quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Bancos Privados contra Governo

A guerra continua

Os mais de vinte anos de ditadura militar no Brasil, mais o período neoliberal de FHC, possibilitaram uma grande concentração dos Bancos Privados no Estado de São Paulo. Praticamente acabaram com os bancos privados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia, Pernambuco, Ceará e demais estados. FHC acabou com os bancos públicos estaduais. Uma bagatela, como foram o Banerj e Banespa.

Primeiro veio a Reforma Bancária em 1964 com Roberto Campos.
Realmente o Brasil precisava botar ordem no sistema financeiro da época. Depois vieram as intervenções em alguns bancos como Comind, Auxiliar, Poupança Delfin, Halles e tantos outros. Sempre que acontecia uma grande intervenção, outro banco era beneficiado, principalmente o Bradesco e o Itaú.

Com o governo neoliberal de FHC veio primeiro o PROER, para “salvar os bancos”, com o fim da inflação galopante, os bancos também ganharam direito a cobrar dezenas de Tarifas Bancárias, que cobrem mais de 100% das despesas com pessoal e treinamento. Depois vieram as privatizações dos bancos estaduais. Outra mamata para os grandes bancos privados. Isto é, mais benesses para o Bradesco e o Itaú.

Agora estes bancos privados estão querendo os “Depósitos Judiciais”, que são recursos públicos sob o controle da Justiça brasileira. O curioso é que, além de pressionarem o governo, os bancos também estão pressionando os parlamentares. E em ano eleitoral com um sistema partidário onde cada campanha para deputado federal custa em média dez milhões de reais, fica fácil “sensibilizar” os parlamentares e seus partidos.

Os bancos privados, além de pressionarem o governo e os parlamentares, desencadearam uma pesada campanha na imprensa, orientando os comentaristas econômicos a baterem no governo e defenderem a “democratização do acesso aos depósitos judiciais”. Ninguém fala a favor da democratização dos meios de comunicação.

Parece que a ideia é transformar o jornal Valor, que é voltado para o público empresarial, como o formador principal, o orientador dos jornalistas econômicos para que este tentem influenciar a opinião pública. Cabendo aos lobistas profissionais fazerem a pressão direta na área econômica do governo e nos parlamentares.

Hoje, dando continuidade a campanha para bater no governo e esconder o lucro dos grandes bancos privados, o jornal Valor faz mais uma grande matéria com o título:

“Depósito judicial é negócio bilionário para bancos públicos”
Não vou reproduzir a materia, mas quero deixar o registro do assunto.

Devemos cobrar posição pública do governo Dilma e dos partidos comprometidos com o governo e com os recursos públicos.

O Banco Central também não pode fingir de morto. Afinal, dia 26 de novembro tem nova reunião do COPOM e os bancos privados já avisaram que querem o aumento da Selic, aumentando os juros para os clientes e para a população. Isto é, mais uma vez o povo vai pagar a conta, mesmo que atrase o Brasil.

Depois os "economistas" vão dizer que a economia está crescendo pouco por causa do governo.
É mole?

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Jornal Valor também defende os Bancos Privados

Fez Editorial e também escondeu o lucro do Itaú

O jornal impresso Valor, que eu considero o melhor do Brasil atual, também entrou no esquema dos bancos privados e também escondeu o lucro do Itaú, além de fazer um EDITORIAL defendendo os bancos privados e combatendo o governo e os bancos públicos.

Sinais dos tempos:
Demorou mais ficou igual aos demais… É uma pena.

Leiam o Editorial do jornal Valor de hoje:

Banco público mantém a liderança do crédito

Valor – EDITORIAL – 30/10/2013

De 2009 para cá, o governo injetou cerca de R$ 400 bilhões nos bancos públicos para expandir o crédito com o objetivo de estimular a economia. A maior parte do dinheiro, pouco mais de R$ 300 bilhões, foi canalizada apenas para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que deve receber mais R$ 20 bilhões ainda neste ano.

Mas agora essa política vem sendo combatida. Nos últimos meses, agências de rating, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) criticaram a estratégia em virtude da deterioração das contas fiscais provocada pela expansão do crédito dos bancos públicos.

Os empréstimos concedidos pelo Tesouro para capitalizar os bancos são um dos fatores de expansão da dívida bruta. No recente relatório sobre a economia brasileira, o FMI avalia que atuação dos bancos públicos é quase fiscal e afeta a situação global das contas públicas e a dinâmica da dívida pública.

Já a OCDE chega a dizer que a expansão dos bancos públicos pode estar inibindo a atuação das instituições privadas no crédito de médio e longo prazo e do mercado de capitais. O organismo sugere que o governo garanta igualdade de competição, e elimine gradualmente os créditos obrigatórios e as exigências de reservas para baixar o custo da intermediação financeira.

Em resposta a essas críticas, o governo já deu várias indicações de correção de rota e prometeu reduzir a oferta de empréstimos dos bancos públicos. A Caixa Econômica Federal deixaria as operações com empresas; e o BNDES passaria a se concentrar na infraestrutura.

Mas o retrato do mercado de crédito divulgado ontem pelo Banco Central (BC) mostra que não será fácil cumprir a promessa e que a mudança será lenta. Do lado positivo, indica também que a concorrência está contendo o repasse do aumento da taxa básica de juros (Selic) para o custo do crédito, como havia antecipado o Valor (24/10).

Os bancos públicos ganharam um grande espaço no mercado de crédito e será difícil desfazer essa posição em curto espaço de tempo. Quando o governo começou a incentivar a expansão, entre 2008 e 2009, respondiam por cerca de um terço do mercado de crédito. O grande salto ocorreu a partir do ano passado, quando passaram de 43,7% para os atuais 50,7% do mercado.

O estoque total de crédito atingiu R$ 2,598 trilhões em setembro, o equivalente a 55,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Apenas a carteira dos bancos públicos é igual a 28,1% do PIB, um salto em comparação com os 25,7% de janeiro. Já os bancos privados de capital nacional reduziram a participação ligeiramente, de 27,6% para 27,3% do PIB neste ano.

Enquanto o saldo total do crédito cresceu 15,7% em setembro sobre o mesmo mês de 2012, o estoque das operações com recursos direcionados, em que atuam preferencialmente os bancos públicos, avançou 26,3%, bem mais do que os 8,7% das operações com recursos livres. O estoque de financiamento a investimentos do BNDES cresceu 16,1% no acumulado em 12 meses, acima dos 15,8% acumulados em agosto.

O impacto da greve dos bancários na redução das operações de crédito é visível quando se compara a concessão de crédito de um mês para outro. O crescimento da média diária das concessões para empresas passou de 6,3% para 0,7% entre agosto e setembro, em comparação com igual mês de 2012, sendo que caiu de 44% para 0,8% na mesma base de comparação no caso dos financiamentos de investimento do BNDES.

O próprio BC ainda espera uma forte expansão do crédito público neste ano. O BC prevê que a carteira dos bancos públicos vai aumentar 24%, quatro vezes mais do que os 6% previstos para as instituições privadas nacionais. Será um pouco menos do que os 27,8% de crescimento registrado em 2012 pelos públicos e os 6,8% dos privados.

A concorrência é visível, porém, no comportamento dos juros. A taxa média cobrada pelo sistema financeiro nas operações de crédito subiu de 19,3% ao ano para 19,5% ao ano entre agosto e setembro, maior percentual desde agosto do ano passado. Foi uma elevação de 1,5 ponto percentual de janeiro a setembro, menos do que o aumento de 1,75 ponto registrado no mesmo período pela Selic, que passou de 7,25% a 9%. Incluindo outubro, quando a Selic subiu a 9,5%, o aumento da taxa básica chega a 2,25 pontos.

Imprensa na Argentina e no Brasil

Heranças das Ditaduras

Somos dois países com histórias com muita coisa em comum e muitas coisas bem distintas:

Ambos colonizados pelos hispânicos, católicos e conservadores.
Ambos ricos em riquezas naturais.
Ambos declararam suas independências, mas seguiram inicialmente a Inglaterra e depois os Estados Unidos. Não sendo colônias diretas, mas indiretas.

A Argentina avançou mais na formação do seu povo, com mais escolaridade, mais inclusão econômica e social. Já em 1906 não havia analfabetismo na Argentina, enquanto que, no Brasil, até hoje, temos mais de dez milhões de analfabetos.

A Ditadura Militar argentina matou muito mais do que a ditadura brasileira, e talvez por isto, a reação dos argentinos contra as heranças da ditadura tenha sido maior do que no Brasil.

A Lei de Anistia na Argentina foi revista pelos governos pós redemocratização, vários militares foram presos e os abusos foram denunciados. Enquanto no Brasil, a Lei de Anistia continua protegendo os torturadores, os perseguidores e os financiadores da ditadura. Podemos até não prender os culpados, mas não podemos "apagar a história", como foi feito sobre a Escravidão.

Na economia o Brasil está melhor do que a Argentina.
Mas na política os Hermanos são mais arrojados.

Em relação aos meios de Comunicação, tanto na Argentina quanto no Brasil, houve uma grande concentração nas mãos de poucas famílias que apoiavam as ditaduras. Era uma forma de aumentar o apoio popular às ditaduras.

O governo Kirchner teve mais coragem do que os governos eleitos no Brasil pós ditadura, encaminhou ao Congresso argentino um projeto de lei de regulamentação dos meios de Comunicação, que foi aprovado, contestado na Justiça pela direita, e finalmente reconhecido pela Suprema Corte argentina.

No Brasil, nem os governos nem os parlamentares eleitos pós ditadura, tiveram coragem de apresentar um Projeto de Redemocratização da Mídia Nacional. No governo Lula houve uma Conferência Nacional de Comunicação onde as organizações sociais apresentaram um projeto de lei de iniciativa popular por uma Mídia Democrática, que falta conseguir o número de assinaturas necessárias para entrar na pauta do Congresso.

Com o fim da ditadura brasileira, tivemos uma Constituinte; várias eleições presidenciais, um presidente que sofreu ”impeachment”, um outro presidente que teve o mérito de acabar com a inflação galopante, mas implantou o neoliberalismo, privatizando quase tudo; e dois presidentes que tiveram a coragem de promover a maior inclusão social da nossa história, mas não apresentaram um projeto de redemocratização da Comunicação.

O Brasil é sempre assim, tudo demora mais do que nos outros países, mas um dia chega. Ainda bem que temos afirmado que o Brasil precisa deixar de ser o país do futuro.
Afinal, o futuro depende de nós. E o futuro é agora.

De olho no Brasil

Os blogs como alternativa

Se por um lado a gente reclama da imprensa brasileira,
por outro lado, cada vez mais temos orgulho de ver
o crescimento da importância dos blogs independentes.

Vejam que curioso:

Meu blog foi criado pelo pessoal da Escola de Formação do Sindicato dos Bancários de São Paulo para que eu pudesse contar meus "causos". A gente vai ficando velho e os amigos ficam com medo de a gente morrer e não registrar nossos conhecimentos e experiências. Fiquei agradecido e comecei a mexer em tecnologias que nunca tinha mexido antes. Tudo era difícil, menos contar os causos.

O tempo foi passando e todos os dias
eu tenho registrado um "causo" ou mais.

O quê são os "causos"?

São experiências vividas ou observadas que, por serem contadas sob meu olhar, acabam tendo um lado real e outro pitoresco. É uma forma de contar a história de forma lúdica. Minha insistência em escrever todos os dias é para estimular o hábito da novidade. Assim, meus amigos e amigas saberão que diariamente poderão acessar meu blog que terão alguma novidade.

Por exemplo, hoje eu já mostrei que nossa imprensa, (sempre nossa imprensa, que não é nossa, mas é do Brasil, como diz Galvão Bueno), escondeu o maior lucro financeiro da nossa história: O lucro do Itaú.

ainda hoje, ao analisar os números do blog, percebi que o Brasil continua sendo matéria de interesse de todos os países. Fico sempre com a impressão de que "A Terra é nossa pátria", apesar da espionagem americana.

Vejam quantos países e quantas vezes estes países acessaram este blog,
somente de ontem para hoje:

1 - USA - Estados Unidos - 242
2 - Brasil - 170
3 - Ucrânia - 36
4 - Israel - 21
5 - Rússia - 5
6 - Indonésia - 4
7 - França - 3
8 - Suíça - 2
9 - Alemanha - 2
10 - Portugal - 2
11 - Polônia - 1
12 - Espanha - 1

Hoje cedo nosso blog já chegou a 269.403 acessos e 96 países.
Tudo isto em apenas três anos.
Eu fico com a impressão de que meus amigos estão certos,
eu devo ter algo a dizer ou a mostrar.

Ontem, para aliviar a urucubaca, mostrei as pequenas flores de outubro.
Quando cheguei em casa, o jardineiro tinha podado as plantinhas e a árvore.Fiquei mais triste do que alegre, mesmo sabendo que as podas são fundamentais.

As podas das plantas, são como esta história de "liberdade de manifestação",

Quando a imprensa, a direita, o judiciário e a polícia querem criar o caos nas cidades,estimulam as manifestações e o quebra-quebra.
E todos dizem que é para garantir o direito às manifestações.
Quando querem reprimir em defesa de seus patrimônios e das políticas conservadoras,baixam o cacete em tudo e em todos, alegando que a população está sendo prejudicada pelos vândalos.

Democracia, Liberdade, Direitos Humanos, Propriedade Pública e Privada, tudo vira conveniência...
Isto que é mais triste.
Quantos crimes cometem em nome desta tal Democracia...

Mas ainda não descobriram nada melhor do ela.

Itaú - Imprensa esconde o lucro

Fazendo o jogo do patrão

Lucro não é usura. Ter um grande lucro, ou mesmo um lucro enorme deveria ser motivo de muita comemoração. Curiosamente, mesmo a imprensa tendo destacado os resultados trimestrais do Bradesco e do Santander, quando chegou a vez do resultado do Itaú, a imprensa amarelou...

Ontem saiu uma nota pequena no site do jornal Valor. O lucro foi o maior da história dos bancos no Brasil. Publiquei o resultado neste blog e deixei para dar mais detalhes quando os jornais publicassem as análises hoje.

Curiosamente não vi nada na capa da Folha e também do Estadão.
Quando fui olhar nos cadernos de Economia e Negócios, as matérias eram sobre Sistema Financeiro, Bancos e Greve dos Bancários. Isto é, matérias pautadas pelos bancos. O Itaú é mesmo poderoso!

Vejam a manchete da Folha , na página B4, do Caderno Mercado:

"Banco privado evita risco e preserva lucro"

A linha abaixo diz o seguinte, em letras pequenas: "Itaú lucra R$4,02 no terceiro trimestre, auxiliado por crédito imobiliário, consignado e para grandes empresas"

Só isto? O tamanho do lucro não diz nada, Folha de São Paulo?

Depois vem outro título:
Greve bancária reduziu crédito ao consumidor.

Que vergonha! Defendendo os patrões banqueiros!

Já o Estadão, que se diz "muito mais jornal", não fica atrás da Folha.
Dá capa do caderno de Economia & Negócios...

Manchete: "Grandes bancos trocam crédito mais arriscado por consignado e imobiliário"

Segunda matéria da capa do caderno de economia: "Greve dos bancários leva clientes a pagar mais por empréstimo"

Que vexame! Devem ter copiado o release enviado pela Fenaban!

Lá no rodapé da capa do Caderno de Economia do Estadão vem uma chamadinha em negrito:

"Itaú tem lucro recorde no terceiro trimestre - Pág. B3"

E na página B3, precisamos fazer justiça, a matéria do Estadão está melhor do que a Folha.

Ainda não olhei o jornal Valor.
Vou fazer mais tarde e dependendo da matéria farei um novo texto para o blog.

Estas coisas da nossa imprensa e mesmo dos bancos sempre me deixaram intrigado. O que faz mais mal à liberdade de informação, é o mercantilismo da nossa imprensa ou é a capacidade corruptora dos grandes bancos e empresas?
O leitor pode dizer: os dois.

Como dizia um professor brilhante:
"O poder não corrompe,o poder revela".

Esta é a doença brasileira:
A corrupção é parte da nossa cultura e da nossa história.

Por isto que, apesar de o Itaú e a imprensa esconderem o maravilhoso lucro do Itaú, eu adoro quando vou acessar minha conta e vejo com grande destaque a propaganda estimulando os adultos lerem para as crianças.

Só uma grande revolução no conteúdo da Educação Nacional transformará o Brasil numa grande Nação.
O brasileiro, rico ou pobre, gaúcho ou baiano, negro ou branco, ainda tem pouco espírito de Cidadania.

Não sei se o Itaú faz a propaganda e a campanha educativa por Espírito Cidadão ou por desencargo de consciência, mas eu acho que, em termos de propaganda, o Itaú ainda é o melhor do Brasil. Mesmo quando "compra" a imprensa...

Se eu fosse o governo, contrataria a agencia de propaganda que trabalha para o Itaú.
Tudo seria maravilhoso, o crédito seria consciente, o pessoal do Itaú pararia de falar mal do governo e construiríamos um país mais moderno e internacional.

Como eu disse ontem:
Nunca na História deste país os bancos ganharam tanto dinheiro.
Mesmo quando o presidente é um operário que fez o melhor governo
da nossa história e quando temos a primeira mulher presidente do Brasil.

Faz parte do processo de aprendizagem democrática.
Todos estamos aprendendo com as nossas contradições e diversidades.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Flores em Outubro

Pequenas Flores do Jardim

Os dias vão ficando mais intensos, com muito trabalho, trânsito ruim, mais IPTU, demandas pessoais; e a vida cultural vai ficando para segundo plano. É assim que as pessoas adoecem, ficam chatas e perdem amizades importantes.

No mês de Outubro tivemos várias greves, leilão do Libra, campanhas eleitorais na imprensa, novos partidos e novas delongas, espionagem americana, economia no vai-e-vem e outras coisas mais.Além do mal futebol do Corinthians.

Mas, apesar de tudo e de todos,
as flores continuam brotando e esperando ser admiradas...

Vejam que belezinhas:


Tão brancas e tão belas.

Agora vejam o mesmo tipo de flores, com outra cor.


Belas e coloridas.

Agora vejam os dois tipos juntas.


Se todas fossem iguais, não teria graça.
Diferentes, fazem a vida mais atraente.

Se vale para as flores,
Vele também para as pessoas.
Sejamos tolerantes e respeitosos com as diferenças.

Quem venha Novembro...

Itaú ganha 4 bi em 3 meses

Nunca na história deste país
um banco ganhou tanto dinheiro.

A farra financeira começou com FHC com seu PROER, as tarifas bancárias e as privatizações dos bancos estaduais. Os bancos começaram a ganhar mais do que antes, depois os enormes lucros continuaram nos governos Lula e Dilma, chegando as casas dos Bilhões por mês de lucro líquido.

Os banqueiros não têm o que reclamar!

Já os bancários continuam com as metas abusivas, demissões e pressões diárias…
É preciso combater as terceirizações e as más condições de trabalho.

Vejam a informação do site do jornal Valor
sobre o lucro do Itaú neste ultimo trimestre.
O maior da história do Brasil!

Itaú Unibanco tem maior lucro trimestral de sua história

Valor – 29/10/2013
Por Carolina Mandl | Valor

O Itaú Unibanco apresentou nesta terça-feira aos investidores seu maior lucro líquido histórico pelo menos desde a fusão que resultou na criação do maior banco privado do país no fim de 2008.

A instituição registrou lucro líquido de R$ 3,995 bilhões no terceiro trimestre, alta de 18,5% em relação ao mesmo período do ano passado e de 11,5% em relação ao segundo trimestre deste ano.

Segundo dados da Economática, o lucro do Itaú Unibanco também foi o maior para um terceiro trimestre entre os bancos do país de capital aberto.

O resultado ajustado do banco, de R$ 4,022 bilhões,
veio acima do que esperavam os analistas consultados pelo Valor.
Segundo reportagem publicada em 18 de outubro,
os analistas esperavam um lucro de R$ 3,755 bilhões.
Em termos de inadimplência, o banco também atingiu
o nível mais baixo de calotes desde a fusão Itaú Unibanco, com 3,9%.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Santander fechou 1.124 vagas em três meses

Enquanto o Itaú e o Bradesco crescem

O Santander perde competitividade.
Não sabemos se é em função de transferir dinheiro para a Espanha ou se é falta de competência mesmo.
O fato é que a situação do banco em relação aos dois principais bancos privados vai se distanciando. Se compararmos com o BB e a CEF a situação é a mesma.

E pensar que o Banespa, o Real e o Noroeste eram bancos competitivos e que o povo de São Paulo, Minas e outros estados gostavam muito...

Enfim, vejam o que diz o site do Sindicato dos Bancários de São Paulo:

Santander fechou 1.124 vagas no trimestre

Banco espanhol divulgou balanço em que mostra a diminuição de agências, de empregados e dos lucros

São Paulo – Balanço divulgado pelo Santander nessa quinta-feira mostra que o banco continua com sua política de demissões. Nos últimos 12 meses, fechou 4.542 postos de trabalho, sendo 1.124 apenas nos últimos três meses.

O lucro líquido gerencial do Santander totalizou R$ 4,335 bilhões no acumulado até setembro de 2013, o que representa redução de 8,9% em doze meses e 0,2% no trimestre.

As receitas de prestação de serviços e tarifas bancárias atingiram R$ 7,828 bilhões, com alta de 9,3% em relação aos nove primeiros meses de 2012. Somente com essa receita, o Santander cobre 148% do total de despesas de pessoal do banco (inclusive PLR). No mesmo período do ano passado, a cobertura foi de 131%.

“A redução do número de funcionários tem aumentado a sobrecarga daqueles que ficam no banco, o que gera mais adoecimento e muita insatisfação dos clientes, fazendo com que o Santander seja o primeiro colocado em reclamações no Banco Central. Pois reduziram o número de funcionários, mas o número de contas correntes e de clientes não para de aumentar”, afirma o diretor do Sindicato, João Roberto de Almeida.

Os números apresentados pelo balanço do banco espanhol corroboram a tese do sindicalista.
Nos últimos 12 meses, o banco conquistou 2,1 milhões de novos clientes e ampliou o número de contas correntes em 1,5 milhão.

Cortes à vista – Nesta quinta 24, o banco espanhol afirmou que irá cortar despesas em 1 bilhão de euros até 2016, dos quais 400 milhões de euros – cerca de R$ 1,2 bilhão – serão podados na operação brasileira.

O anúncio foi feito em teleconferência por Javier Marín, presidente mundial do Santander. Segundo ele, o corte é necessário para melhorar a “eficiência dos custos”. O executivo também criticou o aumento de 8% obtido pelos bancários. “O acordo coletivo deu um aumento de 8% no Brasil”, disse. “Por isso, é tão importante colocar em prática todas as medidas para que o Brasil tenha um custo de negócio similar a outros países em que operamos”, disse.

O Sindicato repudia as declarações do executivo do banco espanhol.

“A operação Brasil é o que vem segurando os lucros do banco mundialmente. Em contrapartida, o que eles oferecem? Mais desrespeito aos trabalhadores brasileiros. Não faz sentido apontar os eventuais cortes como consequência do resultado da greve, pois eles já estavam ocorrendo antes da campanha”, aponta João Roberto de Almeida.

Renato Godoy – 24/10/2013
- See more at: http://www.spbancarios.com.br/Noticias.aspx?id=6083#sthash.gYNkRJl1.dpuf

domingo, 27 de outubro de 2013

Leonard Cohen na Serafina da Folha

O melhor do dia

Estranho, muito estranho.
Depois de folhear dois volumosos jornais de domingo, a Folha e o Estadão, a gente chega a conclusão que alguma coisa está errada. A única matéria que consegui ler inteira foi a ótima reportagem publicada não no jornal, mas na Revista Serafina, que faz parte de Folha de São Paulo.

O que faz com que um longo artigo com ótimas fotos sobre uma personagem lendária e histórica seja o melhor artigo do dia, ainda mais publicado numa revista que começou chatíssima e hoje vem se transformando num referencial cultural?

Talvez sejam os sinais dos tempos. Como ainda não sei publicar o “LEIA AQUI”, reproduzo o link para voces copiarem e colarem:
http://www1.folha.uol.com.br/serafina/2013/10/1362066-conheca-leonard-cohen-o-bob-dylan-com-fas-menos-histericos.shtml

A Folha ainda é o retrato da vanguarda nacional. Esquizofrênica, oportunista, puxa-saco de tudo que os Estados Unidos fazem, mas continua sendo a vanguarda atual no Brasil. O tradicional na forma de fazer jornal continua sendo o Estadão. Embora, ambos, a Folha e o Estadão, quando chegam as campanhas eleitorais fiquem INSUPORTÁVEIS!

Mas agora o assunto é cultura. Não vou publicar toda a matéria porque fica muito grande. Procure ler no link acima, na internet ou no próprio jornal. Vale a pena...

Leonard Cohen, o ídolo com fãs zen,
prepara novo álbum e planeja tocar no Brasil


DANIEL BENEVIDES -DE DUBLIN
Folha – Serafina – 27/10/2013

Leonard Cohen tinha dois shows marcados em Dublin, capital da Irlanda, e eu estava lá. A cidade toda parecia estar influenciada por sua presença. Era como esses filmes em que alienígenas se apossam dos habitantes.

Achei que a qualquer momento passaria uma fila de crianças cantando "Hallelujah", talvez sua canção mais marcante. Cidade de escritores, poetas e dramaturgos importantes como James Joyce (1882-1941), W.B.Yeats (1865-1939), Oscar Wilde (1854-1900) e Samuel Beckett (1906-1989), entre outros, Dublin parece exalar literatura, e talvez essa seja a explicação para tanta intimidade com o bardo canadense.

Logo no primeiro táxi que tomei, o motorista começou a cantar "Suzanne", outra de suas músicas mais famosas, regendo com uma mão, a outra no volante. Enquanto bebia uma Guinness no pub que James Joyce frequentava, o The Bailey, na rua Duke, ouvi duas garçonetes falarem sobre os shows daquela semana, na grande casa O2. Até a recepcionista do hotel ficou encantada quando eu disse que viera só para isso.

Não havia combinado nada, mas queria tentar entrevistá-lo. Teria de ser no improviso, como um solo arriscado de jazz. Ou no grito. Mas estava animado. Sabia que ele simpatizaria com a ideia de falar com alguém que viera de tão longe só para isso. Eu estava preparado. E a cidade parecia querer ajudar.

AO VIVO
Está em seu melhor momento.
O álbum "Old Ideas", desse ano, entrou direto no topo da parada em nove países. E as turnês de 2008/2010, 2012 e a atual vêm lotando todos os lugares por onde passa. E tudo isso começou por causa de um roubo fabuloso. Voltando de seu tempo de reclusão zen, descobriu que Kelley Lynch, sua empresária por 17 anos e eventual amante, havia zerado sua conta no banco. Mais de cinco milhões de dólares sumiram. Ele a demitiu imediatamente e a processou. No ano passado, depois de várias ameaças a Cohen e sua família, ela foi presa e condenada a 18 meses numa penitenciária.
A necessidade foi a mãe da nova situação.

Logo no primeiro ano de shows, 2008, o rombo foi coberto com sobras, as críticas foram unânimes e o público afluiu com um entusiasmo que parecia acumulado ao longo dos tempos. Cohen faz por merecer. Os shows que duram três horas e meia, e a qualidade das músicas e dos músicos é excepcional, mas o que emociona mesmo é a disposição daquele senhor elegante, que faz as ideias e os sentimentos mais complexos parecerem simples. A ordem das músicas segue uma narrativa, percorrendo todas suas fases, mas com doses de humor. Não faltam os clássicos mencionados acima e ainda "I'm your Man", possivelmente a melhor cantada em forma de canção já feita, "So long, Marianne", sobre sua primeira relação duradoura e a crítica arrasadora ao mundo atual, "The Future".

Consegui ficar bem perto do palco, junto aos fotógrafos, e pude observá-lo (e à banda) em cada detalhe. Seus gestos seriam teatrais, não fossem tão sinceros: ora ergue o punho, enfatizando cada sílaba das letras, ora ajoelha-se para se entregar ao sentimento das canções. Tira o chapéu e o coloca no peito para ouvir os solos de seus músicos. E faz piadas (depois de um intervalo de vinte minutos, ele volta, olha para a plateia e comenta: "Que bom que vocês continuam aí. Fiquei com receio de que tivessem ido embora").

SATISFAÇÃO GARANTIDA
O público acompanha, hipnotizado.
Não há histeria, mas uma comunhão prazerosa. Na juventude, como descreve em seu livro "A Brincadeira Favorita" (1963), aprendeu a hipnotizar. É o que parece fazer, do palco, com o público, com os músicos, consigo mesmo. Sacro e profano, irônico e lírico, alegre e melancólico, é santo e sátiro ao mesmo tempo, com todas as gradações possíveis entre esses polos.

Cohen volta seis, sete vezes ao palco, sempre dançando, com ar genuinamente feliz. Canta "I tried to leave you" (Tentei te deixar), de um de seus melhores álbuns, "New Skin for the Old Ceremony", de 1974, e enfatiza o verso "I hope you're satisfied" (espero que estejam satisfeitos). Para o ponto final da narrativa, Cohen e banda tocam "Closing Time" (hora de fechar), do disco "The Future", de 1992. Perfeito. Sim, todos estão satisfeitos.

Ainda no hotel, Roscoe Beck, o baixista e maestro da banda, e Mitch Atkins, o guitarrista, comentaram sobre a diferença dessa turnê e da série de shows que fizeram em 1979/80 e que estão no disco ao vivo "Field Commander Cohen":

"Naquela época era uma loucura. Bebidas, drogas, mulheres. A música era mais improvisada, cada show era diferente. Agora é mais tranquilo. Prefiro agora", diz Mitch, com um sorriso. Ele, Beck e Más confirmam que Cohen prepara um disco novo: "às vezes ele chega com um tema no ensaio e tocamos por 45 minutos, até chegar no ponto. É uma das coisas que aprendi com ele: o valor da repetição, que remete à música árabe", diz Más.

Nos shows ele tem arriscado uma das músicas novas, "I've Got a Secret", um blues quase tradicional, que canta com entusiasmo juvenil. Até o final do ano, a partir de novembro, a turnê passa ainda pela Austrália e Nova Zelândia. Beck revela que querem muito vir ao Brasil, mas não sabem se será possível: "Falamos sempre em ir à América do Sul e África, continentes aos quais nunca fomos.

E o Brasil é sempre mencionado com interesse especial.
Quem sabe?".

sábado, 26 de outubro de 2013

Obama espiona amigos e inimigos

Crise de Autoridade

Yes, we can!
Este slogan da primeira campanha eleitoral de Obama, mais o fato de ele ser o primeiro candidato negro com condições reais de ser eleito, criou uma grande expectativa no mundo todo.

Todos torciam para Obama.

Afinal, seriam duas grandes mudanças: Primeiro ver eleito o primeiro negro da história americana; segundo mudar a política interna e externa dos Estados Unidos, pós Bush, um presidente que denegria a imagem do país.

Yes, Obama foi eleito. But he can´t!
Ele não pode ou não quer, sob o pretexto da crise econômica, enfrentar o poderio militar e econômico dominante e subordinou-se às regras do jogo americano.

Fez somente o Obamacare, o plano de saúde e manteve a economia no "banho maria", sobrevivendo.
Melhorou a ocupação no Oriente Médio, mas não democratizou os países ocupados. Pelo contrário, a desordem continua e aumentou com o fim da "Primavera Árabe".

E agora, para aumentar ainda mais o desgaste de Obama e dos Estados Unidos,
aparece o fogo amigo, isto é, espionagem de celulares pessoais de pessoas como Angela Merkel da Alemanha e outros 34 governantes amigos.

Amigos?
Quem tem amigo como este, não precisa de inimigos!

Foi assim que o Império Romano foi definhando...
Bastavam as orgias dos senadores e dos generais romanos.
Os "bárbaros" encontraram os caminhos desprotegidos
e o povo desmotivado.

Mesmo considerando que a História não se repete,
ela muda na forma e no conteúdo,
decadências são sempre decadências,
mudando apenas os nomes dos países e o tempo que dura a doença.

Angela Merkel tem motivos de sobra para ficar descontente.
Dilma também, apesar dos colonizados serviçais aos colonizadores.
Alemanha e Brasil podem sinalizar novas esperanças para o mundo.

O tempo dirá...

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Disputa eleitoral e Pesquisas

O Povo e a Imprensa

A Imprensa deve achar que o "povo brasileiro não lê, não ouve e não vê",
como dizia o slogan de uma livraria antiga em São Paulo, na época da ditadura militar.

Com o noticiário falando mal de Dilma, do PT, da economia, da violência e de tudo mais durante 24 horas por dia, como é que se explica que, nas pesquisas, o povo ainda prefere Dilma e o PT à oposição?

Como é que FHC e todos seus sociólogos explicam isto?
"Alguma coisa está fora da ordem", já dizia o velho Caetano.

Como a última pesquisa é do IBOPE com o ESTADÃO,
vou pegar algumas notícias do Estadão:

Manchete principal do jornal:

Dilma venceria Campos e Aécio no primeiro turno, diz Ibope.

Linha abaixo do título:

Com Marina no lugar do governador de Pernambuco (?), porém, oposição TERIA mais chance de ir para segundo turno.
(Nota do Blog: o governador de Pernambuco não tem nome? O candidato é Pernambuco ou Eduardo Campos?)

Chamada em negrito:

Improvável não é impossível"
O ex-governador José Serra (PSDB) admitiu ontem, em Salvador, que "gostaria" de ser presidente da República.
Ao ser questionado sobre a definição do candidato tucano em 2014, ele observou que "o improvável não é impossível".

O melhor é a introdução da matéria principal:

"Pesquisa Ibope realizada em parceria com o Estado mostra que, se as eleições fossem hoje...

Dilma Rousseff (PT) VENCERIA COM FACILIDADE,

E NO PRIMEIRO TURNO, seus prováveis adversários.

Observações do Blog:

Com Marina Silva no lugar de Campos, porém, a oposição reforçaria AS CHANCES de levar a disputa para o segundo turno.
Em uma eventual segunda rodada, porém, DILMA VENCERIA COM FOLGA Marina, Campos, Aécio e José Serra (PSDB).

Pronto! Não precisa dizer mais nada.

O governador de Pernambuco, que depois aparece na reportagem como Campos, deve ser substituído por Marina para que PORÉM, TODAVIA, EVENTUALMENTE, a oposição tenha alguma chance de ir para o segundo turno e, DENTRO DO POSSÍVEL, ter alguma chance de ser competitivo.

O detalhe é o seguinte:

Se o Povo não é capaz de entender as orientações da Oposição e da Imprensa, é preciso TROCAR O POVO.
Isto é, como o povo "não sabe votar". Portanto, tira-se o direito de o povo votar. Pronto! Assim a oposição tem chance real de voltar a ser presidente do Brasil.
Como fizeram em Honduras, no Paraguai,no Iraque, e mais atrás, no Brasil, no Chile, na Argentina, etc.
Tudo em nome de o povo não saber escolher seus representantes...

O Estadão, quando quer, consegue ser muito mais objetivo que a Folha.
O Estadão não gosta de ficar dissimulando, tergiversando, misturando versões com fatos. O Estadão vai direto ao assunto."É muito mais jornal!"

Por isto que eu leio diariamente o Estadão, a Folha, o Valor e dou umas olhadas no Globo.
Cada um tem uma forma especial de "traduzir os assuntos", principalmente se forem políticos partidários e contra o PT.

Ainda bem que "a voz do povo ainda é a voz de Deus"
e Deus não gosta que o proíbam de escolher seus representantes.

Que venha 2014!
Dá-lhe Dilma!

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Leilão de Libra – Conteúdo Nacional?

Geração de Trabalho e Renda NO BRASIL

Passado o Leilão e a vitória da proposta do Governo Dilma, o grande desafio agora é que as empresas responsáveis pelo Consórcio, mais a ANP – Agência Nacional de Petróleo, garantam que as encomendas sejam feitas no Brasil e para empresas no Brasil, gerando trabalho e renda para os brasileiros.

O presidente da CUT, Vagner Freitas,
já avisou que vai conversar com a presidente Dilma.


Vejam o texto do site da CUT.

"Queremos fazer parte da gestão dos recursos de Libra”, afirma presidente da CUT

Após o leilão do maior campo de petróleo da área do pré-sal, Vagner Freitas afirma que Central fiscalizará o direcionamento dos recursos

CUT – 22/10/2013

Após o leilão do campo de petróleo de Libra, o maior já descoberto no Brasil e primeiro no pré-sal, as atenções voltam-se ao processo de exploração e na forma como os recursos serão investidos no Brasil.



Durante reunião da Direção Executiva da CUT, nesta terça-feira (22), o presidente da Central, Vagner Freitas, destacou a necessidade de discutir como será o processo de extração de gás e petróleo e de constituir um comitê de gestão com a presença dos trabalhadores.



Uma das preocupações é que o consórcio formado pelas chinesas CNPC e CNOOC, pela anglo-holandesa Shell, pela francesa Total e pela Petrobrás* tenham como prioridade a geração de empregos no país por meio de ações como a compra de navios brasileiros.



De acordo com Vagner, os trabalhadores enviarão uma carta à presidenta Dilma Rousseff para solicitar uma audiência com a CUT e a Federação Única dos Petroleiros (FUP).



“Queremos fazer parte da gestão desse patrimônio e queremos mostrar à presidenta que temos proposta no pós-leilão. Além disso, é necessário saber como é poder de veto da Petrobrás, qual papel terá nesse processo, qual a estratégia para fazer com que os recursos do pré-sal sejam investidos na educação, na saúde e na distribuição de renda”, afirmou.

Greve dos Petroleiros conquista 8,56% e muito mais

Moraes da FUP e Vagner Freitas da CUT comemoram vitória

Mais uma categoria em greve conquista grandes vitórias nas campanhas salariais deste ano. A CUT e seus sindicatos filiados, continuam sendo a principal direção dos trabalhadores em luta por melhores salarios, melhores condições de trabalho e melhores condições de vida.

Parabéns aos Petroleiros de todo Brasil!

Vejam a Nota da FUP – Federação Única dos Petroleiros, publicada no site da CUT – Central Única dos Trabalhadores:

Petroleiros conquistam 8,56% de aumento,
compromisso da Petrobrás de não retaliar
trabalhadores e indicam fim da greve

Na maior parte do país, assembleias aprovaram acordo e suspenderam a paralisação

Federação Única dos Petroleiros (FUP) – CUT
23/10/2013

Após pressão da FUP e de seus sindicatos, exigindo que a Petrobrás e subsidiárias garantissem por escrito que não haverá retaliações contra os grevistas, a empresa apresentou na madrugada desta quarta-feira, 23, uma nova redação, se comprometendo a não punir os trabalhadores em greve.



Por considerar que a proposta conquistada pela categoria na luta tem avanços significativos e atende às principais bandeiras desta campanha,

a FUP e seus sindicatos indicam a sua aprovação e suspensão da greve.

A greve nacional realizada pelos petroleiros, com parada de produção em várias unidades, já entrou para a história do movimento sindical brasileiro e pautou na sociedade a importância do petróleo para a soberania da nação.

Ao transformarem a greve no principal enfrentamento ao leilão de Libra,
os petroleiros politizaram a campanha reivindicatória,
assim como fizeram na greve de maio de 1995,
que foi determinante para impedir a privatização da Petrobrás.



Agora em outubro de 2013, mais uma vez os petroleiros fazem história.

A força da greve foi fundamental para fazer a empresa avançar na mesa de negociação e arrancar uma proposta com avanços significativos, inclusive o fundo garantidor para os trabalhadores terceirizados, uma conquista fundamental para fortalecer a luta da categoria contra o PL 4330.

Antes da greve, a Petrobrás sequer tinha respondido aos principais pleitos dos petroleiros.
Ao atenderem ao indicativo de greve da FUP, os trabalhadores alteraram completamente a correlação de forças com a empresa, fortalecendo as direções sindicais no processo de negociação.



Respaldada pela greve, a FUP rejeitou em mesa a segunda proposta da Petrobrás e buscou ao longo de toda esta terça-feira, 22, os avanços cobrados pelos trabalhadores.
A terceira proposta, arrancada na mesa após mais de cinco horas de negociação, além das conquistas econômicas e sociais, garantiu o abono de metade dos dias parados e a compensação dos demais, sem reflexos para os trabalhadores.



O Conselho Deliberativo da FUP, no entanto, considerou ainda insuficiente, já que a Petrobrás não tinha amarrado por escrito o compromisso de que não haverá punições, aos trabalhadores que fizeram a greve. Esse ponto foi considerado essencial pelas direções sindicais para deliberarem pelo indicativo de aceitação.
Por volta das 21h de terça-feira, 22, a FUP retornou à Petrobras e deu início a mais uma etapa da negociação, buscando a garantia da empresa de que não haverá punições aos petroleiros grevistas.

Somente na madrugada desta quarta, 23, a empresa encaminhou uma nova redação, assumindo esse compromisso.



Principais avanços:

– O reajuste de 8,56% na Remuneração Mínima por Nível e Regime (RMNR), que significa um ganho real entre 1,82% e 2,33%, é um dos maiores conquistados pelas categorias em campanha.

Antes da greve, o reajuste proposto pela Petrobrás era de 7,68%. O ganho real arrancado pelos petroleiros na luta é superior, por exemplo, ao dos metalúrgicos e ao dos bancários, mesmo após 20 dias de greve.



A proposta conquistada também garantiu avanços importantes para os aposentados e pensionistas, como o atendimento do pleito histórico da FUP de isonomia dos três níveis salariais recebidos pela ativa nos acordos de 2004, 2005 e 2006. Antes da greve, a proposta da Petrobrás era de remeter essa reivindicação para uma comissão se posicionar em 180 dias.

A nova proposta garantiu o pagamento dos níveis para todos os aposentados e pensionistas com ações transitadas em julgado.

A greve foi também preponderante para sepultar de vez o famigerado GD, uma das heranças malditas da era FHC.

A nova proposta atende a um pleito antigo do movimento sindical de avanço automático de Pleno para Sênior, nas carreiras de nível médio, nos mesmos moldes praticados para os trabalhadores Júnior.

Na campanha passada, a FUP já havia conquistado o avanço automático de nível a cada 12, 18 e 24 meses. Soma-se a isso, a conquista de mais uma dobradinha, garantindo o retorno do extra-turno de todos os feriados nacionais laicos.

Além disso, a nova proposta avança no sentido de ampliar a igualdade de direitos entre os trabalhadores das subsidiárias e da holding.

Após anos de cobrança da FUP, a Transpetro concordou, finalmente, em garantir a AMS para os aposentados e pensionistas, pleito que também será extensivo aos trabalhadores da Petrobrás Biocombustível.



Outra conquista importante, principalmente para os aposentados e pensionistas, é a reformulação do benefício farmácia, que passará a custear integralmente os medicamentos para todos os petroleiros, inclusive das subsidiárias. Em contrapartida, os beneficiários terão um desconto fixo mensal com valores entre R$ 2,36 e R$ 14,17, de acordo com a faixa de renda.



Conquistas arrancadas na greve:



• Reajuste de 8,56% na RMNR, o que representa ganho real entre 1,82% e 2,36%.




• Abono salarial de uma remuneração, sendo que o menor valor pago será de R$ 7.200,00.


• Reajuste de 8,56¨% dos adicionais, gratificações, benefícios educacionais e do Programa Jovem Universitário.

• Abono de metade dos dias parados e compensação do restante, com o compromisso da Petrobrás e subsidiárias de que não haverá reflexos dos dias parados, nem punições contra os grevistas.



• Extensão para os aposentados e pensionistas que tenham ações transitadas em julgado dos três níveis conquistados pelos trabalhadores da ativa nos acordos de 2004, 2005 e 2006. Para os demais casos, a Petrobrás apresentará uma proposta em 180 dias.

• Extra-turno – pagamento das horas extras do feriado de 21 de abril para os trabalhadores do turno, garantindo, assim, a retomada das dobradinhas de todos os feriados nacionais laicos.

•

Fundo garantidor – a Petrobrás compromete-se a exigir das empresas prestadoras de serviço caução, seguro garantia ou depósito bancário no valor equivalente de 1% a 5% do valor global do contrato.

• PCAC – implementação a partir de julho de 2014 do avanço automático de Pleno para Sênior nas carreiras de nível médio no final da faixa, nos mesmos moldes do que já é praticado para os trabalhadores Júnior.



• Benefício Farmácia – a Petrobrás concorda em custear integralmente os medicamentos para todos os trabalhadores, aposentados e pensionistas, com desconto fixo mensal de R$ 2,36 a R$ 14,17, de acordo com a faixa de renda. A Transpetro e a Petrobrás Biocombustível se comprometem a implementar o benefício para todos os seus trabalhadores, inclusive aposentados e pensionistas.

• Extensão da AMS para os aposentados da Transpetro e da Petrobrás Biocombustível até junho de 2014.

•

* Pagamento de 100% das horas extras dos trabalhadores da manutenção e do regime administrativo.

• Auxílio alimentação – além do reajuste de 10,24%, a Petrobrás concordou com o pleito da FUP em garantir o direito do trabalhador optar entre receber o valor em dinheiro, vale refeição ou em vale alimentação. No caso de vale refeição, fica mantido o mesmo valor do auxílio (R$ 831,16), mas para o vale alimentação, a empresa informou que respeitará o limite legal.



• Licença paternidade de 10 dias, extensão da licença maternidade para as mães de prematuros pelo mesmo período em que o bebê permanecer internado após o parto

• Extensão do Programa Jovem Universitário para todos os cursos de nível superior e ampliação para mais um mês em cada semestre da cobertura das despesas com compras de livros dos estudantes de universidades privadas.



• Restabelecimento do convênio da Petrobrás com o INSS para pagamento dos benefícios da Petros
– a empresa se compromete a enveredar todos os esforços necessários para a retomada do convênio.

• Plano Petros-2 - a empresa implantará alternativa, opcional ao participante, para reduzir o impacto da defasagem de implantação entre o Plano Petros 2 e a opção pelo BPO, considerando a diferença das contribuições realizadas nesse período. A Petrobrás Biocombustível se compromete a implementar em 2014 o serviço passado dos participantes do Plano Petros-2.

• Regimes e jornadas – a empresa concorda em retirar da proposta a jornada de 4x3 e remete para a Comissão de Regimes e Jornadas a discussão de um acordo nacional nas paradas de manutenção.



quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Dilma vetou a carreira para Médicos?

Festival de Meias Verdades

A UOL, que é da Folha de São Paulo, resolveu mais uma vez aprontar uma grande confusão contra o Governo de Dilma e do PT. Desta vez colocou em destaque que “Contra CFM e PSDB, Dilma veta a criação de carreira para médicos”. E discorre sobre o assunto usando argumentos do CFM e de tucanos... Não ouviu ninguém do governo, nem do PT.

Só que quando a gente vai pesquisar o assunto,
vemos que a coisa não é bem assim.

