domingo, 20 de outubro de 2013

Desagregação da vida, dos governos e dos países

Caminhamos para o impasse

Os sinais estão presentes nos noticiários...

1 – A artista que morre doente e sendo apoiada financeiramente pelos amigos;

2 – A família que morre envenenada por gás de cozinha no apartamento;

3 – Os manifestantes que querem defender os cachorros mas botam fogo nos carros e param o trânsito;

4 – A polícia que assiste de longe, não faz nada e ainda apanha;

5 – A imprensa que reproduz a impotência da polícia, evidencia a ousadia dos manifestantes e estimula a barbárie;

6 – Os juízes que mandam soltar os manifestantes que quebravam o patrimônio público e privado, em nome de uma liberdade de conveniência;

7 – Os políticos que trocam de partidos, fazem alianças heterodoxas e topam tudo por dinheiro e reeleição;

8 – Os “especialistas“ que se arvoram “neutros”, mesmo sabendo que estão sendo usados para criticar ou desacreditar determinadas situações;

9 – Os pobres que topam aparecer na imprensa reclamando de tudo, mesmo sem saber o porquê;

10 – Os ricos que adoram fazer gastos exóticos e depois reclamarem dos impostos;

11 – Os governos que gastam mal os recursos públicos e depois culpam os governantes anteriores;

12 – Os Estados Unidos que perderam o papel de “estabilizador” do mundo e agora não controlam sequer seu orçamento nacional;

13 – Os europeus que antes eram o centro do mundo, invadiram a África, o Oriente Médio, a Ásia e as Américas, e agora não conseguem conviver com seus “imigrantes”;

14 – O Oriente Médio que, depois de perder a hegemonia mundial para os países industrializados, terem seus governos derrubados por guerras civis estimuladas e pagas pelos países ocidentais, sangra com suas milícias e disputas religiosas;

15 – A África que se desmancha com as disputas tribais, a fome e a pobreza;

16 – A Líbia é parte do Oriente Médio e está no norte da África. A Líbia é um dos países mais ricos do continente e já teve muito progresso. Mas hoje o ocidente comemora dois anos da derrubada definitiva de Kadafi, o imperador-ditador que modernizou o país economicamente, mas se recusou a ser um mero agente do ocidente. A Líbia deixou de ser um país para ser uma baderna muçulmana... Graças ao ocidente. Depois não querem que o islamismo cresça na região.

17 – Aqui no Brasil, a imprensa e seus aliados tenta intensificar a desagregação do Governo, do Estado, das Famílias e das Pessoas. Talvez assim os conservadores aglutinados em vários partidos de oposição, consigam ter chance de ganhar uma eleição presidencial.

Democracia só serve para quem está ganhando...
quando o jogo vira, pega-se a bola e encerra-se o jogo.
Faz-se um intervalo (ditadura disfarçada como em Honduras, Paraguai, Egito, Líbia, Iraque...) e depois retorna-se ao voto direto como no Chile de Pinhochet e no Brasil dos golpes militares e civis.

Com qual preço e quantas mortes?

Nenhum comentário:

Postar um comentário