quarta-feira, 31 de julho de 2013

Papa, Copacabana e Casamento

Belezas e Tristezas no Rio de Janeiro

Sábado e domingo passados estivemos em Copacabana, região do Rio de Janeiro onde também realizou-se a concentração da JMJ - Jornada Mundial da Juventude católica. Sou religioso e muitíssimo aliado da Igreja, mas o quê nos levou ao Rio foi o casamento de uma sobrinha no dia 27 e a festa era exatamente no Hotel Copacabana...

Compramos as passagens e reservamos o hotel com seis meses de antecedência. Tudo estava certo e garantido. Seria uma festa de arromba, um casamento inesquecível...

Mas, no meio do caminho veio um Papa chamado Francisco e uma multidão de mais de dois milhões de católicos de todas as regiões do mundo. E o casamento numa Igreja de 1755 e uma festa no hotel mais bonito do Rio, tornaram-se verdadeiras maratonas...

As belezas e tristezas do Rio e do Brasil começaram:

1 - Nossa filha, que só pode confirmar a ida duas semanas antes, teve que comprar as passagens em horário diferentes do nosso. Pagou mais ou menos 300,00 reais. Quando eu fui tentar comprar somente a passagem de ida para ela, já que a volta era em horário mais próximos, constatei horrorizado que uma ida que eu paguei 250,00 e minha filha pagou 150,00 estava sendo cobrado 1.300,00 pela Gol e 1.500,00 pela TAM. Estas empresas aéreas que vivem dizendo que estão com prejuízo e demitindo funcionários estavam EXTORQUINDO OS FIÉIS! E o pior foi que nosso voo da Gol tinha somente um terço de passageiros! Não venderam por um preço justo e o avião foi vazio... Isto é Brasil!

2 - Chegamos no Santo Dumont no sábado à tarde, lindo e maravilhoso, pegamos o taxi, e o motorista foi logo avisando: "Só Deus e o Papa sabem como chegaremos no Copacabana, (nosso hotel era vizinho), vejam os Peregrinos... Uma multidão caminhava em direção à Copacabana e tivemos que fazer caminhos distintos. Chegamos mas tivemos que descer longe do hotel e carregar as malas pelas ruas, no meio de milhares de peregrinos... Este é o Rio de Janeiro!

3 - Fomos almoçar e tivemos uma imagem emocionante! Da janela do restaurante vimos passar milhares e milhares de peregrinos, sacoleiros, farofeiros, quase todos jovens com suas bandeiras e suas alegrias. Vários estados do Brasil, França, Itália, Bélgica, Argentina, Chile, Bolivia, Estados Unidos, Austrália, perdi a conta. Todos alegres, sem bitucas de cigarros, sem latas de cervejas, sem brigas nem grosserias. Apenas queriam confraternizarem-se e ver o Papa. Além do Rio de Janeiro. Divino e Maravilhoso!

4 - E na hora do casamento?

4.1 - O casamento foi na Igreja de Nossa Senhora do Carmo, no Centro da Cidade, na Rua 1o. de Março. Uma Igreja das mais bonitas que tem no Brasil e no mundo. Construída em 1755!

Tivemos que pegar uma van no hotel Copacabana, descer não sei aonde, pegar outra van e descer no Paço Municipal, em frente à Igreja. Demoramos uma hora para chegar. A solenidade acabou dez horas da noite! E ainda tinha a confraternização no Copa!

Vejam a beleza interna da Igreja


Vejam esta foto da lateral da Igreja!


4.2 - Todos cansados e preocupados com o retorno, nós, os convidados, pegamos dez ônibus fretados especialmente para levar-nos para o Copacabana e lá chegamos por volta das onze horas!

A festa foi bonita e durou a noite toda...

5 - E como voltar para São Paulo?

O hotel não tinha transporte para o aeroporto, as ruas do bairro estavam fechadas para a missa final do Papa, milhões de pessoas perambulando pela praia e pelas ruas e nós com as malas precisando ir para o aeroporto, sem taxi e sem alternativa. O hotel dizia que não podia fazer nada. Os guardas municipais, estaduais e federais não sabiam informar nada, embora educados, e nós precisando ir para o aeroporto.

Aí veio o "jeitinho carioca". Um funcionário ligou para um amigo que conseguiu chegar com o carro até perto do hotel, nós levamos nossas malas e tentamos sair de Copacabana. A cada rua que chegávamos tinha milhares de peregrinos querendo ir embora. Tinha acabado a missa do Papa e os milhões de peregrinos também queriam voltar para casa.

Cada rua que tinha uma estação de metrô ficava totalmente fechada de gente! Porque não liberaram as catracas? Passe livre para os fiéis! Sairiam mais facilmente e todos sairiam ganhando. Principalmente os moradores do bairro. Era uma muvuca sem fim!

Depois de mais de uma hora dando voltas e pedindo licença aos pedestres peregrinos, conseguimos chegar ao aeroporto Santo Dumont. Lindo como sempre. A vista do mar, das montanhas e da cidade é maravilhosa!

O avião estava cheio de peregrinos, conversando, tirando fotos, trocando lembranças e dizendo que gostariam de ir para a Cracóvia. Cracóvia? Sim, lá na Polônia, onde será a próxima JMJ. O mundo está realmente globalizado! Os peregrinos que eram de Santa Catarina falavam alemão e explicavam que na Polônia tem muita gente que também fala alemão e assim ficará mais fácil se entender... é mole?

6 - E assim acabou a visita do papa peregrino, a imprensa brasileira voltou a reclamar do governo e dos políticos, Sérgio Cabral voltou a enfrentar os manifestantes hostis ao seu governo, os jovens peregrinos voltaram às salas de aula para contar suas experiências e os noivos viajaram em lua de mel.

Espero que todos sejam felizes para sempre...

Um comentário:

  1. Não vou reclamar de vocês não terem me dado um toque, porque a programação, pelo visto, foi exaustiva.
    A Igreja do Carmo é muito bonita, mesmo. Mas vocês precisam conhecer o Mosteiro de São Bento. De preferência num domingo, às 10 da manhã, quando tem missa com canto gregoriano. Fica para a próxima...

    ResponderExcluir