terça-feira, 14 de maio de 2013

Pão de Açúcar – Tragédia anunciada

O quê importa é dinheiro?

Este é o dilema da humanidade. Toda vez que o dinheiro fica acima de todas as coisas, as pessoas perdem a dignidade. Por isto que existem certas doenças que estão acima das riquezas, das etnias, da escolaridade e do afeto familiar, para mostrar as pessoas que elas não são maiores do que Deus ou a Natureza.

No dia 20 de agosto de 2012 eu publiquei umas fotos das árvores PODADAS do estacionamento do Pão de Açúcar da Praça Panamericana, com o título “O Crepúsculo do Pão de Açúcar”.



Recentemente, como faço toda semana, fui ao mesmo Pão de Açúcar fazer compras e levar o lixo ecológico. Quando desci do carro e olhei para os troncos das árvores podadas, dois estavam com folhas nascendo, mas um deles estava todo bichado e morto.

As feridas abertas da árvore morta do Pão de Açúcar, agora pertencente ao empresário francês.



As árvores no crepúsculo de 2013.



Junto com esta árvore morta, em pé à direita, mas abandonada no estacionamento,
leio a matéria nos jornais informando que a família Klein,
que se aliou com o francês contra Abílio Diniz, agora está pondo à venda suas ações...

Infelizmente, confirma-se o crepúsculo do grande conglomerado econômico do Pão de Açúcar.
O controlador francês não precisa mais de sócios brasileiros,
ele quer apenas funcionários e clientes brasileiros...

Enfim, no Brasil a História tende a se repetir,
tanto como farsa, quanto como tragédia.


Leiam a matéria do Valor de hoje. Vale a pena...

Pão de Açúcar avalia condições para oferta primária de Via Varejo


Valor - Por Adriana Mattos | De São Paulo – 14/05/2013

O Grupo Pão de Açúcar, controlador da Via Varejo, começou a fazer as primeiras análises para definir a viabilidade de uma oferta primária de ações da rede de eletroeletrônico, após a empresa ter sido informada que a família Klein quer vender 16,66% do capital total da Via Varejo numa oferta secundária, conforme antecipou no domingo o Valor Pro, serviço de informações em tempo real do Valor. O GPA precisa determinar, dentro das atuais condições de mercado, qual o perfil mais adequado dessa oferta de recursos para o caixa da Via Varejo - o volume da operação, faixa de preço e a parcela a ser subscrita para evitar diluição do grupo em Via Varejo.

O Valor apurou que o GPA pretende fazer uma oferta primária, de, no mínimo, o exigido no acordo. E ao subscrever as ações, o Pão de Açúcar manterá o controle de Via Varejo. Segundo uma das cláusulas do contrato, uma oferta primária deve ocorrer em paralelo a uma secundária, e numa soma de, no mínimo 10% do capital total da rede - cerca de R$ 700 milhões hoje.

Ontem, o Grupo Pão de Açúcar confirmou que Samuel Klein, Michael Klein e Eva Lea Klein informaram decisão dos sócios para realizar uma oferta pública de 53.781.298 ações de titularidade do Grupo Casas Bahia, representativas de aproximadamente 16% capital social de Via Varejo. O banco Bradesco BBI será o coordenador. Pão de Açúcar tem 30 dias para avaliar a notificação dos Klein.

Cálculos de bancos que já foram feitos ontem estimam valor de mercado da Via Varejo de R$ 8 bilhões a R$ 11 bilhões, ou R$ 24,70 a R$ 34 por ON. Bancos contratados pelos Klein consideram possível patamar de R$ 31 a pouco mais de R$ 37.
Com base nas informações da família Klein ao GPA, no valor de mercado da Via Varejo e nas condições do acordo de acionistas (que inclui colocação de lotes adicional e suplementar), as ofertas públicas de ações secundárias e primárias devem ser de, no mínimo, R$ 3 bilhões. A maior oferta recente de ações no varejo foi feita por Abilio Diniz, sócio de GPA, que se desfez de R$ 2,4 bilhões em preferenciais nos últimos meses.

Essa soma de R$ 3 bilhões considera o piso exigido de primárias pelo acordo de acionistas. Se atingir esse montante, será a maior oferta de ações do setor de varejo no país. São cerca de R$ 1,6 bilhão em uma oferta secundária ao se considerar uma ON em R$ 31 (piso das análises de bancos contratados pelos Klein), mais uma primária de 10% do capital da empresa (entre R$ 700 milhões e R$ 800 milhões), e lotes adicional (20%) e suplementar (15%), que somam R$ 600 milhões.

Análise do Santander calcula que o Pão de Açúcar precisaria investir entre R$ 420 milhões e R$ 600 milhões para evitar ser diluído na oferta primária. O grupo tem 52,4% das ONs de Via Varejo, os Klein, 47%; e 0,6% estão no mercado, nas mãos de fundos de investimento. Essa soma para evitar a diluição pode ser vista como um valor baixo a ser dispensado numa operação que permitirá a saída dos Klein do negócio. GPA e os Klein enfrentaram desgastes recentes - da condução do negócio à falta de acordo na definição de medidas do acordo com o Cade, órgão de defesa da concorrência.

A operação é o primeiro movimento de saída dos Klein da Via Varejo, controladora de Casas Bahia e Ponto Frio - que teria chegado a analisar a hipótese de adquirir o controle da empresa. Esse projeto não avançou - os Klein nunca apresentaram uma oferta formal aos controladores. O Valor apurou que os Klein devem continuar a vender sua participação no mercado no próximo ano. A família pode fazer uma oferta a cada seis meses, segundo o acordo, e a ideia seria fazer vendas em algumas tranches.

Nenhum comentário:

Postar um comentário