sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

O vexame da TAM em BH

O problema é a falta de respeito

Resolvemos passar uma semana em Minas Gerais, visitar Ouro Preto, Mariana, Congonhas e Inhotim, além de Belo Horizonte.  Compramos passagens pelo TAM, por ser vista como a melhor empresa aérea brasileira, paguei antecipado, reservei os lugares para mim e minha esposa, fiz check in sozinho e tudo. Tudo na expectativa de matar a saudade da velha Minas Gerais das montanhas e de Milton Nascimento e sua turma da esquina.

A ida foi cheia de pequenos problemas que contarei depois, 
mas a volta pela TAM foi uma série de vexames da empresa que nos deixou irritados e envergonhados. 
O problema não é a Copa do Mundo, o nosso problema É A FALTA DE RESPEITO para com os clientes, as pessoas, os cidadãos...

Almoçamos muito bem no Restaurante Dona Lucinha em BH e pegamos um taxi para “os confins do Judas”, aquele aeroporto feito na época dos militares, distante à 40 km do centro e que agora, como todos os políticos atuais, chama-se Tancredo Neves...

Chegamos lá 13:30h e fizemos o nosso check in e depois despachamos as malas. Até aí tudo bem, nossa partida deveria ser às 15:40h, teríamos tempo para ler com calma. Pretendíamos chegar cedo em São Paulo para desfazer as malas, jantar e depois ir dormir com calma...

Quando todos os passageiros estavam na sala de espera para o embarque, fomos avisados de que o avião da TAM atrasaria “por problemas técnicos”...  O tempo foi passando, todos os voos da Gol e da Azul partiram normalmente e nós todos esperando para saber que horas nosso voo sairia.

Depois de muita espera, fomos avisados que nosso voo só sairia às 17:00h. Isto é, uma hora e vinte minutos mais tarde. Chegaríamos bem mais tarde em São Paulo. Os passageiros que tinham conexões se desesperaram com medo de não conseguirem outros voos para suas cidades...

O tempo foi passando, mulheres com crianças pequenas, idosos, executivos e pessoas em férias esperando, esperando, esperando....

Mais uma má notícia da TAM: 
O voo foi CANCELADO e que embarcaríamos em outro voo às 19:00 horas!!!

Pior ainda, os funcionários da TAM avisaram aos passageiros que deveriam PEGAR SUAS MALAS no Desembargue e FAZER NOVO CHECK IN... Isto é, pegar fila novamente como se nada tivesse acontecido. Imaginem uma mãe com duas crianças pequenas ter de voltar, várias horas depois, com as crianças cansadas, ter que pegar carrinho, suas duas grandes malas e ir novamente até o check in da TAM? A mulher parecia que ia morrer e as crianças reclamavam com razão.

E a TAM?
Quando perguntamos a outro funcionário o porque eles não estavam orientando sobre as malas, ele respondeu com displicência: Quem quiser que nos procure...

Depois de toda maratona, chegamos ao check in e exigimos que fôssemos atendidos em fila própria para nosso voo, tudo estava uma zona e os funcionários não sabiam o que fazer. Finalmente apareceu um que pegou nosso papeis de embarque e foi fazer outros para o novo voo. Mas nos encaminhou para outro funcionário embarcar as malas...

Depois de conseguir embarcar as malas, fomos avisados que haveria um lanche, com fila e tudo novamente. Quando entrei na fila para pegar o lanche, observei que nossos tickets de embarques era eu numa fila do meio e minha esposa em outra fila do meio... Voltei revoltado e exigir ficar junto com minha esposa. Foi outra demora... mas, conseguimos embarcar juntos.

Tudo isto em Belo Horizonte!
Terra de Aécio Neves e de Pimentel!

Chegamos em São Paulo às 20:15h e em casa às 21:00h. 
Cansados, irritados e com vergonha deste nosso capitalismo amador.

O problema não é apenas dos políticos, dos governos, do judiciário, das Agências Reguladoras, da polícia e tudo mais. O problema é que culturalmente nós somos coniventes com esta promiscuidade e esta farsa de democracia. Precisamos botar ordem nesta zona .

E pensar que a TAM foi vendida para uma empresa chilena!
E que ainda tem um monte de jornalistas que ganha para falar bem das empresas e mal dos governos e dos políticos?

Ou as empresas, a imprensa, os políticos respeitam o POVO, ou o POVO vai ter que voltar para as ruas e exigir, na marra, que haja uma nova constituição com novas regras de organização da nossa sociedade.

Vamos denunciar a TAM na ANAC, apesar de não acreditar na ANAC, e exigimos que a TAM explique porque não capacitou seus funcionário e porque está inventando pretextos para juntar passageiros de dois voos num voo só.

O povo exige respeito!

Um comentário: