sábado, 14 de setembro de 2013

Morreu Gushiken, um líder nacional

Como poucos, ele tinha a coragem de ser, de dizer e de fazer.

Ser militante sindical numa família japonesa não era fácil,
Gushiken teve a coragem de ser.

Ser de esquerda na época da ditadura militar não era fácil,
Gushiken teve a coragem de ser.

Enfrentar uma demissão no Banespa por causa da militância política.

Enfrentar um câncer que lhe atrapalharia a vida.

Liderar a maior greve dos bancários que o Brasil já teve e depois organizar o Partido dos Trabalhadores, ajudar na fundação da CUT, liderar o PT e ir para o governo do presidente Lula para ajudar a mudar o Brasil e ainda conseguir tempo para cuidar dos filhos, tudo isto Gushiken enfrentava e fazia ao mesmo tempo.

Dedicar a vida ao mandato parlamentar, combinar as campanhas para deputado com as campanhas para prefeitos, governadores e presidentes, principalmente ajudando Lula.

Já bem doente e com Lula presidente, Gushiken também teve que enfrentar a desonestidade do Procurador Geral da República e a má fé da imprensa no famigerado processo da Ação Penal 470, que a mídia apelidou de mensalão, quando todos sabiam que Gushiken era inocente, como foi comprovado pelo Supremo Tribunal Federal anos depois. Gushiken resistiu com dignidade.

Gushiken morre no dia 13.
Data simbólica que lembra o partido que ele ajudou a criar
e a tornar o maior partido de massa que o Brasil já teve.

Neste sábado, dia 14, os militantes e amigos de todo o Brasil e do mundo,
estarão prestando suas homenagens a Gushiken.

O Partido dos Trabalhadores (PT),
a Central Única dos Trabalhadores (CUT),
a Confederação Nacional dos Bancários (Contraf-CUT),
o Sindicato dos Bancários de São Paulo
e todos os militantes sindicais e partidários estamos de luto.

Nossas condolências e solidariedade a toda Família de Gushiken.
Sua esposa Bete, que também militou nos bancários, seus filhos que conviveram com o Sindicato e com tantas reuniões, e seus irmãos e demais familiares.
Nós nos sentimos como parte desta enorme família.

Sabemos que todos têm orgulho do exemplo de vida que Gushiken representa. Tantos os familiares, a colônia japonesa, como os colegas do Banespa, os bancários de todo o Brasil, os militantes da CUT e do PT.

Somos todos Gushiken!

Vagner Freitas
Presidente Nacional da CUT

2 comentários:

  1. Eu conheci o Luiz Gushiken na Livraria Prefeito Faria Lima (da EAESP / FGV) em 1974 e via nele uma pessoa de boa índole
    e bom caráter. A sua vida tornou-se pública e comprovou a
    minha opinião. Um ser humano de fibra, que lutava por
    melhorias para todos, não apenas os bancários. Como diz a
    sabedoria popular: "saudade, é o amor que fica". Estou incluso
    no rol dos que sentirão saudade do Gushiken.
    Conheci também o Gilmar Carneiro dos Santos (que geralmente estava com o Luiz Gushiken). Este, como aquele, também perfila entre os de boa índole e bom caráter. Ambos de reputação ilibada.
    -Sebastião de Holanda Cavalcanti de A.B. de Mello

    ResponderExcluir