terça-feira, 23 de julho de 2013

O Papa e a Imprensa

Olhares diferentes

Peguei os jornais Folha e o Estadão hoje cedo para ver a cobertura sobre o primeiro dia da visita do papa e fiquei surpreso com a diferença. O Estadão tinha muito mais fotos do que a Folha. Não sei porquê a Folha tratou com certa frieza a visita do papa, enquanto que o Estadão que sempre é um jornal mais sóbrio, tratou com mais qualidade editorial.

Como ainda temos vários dias da visita, creio que seja importante ter mais análises tanto quantitativas como qualitativas. Mesmo já tendo saído matérias sobre a diminuição de católicos no Brasil, creio que haja outros assuntos e outras leituras...

Por exemplo, com o fim do bloco comunista, que se autoproclamava “materialista”, houve um crescimento da religiosidade nos países do Leste Europeu. Ao mesmo tempo, nos países com mais tradição democrática, o catolicismo praticante continua pequeno.

Qual será o papel das religiões no Século XXI?


Se está havendo uma descrença nos partidos políticos e na democracia representativa,
qual será o papel das religiões como representação das pessoas na sociedade organizada?

Já pensaram a hipótese de o Brasil ter um dia uma maioria protestante/evangélica?

Já tivemos experiências com Garotinho e a esposa como governadores do Estado do Rio.
Não foi uma boa experiência, mas já pensaram quando isto acontecer
com a presidência da república?
E se eles tiverem maioria no Congresso Nacional?

São perguntas que, a curto prazo, podem parecer estranhas,
mas, a longo prazo, podem se tornar realidade.

A Imprensa pode ajudar o Brasil a entender melhor a visita do Papa.
E o que poderemos ter pela frente...


Nenhum comentário:

Postar um comentário