sexta-feira, 5 de abril de 2013

Nizan, Itaú, Estadão, Políticos...

A Grande Rede

Ontem eu vi a notícia de que o “Itaú ia as compras...” e que estava comprando 20% do Grupo ABC, de Nizan Guanaes. Salvei a matéria e fiquei tentado a escrever algum comentário no blog. Achei melhor aguardar...

Hoje, ao ler os jornais, na capa do caderno Economia do Estadão,há uma chamada “Aposta em propaganda”, com uma foto grande de Nizan. Na parte interna uma grande matéria que vou reproduzir parte dela para voces.

Assunto delicado.
É como falar de parentes e de pessoas queridas.
No mundo do marketing brasileiro, os três que eu mais gosto são Washington Olivetto, Nizan e Duda Mendonça. João Santana é mais conhecido no marketing político do que empresarial.

Já no mundo dos bancos, é evidente que o Itaú é o banco mais moderno do Brasil, embora tenha muitos problemas.

No Brasil atual, democratizado, polemizado, tendencioso, cheio de manhas e de sutilezas, há uma grande confusão entre o público e o privado, entre o que seja interesses privados e interesses coletivos. Enfim, o Brasil ainda está longe de ser um país moderno e verdadeiramente democrático.

Aparentemente esta compra de 20% do grupo ABC, de Nizan, pelo Itaú, não seria nada de mais.
Mas, todo mundo sabe as relações de Nizan com os tucanos, como sabem que o Itaú gosta tanto dos tucanos que até empresta a “cor laranja do banco” para os tucanos fazerem campanhas eleitorais, e empresta outras coisas mais...

O Itau vai montando uma “Grande REDE”,
vai se transformando num “Big Brother”, de George Orwell,
ficando mais poderoso do que o Estado, ou os governos...

Dizem até que o Itaú já comprou o jornal O Estado de São Paulo
e que é por isto que o pessoal de FHC tem tanto espaço no jornal...

Apesar de tudo isto, Nizan continua brilhante.

Vou pular partes da matéria sobre a compra e a venda e vou destacar partes relevantes sobre a manutenção do Grupo ABC nas mãos dos brasileiros em vez de vendê-lo aos estrangeiros. Aí Nizan ganha nosso apoio. Este negócio de vender tudo do Brasil é uma grande vergonha!

Vejam partes da matéria:

Kinea, do Itaú, compra 20% do grupo ABC, de Nizan Guanaes, por R$ 170 mi


Aporte do fundo de private equity é alternativa do grupo,
que inclui as agências Africa e DM9DDB, à associação com um gigante internacional

04 de abril de 2013 | 22h 14
Naiana Oscar e Fernando Scheller, de O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO - A Kinea, empresa de investimentos do Itaú, comprou 20% do Grupo ABC, do publicitário Nizan Guanaes, por R$ 170 milhões. Com o dinheiro e a consultoria financeira dos executivos do Kinea, o grupo, que hoje é o 18.º maior conglomerado de comunicação do mundo, pretende fazer aquisições e expandir a operação, principalmente no Brasil.

"Os mercados de marketing e publicidade não estão fechados. Ainda existem boas oportunidades no País", diz Guga Valente, presidente do Grupo ABC, que no ano passado faturou R$ 840 milhões. Segundo ele, já existem negociações em andamento e as primeiras aquisições após a entrada do Kinea devem ser anunciadas ainda neste ano. A união do Kinea com o ABC havia sido antecipada nesta quinta-feira à tarde pelo blog da colunista Sonia Racy.

Quando fala em boas oportunidades, Valente se refere a agências independentes e regionais. No fim de 2011, o grupo comprou a agência Morya, com presença em dez Estados brasileiros, principalmente da região Nordeste. É por meio desta agência que o ABC pretende crescer em outros mercados do País. "Aconteceu muita coisa em São Paulo, mas a consolidação regional ainda está por vir", diz Valente.

Outro vetor de expansão, segundo ele, são os serviços de marketing, que não foram alvo dos grandes conglomerados no Brasil. Empresas que trabalham com marketing direto, esportivo ou com eventos estão entre os alvos do ABC. "Podemos contribuir bastante com o grupo neste momento, porque uma de nossas especialidades é fazer aquisições", reforça Cristiano Lauretti, líder do setor de private equity da Kinea.

Essa não é a primeira vez que os fundadores do ABC, Guanaes e Valente, dividem o controle com um fundo de investimentos. O Icatu é sócio da DM9DDB desde 1989. E, até 2012, o Gávea detinha 7% das ações do grupo.

Gestão.
Como é de praxe em seus investimentos, a Kinea terá o direito de indicar um diretor financeiro para o grupo e um conselheiro. Os sócios Nizan Guanaes e Guga Valente continuam à frente do negócio. "Agora, estamos mais envolvidos do que nunca", diz Valente. "Nizan é o grande idealizador, a comunicação continua sendo dele e eu sigo cuidando da manutenção do negócio."

O modelo de negócios do grupo ABC já vinha sendo reestruturado com a ajuda do consultor Vicente Falconi, que também assessora empresas como a Gerdau e a Amil.

Ao se associar a um parceiro financeiro, o ABC optou por um caminho diferente de seus principais concorrentes nacionais, que nos últimos anos se uniram a gigantes internacionais da comunicação.

Em julho de 2012, os franceses da Publicis, que já eram sócios da DPZ e da Talent, assumiram o controle da brasileira NeogamaBBH. Em 2011, a inglesa WPP comprou a F.Biz, e a americana SapientNitro adquiriu a iThink no ano passado.
A venda para o Kinea foi uma tacada de Nizan para evitar uma associação com grupos internacionais – ele foi procurado, entre outros, pelo WPP.

"Nunca nos atraiu a ideia de sociedade com um grupo estrangeiro", diz Valente.

“Quando isso acontece, você abandona seu projeto para virar o projeto dos outros."

Um comentário:

  1. Estadão fecha uma edição e deve demitir até 50 profissionais.

    Gilmar, a coisa tá feia para o pessoal do Estadão, um jornal que você gosta muito.

    Depois de fechar o segundo jornal do grupo, o Jornal da Tarde, agora é a vez do próprio Estadão, que será drasticamente reduzido. Veja a nota interna do grupo Estadão a respeito desse tema de reorganização interna do grupo:

    Confira a nota interna do Estadão republicada pelo sítio Blue Bus:

    Caros, No próximo dia 22, 2a feira, ‘O Estado de S.Paulo’ estréia uma nova configuraçao de cadernos e um novo processo de produçao industrial e logístico.
    O jornal adotará a configuraçao de 3 cadernos mais 1 suplemento. Além disso, termina a distinçao entre as ediçoes BR e SP. O fechamento será único, às 21:30, com trocas programadas no decorrer da rodagem. Os fechamentos de domingo (jornada de sábado) nao se alteram. Também no dia 22, estréia o novo App do Estadao “mobile”, adaptável a qualquer dispositivo móvel”

    “O primeiro caderno terá as editorias Política, Internacional, Metrópole (incluindo os temas da atual Vida) e Esportes. O segundo caderno trará Economia, Negócios e Tecnologia. O Caderno 2 amplia a cobertura de entretenimento e incorpora comportamento digital e literatura”.

    “Na 2a feira, circulará o suplemento Ediçao de Esportes, retomando marca clássica do grupo. Link e Negócios viram seçoes dentro de Economia. Na 3a, o Viagem. Na 4a, Jornal do Carro. Na 5a, o Paladar e os Classificados. Na 6a, o Divirta-se. No sábado, os Classificados ganharao mais espaço editorial. No domingo, também circula a Ediçao de Esportes, o Casa, e o Aliás se amplia com a nova seçao ‘Olhar Estadao’, e circulam os Classificados”.

    “Pesquisas qualitativas e entrevistas em profundidade com diversos setores da sociedade, realizadas nos últimos meses, comprovaram o que vem sendo debatido entre nós desde o Redesenho de 2010: os leitores – em geral, e também os do Estado — querem mais conveniência e eficiência de leitura, mais apostas de ediçao, um jornal mais compacto – principalmente nos dias úteis. Tudo isso sem perder o aprofundamento e o poder de análise que caracterizam o jornalismo do Estado”.

    “Um grupo de trabalho multidisciplinar, capitaneado por Conteúdo e Mercado Leitor e que congregou todas as áreas da empresa, trabalhou durante 6 meses na revisao detalhada de todo o processo produtivo. O objetivo: redesenhar o produto e sua configuraçao física, buscando uma soluçao que atendesse às demandas dos leitores. E acentuando o foco em reportagens exclusivas e abordagens analíticas”.

    “A partir dessa nova configuraçao e do novo fechamento, mais simplificado, revisaram-se os processos de trabalho e a composiçao das equipes, cujas alteraçoes estao sendo divulgadas na data de hoje. Tais providências se inserem na necessária e permanente gestao de recursos, imprescindível para a competitividade da nossa marca e seu lugar no futuro das mídias”.

    “Gostaria de convocar todos os jornalistas para estarem hoje às 15:30 no auditório, para uma explanaçao detalhada de todo o projeto, seus movimentos e agenda para os próximos dias. Falaremos sobre como ficará o jornal em cada dia da semana, que novas seçoes e colunistas teremos, as novidades digitais que vem por aí, além de responder a quaisquer dúvidas”.

    ResponderExcluir