domingo, 12 de maio de 2013

Margarete, da CUT Nacional, morreu

Deus resolveu levar Margarete

Tem dia que, se pudéssemos, ninguém morreria. Dia das mães, Natal, Ano Novo, Aniversário, Casamento ou Festa de Formatura. Mas, como diz Bergmann no filme "O sétimo selo", nós nunca sabemos quando vamos.

Assim foi hoje, depois do almoço, num dia das mães, Deus resolveu levar Margarete.
Morreu de repente, provavelmente de coração, deixando marido, filha, parentes,
amigos e colegas de todo o Brasil que se relacionam com a CUT.

Afinal, todos que já trabalharam ou foram dirigentes de alguma instância da CUT Nacional,
desde a fundação da CUT, desde a Rua Ouvidor Peleja, está acostumado a pedir ajuda para Margarete.
Ela sempre foi nossa "faz tudo".

Ainda não sabemos onde vai ser o velório, nem o enterro.
Amanhã informaremos a todos.
Mas nossos sentimentos são todos de solidariedade
à filha, ao marido e a todos os parentes, amigos e colegas.

Todos que recebemos a notícia ainda à tarde,
não conseguimos assistir ao jogo Corinthians e Santos direito.
Só pensávamos em Margarete.

Nesta segunda-feira,
todas as instâncias da CUT estarão de LUTO E SOLIDARIEDADE.


Em todo Brasil, nos 27 Estados que temos CUTs estaduais,
em todos os RAMOS PROFISSIONAIS da CUT,
estaremos rezando e pensando em Margarete.

Construir uma Central Sindical não é apenas para lutar por melhores salários e melhores condições de vida.
É também para ser solidário, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na vida e na morte.

A dor de quem perde uma amiga e colega de trabalho é difícil de ser escrita.

7 comentários:

  1. Chocada, triste, chateada com a morte da " Companheira Margarete ", recebi inúmeras ajudas dela enquanto estive a serviço da CUT e também aprendi muito com a experiência dela, realmente a notícia me abalou profundamente.
    Que Deus a receba em paz e acolha e conforte a sua família.
    Meus sinceros sentimentos a todos os amigos e companheros (as) da CUT. Recebam de coração a minha sincera solidariedade !
    Abraço a todos (as).
    DIONE RODRIGUES DE SOUZA

    ResponderExcluir
  2. Estou muito triste com essa notícia recebida nessa manhã se segunda-feira. Margarete representava a Central Unica dos Trabalhadores, uma pessoa que realmente vestia a camisa. Que Deus acolha na sua LUZ.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Recebi a notícia ontem a noite. Fiquei muito triste, pois trabalhamos por mais de 20 anos juntos. Desde sua entrada na CUT, cuja sede era na Rua Ouvidor Peleja. Margarete era uma mulher de personalidade forte e marcante. CUTista acima de tudo. Colaborou em muitos congressos nacionais e estaduais. Eu, Ademar de Almeida e ela estruturamos o Setor de arrecadação, cuja responsabilidade no dia a dia ficava sob seu comando. Juntos aprendemos e ensinamos muito um ao outro. Era a primeira pessoa que procurava quando ia a sede nacional da CUT. Meus sinceros sentimentos aos familiares e amigos.

      Antonio Rodrigues Gonçalves

      Excluir
  3. a família cutista e, em especial a da Margarete, minha solidariedade.

    a Margarete nossa gratidão,

    abraços e orações confiando a Deus o compromisso de seguirmos contruindo um pais justo e solidário, Sueli Bellato

    ResponderExcluir
  4. Acabei de ler aqui que a Marga morreu. Estou muito triste, porque além de companheira(ça) de trabalho, muitas plenárias, encontros e congressos, também fomos companheiras de muitas risadas durante muitos anos.
    Meus sinceros sentimentos à família.
    Rose - Sind Bancários de São Paulo

    ResponderExcluir
  5. Posso dizer que vivi ao lado da Margareth meus melhores sonhos da pré-adolescência e também da adolescência, vivemos a alegria e os conflitos de jovens na conquista de sua identidade diante de uma sociedade didatorial, vivemos o ingênuo mundo de crianças que brincavam pela ruas no bairro em que morávamos e também em nossas buscas e sedes de conhecimento proporcionado pela descobertas de um novo mundo, desenhados em mapas em papel vegetal com canetas (que seu pai nos dava pq era representante da Pilot) e tinta nanquin, dividíamos sonhos e também comidas, doces, balas,roupas, livros, enfim tudo o que permitia em nosso mundo de fantasias. Apesar do distanciamento físico é com muita dor e tristeza em minh'alma que despeço desta minha melhor amiga de adolescência. Desejando que que ela seja recebida e amparada em outro plano com muita luz e energia positiva de todos os que a amam, e meus sinceros sentimentos a sua família e amigos. Aparecida Sanches.

    ResponderExcluir