terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Mais uma vítima da violência

A Imprensa também tem responsabilidade

Numa guerra militar, os que mais morrem são os soldados e os civis. Os pobres, principalmente.
Numa guerra social, não militar e não declarada, os que mais morrem são os trabalhadores e seus familiares.

Nesta semana morreu um cinegrafista profissional da TV Bandeirantes.
Ação previsível pelo tipo de manifestações dos mascarados violentos.
No ano passado morreram várias pessoas comuns,
que já caíram no esquecimento, menos para seus familiares.

No Brasil, a violência tomou conta das ruas, do judiciário e da imprensa.
Mas, raros são os casos esclarecidos e os responsáveis punidos.
Bandido aqui no Brasil só é preso quando ataca gente importante.
É só olhar as estatísticas e o caso do filho do governador de São Paulo.

Por que tanta impunidade?
Porque quem deveria fazer as leis funcionarem não estão fazendo, estão sim fazendo política de oposição ao governo federal e deixando a situação ficar ingovernável. Tudo isto com amplo apoio da imprensa.

Só que, de vez em quando, “o feitiço vira contra o feiticeiro”,
e morrem pessoas vinculadas aos mandantes da violência.
Estes mandantes fazem a maior cena, mandam flores para os familiares.

A destruição da autoridade governamental e moral
tanto do governador do Estado do Rio, como do prefeito da Cidade, além da desautorização pública da ação dos policiais, facilitou a ação dos mascarados, quebradores e provocadores, facilitando também a ação dos traficantes, dos bandos ilegais e da ação de militares ligados ao crime.

Cabral e Paes têm problemas, justifica-se o preço que a população do Rio está pagando pela desordem ampla, geral e irrestrita que a cidade está passando, como forma de inviabilizar eleitoralmente o governador e o prefeito?

Aqui em São Paulo, a imprensa protege o governador, que chama os usuários do Metrô de vândalos, mas a imprensa não consegue acabar com os assaltos, sequestros e mortes diárias nas ruas tanto dos bairros ricos como nos bairros pobres. Mas, para a imprensa, a culpa da violência é do governo federal, não é da policia do governador... É o vale tudo eleitoral.

Como diz o grande jornalista inglês, Phillip Knightley, na sua defesa de tese para doutorado publicada em livro com o título “A Primeira Vítima”: Na guerra, a primeira vítima é a verdade. Depois morrem as pessoas, sejam elas soldados ou civis e crianças.

Quantos trabalhadores, sejam eles cinegrafistas ou não, precisarão morrer para que a Ordem, a Segurança e a Credibilidade das Instituições sejam restabelecidas no Brasil?

Será que “os fins justificam os meios”?
Com a palavra a Imprensa, o Judiciário, o Legislativo e os Executivos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário