sexta-feira, 20 de setembro de 2013

PL 4330 - Regulamentação predatória da terceirização

Congresso Nacional não pode votar no ATRASO

Pela primeira vez a imprensa mostra com clareza a visão dos trabalhadores sobre o Projeto de Lei 4330, do deputado e empresário de Goiás, Sandro Mabel, que está para ser votado no Congresso Nacional. Não é por acaso que o jornal Valor é atualmente o melhor jornal do Brasil.

O Brasil não pode aceitar o ATRASO e
a regulamentação predatória da Terceirização.


Vejam o bom artigo de autoria de Vagner Freitas, presidenta nacional da CUT e da professora da Unicamp e especialista em organização do trabalho, Marilane Oliveira Teixeira.

Projeto busca regulamentação predatória da terceirização

Valor – 20/09/2013

Por:
Marilane Oliveira Teixeira, professora do CESIT/IE – Unicamp, e
Vagner Freitas, presidente nacional da CUT


O trabalho é visto pelo capital apenas como mais uma variável de ajuste de custos. Para aumentar os lucros, as empresas não hesitam em precarizar as condições de trabalho, mudando formas consolidadas de organização, deslocando parte dos processos de trabalho para prestadoras de serviço, que atuam de forma dispersa e fragmentada.

Sob a alegação de que são obsoletas e excessivamente rígidas as noções de funcionalidade associadas à produtividade, à eficiência e aos espaços da organização do trabalho realizado de forma coletiva e integrada - típica da atividade econômica tradicional -, as empresas criam o que chamam de Redes.

As empresas mantêm apenas um núcleo de trabalhadores mais qualificados e terceirizam os que ocupam funções menos qualificadas, nas quais prevalecem os baixos salários e emprego informal. Esse grupo não cria laços de solidariedade nem de pertencimento de classe, não tem organização nem força para fazer reivindicações, conquistar melhores condições de trabalho e renda.

Essa organização do trabalho derruba a argumentação da especialização, alternativa encontrada pelo relator do Projeto de Lei nº 4330, Artur Maia (PMDB-BA), para liberar a terceirização nas atividades-fim das empresas. Fica clara a tentativa dos empresários brasileiros de legalizar uma forma de organização do trabalho predatória para a classe trabalhadora, uma vez que as terceirizadas são apenas gestoras de uma mão de obra treinada e qualificada no próprio ambiente de trabalho.

A especialização não está na prestadora de serviços, mas no trabalho que cria valor.
Quando todos os trabalhadores se beneficiam dos ganhos de produtividade, a renda cresce

Paradoxalmente, para defender a aprovação do PL, de autoria do deputado e empresário Sandro Mabel (PMDB-GO), os empresários empunham a bandeira da "modernidade". Para eles, modernizar é terceirizar uma mão de obra que vai trabalhar integrada ao processo produtivo, junto aos maquinários e a tecnologias que continuam sendo propriedades da empresa principal, com salários menores e condições de trabalho, inclusive saúde e segurança, mais precárias do que os funcionários contratados diretamente pelas empresas. Isso desmente a tese de que as empresas transferem somente as áreas em que não detêm conhecimentos.

O fato é que, no Brasil, a terceirização instituiu uma nova dinâmica nas relações de trabalho, afetou os direitos, aumentou a ocorrência de acidentes - só na Petrobras, os terceirizados têm 5,5 vezes mais chance de morrer em um acidente de trabalho do que os contratados -, degradou o trabalho e interferiu de forma importante na organização sindical, nas relações de cooperação e de solidariedade entre os trabalhadores e na própria identidade de classe.

A otimização dos lucros via terceirização, fortemente baseada na precarização, é um fenômeno internacional. Mas as experiências na Europa e Estados Unidos, em especial, têm demonstrado que nos países onde a terceirização preserva a igualdade de direitos, a prática de contratar prestadores de serviços é limitada.

Os países nórdicos, que apresentam elevadas taxas de crescimento, emprego estável e elevado padrão de vida social e econômico, têm os menores percentuais de contratação por meio da prestação de serviços - inferior a 5%.

Já na Alemanha, mais de um milhão de trabalhadores são terceirizados, têm salários inferiores a cinco euros/hora - no auge da crise, esses trabalhadores foram os primeiros a ser demitidos. Com pouco poder de barganha, esses trabalhadores não conseguem impor aumentos salariais e melhores condições de trabalho, contribuem com valores menores para a previdência social e terão aposentadorias miseráveis.


Todos perdem quando a terceirização é vista apenas como um fator de redução de custos, como é o caso do PL 4330, em tramitação na Câmara dos Deputados.

É por isso que a CUT lidera a luta contra a aprovação desse projeto
que também é repudiado por acadêmicos do mundo do trabalho
e entidades como Associação Nacional de Juízes da Justiça do Trabalho (Anamatra),
Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT),
Associação Latino Americana de Magistrados do Trabalho.

Vale lembrar, ainda, que 19 dos 27 ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST) já se manifestaram contra o projeto.

Entendemos que a riqueza de um país deve ser medida pelos avanços sociais e por uma distribuição de renda mais equilibrada.
Quando todos os trabalhadores se beneficiam dos ganhos de produtividade,
a renda cresce, a demanda se expande e os investimentos se realizam.

A determinação dos níveis de emprego em uma sociedade capitalista
está intimamente associada às expectativas de investimento
e desenvolvimento econômico.
A contratação de serviços de terceiros está na contramão de tudo isso,
uma vez que obedece unicamente a uma lógica de reduzir custos
e terceirizar riscos.

Na ânsia por aumentar as margens de lucro, o capitalismo desordena a forma como as empresas são organizadas e ignora o conceito de trabalho digno. Aquele que resume as aspirações do ser humano no domínio profissional e abrange elementos como oportunidades para realizar um trabalho produtivo com uma remuneração equitativa, segurança no local de trabalho e proteção social para as famílias, organização e participação nas decisões que afetam as suas vidas, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Nenhum comentário:

Postar um comentário