segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Obama, Victoria Soto e Lúcia Guimarães

Manifesto Contra as Matanças das Crianças

Ninguém conseguiu escrever sobre as matanças das crianças com tanta qualidade e sensibilidade como Lucia Guimarães escreveu hoje no Estadão.

Gostaria muito de ver a Veja e todos que fizeram campanha pela legalidade da venda e uso das armas de fogo comentar esta matéria de Lucia Guimarães. O Estadão, mais uma vez, está de parabéns!

Se eu pudesse, transformaria este texto numa grande campanha internacional. Se o Corinthians hoje é conhecido em todo o mundo, depois da vitória neste domingo, o Estadão, o governo brasileiro, o governo americano e as redes sociais poderiam lançar este Manifesto Mundial Contra as Matanças das Crianças.

Caso não façam isto...

Não adianta chorar


17 de dezembro de 2012 | 2h 09 - Lúcia Guimarães - O Estado de S.Paulo

NOVA YORK - O governo americano não permitiria que nenhuma das 20 crianças executadas por Adam Lanza na sexta-feira, em Connecticut, viajasse num automóvel sem um assento infantil especial.

Se alguma daquelas crianças martirizadas na sala de aula morasse no meu apartamento, eu teria que comunicar ao governo para que o edifício instalasse grades de proteção na janela.

Duas semanas antes de ter seus corpos perfurados pelas balas de uma arma automática que os soldados americanos usam no Afeganistão, as mesmas vítimas tinham sido resguardadas pelo novo Ato de Proteção à Criança, uma lei que dá 20 anos de cadeia para quem for encontrado com material pornográfico envolvendo menores de 12 anos.

Um dos senadores que patrocinou a passagem da lei é o texano John Cornyn. O mesmo republicano que votou a favor da permissão para passageiros levarem armas de fogo na bagagem a bordo de trens e recebeu a nota máxima, "A", da NRA, a National Rifle Association.

Em Washington, 244 dos 435 deputados que ocupam o Congresso aceitaram doações da NRA este ano. Entre os que não receberam dinheiro diretamente do poderoso lobby das armas de fogo,
quantos fariam o que fez Victoria Soto, a professora de 27 anos que escondeu seus alunos num closet? As últimas palavras de Victoria foram dirigidas a Adam Lanza.Ela mentiu sobre a localização das crianças antes de ser executada.

Este mês, 4 Estados americanos contam com a ajuda da NRA para se juntar aos 17 Estados que passaram leis autorizando empregados a levar armas de fogo para o trabalho, desde que elas fiquem guardadas no carro.

Em seguida ao segundo pior massacre por armas de fogo nos Estados Unidos, a mídia americana vasculhou a história da família Lanza para sinais de explicação da tragédia. O divórcio dos pais de Adam foi traumático, disseram. O atirador de 20 anos era extremamente inteligente mas antissocial.

Até a irmã do pai de Adam, falando aos repórteres, se confessou aliviada: "Meus filhos sabem distinguir certo de errado", disse ela, e pontificou sobre a necessidade de criar bem os filhos. Sua cunhada Nancy foi a primeira vítima de Adam, morta com um tiro no rosto. Quando sentava no bar de Newtown para ouvir jazz, Nancy Lanza se orgulhava em falar da coleção de armas que mantinha em casa. Seus amigos dizem que ela levava os filhos para praticar pontaria em clubes de tiro ao norte de Nova York.

O governador de Connecticut disse que não adiantava procurar motivo para a tragédia porque não há uma explicação satisfatória. Como ele se engana. Em 1997 depois do assassinato em massa que fez 35 vítimas na Tasmânia, um governo conservador na Austrália passou uma lei de controle de porte de armas. Não houve outro massacre desde então. No mesmo ano, depois do massacre de 16 crianças na escola primária de Dunblane, na Escócia, o parlamento britânico tornou ilegal a propriedade privada de armas de fogo.

2012 foi um dos anos mais letais na história dos massacres de massa americanos. Assim como aconteceu na tragédia no cinema de Aurora, em julho, quando James Holmes fuzilou 12 pessoas com armas adquiridas legalmente e munição comprada online, o ritual pós-massacre se repete: políticos falam em Deus, família e mandam hastear bandeiras a meio mastro.

Vigílias à luz de velas se multiplicam e a indústria de entretenimento cancela eventos. Platitudes são regurgitadas em incontáveis entrevistas. Psicólogos e sociólogos são convocados para examinar o perfil do assassino de massa - quase sempre um solitário homem branco.

Mas ninguém tem a coragem de Victoria Soto, a professora que morreu protegendo seus alunos. Os mesmos políticos que querem proteger as crianças do casamento gay se opõem à proibição da propriedade particular de armas automáticas.

Na maioria dos Estados americanos, propor o controle da posse de armas de fogo é cometer suicídio eleitoral.

Num mundo em que formador de opinião é quem tem milhões de seguidores no Twitter, não há debate responsável sobre o grave problema americano de saúde pública, sim, saúde pública, a epidemia de armas de fogo.

Os Estados Unidos têm tantos habitantes quanto armas de fogo em circulação - mais de 300 milhões. As crianças americanas de 5 a 14 anos têm 13 vezes mais chances de ser assassinadas por armas do que as crianças de países industrializados.

Nunca vimos Barack Obama chorar.
O presidente apelidado de "no drama Obama" lutou contra as lágrimas quando leu uma mensagem curta depois do massacre de sexta-feira, em que lamentou a inocência perdida das crianças sobreviventes do massacre. Victoria Soto não chorou mas salvou crianças.

Quantas crianças o presidente está disposto a salvar?

Um comentário:

  1. Excelente texto. Todo esforço para combater a violência vale a pena. Uma das formas de fazer isso seria levar os investidores responsáveis a não investir em indústrias de armas. A Previ participa do PRI com o Marcel e poderia levantar esta bandeira.

    ResponderExcluir