terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Itaú lucra mais de 15 bilhões

Nunca na história deste país se ganhou tanto dinheiro

Finalmente o Itaú assumiu que seu lucro anual vem passando de 15 bilhões por ano, ou seja, mais de um bilhão de reais por mês. Antes eles aumentavam as provisões e o resultado anual diminuía. Agora, como diz a música de Gonzaguinha: "Não deu mais para segurar…"

Embora seja o banco que mais reclama do governo Dilma, o Itaú, desde o iníicio do governo Lula, é o banco que mais lucra no Brasil. É preciso "dar a César o que é de César…" O banco tem méritos, mas, sem a política econômica de Lula e Dilma, o resultado seria diferente.

Como costuma dizer o próprio Lula:
Nunca, na história deste país, um banco ganhou tanto dinheiro.

Então, o Itaú está reclamando de quê?

NOTA: Ao meio dia de hoje, o próprio presidente do Itaú, Roberto Setúbal, deu uma boa declaração sobre o resultado do banco e a relação com o Governo Dilma:

"O presidente executivo do Itaú Unibanco, Roberto Setubal, disse que a instituição chega ao final de mais um ciclo com um balanço "sólido" ao avaliar os números do banco em 2013. O banco anunciou hoje, antes da abertura do mercado, lucro líquido de R$ 15,696 bilhões, montante que representa aumento de 15,5% em relação ao lucro de 2012.

"Chegamos ao final de mais um ciclo com um balanço sólido.
Acreditamos no crescimento do Brasil
e nas oportunidades que o País gera
.
Temos colaborado para que empresas e cidadãos financiem seu crescimento com crédito sustentável, responsável e eficiente. Esta é uma das nossas contribuições e continuaremos a trilhar este caminho em 2014", diz Setubal, por meio de nota."

Vejam a matéria com os dados econômicos do Itaú:

Itaú vê lucro subir 15,5% em 2013,
com a menor inadimplência em cinco anos

ANDERSON FIGO
DE SÃO PAULO - UOL
04/02/2014 07h57 - Atualizado às 08h30

Com a menor inadimplência em cinco anos, o Itaú Unibanco anunciou nesta terça-feira (4) que encerrou 2013 com lucro líquido de R$ 15,696 bilhões, 15,46% maior em relação ao ano anterior.

Apenas no último trimestre, o ganho do maior banco privado do país somou R$ 4,646 bilhões, aumento de 33,05% sobre igual período de 2012.
O valor, que exclui ganhos e perdas extraordinários, veio melhor do que o mercado esperava (cerca de R$ 4,1 bilhões). Sem o desconto dos efeitos extraordinários, o lucro ficou em R$ 15,836 bilhões em 2013 e em R$ 4,680 bilhões no quarto trimestre.

"Em 20 dezembro de 2013, a compra da Credicard foi aprovada pelo Banco Central do Brasil, e passamos a incorporar os resultados dessa operação a partir de 1º de dezembro de 2013", explica o banco, em nota.

Dando sequência à mudança de perfil em sua carteira de crédito, para contemplar operações de menor risco como consignado e imobiliário, o Itaú conseguiu reduzir a inadimplência (acima de 90 dias) para 3,7%, o menor nível desde a fusão com o Unibanco, em novembro de 2008. Em doze meses, a redução foi de 1,1 ponto percentual.
Desconsiderando a carteira da Credicard, a taxa teria sido de 3,6%, diz o banco em relatório.
Na semana passada, o Bradesco e o Santander também apresentaram redução na taxa de inadimplência, para 3,5% e 3,7%, respectivamente.

CALOTES
A melhora na inadimplência ajudou o Itaú a reduzir as despesas de provisões para calotes, que caíram 27,0% entre outubro e dezembro do ano passado na comparação com o quarto trimestre de 2012, totalizando R$ 4,191 bilhões.
No acumulado de 2013, as provisões foram de R$ 18,579 bilhões, 23,3% menores que os R$ 24,210 bilhões de 2012.

No crédito, o banco teve, em 2013, expansão de 13,3% em relação ao ano anterior, totalizando R$ 483,397 bilhões. O crescimento ficou acima do esperado pelo Itaú (entre 8% e 11%). A cifra também é 5,9% maior que o resultado visto no terceiro trimestre (R$ 456,561 bilhões).

Sem considerar os financiamentos de veículos, o crescimento da carteira de crédito do Itaú teria sido de 18,0% na comparação anual e de 7,1% sobre o terceiro trimestre.

MARGEM
A margem financeira diminuiu em 2013 sobre o ano anterior, o que impediu um desempenho melhor do lucro. A margem financeira gerencial, que leva em conta operações com clientes e com o mercado (tesouraria), ficou em R$ 47,637 bilhões no ano passado, ante R$ 52,157 bilhões em 2012.

Considerando apenas o último trimestre de cada ano, houve ligeiro aumento de 0,75%, passando de R$ 12,608 bilhões a R$ 12,703 bilhões.

O banco registrou ROE (indicador que mede como os bancos investem os recursos de seus acionistas) de 23,9% entre outubro e dezembro, superior aos 19,3% vistos em igual período do ano anterior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário