sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Ordem, Desordem e Nova Ordem

O voto ou a Rua?

Olhar os jornais de hoje nos leva a uma indagação crucial
neste momento quando vemos manifestações de ruas em muitos países
e podemos fazer um breve balanço dos resultados
das manifestações e ocupações de praças e ruas.

A Rua está substituindo o Voto?

As minorias nas ruas são mais importantes do que a maioria que votou?
A Democracia representativa está acabando?

Se a Democracia Representativa deixou de ser suficiente,
porque não se implanta a Democracia Participativa?

Acontece que, para mudar, precisa passar pelo Congresso Nacional,
que representa exatamente o atraso, o desejo de que não haja mudança.
Como fazer o Congresso Nacional modernizar o país?

Para uns é uma Nova Constituinte,
para outros é o povo na rua para travar o pais
e forçar as mudanças...

Vejamos algumas manifestações e seus resultados:

1 - Ocupação de Wall Street - USA.

No primeiro momento, um sucesso e um grande debate mundial.
No segundo momento, a polícia desocupou a praça e
Obama foi para a Direita. Perdendo apoio dos progressistas.

2 - Madri - Espanha

Os jovens ocuparam as praças contra o governo socialista,
derrubaram o governo e "o povo" elegeu a direita.

Resultado: O novo governo conservador aumentou a recessão
e o desemprego, os jovens saíram das ruas e praças,
e continuam desempregados e passivos...

3 - Argentina

Tanto os fazendeiros como os jovens fazem grandes manifestações
a economia continua em crise e a tendência é eleger um presidente
conservador nas próximas eleições.
Será que as manifestações de ruas vão continuar ou
vão resolver os problemas estruturais da economia?

4 - Venezuela

Há tempos que a direita quer derrubar o chavismo.
Há tempos que a violência faz parte das manifestações.

Há uma regra democrática aprovada pelo povo,
mas a minoria rica não aceita esta regra e quer o golpe.

Como vai ser resolvida a crise venezuelana. Na bala?

5 - Ucrânia

O caso mais triste de hoje. Dezenas de mortos depois
de dias com manifestantes contra o presidente eleito e
amigo dos russos.

E se a nova eleição levar a um lado não aceitar o resultado?
Divide o país em dois, como fizeram com a Coreia em 1953
ou com a Iugoslávia?

É este o futuro da Europa? Ter países étnicos?

6 - E o Brasil?

A imprensa, o judiciário, os tucanos e "as forças ocultas",
querem derrubar o governo petista. No primeiro momento,
através do voto.

Mas, se não for possível, através de "processos jurídicos" e
manifestações descontroladas.

Se não for suficiente, buscam-se golpistas tipo Bolsonaro.
Afinal, sempre há mercenários e aventureiros para todo tipo
golpe. Seja golpe branco, golpe jurídico, golpe das ruas
ou golpe militar.

Como vocês viram, não citei o EGITO, nem outros países árabes.
As primaveras ainda estão em curso.
Mas os resultados estão mais para invernos sombrios
do que para dias floridos. Estes poderão demorar mais a chegar.

Como o voto das mulheres, o fim da escravidão e
liberdade de imprensa e de opção de gênero chegaram,
O novo sistema de Democracia Participativa chegará.

E todos passarão por um Plebiscito e nova Constituição.
Mesmo que tenhamos que homenagear milhares de mortos.
É da natureza humana...

Liberdade não se ganha, conquista-se!

Nenhum comentário:

Postar um comentário