"O único veto presente na Lei é em relação ao parágrafo primeiro do artigo 16, cujo conteúdo foi incluído na medida provisória por meio de uma emenda aprovada pela Câmara dos Deputados.

O artigo previa a criação de uma carreira pública para os médicos intercambistas participantes do programa.
Isto é, “carreira pública para médicos intercambistas” é diferente de Carreira Pública para todos os Médicos servidores públicos federais." Cópia do artigo no site do Ministério da Saúde.

No dia 1º. De Agosto de 2013, publiquei neste blog, vejam o link abaixo, um post com o título “Médicos, Mais Médicos e Mais Amigos”, onde abordei a polêmica da importação de médicos e reproduzi uma carta do Professor titular da FCM da UNICAMP, Campinas-SP, Gastão Wagner de Sousa Campos, com o título: "A SAÚDE, O SUS E O PROGRAMA MAIS MÉDICOS"

http://www.gilmarcarneiro.com/2013/08/medicos-mais-medicos-e-mais-amigos.html

... onde o professor Gastão faz a seguinte observação sobre
a importância da Carreira para os Médicos da Atenção Básica:

"Por que não propor uma carreira para os médicos da atenção básica?

Uma carreira do SUS, com cofinanciamento da União, Estados e Municípios. Fazer concursos por estado da federação Criar um interstício de cinco anos em que o medico estaria obrigado a permanecer no posto. Depois, antes de outro concurso, ele poderia escolher outra localidade ou outro posto.

A queixa das entidades médicas em relação ao modelo de contratação tem sentido
e conduzirá o programa ao fracasso. Além do mais, já é hora de criar-se uma política de pessoal decente para o SUS. Temos recursos e proposições factíveis que combinam a cobrança de responsabilidade sanitária, para médicos e outros profissionais, com autonomia profissional.

Merece ainda nosso apoio a preocupação com a formação dos médicos segundo métodos empregados em países com sistemas públicos de saúde, no caso, aumentando estágio na atenção primaria ou básica."

Portanto, são duas discussões:

1 – Uma carreira pública para os intercambistas;e/ou

2 – Uma carreira pública para todos os médicos, reconhecidos e exercendo profissão no país e que têm vínculos com o serviço público por concurso. Não são temporários.

Mas este debate está contaminado pelas eleições e a imprensa tem partido e candidatos.
Só não tem coragem de assumir suas posições, manipulações e fracassos. Ainda bem que existem as redes sociais, embora ainda não tenhamos uma justiça que, em vez de censurar biografias, obrigasse os caluniadores a pagar pesadas multas que dificultassem a manutenção das manipulações.

Para ajudar a sentir o clima hostil do debate, reproduzo parte significativa da matéria da UOL-Folha, um comentário publicado logo abaixo da matéria da UOL-Folha e também parte da matéria publicada no site do Ministério da Saúde.

Leiam os textos abaixo, se quiserem mais detalhes, procurem nos sites respectivos e escolham as posições baseadas no conjunto de informações opostas.

A verdade na imprensa atual, como na guerra, é a primeira vítima, já dizia um grande jornalista inglês.

Contra CFM e PSDB, Dilma veta criação de carreira para médicos
Do UOL - Em São Paulo
23/10/201319h49 > Atualizada 23/10/201320h20

O Conselho Federal de Medicina (CFM) sofreu uma nova queda de braço nesta quarta-feira (22), com a publicação no Diário Oficial da União da lei que institui o programa Mais Médicos. O texto veta a criação de uma carreira para médicos, algo que vem sendo pleiteado pela categoria há anos. O ponto, segundo o CFM, teria sido acordado antes da aprovação da lei - algo que havia amenizado as críticas da entidade ao governo nas últimas semanas.

Após pedir na Justiça a suspensão do Mais Médicos e organizar manifestações contra o programa federal, o presidente do CFM (Conselho Federal de Medicina), Roberto Luiz D'Ávila, havia recuado e afirmado, no início do mês, que a classe médica saíra vitoriosa no texto aprovado na Câmara dos Deputados e encaminhado ao Senado.

"A nossa proposta sempre foi de uma carreira de Estado para fixar no interior, (...) mas com possibilidade de progressão na profissão e depois poder vir para cidades maiores e ser substituído por outros", explicou D'Ávila, na ocasião.
Segundo Carlos Sampaio líder do PSDB na Câmara, ao vetar a emenda o governo sinaliza que não tem interesse em estabelecer uma carreira médica no país. "O governo fez uma verdadeira ginástica para tentar justificar que a emenda é inconstitucional. No entanto, só a vetou porque ela não é de interesse do governo. Ou seja, entre o interesse público e o do seu governo, a presidente Dilma optou pelo segundo. Isso é inaceitável", disse, em nota publicada no site do partido.

Comentário na UOL:

- abobri50
36 minutos atrás
PORQUE JUIZES, PROMOTORES, DELEGADOS FEDERAIS E DA AREA DO DIREITO PODEM TER CARREIRA PUBLICA E OS MEDICOS NAO SUA IGNORANTA E FALSARIA, EX-GUERRILHEIRA E ASSASSINA? EH MAIS FACIL TRAZER MEDICOS CUBANOS DESEMPREGADOS E ENVIAR DINHEIRO AOS FASCINORAS DA FAMIGLIA CASTRO? VOCE EH UMA SEM VERGONHA E SEM CARATER.


Site do Ministério da Saúde

http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/noticia/13908/162/lei-do-mais-medicos-e-publicada-no-diario-oficial-da-uniao.html
Data de Cadastro: 23/10/2013 as 18:39:15 alterado em 23/10/2013 as 18:43:16
......
O único veto presente na Lei é em relação ao parágrafo primeiro do artigo 16, cujo conteúdo foi incluído na medida provisória por meio de uma emenda aprovada pela Câmara dos Deputados.
O artigo previa a criação de uma carreira pública para os médicos intercambistas participantes do programa.
Contudo, essa medida, segundo o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) e a Advocacia Geral da União (AGU), não têm amparo constitucional.
Os dois órgãos foram ouvidos e alegram que a criação de uma carreira para os profissionais intercambistas contradiz a legislação vigente, uma vez que “estrangeiros não podem assumir cargos públicos, empregos e funções públicas em razão da inexistência da regulamentação”. Além disso, criaria uma distinção entre os médicos intercambistas e os brasileiros participantes do programa.
A Lei passa a vigorar a partir desta quarta-feira (23) e o trecho vetado volta para apreciação no Congresso Nacional.

Banco Cruzeiro do Sul - E agora?

Quem vai pagar o prejuízo?

Leiam a materia abaixo, publicada no Jornal Valor de hoje e meditem sobre a diferença entre a justiça para os ricos e a justiça para os pobres no Brasil.
Continua a sensação de impunidade…

Justiça suspende ação contra donos do Cruzeiro do Sul

Valor – 23/10/2013
Por Juliano Basile | De Brasília

A Justiça Federal de São Paulo suspendeu a ação penal em que os ex-controladores do Banco Cruzeiro do Sul foram acusados de quebrar o banco e deixar um prejuízo de R$ 3,8 bilhões ao Sistema Financeiro.

Motivo: a defesa dos réus não teve acesso a documentos do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), instituição que assumiu o Cruzeiro do Sul após a descoberta de fraudes.

A decisão foi tomada pela 2ª Vara Criminal Especializada em Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional de São Paulo e marcou uma interrupção no processo o que, segundo o Banco Central, traz risco de prescrição.

Se o caso prescrever, mesmo que ficar comprovada, no futuro, a culpa dos ex-controladores do Cruzeiro do Sul, Luis Felippe e Luiz Octavio Indio da Costa, eles simplesmente não serão punidos. Ou seja, mesmo com a eventual comprovação de fraudes, ninguém seria preso por isso.

"Precisamos de documentos na esfera administrativa para fazer a defesa criminal", afirmou Roberto Podval, advogado dos réus, referindo-se aos documentos do FGC. Segundo ele, não é possível fazer a defesa de seus clientes sem essas informações sobre a instituição que administrou o Cruzeiro do Sul.

Por isso, Podval não quis responder sobre o mérito da questão em que os ex-controladores são acusados de lavagem de dinheiro, manipulação de mercado de valores mobiliários e crimes contra a paz pública. "Tão logo tenha acesso aos documentos farei a defesa", disse.

As fraudes no Cruzeiro do Sul foram descobertas, em maio de 2012, quando foram calculadas em R$ 1,24 bilhão. Ao todo, foram identificadas mais de 300 mil operações fictícias no banco.

No mês seguinte, o Banco Central decretou o Regime de Administração Especial Temporário (Raet) e retirou a família Indio da Costa do controle do banco, nomeando para tanto o FGC como administrador especial temporário. O objetivo da medida foi o de "corrigir procedimentos operacionais ou eliminar deficiências que possam comprometer o funcionamento" da instituição.

O FGC fez uma nova conta do prejuízo, chegando a R$ 3,8 bilhões. "O prejuízo se estende aos depositantes, investidores, ao Sistema Financeiro e ao ambiente econômico brasileiro", diz trecho da decisão judicial em que foi recebida a denúncia contra os Indio da Costa.

Advogados da família contestaram os cálculos feitos pelo FGC e os contratos assinados pelo fundo com empresas terceirizadas para atuar na intervenção do banco. Foi com base nessas contestações que a Justiça de São Paulo concedeu uma cautelar para suspender a ação penal até que a defesa tenha acesso a esses documentos. A 2ª Vara Criminal Especializada acolheu a tese de que deve ser dado amplo direito de defesa aos acusados.

Procurado, o BC informou que não se manifesta sobre a sua atuação nos autos. Mas, em documento enviado à Justiça, a Procuradoria da instituição alegou que a maioria das fraudes na carteira de empréstimos consignados do Cruzeiro do Sul foi identificada em maio de 2012, antes, portanto, de o FGC passar à administração do banco. Por esse motivo, os documentos do fundo não seriam essenciais ao processo.

Segundo a Procuradoria, o pedido de vista das informações do FGC é estratégia para desviar o foco da ação penal e a suspensão da mesma pode levar à prescrição dos crimes.

"Não é de estranhar que os acusados em momento algum tenham se insurgido contra o conteúdo desse acervo probatório, preferindo trazer para o foco da discussão aspectos outros desconexos e destituídos de relevância para o deslinde do processo", diz o texto assinado pelo procurador-geral do BC, Isaac Sidney Menezes Ferreira.

Música nas Veias e nosso Zuza

Sinais da Vida

Hoje não estou bom!

Esta frase nos lembra o “João Ferrador”, personagem do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, criado por Laerte, nos velhos tempos. Acordei refém do rodízio, ouvindo reclamações e lendo notícias bestas nos jornais do dia.

Vim para o computador e tive que recomeça-lo porque travava toda hora. Tempo perdido. Cansado e sem saber o que escrever, resolvi ler um pouco de um livro que comprei domingo à tarde quando fomos ao Espaço Cultural itaú, ex-Unibanco e ex-Nacional, na Rua Augusta.

Enquanto esperava para assistir um filme israelense esquisito, sobre casamento em família de judeus ortodoxos, resolvi procurar na livraria local o livro de Memórias e Ensaios do nosso grande Zuza Homem de Mello. Comprei na hora e fiquei mais pensando no livro do que no filme.

A primeira frase do livro, no Prefácio, é:

“Desde menino sou fascinado por contadores de histórias.”

Já era o prenúncio de uma pessoa extraordinária! Leio tudo que sai sobre Zuza. No livro, adoro quando ele fala das ruas de São Paulo, os pontos, as festas, os bares... era quando São Paulo era maravilhosa. Hoje predomina o medo e a insegurança. Mas recuperaremos a São Paulo sentimental e moderna...

Depois de ler vários parágrafos e olhar velhas fotos, lembrei-me que há vários meses eu ouço a mesma música no carro. Coisa de louco, ouvir a mesma música o tempo todo. Até coloco no “repeat” para recomeçar sozinha. A música tem a ver com o tempo das pessoas. Esta música melancólica tocada por Miles Davis, numa versão de quinze minutos, mexe com meus pensamentos e sentimentos. Não sei porquê.

