sábado, 23 de março de 2013

Além das Telas e dos Jornais

Cinema Japonês na Liberdade

O Estadão de hoje, no caderno Sabático, tem um ótimo texto de Jorge J. Okubaro, com o título “Para além das telas”, onde o autor faz a resenha do livro “Cinema Japonês na Liberdade”. Eu tentei por vários caminhos baixar o texto para mostrar para voces. Não consegui, mesmo sendo assinante do jornal. O texto sobre a biblioteca Mindlin, na USP, aparece com a maior facilidade, mas este sobre o cinema japonês, eu não consegui.

Estudei e frequentei intensamente à Liberdade, bairro da colônia japonesa em São Paulo, na década de 70. Estudei no Roosevelt e fiz ótimas e saudosas amizades com os japoneses. Tinha um que era do Japão e campeão brasileiro de “Sexagem”. Nunca tinha ouvido falar disto. Aí aprendi que é uma técnica para identificar o sexo dos pintos com apenas um dia de vida.

Frequentamos os cinemas do bairro.
Filmes de todos os tipos, com seus dramas e suas histórias de amor.
Quando entrei na FGV em São Paulo, o cineclube era de primeira qualidade
e lá assistimos várias séries de filmes japoneses.

Vou guardar o caderno Sabático e tentar baixar novamente a matéria sobre o livro.
Se eu consegui eu a mostro para vocês.
Mas, como na resenha o autor cita uma música que ficou muito famosa,
eu a consegui baixar no youtube e mostrar abaixo.

A vida é assim, as telas e os jornais, muitas vezes, já não conseguem ter a agilidade que o computador e a internet propiciam.

Ouçam a música, comprem o livro e pesquisem sobre Jorge Okubaro,
diz o Google que ele é muito bom. Quando eu tiver mais tempo também volto a falar de Okubaro.

Por enquanto, fiquem com Kimito Itsumademo, com letra em japonês e em português.

Kimito Itsumademo


Já ia me esquecendo de contar:
Estou casado com uma japonesa há 34 anos.
E temos uma filha mestiça, muito especial.
Uma das boas coisas que fiz na vida.


3 comentários:

  1. Gilmar, adorei a matéria dedicada a esse povo que tanto admiramos! Sou fã de música enka e aprecio muito os filmes japonesas, que na maioria das vezes, sempre tratam dos costumes e cultura de seu povo!

    Por isso disgo: おめでとう pela matéria!
    Gisele Mancuso

    ResponderExcluir
  2. Interessante você postar isso hoje, sendo que Akira Kurosawa nasceu justamente no dia 23 de março de 1910, e, sem saber disso, eu tinha assistido o filme dele "Kumo no su Jô" (Trono manchado de sangue), que é uma adaptação de Macbeth ao Japão medieval.
    E na semana passada, uma moça ligou pedindo que o Ateneu Musical, nossa orquestra de amadores, tocasse num evento. Fez questão que constasse no programa essa "Kimi to itsumademô", que para os amigos dela é a música mais bonita do nosso repertório.

    ResponderExcluir
  3. Prezado Gilmar

    Como autor do livro, fiquei muito tocado e agradecido pelo teu texto! A ótima resenha de Jorge Okubaro pode ser lida na página da editora Estação Liberdade no Facebook: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=478766905510611&set=a.275619599158677.70773.275591042494866&type=1&theater

    Gostaria também de convidar você e todos os teus leitores para o lançamento do livro que será realizado hoje (terça, 26/3) a partir das 18h30 na Livraria Cultura do Conjunto Nacional (Av. Paulista, 2073).
    Um grande abraço,
    Alexandre Kishimoto

    ResponderExcluir