sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Santander – Demissões, atendimento ruim e bonus abusivos

Não dá para ser feliz!

O Santander continua sendo uma decepção no Brasil:
É o banco com mais reclamações dos clientes,
continua demitindo funcionários e pagando bonus abusivos
para os diretores do banco no Brasil. Já na Espanha…

Vejam informações do site do Sindicato:

Santander:
debate sobre emprego chegará à cúpula

Dirigentes sindicais reivindicaram e conseguiram marcar reunião com vice-presidente executivo sênior responsável pelo RH do banco espanhol no Brasil

São Paulo – Depois da reivindicação do Sindicato, os negociadores do Santander confirmaram a realização de reunião no dia 28 entre os representantes dos trabalhadores e um vice-presidente executivo sênior responsável pelo RH do banco para tratar exclusivamente do tema emprego.


A informação foi confirmada durante a negociação do CRT (Comitê de Relações Trabalhistas) ocorrida na terça 19, em São Paulo. Na mesma ocasião, os representantes dos trabalhadores voltaram a reforçar que o Brasil é responsável por 24% do lucro mundial do conglomerado, tendo também o maior índice de eficiência entre todas as unidades do mundo.



“Deixamos claro que se o banco remunera com tanta generosidade seu alto escalão e os acionistas também tem de valorizar os funcionários brasileiros. Não há justificativas para demitir aqueles que são os responsáveis pelos melhores indicadores do Santander em todo o mundo. Por isso, na reunião com o vice presidente do grupo no Brasil vamos cobrar o fim das demissões”, afirma o diretor do Sindicato João Roberto, acrescentando que apenas entre dezembro do ano passado e setembro deste ano foram eliminados 3.986 postos de trabalho.



Dois pesos e uma medida – Se de um lado a empresa elimina postos de trabalho – comprometendo a sobrevivência de milhares de trabalhadores –, de outro é extremamente generosa com seus executivos e com os acionistas. Segundo dados da própria empresa, entre 2010 e 2013, cada um dos integrantes de um seleto grupo do alto escalão teve reajuste de 67% em sua remuneração anual, passando de R$ 4,7 milhões para R$ 7, 9 milhões. Já aos acionistas, para os quais eram distribuídos 1,4 milhão de euros em 2003, receberam 6 milhões de euros em 2012.

“Essa balança está muito desigual. Se o Santander se empenha tanto em valorizar seu alto escalão e a remunerar bem os acionistas, não pode deixar de lado aqueles que são os verdadeiros responsáveis pelos resultados do banco no Brasil que são os trabalhadores. Quantos empregos, por exemplo, não seriam assegurados com R$ 659 mil, que corresponde a ao que um alto executivo recebe em um mês”, questiona Rita Berlofa.

Fonte: Sindicato dos Bancários de SP – 22/11/2013

3 comentários:

  1. e tem mais, muito bom essa materia

    aqui em SP está dado como certo a avalanche que está por vir em dezembro. e já iniciado em novembro de grande volume de demissoes

    foco em tempo de casa, aposentados, reduçao/encerramento de agencias e fusionamento de outras tantas e outros motivos

    fora também que é dado como certo que nesse meio de tantas demissoes previstas, estao comentando de que agencias de pequeno porte dexariam de ter gerentes de atendimento, ou seja somente aqui sao muitos gerentes

    conversar com esse executivo de RH, que sabemos ser o revivido sr
    Paiva nao vai adiantar muita coisa, alem dele ser incopetente tantomque foi desligado pelo Fabio, voltaram com ele agora dizendo que ele estava no conselho, piada

    a decisao dos cortes vinheram de uma decisao global e anunciada pelo atual presidente executivo Javier Marin, alegam que aqui tivemos 8% de aumento e que 40% dos cortes previstos no mundo viriam do Brasil 400MM de euros, imaginem onde vao cortar? em pessoas lógico

    um absurdo pois todos nos sabemos que este aumento é anual e que todosmos bancos fazem seus orçamentos ja prevendo a despesa

    descabido totalmente essa alegaçao, a nao ser o nao reconhecer de pura fragilidade dos numeros aqui no Brasil para tanta ignorancia e arrogancia destes espanhois que nao conseguem crescer receitas como demais players , mas sim crescer as reclamaçoes de clientes pois nao tem gente suficientes nas agencias e suporte as mesmas pelo sistema caótico que existe hoje no banco

    uma receita de bolo solada

    a última!!

    os serviços de limpeza pelas empresas credenciadas, muitas foram trocadas para reduzir custos, atraves de diminuiçao de horas trabalhadas

    esse modelo está falido

    ResponderExcluir
  2. leiam a reportagem abaixo da Reuters.

    em outro comentario a seguir vou colocar uma outra reportagem da analise da Price, ai voces vao entender o que estah por tras dessas transacoes maracubentas !!

    mesma transacao que divulgaram aqui no final de setembro, como uma estruturacao de capital, via distribuicao de dividendos mas ao mesmo contraindo divida via emissao externa e mantendo essa emissao no patrimonio de referencia para efeito de basileia(exigencia de capital).

    acontece que essa estruturacao tem o objetivo de distribuir o dividendo aos acionistas, e que todos nos sabemos o maior beneficiado e o controlador >> Santander Espanha<<< e assim reforcam o capital na espanha.

    lendo a reportagem abaixo, repetem no Mexico a mesma transacao

    aqui querem demitir para reduzir custos, ou sejam sacam os dividendos, emitem dividas e fica tudo lindo ne !!!

    Brasil e Mexico garantem o caixa na espanha




    Santander México vai pagar dividendo de até US$1,3 bi

    MADRI, 28 Nov (Reuters) - O banco espanhol Santander informou que sua unidade mexicana pagará um dividendo especial e emitirá dívida subordinada, numa operação para fortalecer e diversificar o capital do banco no país.

    A operação, similar à realizada pela unidade brasileira do banco em setembro, não teria impacto no capital da companhia matriz, informou uma porta-voz do Santander nesta quinta-feira.

    Os bancos espanhóis estão procurando aumentar seu capital antes de requisitos regulatórios internacionais mais rígidos, enquanto batalham para emergir de uma retração econômica que elevou a inadimplência.

    Embora o Santander, que obtém a maior parte do seu lucro no exterior, tenha sido menos afetado na Espanha do que os outros bancos locais, alguns analistas acreditam que o banco poderia ainda precisar fortalecer sua solvência diante de requisitos mais rígidos.

    O Banco Santander (México) vai pagar um dividendo especial entre 1 bilhão e 1,3 bilhão de dólares e emitir dívida subordinada de cerca de 1 bilhão de euros, compatível com as regras de Basileia III, disse o banco.

    ResponderExcluir
  3. seguindo o comentario acima, basta ler a reportagem abaixo e fazer a correlacao dessas transacoes de distribuicao de dividendos.

    todos sabem que distribuicao de dividendos direta e reducao de capital, como vao fazer aqui e no Mexico nao seria possivel se nao fosse estruturado uma operacao dessas de dist de dividendos e emissao de dividas. sacar dividendos de forma direta nao eh permitido pelos reguladores locais(Bacen), so fazedo essa falcatrua.

    leiam e entendam os reais motivos, abaixo

    comentem
    ========================================



    Bancos europeus terão lacuna de 280 bi de euros em capital em 2014--PwC

    Por Laura Noonan

    LONDRES, 28 Nov (Reuters) - Pressão do Banco Central Europeu (BCE) e reguladores nacionais deixarão os bancos da Europa com um lacuna de 280 bilhões de euros (380 bilhões de dólares) de capital para ser preenchida em 2014, disseram contadores da PwC em um relatório publicado nesta quinta-feira.

    Os bancos na zona do euro terão seus livros contábeis analisados minuciosamente pelo BCE no ano que vem, um processo que pode revelar faltas de capital caso se descubra que os bancos não separaram dinheiro o bastante para lidar com empréstimos podres.

    Em outros lugares da Europa, os reguladores estão aplicando novos padrões rígidos, incluindo os esforços recentes da Suíça e da Grã-Bretanha de definir uma "proporção de alavancagem", que força os bancos a deter capital de alta qualidade igual a uma proporção definida de seus ativos totais.

    "Bancos europeus estão enfrentando mais alguns anos turbulentos", disse Miles Kennedy, sócio de serviços financeiros na PwC. "Para bancos fora do escopo do BCE, os desafios não são menos intensos".

    Bancos como o Deutsche Bank e o Barclays já levantaram bilhões em capital extra, mas as descobertas da PwC salientam as expectativas do mercado de mais captação no futuro.

    A PwC disse que bancos podem preencher um pouco dos buracos através de medidas de "auto-ajuda", como a venda de ativos, mas que a maior parte do déficit será solucionado com a captação de cerca de 180 bilhões de euro em capital novo.

    ResponderExcluir