sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

São Paulo está cada dia pior

Governador e Prefeito dão trombadas e nós pagamos a conta

Vejam que desesperador é morar em São Paulo:

1 – O Metrô continua superlotado, com problemas e o governador põe a culpa nos usuários;

2 – Os assaltos e sequestros acontecem diariamente e ameaçam até o filho do governador;

3 – Com a volta das aulas, o trânsito voltou a ficar um inferno;

4 – Com as faixas exclusivas para ônibus, algumas avenidas como a Heitor Penteado, ficaram com apenas uma faixa para os automóveis;

5 – Ainda na Av. Heitor Penteado, a CET inventou de fechar a entrada da rua Pereira Leite, que dá acesso ao nosso bairro. Agora, o pessoal que vai pegar a Rua Nazaré Paulista e a Praça Panamericana ou vai para os colégios Santa Clara e Santa Cruz terá mais dificuldade de acesso;

6 – O mato continua tomando conta da Av. Francisco Morato, há semanas ou meses;

7 – Na avenida Eliseu de Almeida, contamos oito semáforos quebrados no sábado passado;

8 – Na rua Caropá, que é Zona Um, apareceu um negócio e a prefeitura, apesar de receber várias reclamações, diz que está verificando o processo jurídico. Pelo que sabemos, Zona Um não pode ter nenhum tipo de comércio e cabe a prefeitura proibir preventivamente;

9 – Aqui na Vila Madalena farol quebrado é rotina;

10 – Enquanto isto, continuamos pagando IPTU, IPVA e pedágios. Além de enfrentar manifestações na Paulista, parando mais ainda o trânsito.

Resultado:

Não adianta os políticos de um partido botar a culpa nos políticos de outros partidos, todos são governos, ou municipais, ou estaduais ou federal. O povo já está saturado deste empurra-empurra.

Não adianta dizer que não tem dinheiro. Se candidataram porque quiseram e sabiam que tinham pouco dinheiro. O que precisa mesmo é trabalho, de varejo e de atacado.

As grandes obras são importantes, mas cuidar do dia a dia das ruas é imprescindível. Nem só de pão vive o homem, mas, ninguém pode sobreviver sem comer. Sem nosso dia a dia a gente morre...

Vamos criar mais conselhos participativos, chamar o povo para ajudar na defesa civil e estimular os Conselhos de Bairros com Ações Comunitárias por ruas, como faz a Associação Viva o Centro. Ninguém precisa descobrir a roda, basta ter humildade e trabalhar com o povo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário