quinta-feira, 6 de junho de 2013

Demissões de Jornalistas na Folha

A crise chegou à imprensa

O Jornal Folha de São Paulo também já começou a demitir seus jornalistas.
Antes foi o Estadão, depois a TV Record e agora, também a Folha começou a demitir seus “colaboradores”.

Será que a Imprensa vai dizer que a culpa é do Governo Dilma?
Vejam a materia que saiu no Boletim Informativo “Jornalista & Cia.”.

Cortes chegam à Folha de S.Paulo.

Jornal cria três núcleos de produção

Foram fechadas entre 30 e 40 vagas, não só de jornalistas, nem todas ocupadas. Na reestruturação editorial, jornal cria os núcleos de produção Cultura, Mercado, e Ciência, Saúde e Equilíbrio
Boletim Informativo: Jornalista & Cia. - 06/06/2013.

Economia anêmica – n “O fraco desempenho da economia e seu reflexo na publicidade dos jornais – diz o comunicado da empresa – obrigaram a Folha a fazer ajustes pontuais em suas despesas, com corte de vagas de trabalho e suspensão da cobertura de folga e férias”.

Em linhas gerais, o quadro é o mesmo que levou a empresa a fazer corte semelhante em novembro de 2011.
Com pouco alarde, como é de seu feitio, a Folha de S.Paulo empreendeu nestas 3ª e 4ª.feiras (4 e 5/6) uma mínirreforma editorial e, simultaneamente, um corte de pessoal.

O número de demissões não é preciso, mas J&Cia apurou que ele se situa entre 30 e 40 vagas – jornalistas de outras redações falam em mais de 100 - , número que inclui algumas que estavam abertas
e que não mais serão preenchidas e profissionais de outras áreas da empresa. A reforma diz respeito basicamente ao reagrupamento de alguns dos cadernos do jornal em torno de três novos núcleos de produção, como informou comunicado assinado pelo editor-executivo Sérgio Dávila.

Um deles, o de Cultura, englobará os cadernos Ilustrada e Ilustríssima e será comandado por Heloísa Helvécia, até aqui editora do Caderno Equilíbrio.

Desmentindo rumores de que o Ilustríssima desapareceria e seria absorvido pelo Ilustrada, o comunicado informa que ambos continuarão a existir como hoje. Pelo que este J&Cia apurou, os atuais editores de Ilustrada, Fernanda Mena, e Ilustríssima, Paulo Werneck, foram convidados a permanecer no jornal como repórteres especiais.

O segundo novo núcleo é o de Mercado, que passa a incluir o caderno homônimo e os semanais Folhainvest (2as) e Carreiras, Imóveis e Veículos (domingos), sob a batuta de Ana Estela de Sousa Pinto.

O cargo de editor de Suplementos foi extinto e sua atual titular, Lulie Macedo, às vésperas de sair em licença --maternidade, permanecerá no jornal atuando em projetos especiais.

O terceiro núcleo agrupará as editorias de Ciência, Saúde e Equilíbrio e terá à frente a atual editora de Ciência e Saúde Débora Mismetti. O caderno Equilíbrio deixa de circular às 3as.feiras e passa a ser uma página semanal em Cotidiano no mesmo dia. O cargo de editor, que até aqui era ocupado por Heloísa Helvécia, deixa de existir.

Entre os que deixam o jornal estão o pauteiro de Cidades Guto Gonçalves, o redator do online de Poder Daniel Roncaglia (11-97286-1722 e daniel.roncaglia@gmail.com), além do repórter especial de Esportes Fábio Seixas e da colunista Danuza Leão, ambos do Rio de Janeiro. Da Fotografia saíram Wanezza Soares e o subeditor Sérgio Carvalho.

Também profissionais do Agora São Paulo entraram no corte: saíram Alan de Faria, que fazia a coluna Zapping, e o fotógrafo Almeida Rocha. De Brasília saíram Andreza Matais e Antonio Marcelino da Silva Filho (ver Brasília, na pág. 6)

Nenhum comentário:

Postar um comentário