segunda-feira, 16 de setembro de 2013

City Bank e a Confiança Perdida

Como voltar a ser o velho Citi?

Uma vida para construir uma boa imagem e se conquistar a confiança das pessoas, e apenas um erro não consertado para por tudo a perder.

No mundo dos Bancos, CONFIANÇA É TUDO!

Hoje, quando acordei cedo para ir para Brasilia e pequei os jornais para ver as matérias, deparei-me com ampla reportagem de capa e mais uma página do caderno de Economia do Estadão, com longas matérias e entrevistas do novo presidente do Citibank.

Guardei o caderno na pasta e fui para o aeroporto para ler as matérias durante o voo. Fiquei mais impressionado ainda quando vi que uma das pessoas que assinava as matéria era o melhor jornalista econômico de São Paulo: José Paulo Kupfer. Isto passava mais credibilidade ainda...

Contava a história de um ex-funcionário que voltou ao City ou Citi para implantar nova estratégica de crescimento do Brasil, redefinindo segmento de mercado entre muitas outras coisas. Eu pretendo retomar esta reportagens em outras edições do meu blog.

Mas, apesar de já ser mais de 22:00h, quero também registrar que pretendo “contribuir” para que o Citibank volte a ser o velho Citi.

Eu já trabalhei neste banco na década de 70 e tinha muito orgulho do banco que eu trabalhava. Saí do City para trabalhar em outro banco, por concurso, o Banco do Estado da Guanabara, o velho BEG, que depois virou Banerj. Todos estes anos eu sempre guardei as boas impressões do velho Citi.

Mesmo quando fui eleito diretor e depois presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, sempre orgulhava-me de ter trabalhado no City, na área de valores, onde a honestidade e a coerência eram fundamentais. Os funcionários trabalham em “dupla custódia” para proteger as ações e dividendos dos clientes. Era um orgulho ser funcionário do Citi.

O tempo passou, o velho City resolveu imitar o Banco de Boston, transformando-se em um banco de varejo, veio a crise de 2008 e o matriz do City quebrou, sendo salva por Obama. E agora o novo e combalido City quer voltar ao passado e ser o velho Citi.

Nos últimos meses eu vivi uma triste experiência com o novo City.
Uma história com várias versões que envolveu alto dirigente do banco. E quando fomos pedir para o banco resolver os problemas, a direção do banco protegeu-se na formalidade jurídica, mesmo sabendo da imoralidade da história.

O banco não resolveu o problema, mas, como grandes problemas são esclarecidos com pequenas soluções, eis que aparece o novo presidente querendo recuperar a CONFIANÇA dos clientes no Citibank.

Eu pretendo contribuir para recuperar a velha imagem do City.
Para isto, coloco-me à disposição do novo presidente para contar toda a história e, se precisar, arrolar as testemunhas para mostrar que o banco foi atingido na sua imagem, quando um alto executivo falta com a palavra.

Eu pretendo também contar a história em etapas neste blog.
Nós tentamos resolver o problema amigavelmente, mas há momentos em que as pessoas não querem agir, em que as pessoas pensam que fazer de conta que o problema não existe seja mais fácil de não ter que enfrentá-lo.

No mundo dos Bancos: CONFIANÇA É TUDO!
Principalmente para clientes ricos e desconfiados...

Este blog pode não ser igual ao Estadão,
mas é lido em 95 países e já tem mais de 250 mil acessos.

Um comentário:

  1. Brilhante professor, o Sr com sua tem uma visão
    macro econômica privilegiada tendo trabalhado
    no banco e acho honestamente que seria sábio da
    parte deles aproveitarem sua mão estendida.

    Obrigado pelo texto.

    Valdir Costa

    ResponderExcluir