sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Roberto Setúbal está ficando velho?

Ninguém é velho aos 60 anos

Curiosamente, repercutiu em toda a imprensa que Roberto Setúbal, presidente do Itaú Unibanco, maior banco privado nacional, tinha conseguido “ganhar dois anos mais de trabalho como presidente do banco”. Que ele, em vez de aposentar-se aos sessenta anos, poderá se aposentar aos 62.

Hoje, lendo as notícias sobre a disputa na BRF, fiquei sabendo que na diretoria desta empresa os diretores e presidentes precisam aposentar-se aos 60 anos e deixar os cargos.

As empresas brasileiras estão na contra mão da atualidade. Na década de 70, uma pessoa de 60 anos poderia ser considerada velha. Tanto em função das condições de vida, como em função da medicina.

Na atualidade, temos brilhantes executivos trabalhando até os 80 anos. Quem conhece a história de Roberto Setúbal sabe muito bem que, depois de enorme sucesso como presidente do Itau, desligar-se do banco seria uma grande perda de conhecimento e sabedoria. Roberto é um dos melhores estrategistas empresariais que o Brasil já teve, mesmo tendo dificuldade no relacionamento com os funcionários.

Imaginem se Lula parasse de fazer palestras e visitar as pessoas, pregando a modernização do Brasil? Lula ainda é um jovem líder que pode ensinar muito ao povo brasileiro e à comunidade internacional.

Os humoristas gostam de fazer piada com a “imortalidade de Sarney”. Mas Sarney, com todas suas virtudes e todos os seus defeitos, continua contribuindo para a política brasileira.

E como evitar que “os velhos” errem?

Da mesma forma que devemos proceder com os jovens: atuando coletivamente! Compartilhando ideias, pesquisas, planejamento e gestão.

Eu também estou chegando aos 60 anos de vida e me sinto “na flor da idade”. Nossos pais estão com 89, nossa vizinha portuguesa está com 95 anos e continuo achando que todos continuam contribuindo para construir um mundo melhor.

Por tudo isto, acho que o Itaú Unibanco, assim com todas as empresas e organizações devem alterar seus estatutos e regimentos, deixando claro que o limite para o trabalho é a capacidade e a motivação, não deve ser a idade do profissional.

Quanto ao Roberto Setúbal continuar presidente do Itaú, enquanto ele estiver motivado, o banco continuar crescendo e tendo lucros como agora, só fica faltando melhorar “o moral e o ambiente de trabalho” para os funcionários. Os funcionários já tiveram mais prazer em trabalhar para o Itaú. E os clientes já gostaram mais do banco.Vamos aproveitar a idade e melhorar o relacionamento humano. Nem só de lucro vive o homem...

Vida longa para Roberto Setúbal e para todos os bons velhinhos e velhinhas que querem continuar trabalhando e ajudando o Brasil.

Devemos acabar com as aposentadorias compulsórias...

Nenhum comentário:

Postar um comentário