. apos insinuações da imprensa americana sobre o processo eleitoral apos a morte de Eduardo Campos, que o quadro iria mudar, ou deveria, a veja o estado, a folha, a globo e bandeirantes se aliaram a instigação e manipulação da eleição atraves da adoração de Eduardo
    Campos , que após sua morte virou heroi nacional, fez pesquisa eleitoral nos dias do velorio e da comoção falsa e mentirosa. E´vergonhosa o alinhamento da elite facista sobre o governo federal do PT, Dilma vai crescer com a propaganda na TV E RADIO, e vai derrotar novamente os que querem voltar o BRASIL pro passado, eles sabem que a Marina é facil de manipular, e o partido cominista /socialista PSB é de mentirinha, qualquer coisa a imprensa esmaga ,
    sergio olivastro Banco do Brasil .

    ResponderExcluir