terça-feira, 26 de novembro de 2013

Barbárie Nacional – Imprensa estimula

Quem semeia vento...

A imprensa nacional tem estimulado a desobediência civil e militar em todos os níveis. Delatores são premiados, fiscais corruptos e suas amantes ganham espaços na TV e nos jornais, desde que saiam acusando todo mundo. Juiz pode fazer o que quiser, bandidos podem assaltar e matar que não acontece nada, só circo midiático...

Neste clima de estímulo à BARBÁRIE, qualquer motorista, principalmente se for dono de uma HILUX ou de uma Land Rover, pode bater e amassar os carros, bater nas pessoas e fugir impunemente. Apenas terão um BO – Boletim de Ocorrência, mas sem desdobramentos graves. Grave mesmo só para as vítimas...

Quem irá botar ordem em nosso Brasil?

Vejam mais este exemplo de agressão pública nas ruas de São Paulo:

Motorista agride publicitária após 'fechada' no trânsito em São Paulo

Folha – 26/11/2013
LEANDRO MACHADO
DE SÃO PAULO

Era para ser um sábado normal de compras, mas o plano saiu da rota: ao parar seu carro num sinal da rua Groenlândia, na zona oeste de São Paulo, a publicitária Jessica Otte, 24, foi espancada por um motorista e uma mulher que o acompanhava.

O motivo: o homem ficou irritado porque não conseguiu ultrapassar o veículo onde estavam Jessica e sua companheira, a também publicitária Amanda Carbone, 28.
Na tarde do último sábado, dia 23, Jessica levava Amanda em um Fiesta ao shopping Ibirapuera, onde planejavam fazer compras de Natal.

Quando passavam pela rua Groenlândia, uma caminhonete Hilux tentou ultrapassá-las próximo de um semáforo. O motorista sinalizou com farol alto, mas, como havia carros nas outras faixas, Jessica não conseguiu deixá-lo passar.
No trecho seguinte, o homem persistiu. Buzinou e pediu passagem. Na esquina da rua Groenlândia com a avenida Brigadeiro Luís Antônio, o sinal fechou e os dois automóveis tiveram que parar.

"Ele então acelerou e começou a bater no nosso carro de propósito, empurrando. O nosso carro é pequeno, e o dele é enorme. Ele ficou montado em cima do nosso", relata Amanda.
Irritada, Jessica foi tirar satisfação. Com o celular, fez fotos da caminhonete. O motorista, de cerca de 50 anos, segundo Jessica, desceu da Hilux e começou a xingá-la de "vadia". Depois, deu um soco em seu rosto e a empurrou.

"Ele ainda me ironizou, disse que eu estava de conversinha com a mulher do meu lado", relata Jessica, que disse não ter visto indícios de homofobia na agressão.

A mulher do motorista também saiu do carro e agrediu a publicitária, com socos.
"A gente ficou paralisada, não sabia o que fazer", diz Amanda. Jessica teve ferimentos no rosto, nos braços e na barriga.

Depois da agressão, o motorista e a mulher fugiram. O casal de publicitárias procurou a polícia e registrou um boletim de ocorrência em uma delegacia do Itaim Bibi, na zona oeste de São Paulo.

Pela placa da Hilux, a Polícia Civil descobriu que o carro está registrado no nome de um posto de gasolina.
Ontem, a polícia fez uma vistoria para verificar os danos no Fiesta de Jessica, que teve de passar por exame de corpo de delito. De acordo com a delegada Ligia Pimentel, que investiga o caso, a agressão pode ser registrada como lesão corporal e injúria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário