quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Folha reconhece “Mensalão do PSDB”

Nem tudo está perdido...

Demorei para acreditar. Mas, depois de ler o artigo várias vezes, cheguei a mesma conclusão: A Folha de S.Paulo, maior aliada e protetora do PSDB, finalmente reconhece “o mensalão ou tremsalão dos tucanos”.

Este é um dos motivos porque mantenho minha assinatura da Folha e do Estadão. Mantenho a esperança de que estes jornais não podem manipular as informações o tempo todo. De vez em quando eles precisam reconhecer os fatos. E contra os fatos não há argumentos. A Terra gira...

Vejam que boa matéria de Josias de Souza.
Parabéns ao Josias e à Folha.
Este é o jornalismo que todos gostamos...

Enrolado, Alckmin se agarra às más companhias

Josias de Souza
UOL - 13/08/2013 20:59

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, convocou uma entrevista coletiva para repassar aos jornalistas duas informações sobre o conluio que fraudou licitações para a compra de equipamentos de trens e do metrô:

1. Seu governo não está na chuva sozinho:
“Não houve cartel só em São Paulo. […] Há irregularidades em licitações de transporte e energia em diversos outros Estados e também em obras do governo federal.”

2. A delatora Siemens será processada: “A empresa foi chamada duas vezes pela controladoria do Estado de São Paulo para prestar esclarecimentos. E, por duas vezes, se recusou a colaborar com as investigações. Cabe a nós, agora, conseguir o ressarcimento devido ao Estado.” Os contratos serão mantidos.

É curiosa, muito curiosa, curiosíssima a movimentação do tucanato.


A plateia fica com a impressão de que as plumas
e os bicos só se mexem quando alguém grita “pega ladrão”.

Trocando em miúdos:

descobriu-se que os trilhos de São Paulo cheiravam mal em 2008.

Naquele ano, noticiou-se no estrangeiro que a fancesa Alstom encontrava-se sob investigação na França e na Suíça. A empresa pagara propinas ao redor do mundo, inclusive no Brasil. Só no metrô de São Paulo, a Alstom distribuíra por baixo da mesa US$ 6,8 milhões. (Nessa fase, a encrenca também tinha ramificações noutros Estados e no governo federal, então sob Lula).

Uma autoridade envolvida nessa apuração que veio à luz em 2008 relatara que, três anos antes, pessoas responsáveis pelas compras de equipamentos em São Paulo sugeriram à Alstom que desse “um presente político para o caixa do partido”. Que partido? Desde 1995, a agremiação que dá as cartas no Estado é o PSDB.

Surpreendido pela notícia, o tucanato prometera rigorosas apurações. E nada.
Num raciocínio de lavadeira, os tucanos imaginaram que bastaria colocar o ferro em cima do escândalo e esperar o tempo passar. Erro. De repente, a alemã Siemens, parceira da Alstom num dos contratos do metrô paulista, propôs ao Cade trocar autodelação por leniência punitiva.

Celebrado o acordo, a Siemens levou à mesa as cartas marcadas de São Paulo, do Distrito Federal e, pelo que diz Alckmin, também de outras praças. O que faz o governador de São Paulo? Finge que 2008 não existiu, declara que seu governo é “vítima”, insinua que o estouro de cartéis é atribuição do Cade, trata o delator a pontapés e liga o ventilador: “Não houve cartel só em São Paulo.” Novo erro.

As más companhias não melhoram nem pioram a alma de ninguém.
Judas andava com Cristo. E vice-versa.
Na verdade, o que as más companhias –e sobretudo as péssimas companhias— oferecem é a ilusão que faz certas pessoas se imaginarem melhores do que são.

O PSDB ainda não se deu conta.
Mas as ruas cheias de junho revelaram o surgimento de um Brasil diferente.
Um país que já não aceita passivamente o papel de bobo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário