segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

A direita impõe a pauta

Economia e Política

Nos velhos tempos de Dieese, Valter Barelli, costumava dizer aos sindicalistas que “a direita sempre impõe a pauta para a sociedade e que caberia aos trabalhadores tentar viabilizar sua própria pauta”.

Barelli estava certo. Enquanto os empresários e o governo da época defendiam arrocho salarial e recessão como mecanimos para combater a inflação; nós, trabalhadores, defendíamos mais distribuição de renda, mais empregos e mais competitividade internacional. O empresariado sempre gostou de proteção.

Agora que Barelli aposentou-se, Luis Nassif tem se credenciado como um bom economista para ajudar os trabalhadores.
Vejam o didatismo de Nassif… Pena que seja reflexo da pauta conservadora dos empresários.

O xadrez da economia para 2014

Coluna Econômica Luis Nassif - 14/02/2014

O xadrez da economia global traz mudanças complexas e interessantes.

De um lado, há a recuperação da economia dos Estados Unidos e da União Europeia e dúvidas ainda em relação à China. Significa uma boa perspectiva de recuperação do comércio mundial e, com ele, das exportações brasileiras de manufaturados, manutenção das cotações de commodities e algum alívio na balança comercial.

Por outro lado, há um realinhamento global das moedas, em vista das expectativas em relação ao fim dos estímulos monetários do FED (Federal Reserve, o Banco Central dos EUA).

Esse ajuste provoca ampla volatilidade no mercado de câmbio e de taxas, típica de períodos de transição. Nesses períodos, há um efeito manada não homogêneo afetando as economias emergentes.

Não há clareza nem sobre o tamanho da fuga nem sobre as necessidades de financiamento dos países. Essas duas informações são essenciais para se prever 1) o novo nível de câmbio das moedas nacionais; 2) o nível interno de taxa de juros dos países afetados.

Sem esses parâmetros, o mercado internacional ensaia uma caça à raposa.

No caso brasileiro, o jogo fica um tanto mais complexo.
O país necessita, de fato, de um realinhamento do real para estancar o aumento do déficit externo e garantir um mínimo de vitalidade para a indústria nacional.

Mas esse realinhamento traz impactos inflacionários. Para combater esses efeitos, o Banco Central mantém a velha política de aumento da taxa Selic. O mecanismo de transmissão da Selic sobre os preços é o câmbio: aumentando os juros, teoricamente atraem-se mais dólares, o real se valoriza e, com o dólar mais fraco, há menor pressão sobre os preços.

Os problemas brasileiros advém desse acúmulo de prioridades conflitantes.

Aumentando a taxa Selic, há três movimentos na economia:

1. O real se desvaloriza menos, reduzindo a pressão sobre os preços.
2. A economia cresce menos do que cresceria com um real mais desvalorizado, em função dos efeitos sobre as exportações e importações (real mais forte significa mais importações e menos exportações).
3. Aumenta a necessidade de superávit primário (receita menos despesas operacionais) para pagar o aumento de juros.

Para este ano, a meta do governo é um superávit de 1,9% do PIB. As agências de risco estimam a necessidade de um superávit superior a 3% para manter a mesma relação dívida bruta/PIB.

Caso a dinâmica da dívida pública não seja contida, há o risco concreto de rebaixamento do país no rating das agências de risco. O resultado será uma saída mais brusca de dólares, com a consequente desvalorização do real – e seus impactos sobre a inflação.

Trata-se de um xadrez que exige monitoramento fino das condições do paciente. Mas nada que sugira o cataclismo prenunciado por algumas manchetes terroristas.

Há um bom estoque de reservas cambiais, um nível moderado de endividamento na economia, empresas brasileiras se preparando para eventuais mudanças cambiais.

A incógnita é o fator eleições e até que ponto haverá terrorismo econômico com propósitos eleitorais. Aí se entrará em um campo difícil de avaliar: o estado de espírito dos agentes econômicos.
Blog: www.luisnassif.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário