quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Preso ladrão que roubou o Itaú

Quando a Polícia “quer” acha...

Quando roubam casas e famílias “comuns”, dificilmente os casos são esclarecidos, mas quando roubam o Banco Central no Ceará e um grande banco como o Itaú, a Polícia investiga, investiga até achar os responsáveis.

A Polícia é como a Justiça, é cega, tarda, mas não falha.
Depende quem são os envolvidos...

Vejam este caso bem emblemático.

Mentor do megarroubo ao Itaú é preso em SP

Condenado à revelia no mês passado, João Paulo dos Santos
andava desarmado no centro quando foi surpreendido;
ele alega inocência

Atualizado: 06/11/2013 23:29 | Por Bruno Paes Manso, estadao.com.br

O mentor da quadrilha que assaltou o Banco Itaú da Avenida Paulista, em agosto de 2011, foi preso nesta terça-feira quando andava desarmado no bairro do Bom Retiro, no centro de São Paulo. João Paulo dos Santos, de 35 anos, é um dos 13 integrantes do bando que realizou o que a Justiça acredita ser o maior roubo da história do Brasil.

Santos vinha sendo monitorado por policiais do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic). "Havia gente de campana no bairro. O lugar era uma espécie de ponto de encontro. Ele tentou correr, mas foi pego", disse o delegado Wagner Giudice, diretor do Deic.

O suspeito foi apresentado nesta quarta-feira aos jornalistas. Apesar de manter a cabeça abaixada, disse que era inocente e que tinha provas de que não estava no banco no momento do crime.

Em 25 de outubro deste ano, Santos foi julgado à revelia e condenado a 18 anos e 8 meses de prisão por roubo e receptação. Como estava foragido, foi expedido um mandado de prisão contra ele. O rapaz já havia sido condenado por receptação em 2003 e cumpriu pena em regime fechado.

Segundo Giudice, o assalto ao Itaú não teve participação do Primeiro Comando da Capital (PCC), como chegou a ser cogitado. "É o crime do 'eu sozinho'. A facção não participou."

Cenas de cinema. Assim como no assalto ao Banco Central em Fortaleza, em agosto de 2005, o roubo ao Itaú teve cenas cinematográficas. Os ladrões entraram na agência dos Jardins na sexta feira, às 23h, e permaneceram lá até a manhã do domingo.

Eles se disfarçaram de prestadores de serviços para entrar no banco. Vigias e funcionários da área de monitoramento haviam sido cooptados e facilitaram a ação. Os alarmes foram desligados. Durante o assalto, os ladrões tiveram tempo de fazer refeições. No período em que ficaram na agência, eles arrombaram 142 cofres repletos de objetos de valor, como moedas nacionais e estrangeiras, obras de arte, relógios e joias.

Os integrantes da quadrilha foram acusados de roubo - e não furto, o que daria uma pena menor - porque renderam um segurança. Depois, alguns dos donos dos cofres preferiram não prestar queixa e não listaram os bens que foram roubados, o que dificultou a estimativa sobre o prejuízo total.

Até hoje, os bens levados do banco não foram recuperados.
O depoimento de Santos será tomado nos próximos dias. É a primeira vez que ele será interrogado pela polícia.
Outras seis pessoas já foram condenadas e presas por causa do assalto. São elas Alessandro Fernandes, Nivaldo Francisco de Souza, Cleber da Silva Pereira, Francisco Rodrigues dos Santos, Marco Antonio da Matta e Marco Antonio Rodrigues Neto.

Um comentário:

  1. Nessa história, os maiores ladrões são os tais donos de cofres que não quiserem prestar queixa... e principalmente listar os bens que estavam tão bem guardados.

    ResponderExcluir