Ouçam a música, comprem o livro do velho Zuza Homem de Mello, “Música nas Veias”,
e assim o dia fica menos pesado, mesmo com o rodizio atrasando nosso tempo.

Autumn leaves - Miles Davis



A música, como a arte e a história, é universal!

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Forças Ocultas no Brasil

Uma vergonha nacional

Mesmo sendo uma matéria sobre futebol, o fato de o título ser “Força oculta”, fez com que uma jornalista experiente e que me conhece, lembrasse de mim e enviasse o texto. Eu sempre falo das “forças ocultas”, de “orar e vigiar”, de “aprender no amor ou na dor”, e do “consenso progressivo”.

Esta matéria abaixo, que poderia estar na Capa da Folha, aborda a falsa democracia da CBF – Confederação Brasileira de Futebol, mas vale também para todas as entidades federativas e confederativas que não respeitam a proporção populacional do Brasil.

Quando nós reconquistamos, em 1979, o Sindicato dos Bancários de São Paulo, com 150 mil trabalhadores na base, tínhamos apenas um voto na Federação Estadual, enquanto que o Sindicato dos Bancários de Lins, com menos de 500 bancários na base, também tinha um voto. Saímos da Federação tradicional e criamos a CUT, com novas Federações e Confederações, todas elas respeitando a proporcionalidade dos sócios.

A Democracia ainda não chegou na maioria das entidades brasileiras.
Parabéns Sergio Rangel e a Folha pela matéria
e obrigado minha colega jornalista por enviar-me.

Força oculta

Folha – Sergio Rangel – 22/10/2013

RIO DE JANEIRO - O primeiro ficou 56 dias preso em Brasília, envolvido num suposto esquema de desvio de verbas federais no Amapá em 2010.

O segundo foi multado em R$ 1,1 milhão pelo Tribunal de Contas do Amazonas no mês passado, por 35 irregularidades encontradas na sua prestação de contas quando era prefeito de Eirunepé, em 2005.

O terceiro foi preso pelo Exército, acusado de fazer boca de urna em 2010. Dois anos depois, foi eleito prefeito de Boca da Mata, Alagoas.

Praticamente desconhecidos do mundo da bola, Roberto Góes, Dissica Valério e Gustavo Feijó fazem parte do pequeno grupo que vai escolher, em abril, o responsável por comandar a mais alta entidade do futebol brasileiro, a CBF.

Os três presidem as federações dos seus Estados. No colégio eleitoral da confederação, eles são maioria, com 27 votos no pleito.

O poder deles é superior ao dos clubes que disputam a primeira divisão do Campeonato Brasileiro deste ano. Juntos, os times, como Flamengo e Corinthians, têm os outros 20 votos em jogo na corrida eleitoral. Responsáveis pela festa em campo, os jogadores, que ontem fizeram protesto antes de cada partida pedindo bom senso, não têm nem poder de voto.
Herdeiro político de Ricardo Teixeira, que ficou 23 anos no poder, o atual presidente da CBF, José Maria Marin, trata com carinho os obscuros cartolas regionais.

Em campanha silenciosa para fazer o paulista Marco Polo Del Nero seu sucessor na eleição, Marin dobrou os repasses para as federações.

O "mensalinho", como é chamado pelos cartolas,
pulou em um ano de R$ 30 mil para R$ 60 mil mensais.

Pelo menos 18 federações declararam, em seus balanços, que receberam, no mínimo, R$ 732 mil no ano passado. No total, Marin gastou quase R$ 20 milhões com eles. Com tanto dinheiro, não será fácil para a oposição derrotar Marin e Del Nero.

Dilma, o Leilão do Pré-sal e Felipão

O herói (ou heroína) nacional

Ao olhar para os jornais e TVs de ontem para hoje, fiquei com a sensação de que a "oposição" estava confusa, sem saber o quê dizer com o resultado do Leilão do Pré-Sal. Como diz o ditado popular: Ficaram com a brocha na mão...

Quanto mais eu lia os jornais, via as informações e os números, mais me convencia que a grande vencedora do leilão foi Dilma! A presidenta foi à televisão dizer que o Brasil ganhou, vamos ter mais dinheiro para saúde e educação, o petróleo e o pré-sal continuam sob o controle do Brasil e da Petrobras e ainda dizia mais: Partilha não é Privatização! É economia de mercado sob controle da Sociedade e do Estado.

Jânio de Freitas fez uma boa matéria (se eu soubesse como eu colocaria o tal de "leia aqui", mas não sei fazer isto, então recomendo a leitura na Folha de hoje. O título é "Sem coluna do meio".

É importante destacar a campanha que os petroleiros e os movimentos sociais fizeram contra o leilão. Realmente, do ponto de vista estratégico e de longo prazo, os petroleiros e os sindicalistas estão certo. Mas o futuro só existe como resultado do presente...

E o presente é agora. Já pensou se Dilma não faz o leilão e depois perde a eleição para os neoliberais tucanos e neossocialistas? eles entregam tudo para os americanos e nós ficamos chupando dedo...

Precisamos aprender a levar em consideração a intuição de Lula.
Perguntei a uma grande liderança sindical o quê Lula achava do leilão e recebi a resposta de que Lula achava importante que acontecesse o leilão nos moldes que foi feito. Respondi ao sindicalista que, as vezes, mesmo a gente estando certo, precisávamos levar em consideração a opinião de Lula. Por várias vezes ele provou que, mesmo errando, acertava.

Voltando ao noticiário de jornais, rádio e TV, quanto mais eu pesquiso mais eu me convenço que Dilma foi a grande vencedora.

E, ao olhar as fotos da presidenta, fico comparando com as fotos e entrevistas de Felipão, nosso maior técnico de futebol, gaúcho birrento, teimoso e vencedor. Toda vez que nosso futebol está decadente, chamam Felipão para recuperar a dignidade nacional.

Todo mundo fala que Dilma é durona, teimosa, gosta de dar dura nas pessoas, mesmo na frente de outras pessoas, que não ouve quando não concorda, etc e tal. Mas, apesar de todo mundo achar defeitos na mulher, ela continua tocando o barco, o Brasil vai sobrevivendo às tormentas da economia internacional, o governo vai enfrentando a oposição da imprensa, dos parlamentares e dos especuladores, e mesmo assim, a inflação continua sobre controle, o PIB continua crescendo, mesmo como pibinho e a oposição fica parecendo aquela história de que oposição é para fazer oposição e governo é para governar.

Dilma governa.
Goste ou não goste, Dilma governa.
Dilma, no governo, é a nossa Felipão.

O Brasil precisa de gente que faça.
Já temos palpiteiros e oportunista de sobra...

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

CUT elogia Campanha Salarial dos Bancários

Vagner Freitas fala das conquistas nacionais

Quando os economistas neoliberais, os patrões conservadores e o oposicionistas falam que têm que “arrochar os salários”, os bancários fizeram 23 dias de greve nacional e conquistaram um dos melhores acordos salariais dos últimos anos. Vitória de quem luta!

Vejam os comentários feitos pelo presidente nacional da CUT:

Outros significados da vitoriosa Campanha Salarial dos Bancários

Contra o pessimismo de analistas econômicos que previam ano fraco para negociações coletivas. categoria bancária conquistou importantes vitórias na campanha deste ano

Vagner Freitas, presidente nacional da CUT

A categoria bancária - 513 mil pessoas em todo o país – produziu um belo espetáculo de unidade e conquistou vitórias importantes na última campanha salarial. Os resultados, é importante ressaltar, representam ganhos para outros setores da economia brasileira e é um exemplo positivo de negociação coletiva para outras categorias de trabalhadores/as.

O reajuste salarial de 8% vai acrescentar R$ 2,861 bilhões na economia em um ano. Além desse valor, que se refere apenas a pagamentos de salários, serão injetados na economia nos próximos 12 meses mais R$ 5,318 bilhões da PLR (Participação nos Lucros e Resultados), sendo que uma parte considerável será paga agora, após a assinatura do acordo; e, R$ 429,14 milhões de pagamento do auxílio refeição e alimentação. Isso sem contar a cláusula inovadora conquistada esse ano - o vale cultura de R$ 50, que beneficiará trabalhadores/as bancários/as que recebem até cinco salários mínimos, que vai injetar outros R$ 113 milhões a mais em um ano.

Somando todos esses valores, serão injetados na economia brasileira,
entre salários e benefícios, R$ 8,722 bilhões
(14,5% superior à campanha do ano anterior).

Esses recursos financeiros, considerando a grande capilaridade da categoria bancária, ajudarão economias locais, mas também as grandes metrópoles, com impactos positivos no comércio varejista em geral, em restaurantes, supermercados e em estabelecimentos de cultura, ou ainda em setores de serviços, como estabelecimentos educacionais e de cuidados pessoais, gerando assim, um movimento positivo nesses setores.

Outro significado importante da resistência durante os 23 dias de greve e do acordo bem sucedido dos bancários é o exemplo para outras categorias, que deve influenciar positivamente nas negociações importantes do segundo semestre que ainda estão em curso, como Petroleiros, Metalúrgicos, Professores, Alimentação, além de outras categorias.

Muitos comentaristas de plantão anunciavam um ano fraco para as negociações coletivas. Vimos no primeiro semestre que, apesar das dificuldades, 85% das categorias registraram reajuste salarial acima da inflação.

Inconformados, esses comentaristas começaram a dizer que o desempenho da economia teria impacto negativo sobre as negociações apenas no segundo semestre. O acordo dos bancários mostra o contrário: a organização dos trabalhadores por uma luta justa garantiu a conquista dos direitos e ainda, com impactos positivos por toda economia.

As trabalhadoras e os trabalhadores bancários estão de parabéns,
porque são exemplo de superação das amarras à negociação existentes na legislação atual,
porque conquistaram avanços importantes e inovadores e
deram uma respostas àqueles que desenhavam um quadro pessimista
sobre as negociações coletivas em 2013.

domingo, 20 de outubro de 2013

Desagregação da vida, dos governos e dos países

Caminhamos para o impasse

Os sinais estão presentes nos noticiários...

1 – A artista que morre doente e sendo apoiada financeiramente pelos amigos;

2 – A família que morre envenenada por gás de cozinha no apartamento;

3 – Os manifestantes que querem defender os cachorros mas botam fogo nos carros e param o trânsito;

4 – A polícia que assiste de longe, não faz nada e ainda apanha;

5 – A imprensa que reproduz a impotência da polícia, evidencia a ousadia dos manifestantes e estimula a barbárie;

6 – Os juízes que mandam soltar os manifestantes que quebravam o patrimônio público e privado, em nome de uma liberdade de conveniência;

7 – Os políticos que trocam de partidos, fazem alianças heterodoxas e topam tudo por dinheiro e reeleição;

8 – Os “especialistas“ que se arvoram “neutros”, mesmo sabendo que estão sendo usados para criticar ou desacreditar determinadas situações;

9 – Os pobres que topam aparecer na imprensa reclamando de tudo, mesmo sem saber o porquê;

10 – Os ricos que adoram fazer gastos exóticos e depois reclamarem dos impostos;

11 – Os governos que gastam mal os recursos públicos e depois culpam os governantes anteriores;

12 – Os Estados Unidos que perderam o papel de “estabilizador” do mundo e agora não controlam sequer seu orçamento nacional;

13 – Os europeus que antes eram o centro do mundo, invadiram a África, o Oriente Médio, a Ásia e as Américas, e agora não conseguem conviver com seus “imigrantes”;

14 – O Oriente Médio que, depois de perder a hegemonia mundial para os países industrializados, terem seus governos derrubados por guerras civis estimuladas e pagas pelos países ocidentais, sangra com suas milícias e disputas religiosas;

15 – A África que se desmancha com as disputas tribais, a fome e a pobreza;

16 – A Líbia é parte do Oriente Médio e está no norte da África. A Líbia é um dos países mais ricos do continente e já teve muito progresso. Mas hoje o ocidente comemora dois anos da derrubada definitiva de Kadafi, o imperador-ditador que modernizou o país economicamente, mas se recusou a ser um mero agente do ocidente. A Líbia deixou de ser um país para ser uma baderna muçulmana... Graças ao ocidente. Depois não querem que o islamismo cresça na região.

17 – Aqui no Brasil, a imprensa e seus aliados tenta intensificar a desagregação do Governo, do Estado, das Famílias e das Pessoas. Talvez assim os conservadores aglutinados em vários partidos de oposição, consigam ter chance de ganhar uma eleição presidencial.

Democracia só serve para quem está ganhando...
quando o jogo vira, pega-se a bola e encerra-se o jogo.
Faz-se um intervalo (ditadura disfarçada como em Honduras, Paraguai, Egito, Líbia, Iraque...) e depois retorna-se ao voto direto como no Chile de Pinhochet e no Brasil dos golpes militares e civis.

Com qual preço e quantas mortes?

sábado, 19 de outubro de 2013

De Vinícius de Moraes para Lula

No Aniversário do poeta, uma lembrança para o Brasil

De como um imigrante sem nada,
transforma-se no melhor presidente que o Brasil já teve.
Um operário em construção da dignidade nacional.

Em dezembro de 2000 comprei o livro com as letras das músicas de Vinicius de Moraes, a editora é Companhia das Letras. Hoje é o aniversário de Vinícius. Estaria completando 100 anos de vida. Um grande brasileiro internacionalista.

A poesia que apresento não está no livro das letras de músicas,
mas diz muito sobre a história do Brasil.
Nesta comprida poesia, Vinícus homenageou os trabalhadores do Brasil,
quando ainda não existia Lula.
Existia apenas um operário nas fábricas de São Bernardo do Campo.
Um presidente em construção...

O Operário Em Construção

Vinicius de Moraes

E o Diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe num momento de tempo todos os reinos do mundo. E disse-lhe o Diabo:
- Dar-te-ei todo este poder e a sua glória, porque a mim me foi entregue e dou-o a quem quero; portanto, se tu me adorares, tudo será teu.

E Jesus, respondendo, disse-lhe:
- Vai-te, Satanás; porque está escrito: adorarás o Senhor teu Deus e só a Ele servirás.
Lucas, cap. IV, vs. 5-8.

Era ele que erguia casas
Onde antes só havia chão.
Como um pássaro sem asas
Ele subia com as casas
Que lhe brotavam da mão.
Mas tudo desconhecia
De sua grande missão:
Não sabia, por exemplo
Que a casa de um homem é um templo
Um templo sem religião
Como tampouco sabia
Que a casa que ele fazia
Sendo a sua liberdade
Era a sua escravidão.

De fato, como podia
Um operário em construção
Compreender por que um tijolo
Valia mais do que um pão?
Tijolos ele empilhava
Com pá, cimento e esquadria
Quanto ao pão, ele o comia...
Mas fosse comer tijolo!
E assim o operário ia
Com suor e com cimento
Erguendo uma casa aqui
Adiante um apartamento
Além uma igreja, à frente
Um quartel e uma prisão:
Prisão de que sofreria
Não fosse, eventualmente
Um operário em construção.

Mas ele desconhecia
Esse fato extraordinário:
Que o operário faz a coisa
E a coisa faz o operário.
De forma que, certo dia
À mesa, ao cortar o pão
O operário foi tomado
De uma súbita emoção
Ao constatar assombrado
Que tudo naquela mesa
- Garrafa, prato, facão -
Era ele quem os fazia
Ele, um humilde operário,
Um operário em construção.
Olhou em torno: gamela
Banco, enxerga, caldeirão
Vidro, parede, janela
Casa, cidade, nação!
Tudo, tudo o que existia
Era ele quem o fazia
Ele, um humilde operário
Um operário que sabia
Exercer a profissão.

Ah, homens de pensamento
Não sabereis nunca o quanto
Aquele humilde operário
Soube naquele momento!
Naquela casa vazia
Que ele mesmo levantara
Um mundo novo nascia
De que sequer suspeitava.
O operário emocionado
Olhou sua própria mão
Sua rude mão de operário
De operário em construção
E olhando bem para ela
Teve um segundo a impressão
De que não havia no mundo
Coisa que fosse mais bela.

Foi dentro da compreensão
Desse instante solitário
Que, tal sua construção
Cresceu também o operário.
Cresceu em alto e profundo
Em largo e no coração
E como tudo que cresce
Ele não cresceu em vão
Pois além do que sabia
- Exercer a profissão -
O operário adquiriu
Uma nova dimensão:
A dimensão da poesia.

E um fato novo se viu
Que a todos admirava:
O que o operário dizia
Outro operário escutava.

E foi assim que o operário
Do edifício em construção
Que sempre dizia sim
Começou a dizer não.
E aprendeu a notar coisas
A que não dava atenção:

Notou que sua marmita
Era o prato do patrão
Que sua cerveja preta
Era o uísque do patrão
Que seu macacão de zuarte
Era o terno do patrão
Que o casebre onde morava
Era a mansão do patrão
Que seus dois pés andarilhos
Eram as rodas do patrão
Que a dureza do seu dia
Era a noite do patrão
Que sua imensa fadiga
Era amiga do patrão.

E o operário disse: Não!
E o operário fez-se forte
Na sua resolução.

Como era de se esperar
As bocas da delação
Começaram a dizer coisas
Aos ouvidos do patrão.
Mas o patrão não queria
Nenhuma preocupação
- "Convençam-no" do contrário -
Disse ele sobre o operário
E ao dizer isso sorria.

Dia seguinte, o operário
Ao sair da construção
Viu-se súbito cercado
Dos homens da delação
E sofreu, por destinado
Sua primeira agressão.
Teve seu rosto cuspido
Teve seu braço quebrado
Mas quando foi perguntado
O operário disse: Não!

Em vão sofrera o operário
Sua primeira agressão
Muitas outras se seguiram
Muitas outras seguirão.
Porém, por imprescindível
Ao edifício em construção
Seu trabalho prosseguia
E todo o seu sofrimento
Misturava-se ao cimento
Da construção que crescia.

Sentindo que a violência
Não dobraria o operário
Um dia tentou o patrão
Dobrá-lo de modo vário.
De sorte que o foi levando
Ao alto da construção
E num momento de tempo
Mostrou-lhe toda a região
E apontando-a ao operário
Fez-lhe esta declaração:
- Dar-te-ei todo esse poder
E a sua satisfação
Porque a mim me foi entregue
E dou-o a quem bem quiser.
Dou-te tempo de lazer
Dou-te tempo de mulher.
Portanto, tudo o que vês
Será teu se me adorares
E, ainda mais, se abandonares
O que te faz dizer não.

Disse, e fitou o operário
Que olhava e que refletia
Mas o que via o operário
O patrão nunca veria.
O operário via as casas
E dentro das estruturas
Via coisas, objetos
Produtos, manufaturas.
Via tudo o que fazia
O lucro do seu patrão
E em cada coisa que via
Misteriosamente havia
A marca de sua mão.
E o operário disse: Não!

- Loucura! - gritou o patrão
Não vês o que te dou eu?
- Mentira! - disse o operário
Não podes dar-me o que é meu.

E um grande silêncio fez-se
Dentro do seu coração
Um silêncio de martírios
Um silêncio de prisão.
Um silêncio povoado
De pedidos de perdão
Um silêncio apavorado
Com o medo em solidão.

Um silêncio de torturas
E gritos de maldição
Um silêncio de fraturas
A se arrastarem no chão.
E o operário ouviu a voz
De todos os seus irmãos
Os seus irmãos que morreram
Por outros que viverão.
Uma esperança sincera
Cresceu no seu coração

E dentro da tarde mansa
Agigantou-se a razão
De um homem pobre e esquecido
Razão porém que fizera
Em operário construído
O operário em construção.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Serra como Vice de Aécio?

Aécio como Suplente de Eduardo?

A Imprensa está fazendo um carnaval sobre as eleições presidenciais que estão em curso.

1 - Avisa que Aécio sugeriu que Serra concorde em ser o Vice na chapa pura tucana.
Aécio candidato a presidente e Serra na vice.
Serra imediatamente recusou o "convite', disse aos tucanos que continua no páreo e que ainda não está definido quem será o candidato a presidente.

2 - Serra está enganado. O candidato a presidente da oposição já está definido pela "elite" paulista e pela Rede Globo.
O candidato anti-petista será a dupla Eduardo e Marina!
É só ver o noticiário. Ontem Marina estava na Bovespa. Outro dia Marina repetiu o discurso neoliberal tucano da economia e Eduardo está todos os dias nas redes sociais. Isto é, Eduardo aparece na praia de Marina e Marina aparece na praia de Eduardo.

Ambos mostrando aos setores potenciais de campanha que a proposta da dobradinha é para valer e que, no primeiro momento, o importante é consolidar a vice liderança. É como a Pepsi e a Record. O importante é ser o segundo.

O primeiro lugar já está garantido:
Dilma, o PT e seus aliados.
O momento é de definição de quem pode ir para o segundo turno.

3 - E se não tiver o segundo turno?
Isto é tão difícil de responder quanto a saber o porquê de os times paulistas estarem tão mal no campeonato brasileiro. Tanto dinheiro para tão pouco futebol!

4 - E os padrinhos dos candidatos?
Está ficando cada vez mais interessante!
Lula, FHC, Rede Globo e Folha orientando seus candidatos.
Enquanto isto o povo assiste e se diverte.
Mas a palavra final será do próprio povo.
Afinal, o povo não é bobo e está cada vez mais esperto!

5 - E Dilma? Como fica?
Governando mais, visitando mais os Estados e Municípios, ouvindo mais o clamor dos políticos, dos empresários, dos movimentos sociais e do Povo em geral. Executivos são dirigentes, assessores e técnicos são operadores. Portanto, Dilma vai viajar e dialogar com as lideranças em todo o Brasil.

Enquanto as eleições não chegam, vamos torcer para que o Corinthians não caia para a segundona, para que os times paulistas melhorem o futebol e que o povo tenha mais médicos, mais infraestrutura, mais educação, mais professores motivados e uma imprensa mais honesta e transparente. Como transformar este país em uma Democracia Participativa dá muito trabalho e leva tempo, vamos fazendo nossa parte, mesmo que seja nas Redes Sociais.

Como diz uma amiga jornalista experiente:

As redes sociais já estão influenciando até nas novelas da globo!

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Pão de Açúcar cresce 70%

O Brasil continua uma mina de ouro

O grupo francês Casino, novo proprietário do Pão de Açúcar comprovou o quê todo mundo sabia: O Brasil continua uma mina de ouro!

Vejam esta materia do Valor de hoje:

Lucro trimestral do Grupo Pão de Açúcar cresce 70%

Valor – 17/10/2013
Por De São Paulo

Maior rede de varejo do país, o Grupo Pão de Açúcar (GPA) registrou alta de 70% no lucro líquido no terceiro trimestre do ano, em relação ao mesmo período de 2012, com a soma atingindo R$ 357 milhões.

O resultado superou a média das expectativas dos analistas consultados pelo Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor. A margem líquida - fração das vendas transformada em lucro - cresceu de 1,7% para 2,5%, segundo material de resultados publicado na noite de ontem.

O indicador que mede a proporção das despesas com vendas, gerais e administrativas em relação à receita líquida do GPA caiu de 19,8% de julho a setembro de 2012 para 19,2% neste ano. A queda nesse indicador tem sido uma busca da empresa ao longo deste ano. A receita líquida consolidada subiu 15,8%, para R$ 14 bilhões.
Os resultados da Via Varejo, focada no comércio de bens duráveis, ajudaram a puxar os números do grupo, com alta de 166% no lucro líquido, para R$ 181 milhões. A Via Varejo foi formada da união de Casas Bahia e Ponto Frio.

A operação do GPA Alimentar teve lucro líquido de R$ 176 milhões de julho a setembro, expansão de 29% em relação ao ano passado. Nesse segmento, a empresa informa que continua mantendo a postura agressiva em preços, com ganhos de margem e redução de despesas operacionais.

"Temos feito investimentos em competitividade de preços para incrementar o tráfego nas lojas e ganhar participação de mercado. Essa estratégia deverá permanecer ao longo dos próximos períodos". A margem líquida desse negócio subiu de 2% para 2,3%.

Em relação a Via Varejo, a empresa informa que houve aceleração no crescimento de vendas, "resultado do desempenho das lojas de Casas Bahia, Ponto Frio e do e-commerce, todos com forte crescimento e sinalização de ganho de participação no período".

Foram abertas 31 lojas em 12 meses e, no varejo, aberturas de pontos ajudam a puxar o volume total vendido. "O e-commerce também contribuiu de forma significativa para o crescimento das vendas, registrando maior fluxo de clientes em seus websites e maior taxa de conversão", informa o relatório.

O lucro líquido registrado pelo GPA, de R$ 357 milhões e alta de 70%, superou a previsão de três das quatro casas de análise ouvidas pelo Valor PRO, como BofA, Safra e J.P.Morgan. (AM/Colaboraram Natalia Viri e Marina Falcão).

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Fernanda Montenegro chega aos 84 anos, trabalhando...

Se todos fossem iguais a você...

Se Vinícius estivesse vivo estaria lançando uma música especial para o aniversário de Fernanda Montenegro.

Quando a gente vê tanta gente falando tantas bobagens sobre política, violência e tantas outras coisas, ler, ouvir e assistir às entrevistas de pessoas como Fernanda Montenegro e Adib Jatene, também com mais de 80 anos (se eu não me engano com 83), renascem as esperanças de que nosso Brasil ainda tem jeito.

Parabéns Dona Fernanda Montenegro!

O Brasil tem orgulho da senhora!
Que as Fernandas se multipliquem e surjam novas esperanças em todo país,
desde o Amapá até o Rio Grande do Sul.
E que o Rio de Janeiro volte a ser a nossa “Cidade Maravilhosa”.

Fernanda Montenegro comemora 84 anos
prestes a estrear dois longas-metragens

msn entretenimento – 16/10/2013

Fernanda Montenegro comemora 84 anos nesta quarta-feira (16), com indicação ao 41º Emmy Internacional, que terá cerimônia realizada em Nova York, em novembro. A atriz é finalista na categoria "Melhor Atriz" por seu papel no especial "Doce de Mãe", da TV Globo. A emissora concorre também com duas produções na categoria "Melhor Novela", tendo "Avenida Brasil",
sucesso mundial já comercializada para mais de 100 países, e "Lado a Lado", que chegará ao mercado internacional em 2014.

Seu trabalho mais recente na TV foi na novela das onze "Saramandaia", mas no período em que estava envolvida com a produção, a atriz não parou de se dedicar a outros projetos. Além de estar nas telonas com o filme "O Tempo e o Vento", ela ainda fez temporada com o monólogo "Viver sem Tempos Mortos", no qual interpretou a pensadora e escritora Simone de Beauvoir, no Rio.

Para 2014, Fernanda ainda integrará o elenco do longa "Do Fundo do Lago Escuro" e "Infância", dirigidos pelo amigo Domingos de Oliveira. "Ninguém é famoso no Brasil por mais que dois ou três quarteirões. Ela, acho que tem um bairro inteiro", disse o diretor sobre a atriz. Neste último, a mãe de Fernanda Torres ainda contracenará com a atriz Nanda Costa, que protagonizou "Salve Jorge" em 2012.

Em entrevista ao "Correiro Braziliense", no início do mês de setembro, Fernanda comenta sobre o status que envolve sua carreira e sua vontade de continuar trabalhando mesmo depois de tantos anos: "Tenho a impressão de que me dá uma condição de "tombamento" em vida. Uma espécie de lápide: "Aqui jaz...". Não é isso. Sabemos que não é isso. Mas querem ver isso. Não vou lutar contra. Não tem como. A não ser que eu parasse de trabalhar. E isso não farei. Enquanto eu puder, vou cuidar dos projetos que me chegam e que passam a ser fundamentais para minha vida."

A atriz foi a única brasileira indicada ao Oscar. Em 1999, Fernanda Montenegro foi condecorada com a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito "pelo reconhecimento ao destacado trabalho nas artes cênicas brasileiras", a maior comenda que um brasileiro pode receber da Presidência da República.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Tragédia no Amapá - Encontrado corpo da presidente da CUT local

Odete Gomes: presente!

CUT perde uma grande companheira, importante liderança do movimento sindical

Corpo da presidenta da CUT-AP foi encontrado na manhã desta terça (15)

Escrito por: CUT Nacional - 15/10/2013

Liderança cutista, militante e lutadora aguerrida, na vida e no movimento sindical – esta era Odete Gomes. A dor de perda se torna imensa, ao ver ruir toda a esperança alimentada por cada companheiro e companheira nesses dias de tamanha angústia.

É com profunda tristeza e pesar que comunicamos que foram encontrados e identificados na manhã desta terça-feira (15), os dois últimos corpos que continuavam desaparecidos após o naufrágio da embarcação presente na procissão do Círio Fluvial, no último sábado (12), em Macapá, capital do Amapá: o de nossa eterna companheira presidenta da CUT-AP, Odete Gomes, localizado junto ao barco, e o de Raimunda Flora, esposa de um funcionário do Sindsep.

Odete deixa várias lições e todo seu legado de luta e princípios. A CUT e o movimento sindical brasileiro perde uma importante liderança, guerreira, militante, que sempre esteve à frente das lutas contra toda e qualquer injustiça. Sindicalista, mãe, feminista e feminina, batalhava para criar seus quatro filhos com a mesma atenção e afeto que tinha pelo movimento sindical.

Odete Gomes: presente!

Em 2003, Odete assumiu a Secretaria de Organização da CUT-AP. No congresso seguinte foi eleita para a Secretaria-Geral e em 2009 assumiu a Presidência da CUT no estado, para qual foi reeleita no último Congresso.

Odete Gomes nasceu no município de Amapá/AP, era técnica da Universidade Federal do Amapá e dirigente do Sindsep (Sindicato dos Servidores Federais), onde foi tesoureira por dois mandatos e, atualmente, respondia pela secretaria-adjunta de Relações Internacionais.

Como diz o ditado do mar, o capitão é o último a abandonar o barco - e assim foi. Quis o destino que o majestoso Rio Amazonas, tão querido por ela, marcasse o encerramento de sua tarefa.

Expressamos nossos mais profundos sentimentos aos familiares de Odete Gomes e de todas às vítimas desta tragédia.

O velório será às 14 horas na funerária Santa Rita

- Avenida Mendonça Furtado, 2414 - bairro Santa Rita - Macapá.

O sepultamento está marcado para às 17h,
no Cemitério São José, no bairro Buritizal, em Macapá.

EXECUTIVA NACIONAL DA CUT

Registramos nosso pesar em relação a todos os dirigentes,
funcionários e familiares que faleceram neste acidente.

Odete era parte de milhares de militantes do Amapá e de
todo Brasil que estão unidos na CUT na construção
de um Brasil para todos.

Amapá - Dois últimos corpos encontrados...

Mais duas mulheres encontradas.

Da nossa vice-presidente da CUT Nacional, que encontra-se em Macapá - Carmen Foro:

"Bom dia a todos e todas, mais um dia difícil.

Foram encontrados os DOIS ÚLTIMOS CORPOS presos dentro do barco.
São duas mulheres e aguardamos a confirmação oficial da polícia técnica para ter certeza.

Pelo fato de serem as duas últimas vítimas,
temos quase certeza que são as companheiras Odete Gomes e Raimunda"

Orientamos todas as CUT's Estaduais, todos os Ramos e os filiados da CUT para manterem informações nos "sites" das suas respectivas entidades, e assim que tivermos mais detalhes vamos repassando para todos.

São momentos difíceis, que precisamos ser mais solidários.

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Tragédia do Amapá – Queremos notícias de Odete Gomes

Presidente da CUT Amapá continua desaparecida

“Meus amigos (as) acho que nunca presenciei momento de tanta dor e sofrimento que atinge nossa família sindical, nossa companheira presidenta da CUT infelizmente ainda não foi encontrada, temos fé que rio Amazonas a devolva para que possamos prestar nossa homenagem e nos despedir dela e das outras vítimas.”
– Carmen Foro – Vice-presidente da CUT Nacional e sindicalista do Pará.

Desde sábado passado que os sindicalistas da CUT de todo o Brasil acompanham pelo celular e pelas redes sociais os desdobramentos da Tragédia do Amapá, quando um barco virou com dezenas de pessoas que participam de uma festa religiosa. Vários dirigentes se deslocaram para Macapá e, em todo Brasil, vamos trocando informações e discutindo formas de ajudar as pessoas.

Todos que morreram e ainda estão desaparecidos são importantes. Mas, o fato de nossa presidenta da CUT Amapá, Odete Gomes, ainda não ter sido encontrada nos deixa com o coração na mão. Odete é uma liderança de grandes qualidades tanto como sindicalistas, como amiga, colega de trabalho e como mãe de família.

Vamos passar mais uma noite sem notícias de Odete Gomes. Vamos rezar muito, pedir a Deus que traga de volta nossa amiga e companheira, mesmo que seja para dar um enterro com a dignidade que ela merece.

A vida sindical é assim:


1 - Na sexta-feira encerramos 23 dias de greve dos bancários com uma estrondosa vitória e muitas conquistas;

2 - Já no sábado entramos em estado de alerta, solidários com os companheiros e companheiras do Amapá.

A cada dia devemos estar prontos para vitórias e derrotas, notícias alegres e notícias tristes.

Solidariedade e companheirismo servem tanto para a vida como para a morte, tanto para a fartura como para a escassez, tanto na saúde como na doença. É assim que contribuímos para um Brasil melhor, mais humano e mais compreensível com a Natureza.

Mas nós ficaremos muito tristes se não tivermos Odete Gomes de volta.

Mesmo compreendendo a fúria das águas dos rios da Amazônia
e a imponderabilidade da vida e da morte.

Precisamos fazer o ritual da vida e o ritual da morte...

Tragédia no AMAPÁ - CUT DE LUTO

Barco vira e mata sindicalistas e familiares

Embarcação com sindicalistas da CUT e do Sindsep naufraga durante Círio Fluvial, em Macapá

Até o momento, 12 mortes foram confirmadas e dezenas de pessoas estão desaparecidas. Tragédia ocorreu neste sábado

CUT Nacional- 12/10/2013

A Central Única dos Trabalhadores lamenta profundamente a tragédia ocorrida neste sábado (12) em Macapá, causada pelo naufrágio de um barco que participava da procissão do Círio Fluvial, romaria que antecede as comemorações do Círio de Nazaré.

A embarcação que levava diversos sindicalistas do Sindsep – Sindicato dos Servidores Federais e da CUT Amapá naufragou na orla de Macapá, próximo ao Farol da Praticagem.

Conforme informações do Corpo de Bombeiros, até o momento foram confirmadas 12 mortes, dentre elas, a de Elizabeth Mourão Moraes, dirigente da Executiva da CUT-AP e do Sindsep.

A presidente da CUT no estado, Odete Gomes, que estava no barco com suas duas filhas, ainda está entre os desaparecidos após o acidente. As filhas estão salvas.

Segundo informações da Capitania dos Portos do Amapá, a embarcação foi vistoriada e navegava dentro do limite de sua capacidade. A Capitania também informou que as causas do acidente serão apuradas.

O diirgentes da CUT Nacional Rogério Pantoja (diretor executivo) e Carmen Foro (vice-presidente) estão no local apurando informações e prestando solidariedade às vítimas e aos seus familiares.

Em breve divulgaremos mais informações.